Bolsonaro é indiciado por fraude em carteira de vacinação

Receba notícias todo dia no seu e-mail.

Assine agora. É grátis.

A Polícia Federal indiciou nesta terça-feira o ex-presidente Jair Bolsonaro por associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema público, revela Daniela Lima. O caso se refere à falsificação de certificados de vacinação contra a covid-19 para ele, a filha Laura e outras pessoas, a fim de que pudessem entrar nos Estados Unidos. Foram indiciadas outras 16 pessoas, incluindo o tenente-coronel Mauro Cid, que admitiu ter organizado a fraude e, em depoimento, afirmou que a ordem partiu do próprio Bolsonaro. De acordo com a PF, o então ajudante de ordens encaminhou os dados falsos ao ex-major do Exército Ailton Gonçalves Moraes Barros que os repassou a João Carlos de Sousa Brecha, secretário de Governo de Duque de Caxias (RJ), e responsável por inserir as informações no sistema do SUS. Os certificados, relatou Cid, foram impressos no Palácio da Alvorada e entregues em mãos ao ex-presidente. Fabio Wajngarten, advogado de Bolsonaro, classificou o indiciamento como “lamentável” e “absurdo” e disse não ter tido acesso ao inquérito, que vê como “perseguição política e tentativa de esvaziar o enorme capital político que só vem crescendo”. O inquérito da PF vai ser agora analisado pelo Ministério Público, a quem cabe transformar ou não o indiciamento em denúncia. (g1)

PUBLICIDADE

Encontrou algum problema no site? Entre em contato.