Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


6 de setembro de 2019
Consultar edições passadas

Histórias para ouvir

Novo PGR levanta militantes bolsonaristas contra presidente


Augusto Aras, de 60 anos, foi indicado ontem pelo presidente Jair Bolsonaro para substituir Raquel Dodge no cargo de Procurador-Geral da República. O mandato é de dois anos. Aras não fazia parte da lista tríplice, aqueles escolhidos pela categoria dentre os quais, tradicionalmente, se pinça o PGR. Mas ele foi o primeiro, quando ficou clara a insatisfação de Bolsonaro com os nomes da lista, a se apresentar candidato correndo por fora. “O MPF, quando se submete ao princípio da maioria através de eleições internas, atrai para seu âmbito os vícios naturais da política partidária”, afirmou em abril à Folha. Numa segunda entrevista, concedida já em agosto, já encaixava seu discurso ao estilo governista. “O Supremo, dando uma interpretação conforme a Constituição, estendeu a entidade familiar às uniões homoafetivas”, disse. “Isso encontra em mim um repúdio natural.” O presidente, porém, hesitou em nomeá-lo quando militantes levantaram, pelas redes sociais, momentos nos quais se aproximou da esquerda. “A esperança precisa vencer o medo, porque o medo está nos conduzindo a renunciar a todos os direitos sociais que conquistamos”, falou em 2016, citando o slogan de campanha do ex-presidente Lula. Aras prometeu indicar como seus lugares-tenentes nomes conservadores. (Folha)

Seu trabalho será, pelo menos inicialmente, muito difícil. Os nomes de maior expressão no Ministério Público prometem não ocupar cargos indicados pelo novo chefe. É um protesto por ele não estar entre os escolhidos da lista tríplice. Dentre os derrotados com a indicação está o ministro Sérgio Moro, que havia prometido defender os três listados perante o presidente. (Buzzfeed)

Não são apenas procuradores que se irritaram. O MBL pescou, no Twitter, manifestações de influenciadores bolsonaristas. Há consenso, entre eles, de que Aras é de esquerda. “Petista?”, se pergunta um, “infernizaram Deltan por isso?” (MBL News)

Pois é... Em sua já tradicional live das quintas-feiras, Bolsonaro teve de enfrentar a fúria de seus seguidores com a indicação de Aras. “Peço a vocês”, ele disse, “no Facebook, você fez um comentário pesado, retira, dá uma chance para mim.” O presidente reclamou de estar sendo “esculhambado” nas redes. “Devo lealdade ao povo, mas não a lealdade cega.” (Globo)

Bolsonaro vetou, ontem, 36 pontos dos 19 artigos da Lei de Abuso de Autoridade. Entre eles estão o parágrafo que tornava crime decretar prisão fora das hipóteses previstas lei, ou o uso de algemas no momento da prisão. Tendo agradado autoridades policiais, procuradores, juízes e o ministro Sergio Moro, enfrentará oposição no Congresso. Veja quais pontos. (Globo)

O ex-assessor Fabrício Queiroz, que demitiu em 6 de dezembro de 2018 a ex-mulher de um miliciano que trabalhava para o então deputado estadual Flávio Bolsonaro, se comunicou com ela por WhatsApp. Na mensagem, Queiroz explicou que estava a desligando porque ele e Flávio eram alvo de uma investigação. Ele queria evitar dar aparência de uma relação entre o filho Zero Um e as milícias. O aparelho celular de Danielle Mendonça da Nóbrega, ex-mulher de Adriano Magalhães da Nóbrega — chefe de milícia na Zona Oeste do Rio — está com um grupo de investigadores do Ministério Público local. Danielle se queixou com Queiroz, afirmando que o dinheiro lhe fazia falta. Pediu ajuda. O ex-assessor afirmou que não devia continuar a conversa pelo telefone. (Globo)

Cagômetro. É o nome de um site levado ao ar por opositores do governo que se tornou popular, ontem, nas redes.


O premiê britânico Boris Johnson fez ontem um confuso discurso de defesa do Brexit enquanto anunciava a chegada às ruas britânicas de mais vinte mil policiais. Dando aparência em certos momentos de desorientação, BoJo afirmou que prefere “me ver morto num buraco” do que deixar a União Europeia depois de 31 de outubro. Os jornalistas presentes cobraram dele uma explicação por seu irmão caçula, o deputado Jo Johnson, que renunciou ao cargo também ontem por discordar de sua política. “Ele é um cara fantástico”, afirmou o premiê, “e o Brexit divide famílias.” O Sindicato dos Policiais se queixou de Johnson fazer um discurso político tendo policiais enfileirados atrás. O Comissário de West Yorkshire, responsável pela segurança na região, exigiu que o primeiro-ministro pedisse desculpas pelo uso político da força. Johnson está sofrendo críticas de todos os lados do espectro político. (Guardian)

No Meio de Sábado: A crise do Brexit está chegando a seu clímax. Mas, afinal, qual será realmente seu impacto no Reino Unido, na Europa e no mundo? O Brexit já mudou como disputas eleitorais são travadas. Agora, pode mudar muito a economia mundial. É a história que contaremos. Os assinantes premium recebem. E, ora, sai pelo preço dum chope. Assine.

Robert Mugabe, que quando deposto em 2017 era o mais velho chefe de Estado do mundo, morreu esta madrugada. Eleito primeiro-ministro do Zimbabwe após um longo, confuso e sangrento processo de independência da antiga Rodésia do Sul, colônia britânica que passou 15 anos em ebulição, ele se manteve no poder por 37 anos. Neste período, sua imagem externa mudou de libertador revolucionário para a de déspota caricatural. Enquanto o Banco Central de seu país imprimia notas de trilhão e a tortura de opositores corria solta nos porões, sua família fazia compras luxuosas no exterior. Mugabe foi derrubado por um Golpe militar quando já dava indícios de senilidade. Tendo o apoiado até ali, o Exército não queria que o velho ditador indicasse como herdeira política sua jovem mulher. Ele vinha se tratando, em Cingapura, de uma doença não divulgada. Mugabe estava com 95 anos. (New York Times)


Ministro do Défcit na Educação

Tony de Marco

 
Weintraub

Cultura


Em São Paulo, no sábado e no domingo, o Coala Festival ocupa o Memorial da América Latina com shows de Baiana System, Ney Matogrosso, Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, Djonga e mais. Veja todo o line-up. Está em cartaz no Teatro Municipal a ópera p r i s m, premiado trabalho da compositora Ellen Reid com a libretista Roxie Perkins. Começa hoje no Estúdio Bixiga o festival Imprô, voltado para a música experimental e improvisada. 19 pinturas e um caderno de desenhos compõem a exposição A Forma dos Restos, que Eduardo Berliner apresenta na Casa Triângulo. Hoje e amanhã tem Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz no Sesc Guarulhos. A Pharmacia Cultural Fundação Stickel exibe 66 desenhos da série Retratos eriçados, de Maciej Babinski. Hoje e amanhã, Luiza Lian apresenta show Azul Moderno com participação de Tim Bernardes no Sesc Bom Retiro. Hoje também tem Jonnata Doll e os Garotos Solventes no Sesc Pompeia. Os rappers Rodrigo Ogi e nILL fazem dobradinha hoje na Casa Natura.

No Rio, formado por membros da Nação Zumbi, o grupo Los Sebosos Postizos toca canções de Bob Marley no Circo Voador hoje. Na mesma noite, tem show da banda Eddie. Nesta sexta, o Cinefoot - Festival de Cinema de Futebol completa 10 anos e começa sessões no CCBB. A banda Blues Etílicos lança o EP 3000 amanhã no Manouche. No domingo, a pianista Simone Leitão apresenta obras do romantismo alemão com um quarteto de cordas na Sala Cecília Meireles. Escrito por Sérgio Roveri, Um Beijo em Franz Kafka cumpre temporada no Teatro Petra Gold. A noite de hoje na Audio Rebel tem show de Marcelo Callado, Juliano Gauche e Tatá Aeroplano. Para mais dicas culturais, assine a newsletter da Bravo!

Nos cinemas... Misturando documentário e ficção, O Corpo É Nosso! apresenta um olhar histórico a respeito da liberação do corpo da mulher brasileira. A trama é conduzida por um jornalista que produz uma série de reportagens sobre feminicídio. Em meio ao trabalho, ele começa a refletir sobre seu próprio comportamento (trailer). Após 27 anos dos eventos, o grupo de amigos da pequena cidade americana de Derry se reúne, agora adulto, em It - Capítulo 2. Ao chegar no local, porém, eles percebem que Pennywise, entidade maligna que assume a forma de um palhaço, voltou para aterrorizá-los. Adaptação da obra de Stephen King. (trailer). Em A Tabacaria, uma co-produção Alemanha/Áustria, conta a história um jovem que pede conselhos amorosos a Sigmund Freud, um de seus clientes durante a ocupação nazista na Áustria. (trailer)

Viver


Enquanto isso... na Bienal do Rio, o prefeito Marcelo Crivella "mandou" censurar exemplares do gibi Vingadores - A Cruzada das Crianças, expostos no evento. Veja o vídeo. O gibi traz imagens de dois rapazes se beijando. A organização da Bienal afirmou que não irá recolher nem embalar nenhum livro, pois o conteúdo não é impróprio e nem pornográfico. Em nota, disse que “dá voz a todos os públicos, sem distinção, como uma democracia deve ser. Este é um festival plural, onde todos são bem-vindos e estão representados. Inclusive, no próximo fim de semana, a Bienal do Livro terá dois painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+”.

Medida provisória que institui pensão especial vitalícia para crianças com microcefalia decorrente do vírus zika, nascidas entre 2015 e o ano passado, foi assinada por Jair Bolsonaro. O valor da pensão é de um salário mínimo. No total, 3,1 mil crianças se enquadram.

Por falar em Zika vírus... estudo da UFRJ publicado ontem na Nature Communication – um dos principais veículos de divulgação científica do mundo — indica que o vírus é capaz de infectar tecidos cerebrais adultos. Antes, acreditava-se que a doença afetava somente as chamadas células progenitoras ou neurônios ainda imaturos, como ocorre no cérebro dos fetos. A descoberta dos cientistas brasileiros esclarece casos de complicações neurológicas em adultos infectados durante o surto da doença, em 2015. Outra descoberta do estudo é que um medicamento anti-inflamatório, hoje usado para o tratamento da artrite reumatoide, pode reduzir os prejuízos neurológicos causados pelo vírus. (G1)

E o Ministério do Meio Ambiente cortará de serviços de faxina a aluguel de prédio. Em entrevista ao Estado, o ministro Ricardo Salles, afirmou que, apesar dos cortes, não haverá nenhum impacto nas ações de fiscalização e combate a incêndios.

Cotidiano Digital


O YouTube está promovendo uma mudança radical na forma como lida com conteúdo infantil. Vídeos para crianças não terão mais comentários, tampouco publicidade dirigida — aquela em que os anunciantes escolhem o perfil demográfico para quem apresentam propaganda. Anúncios selecionados pelo algoritmo do site por contexto do conteúdo continuarão sendo exibidos. YouTubers como Felipe Neto estão debatendo a mudança nas redes. Canais populares como Pepa, Galinha Pintadinha e Turma da Mônica estão entre os principais atingidos.

Um dado grave: os setores da indústria brasileira que mais trabalham com tecnologia são os que estão encolhendo mais. A conclusão é de um estudo apresentado ontem pela Fiesp. Entre 2009 e 2017, a indústria de transformação reduziu sua fatia no PIB de 15,3% para 12,2%. O percentual caiu para 11,3% em 2018 — um nível visto pela última vez nos anos 1950. Neste período, porém, a indústria de baixa intensidade tecnológica cresceu acima do PIB. Os segmentos de média intensidade diminuíram 1,1 ponto percentual e, os de alta, encolheram 2,2 pontos percentuais. Enquanto isso, o setor da tecnologia puxa o crescimento ao redor do mundo. (Folha)

Facebook e Microsoft se juntaram para lançar o que chamam Desafio para Detecção de Deepfakes. As companhias contrataram uma empresa que está filmando atores em situações diversas. Seus rostos depois serão substituídos por outros usando inteligência artificial — os chamados deepfakes. Quem quiser participar do desafio terá acesso a este banco de dados com os filmes modificados. Ganha quem for capaz de criar um programa que detecte se o rosto num vídeo foi substituído. Os programadores terão pleno direito aos softwares que desenvolverem. O objetivo do desafio é acelerar a criação de mecanismos para identificar as falsificações.

O Google liberou para uso de qualquer um, seu software de privacidade diferencial. Com o aumento da atenção pública para a questão dos dados pessoais, empresas que lidam com estes bancos estão na mira. Privacidade diferencial é um mecanismo que modifica bancos de dados, embaralhando certas informações de forma a impedir que indivíduos sejam identificados. Os dados que precisam ser explorados continuam lá, mas passam a ser anônimos.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




6 de setembro de 2019
Consultar edições passadas