Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





28 de maio de 2019
Consultar edições passadas

Bolsonaro põe pressão sobre Maia, Alcolumbre e Toffoli


Tomam café da manhã hoje, no Palácio da Alvorada, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, e do Supremo, Dias Toffoli. Os três atenderam ao convite de Jair Bolsonaro, que deseja aproveitar aquilo que considera um bom momento após as manifestações em seu favor para estabelecer um Pacto entre os três poderes. O texto que o Planalto já tem pronto inclui apoio conjunto às reformas da Previdência e tributária, revisão do pacto federativo, desburocratização e melhorias na política de segurança pública. (Folha)

Só que... Os três presidentes chegarão ao Palácio cientes de que Bolsonaro não saiu fortalecido das manifestações. “As manifestações mostram que Bolsonaro tem apoiadores, mas não é um mito de popularidade com capacidade de constranger o Congresso”, avaliou o cientista político Carlos Melo. “Como não houve mobilização massiva, não foi criado capital político novo para o presidente”, afirma Antônio Lavareda. (BBC)

Correndo por fora, a Câmara pretende aprovar uma emenda à Constituição que permita ao governo, quando chega a uma situação de estourar as contas, que reduza a jornada de trabalho do funcionalismo e, até, possa demitir. (Globo)

José Casado: “A fila de desempregados aumentou para 13,4 milhões. A perspectiva de recuperação se esvaneceu. No Brasil de Bolsonaro, economistas já disputam adjetivos — estagnação ou depressão. O presidente se entretém na caça a fantasmas do sepultado comunismo, estimulando sectarismo e manifestações de apoio ao governo. Em cinco meses, da sua caneta saiu apenas uma iniciativa para imediata criação de empregos — na produção de armas. O IBGE já constatou declínio em dez dos 15 estados com base industrial — ou seja, em dois terços dos núcleos urbanos mais ricos, onde a vida depende dos empregos e dos salários mais qualificados.” (Globo)

O Banco Central anuncia, amanhã, um pacote de medidas que promete simplificar o câmbio no Brasil. “A abertura comercial não vai ter sucesso se não tivermos uma regulamentação mais simples”, afirmou. “Pequenas remessas, por exemplo, custam mais do que em outros países.” (Poder 360)

O juiz Bruno Savino, da 3ª vara da Justiça Federal, em Juiz de Fora, determinou que Adélio Bispo de Oliveira é inimputável. O homem, que durante a campanha eleitoral esfaqueou o presidente Jair Bolsonaro, tem Transtorno Delirante Persistente, segundo os psiquiatras que o avaliaram. Adélio será internado em um manicômbio judiciário. (G1)

Quarenta presos foram encontrados mortos, ontem, dentro de cadeias em Manaus; elas ocorrem depois de outros 15 morrerem no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, no último domingo. Presos começaram a matar colegas de cela por asfixia conforme notaram a presença de policiais dentro das celas tentando transferir possíveis vítimas, disse o secretário de Administração Penitenciária do Amazonas. O Ministério da Justiça informou que vai enviar integrantes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária.

O Vaticano divulgou fotos e um vídeo do encontro entre o papa Francisco e o líder indígena brasileiro, cacique Raoni. É a primeira agenda oficial da Igreja Católica sobre questões ambientais, com foco na região Panamazônica. Raoni  iniciou em 12 de maio uma excursão de três semanas pela Europa, onde foi recebido por chefes de Estado, como o presidente Emmanuel Macron (França).

Ontem atribuímos a Vinicius Mota uma análise das manifestações de domingo na verdade escrita por seu colega de Folha, Igor Gielow. Pela troca de nomes, lamentamos muitíssimo com ambos, e com os leitores. (Em tempo, as observações de Vinicius sobre as manifestações também valem ser lidas.)


Uma disputa pelo comando do Parlamento Europeu colocará frente a frente o presidente francês Emmanuel Macron e a premiê alemã Angela Merkel. Como ocorre em cada país, também há partidos europeus. Atualmente, o maior deles é o Partido do Povo Europeu, de centro-direita, cuja maior bancada é representada pela CDU alemã. De Merkel. Segundo a tradição, o maior partido indica o presidente do Parlamento. Hoje, é Jean-Claude Juncker, de Luxemburgo. Ocorre que o PPE, embora siga tendo a maior bancada, despencou de 221 para 180 cadeiras. Assim como o Socialistas & Democratas, de centro-esquerda, caiu de 191 para 145 cadeiras. Os Verdes, movidos por vitórias na Alemanha e Reino Unido, saltaram de 50 para 69. E os Liberais Democratas, de 67 para 109. A este último afilia-se o La République en Marche de Macron. O francês quer que a maior coalizão indique quem manda no Parlamento — e abriu conversa com os Verdes. Merkel deseja manter a tradição. Correndo por fora está o fortalecimento do Europa de Nações e Liberdade, da ultradireita nacionalista. Os parlamentares eleitos pelo Partido Brexit britânico e pelo húngaro Fidesz, do premiê Viktor Orban, podem se juntar a este partido, criando uma nova força. (Guardian)

Dasa

HealthTech


Burnout, a síndrome do mundo digital que vem afetando, principalmente, os jovens da geração Millennial, foi oficialmente reconhecida pela Organização Mundial da Saúde. “É uma síndrome que resulta de estresse crônico no trabalho que não foi tratado.” Conforme o digital entra na vida, horário do trabalho é toda hora, o nove às cinco virou ficção, e para muitos a bomba explode em algum momento. Para quem entrou no mercado de trabalho faz pouco tempo, e não conheceu a rotina pré-digital, é pior.

A Particle 3D, uma startup dinamarquesa, quer imprimir osso. E já tem um protótipo funcional — usa fosfato de cálcio, o mineral que serve de base para nosso esqueleto. Hoje, alguém que precise, por exemplo, implantar uma mandíbula nova termina com próteses que mudam seu rosto. As células dentro dos ossos produzidos pela impressora, testados em ratos e porcos, começam a gerar tutano e ser irrigadas por vasos sanguíneos, como ocorre com a versão natural. E seguem o desenho exato do osso perdido. Este é um dos mercados específicos de health tech que apenas começa a ser explorado: o da impressão com material orgânico — ou bioimpressão. A estimativa é de que, em 2024, já valha US$ 2,2 bilhões.

Não é a mesma coisa — mas faz diferença grande na vida. Já há alguns laboratórios no Brasil que aproveitam as imagens capturadas pelo ultrassom, delas geram um modelo 3D dos fetos, que permitem impressão para os pais ansiosos. O modelo 3D também facilita em alguns diagnósticos. (Alguns dos laboratórios que fornecem o serviço pertencem à Dasa, patrocinadora cá desta editoria.)

Cultura


A morte de Gabriel Diniz, ontem, na queda de um avião de pequeno porte no sul de Sergipe, comoveu o Brasil. GD, como era conhecido, transitava com facilidade entre o forró e o sertanejo, e já era um ídolo no Nordeste quando gravou Jenifer, hit que o deixou conhecido em todo o país. Sua música é um exemplo da mistura, que não é urbana e nem rural, longe de rótulos, que há alguns anos vem transformando o pop brasileiro. Nas redes sociais, artistas ressaltaram o carisma e, sobretudo, o bom humor do colega. No Instagram, o humorista Tom Cavalcante publicou um trecho do programa Altas Horas, onde o cantor fala carinhosamente de suas origens - nascido em Campo Grande (MS), mas criado em João Pessoa (PB) - para explicar a leveza de seu trabalho.

O acidente: Depois de ter feito um show em Feira de Santana (BA), Gabriel fretou uma avião para surpreender, em Maceió (AL), a namorada que aniversariou ontem. Segundo informações da Anac, a aeronave não tinha autorização para fazer táxi aéreo; o processo de investigação já foi iniciado. Em fevereiro de 2019, o jornalista Ricardo Boechat também morreu em um acidente em um helicóptero que não tinha autorização para fazer táxi aéreo. Na ocasião, o engenheiro aeronáutico Shailon Ian, CEO da consultoria Vinci Aeronautica, comentou que o transporte irregular de passageiros é “um dos maiores problemas enfrentados na aviação hoje”. Além de Gabriel, foram identificados os corpos de Linaldo Xavier e Abraão Farias, pilotos e diretores do Aeroclube de Alagoas.

O pianista, flautista e maestro Francisco Mignone ganhou um álbum duplo com 27 peças reunidas. Chico Bororó – Um jovem Bororó foi lançado no formato de CD e em edição digital e traz gravações inéditas do compositor brasileiro de música erudita criadas entre os anos 1910 e 1930.

E as doze músicas novas que você precisa ouvir, segundo os críticos do The New York Times. Destaque para Gotta Get To Know Ya, do Seratones, uma banda de rock de Shreveport.

Viver


A Copa do Mundo feminina acontece na França a partir do dia 7 de junho e será transmitida no Brasil pela primeira vez por duas emissoras na televisão aberta. É um grande avanço, ainda mais se olharmos para um passado não muito distante. Instaurado em abril de 1941, o Decreto-Lei nº. 3199 proibia as mulheres de praticarem esportes considerados ‘violentos à natureza feminina’, alegando que podiam causar infertilidade, danificar o equilíbrio psicológico e sugerindo que era uma maneira das mulheres se exibirem. Este é apenas um dos capítulos da nossa História narrados, a partir de hoje, em Contra-Ataque! As mulheres do futebol, exposição em cartaz no Museu do Futebol, em São Paulo.

Por falar… conheça Aline Reis, a goleira da seleção brasileira. Ela tem mestrado na Universidade Central da Flórida, é politizada, feminista e não tem medo de dar voz ao que acredita. A jogadora que defenderá o Brasil tem boas passagens pelo futebol norte-americano e pelo Tenerife, seu atual clube na Espanha. Mas muita gente foca apenas em uma coisa nas entrevistas: na altura. "É a primeira vez que vou falar isso: o único lugar do mundo em que ficam perguntando sobre minha altura é o Brasil”, desabafou. “Eu acho que tenho feito um trabalho excelente em desenvolver as outras qualidades de um goleiro: agilidade, impulsão, técnica. Eu me dedico muito para ser sempre melhor em todas as coisas que realmente posso controlar”. A seleção brasileira estreia no dia 9 de junho contra a Jamaica.


Quem são os CEOs com a melhor reputação no momento? A lista divulgada pelo Reputation Institute, consultoria que avalia gestão de grandes empresas, traz surpresas. Na primeira posição, está Ben Van Beurden, CEO da Royal Dutch Shell. Em se tratando de reputação, o setor de energia está entre os ‘mais problemáticos’, mas desde que assumiu o comando, em 2014, Van Beurden vem prioritariamente reescrevendo esta narrativa, explica a Forbes. “Seu estilo de liderança diz que ele não é apenas um CEO ético, mas tem empatia e o desejo de tornar o mundo um lugar melhor para se viver”. Fabrizio Freda, CEO da Estée Lauder Cos, também está na lista. Já Sundar Pichai, CEO do Google que liderava a lista ano passado, ficou de fora dessa vez.

Batizado de Nuuly, um serviço mensal de aluguel de roupas promete revolucionar o mercado da moda sustentável nos EUA. A assinatura mensal custará US$ 88, cerca de R$ 350, e os clientes poderão pegar até seis peças emprestadas durante trinta dias. A iniciativa é da empresa URBN, detentora das marcas Anthropologie, Free People e Urban Outfitters.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




28 de maio de 2019
Consultar edições passadas