Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





5 de junho de 2019
Consultar edições passadas

Bolsonaro quer Código de Trânsito menos rígido


O presidente Jair Bolsonaro tratou o projeto com o mesmo empenho de quando apresentou a reforma da Previdência: foi pessoalmente ao Congresso entregar ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o projeto de lei que altera o Código de Trânsito brasileiro. Bolsonaro o acha rigoroso demais. Ele aumenta de 20 para 40 pontos o número que levaria à suspensão da habilitação. Estende, também, a necessidade de renovação de 5 para 10 anos. No ponto mais polêmico, retira a exigência de cadeirinha para crianças com mais de 7,5 anos. Hoje, cadeirinha ou assento de elevação são obrigatórios até os 10 e sua infração é considerada gravíssima. O presidente também quer tirar a exigência de exame toxicológico para motoristas profissionais — categorias C, D e E. O projeto do Planalto também concede ao Contran a obrigação de especificar que bicicletas motorizadas e veículos equivalentes estão dispensados de emplacamento. Hoje, a lei é ambígua a respeito. (AutoEsporte)

A reação, no Ministério Público do Trabalho, foi de choque. Paulo Douglas, um dos autores da Lei do Descanso dos Caminhoneiros, afirmou ao Painel que o texto é um retrocesso imenso e será contestado na Justiça. Se aprovado. (Folha)

Dos 12 milhões de caminhoneiros, 2,2 milhões deixaram de renovar a habilitação por conta do exame toxicológico. Seus veículos representam apenas 4% da frota nacional. Porém estão envolvidos em 55% dos acidentes com morte. O uso de drogas para mantê-los acordados é praxe. (Veja)

Diga-se... Bolsonaro foi entrevistado novamente pelo apresentador Ratinho, do SBT. “Está claro que isso é uma indústria da multa, alguém está levando isso aí”, ele declarou. “Não é difícil pegar três multas graves.” Para o presidente, 40 pontos é pouco para caminhoneiros e taxistas. Bolsonaro também afirmou que não conta, ainda, com votos o suficiente para aprovar a reforma da Previdência. (Poder 360)

O STJ recebeu um parecer do Ministério Público Federal afirmando que o ex-presidente Lula já cumpriu tempo suficiente de pena para progredir para o regime semiaberto. Caso os ministros aceitem o argumento, Lula pode voltar para casa e trabalhar durante o dia, embora tenha de estar em casa durante as noites e fins de semana. O julgamento ainda não foi marcado. Se Lula for condenado em segunda instância no caso do sítio, porém, volta ao regime fechado. Ele está preso há um ano e 16 dias. (G1)

Então... O relator iniciou a análise do processo de Atibaia no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. (Folha)

A Câmara Municipal do Rio abrirá sessão, hoje, para ouvir depoimento do prefeito Marcelo Crivella no caso que pode levar a seu impeachment. Crivella já afirmou que não irá. Os três vereadores na comissão especial estão convencidos de que a Prefeitura celebrou contratos ilegais de publicidade, mas ainda não têm claro se o prefeito se envolveu diretamente na decisão. O relatório final, encaminhando ou não pelo impeachment, sairá até o dia 24. No dia 27, caso 34 ou mais vereadores se manifestem assim, Crivella será afastado. (Globo)

O vereador Carlos Bolsonaro não estará. Foi internado, ontem, por ‘ataque crônico de cálculo renal’. (Poder 360)

Para seguir: A CNN Brasil já tem Twitter.


Os representantes da Casa Branca tiveram, ontem, uma dura conversa com os senadores republicanos. “Quero que você leve uma mensagem”, afirmou Ted Cruz, do Texas. “Você não ouviu um único sim.” Os parlamentares, que são do partido do presidente Donald Trump, se ergueram contra o projeto de elevar tarifas de importação do México como punição pela imigração ilegal. O presidente do FED, Banco Central americano, também se manifestou. Jerome Powell alertou para um possível corte dos juros básicos da economia caso a guerra tarifária tocada pelo presidente comece a ter impacto na economia. (New York Times)

Cultura


A nova temporada de Black Mirror estreia hoje na Netflix e a capital paulista será o pano de fundo de uma das três histórias. Quem quiser ver a metrópole brasileira na série, conhecida por seus diversos retratos distópicos do século 21, deve ficar atento ao último episódio.

O viaduto Santa Ifigênia, as avenidas das Nações Unidas e Chucri Zaidan, o heliponto do edifício Copan e o edifício Louvre — ambos marcos arquitetônicos do centro - estão na lista dos lugares que receberam as filmagens. Importante dizer que São Paulo não será necessariamente mencionada. Para além das especulações, fica a pergunta: estaria a capital paulista se abrindo cada vez mais a novas produções internacionais? Sobre a série, uma atmosfera mais otimista em relação ao futuro deve marcar a nova temporada (trailer).

Virada de mesa. No Rio de Janeiro, os presidentes das escolas de samba do Grupo Especial decidiram manter a Imperatriz Leopoldinense, penúltima colocada este ano, na elite do carnaval carioca.

Repercussão: a direção da Liga entregou o cargo, enquanto a Beija-Flor cancelou festa de lançamento do enredo 2020 no domingo. O carnavalesco da Vila Isabel, Edson Pereira, diz que decisão pode afastar parceiros e patrocinadores. A Viradouro, vice-campeã do carnaval 2019, reafirmou em suas redes sociais "posicionamento contrário à quebra do regulamento". Com racha na Liesa, escolas que votaram contra recurso já discutem a possibilidade de um grupo independente. (O Globo).

No dia 12 de junho, a primeira guitarra de George Harrison, comprada aos 17, vai a leilão. A estimativa é de que um colecionador arremate a Futurama por algo em torno de 200 mil e 300 mil libras (entre R$ 1,14 milhão e R$ 1,71 milhão).

Por falar em guitarra e George Harrison, vale ver a performance de While My Guitar Gently Weeps no espetáculo LOVE, do Cirque du Soleil.

O quinto episódio de Indiana Jones será filmado no ano que vem. Harrison Ford está confirmado. A dupla Lawrence Kasdan, no roteiro, e Steven Spielberg, na direção está para ser confirmada.

Aliás... Spielberg andou cogitando a possibilidade de a série continuar ainda por anos, talvez com uma mulher no papel principal.

Viver


Dos 55 mortos nos recentes massacres dentro de presídios de Manaus, 22 eram presos provisórios e ainda aguardavam julgamento, segundo a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap). Nesse grupo estavam detentos presos entre setembro de 2018 e 23 de maio – dias antes da primeira chacina; um deles estava preso há quatro dias. O número corresponde a 40% do total de vítimas dos confrontos dos dias 26 e 27 de maio, em quatro diferentes presídios de Manaus. Dos 25 detentos executados, 15 aguardavam julgamento.A lista atualizada foi repassada ao G1 pela Seap.

A Capes anunciou o bloqueio de mais 2.724 bolsas de pós-graduação no país. Somadas com as outras 3.474 bolsas já bloqueadas, em maio, o corte atinge neste ano 6,9% das bolsas de pesquisa financiadas. O órgão, ligado ao MEC (Ministério da Educação), diz que o bloqueio é necessário em função do contingenciamento de recursos da pasta. Seis ex-ministros da Educação divulgaram ontem um manifesto em que afirmam que os bloqueios aplicados na área da educação pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) podem ter efeitos "irreversíveis" e "até fatais".

Uma estrela a mais na camisa e o tetracampeonato não bastam para as 23 americanas da seleção feminina de futebol. Elas chegam à Copa do Mundo, que começa nesta sexta-feira, como favoritas ao título. Herdeiras da luta de outras gerações por equidade entre homens e mulheres no esporte dos EUA, as jogadoras defendem direitos iguais e espaço para as mulheres nos estádios. “A mudança que temos visto não é suficiente”, anunciou a estrela e meia Megan Rapinoe. “Para os recursos e capacidade que sinto que a Fifa tem para implementar essa mudança, eu não acho que estejam fazendo o bastante”.

A Fifa aumentou o prêmio de US$ 15 milhões em 2015 para US$ 30 milhões neste ano, o que ainda não passa nem perto da verba de US$ 400 milhões para a Copa do Mundo masculina. E não é apenas o dinheiro, disse, mas é preciso deixar de reproduzir apenas o que é feito no campeonato masculino.

Galeria: a Terra vista de cima em 24 imagens capturadas por astronautas em órbita.

Cotidiano Digital


A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, lançou no Twitter um post singelo. “A era da autorregulamentação acabou.” Pelosi foi vítima de um vídeo falso, distribuído pelas redes, na última semana. Ela também representa o 12º Distrito da Califórnia, que inclui San Francisco e portanto inúmeras das grandes companhias do Vale — caso do Twitter. “Poder econômico concentrado nas mãos de poucos é perigoso para a democracia, principalmente quando as plataformas digitais controlam o conteúdo.” O Departamento de Justiça e a Comissão Federal de Comércio já estão iniciando uma investigação antitruste. A Câmara vai se juntar ao esforço, abrindo sua própria investigação.

No caso da Amazon, há queixas tanto de vendedores quanto de grupos de proteção ao consumidor. O principal argumento é de que, dado seu tamanho, impede a entrada de concorrentes no mercado. Com o Google a investigação se concentrará no negócio da publicidade digital assim como no de buscas. Com o Facebook, a questão é do controle sobre a maior parte das redes sociais. Mas todas as empresas têm um argumento forte em seu favor: é difícil afirmar que o consumidor está pagando mais, como exigiria um processo tradicional de antitruste. (New York Times)

Aliás... Circula no Senado americano um projeto de lei para proibir as chamadas loot boxes. São itens para comprar dentro de videogames gratuitos, que enganam crianças com frequência. O mercado dos games também passará a ser examinado.

Diga-se... Não só lá. O deputado Alexandre Leite, do DEM, protocolou ontem a CPMI do Cyberbullying. Tem 276 assinaturas na Câmara e 48, no Senado, bem mais do que o necessário. “Requeremos a instituição de Comissão Parlamentar Mista de Inquérito”, escreveu, “para investigar os ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e o debate público; a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições 2018; a prática de cyberbullying sobre os usuários mais vulneráveis da rede de computadores; bem como sobre agentes públicos, e o aliciamento e orientação de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.”

Desde ontem, militantes da direita fazem campanha para levar a hashtag #CensuraDoCentrao, em protesto, aos trending topics do Twitter.

Cada cidade no Brasil regula a ocupação do solo e muitas das regulações dificultam a implantação de antenas para celular. O CEO da TIM, Pietro Labriola, afirmou que a dificuldade em resolver a questão pode atrasar a implantação das redes 5G. “O país que tem que entender que é necessário”, afirmou em coletiva. “Para ter infraestrutura temos que ter capacidade de instalar antenas e construir fibra. Se não conseguirmos resolver, como aconteceu com o 4G, o 5G não vai existir porque a quantidade de small cells que teremos de ativar será maior. É uma oportunidade que o Brasil está perdendo.”





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




5 de junho de 2019
Consultar edições passadas