Lula questiona autonomia do BC e lamenta manutenção da Selic

Receba notícias todo dia no seu e-mail.

Assine agora. É grátis.

Como já era esperado, o presidente Lula não gostou da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de manter a taxa básica de juros em 10,5% ao ano, interrompendo sete quedas seguidas desde agosto passado. Em entrevista à rádio Verdinha, de Fortaleza, questionou a autonomia do órgão e afirmou que a decisão atendeu a especuladores. “Resolveram entender que era importante alguém que tivesse autonomia. Autonomia de quem? Autonomia de quem para servir? Autonomia para atender [a] quem?”, questionou. O presidente disse que a decisão de quarta-feira atendeu a “especuladores que ganham dinheiro com os juros”. “A decisão do Banco Central foi investir no sistema financeiro, nos especuladores que ganham dinheiro com os juros. E nós queremos investir na produção”, afirmou. “Foi uma pena, porque quem está perdendo com isso é o povo brasileiro. Porque, quanto mais a gente pagar de juros, menos temos dinheiro para investir aqui dentro”, acrescentou. (Folha)

PUBLICIDADE

Já o PT está usando seus canais oficiais de comunicação para defender a saída de Campos, cujo mandato à frente do BC vai até 31 de dezembro. “Roberto Campos Neto não tem independência para continuar exercendo seu cargo de presidente do Banco Central, atua com interesses político-partidários para sabotar o Governo Lula desde o início de 2023, se tornando a esperança bolsonarista derrotada nas urnas e na tentativa de golpe do 8 de janeiro”, afirma o partido no X, WhatsApp e Telegram também divulgaram a mensagem. A legenda fez um abaixo-assinado online a favor da exoneração ou renúncia do presidente da autarquia. (UOL)

E para o lugar de Campos Neto, o diretor de Política Monetária, Gabriel Galípolo, segue firme como favorito, segundo a Coluna do Estadão. Uma ala do PT, no entanto, tem defendido a indicação de André Lara Resende, que ajudou a formular o Plano Real e integrou a equipe de transição. Para auxiliares do presidente, Galípolo não tinha saída a não ser votar pela manutenção da Selic, pois um novo racha no Copom desvalorizaria ainda mais o real frente ao dólar. O voto de Galípolo foi visto como estratégico, inclusive para mostrar sua independência em relação ao governo. (Estadão)

Míriam Leitão: “Nelson Rodrigues dizia que toda unanimidade é burra. Nelson Rodrigues era inteligentíssimo, a frase é ótima, mas não se aplica no caso agora do BC. A unanimidade foi a decisão mais inteligente a ser tomada pelo Copom, nas atuais circunstâncias, porque afastou vários temores. Os cenários estão abertos, mas o principal que aconteceu nessa reunião foi afastar a impressão de que o futuro do BC é um BC leniente com a inflação. Isso foi o mais importante que ficou”. (Globo)

Alex Ribeiro: “A decisão unânime do Copom reconquista parte da credibilidade perdida, mas não resolve por completo todos os problemas em um ambiente de incertezas fiscais e de ataques do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à instituição. A incerteza sobre transição de comando BC está pesando, ainda mais com todos os ataques políticos sobe a instituição. É por isso que parte dos analistas econômicos vem defendendo um anúncio antecipado do sucessor de Campos Neto”. (Valor)

Encontrou algum problema no site? Entre em contato.

Se você já é assinante faça o login aqui.

Fake news são um problema

O Meio é a solução.

Edições exclusivas para assinantes

Todo sábado você recebe uma newsletter com artigos apurados cuidadosamente durante a semana. Política, tecnologia, cultura, comportamento, entre outros temas importantes do momento.


R$15

Mensal

R$150

Anual
(economize 2 meses)
Edição de Sábado: 'O identitarismo promove uma sociedade conflituosa e hostil'
Edição de Sábado: Biden e a sombra de 1968
Edição de Sábado: Descriminalizou, e agora?
Edição de Sábado: Em nome delas
Edição de Sábado: Nova era dos extremos

Meio Político

Toda quarta, um artigo que tenta explicar o inexplicável: a política brasileira e mundial.


R$15

Mensal

R$150

Anual
(economize 2 meses)

Europa Centro-Oriental: Os jovens e a extrema direita

17/07/24 • 11:00

Os partidos de extrema direita da Europa Centro-Oriental estão observando atentamente a mobilização de um segmento inesperado de eleitores: os jovens adultos. Os programas partidários deixam isso evidente. O partido Revival da Bulgária condena o “monstruoso colapso demográfico” do país e propõe “ações direcionadas a fim de criar incentivos para que os jovens búlgaros” lá permaneçam ou retornem ao país em vez de trabalharem no exterior. A Alliance for the Union of Romanians (Aliança para a União dos Romenos) afirma que “a Romênia deve deixar de ser uma grande exportadora de mão de obra barata” e que “seu estatuto garante o acesso de jovens às estruturas de liderança do partido, em todos os níveis, em proporções significativas”. O Homeland Movement da Croácia solicita que o Estado realize uma “revitalização demográfica” oferecendo aos jovens incentivos para que permaneçam na Croácia, tais como subsídios para moradia e programas de benefícios profissionais. A ala jovem do Estonian Conservative People’s Party (Partido Popular Conservador da Estônia — EKRE), conhecida como Blue Awakening (Despertar Azul), é responsável por apresentar aos jovens valores nacionalistas e uma visão de mundo conservadora, oferecendo-lhes a oportunidade de serem socialmente ativos e influenciarem a política do Estado estoniano, expandindo seus horizontes em questões sociais e proporcionando aos membros a possibilidade de criarem laços de amizade com pessoas de opiniões semelhantes. O Our Homeland Movement (MHM) da Hungria detalha um programa de um novo despertar “no qual os jovens não sonham com o trabalho e a vida no exterior”. A preocupação da extrema direita com o iminente colapso demográfico intensificou os esforços para conquistar o coração e a mente dos jovens eleitores.

Sala secreta do #MesaDoMeio

Participe via chat dos nossos debates ao vivo.


R$15

Mensal

R$150

Anual
(economize 2 meses)

Outras vantagens!

  • Entrega prioritária – sua newsletter chega nos primeiros minutos da manhã.
  • Descontos nos cursos e na Loja do Meio

R$15

Mensal

R$150

Anual
(economize 2 meses)