Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





7 de outubro de 2019
Consultar edições passadas

Laranjal mineiro pode ter beneficiado Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro se beneficiou do esquema de candidaturas laranjas comandado pelo seu ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, em Minas Gerais. De acordo com uma planilha obtida pelos jornalistas Camila Mattoso e Ranier Bragon, o dinheiro serviu ao pagamento de peças publicitárias para a campanha presidencial. Como a legislação obriga os partidos a destinarem 30% da verba a candidaturas de mulheres, Álvaro Antônio teria posto na legenda candidatas que sequer fizeram campanha. O dinheiro do fundo eleitoral que entrava para elas era desviado para outros usos, no PSL mineiro. Bolsonaro não só negou como partiu para cima. “A Folha avançou todos os limites, transformou-se num panfleto ordinário às causas canalhas”, disse. “Com mentiras, já habituais, conseguiram descer às profundezas do esgoto.” (Folha)

Pois é... Surpreendeu muita gente, inclusive entre procuradores que atuaram na força-tarefa da Lava Jato, a reação do ministro da Justiça Sergio Moro. O ex-juiz partiu para a defesa do presidente sem piscar. “Nem a PF e nem o Ministério Público viram algo contra o presidente no inquérito”, ele afirmou. Por correr em sigilo, Moro não deveria ter acesso a qualquer informação, lembra o Painel. Se antes parecia reticente no apoio ao governo, começou a demonstrar sinais de lealdade cobrados pela família presidencial. O ministro talvez tenha falado cedo demais. A PF estuda abrir novo inquérito baseado nos indícios. (Folha)

Conforme aumenta a pressão sobre o ministro da Economia, Paulo Guedes, por conta dos poucos resultados, o presidente Jair Bolsonaro deu entrevista ao Estadão reiterando sua confiança. “Não tem plano B”, ele afirmou, “é 100% Guedes.” Segundo o presidente, ele passa para o ministro os anseios da população. “Não posso estar na rua, mas pego nas mídias sociais. Printo muitas vezes e passo para os ministros, e o ministro dá uma satisfação.” (Estadão)

José Eduardo Agualusa, escritor angolano: “O clima que vemos no Brasil hoje é assustadoramente semelhante à situação que existia nos nossos países no início da guerra civil. A primeira coisa que uma guerra civil faz é dividir as famílias e acabar com o diálogo. O mais difícil é reestabelecer a conversa entre os que discordam, mas é urgente que o Brasil faça isso. Não é possível gerir um país somente dinamitando pontes e construindo muros. Por isso acho que Bolsonaro está a destruir as hipóteses de a direita vir a ser um poder real, efetivo e duradouro.” (Folha)

Brian Winter, editor da America’s Quarterly: “Me parece que este momento agressivo, cego à realidade, polarizado pelo qual passa a política ocidental só termina com uma crise global — uma guerra, epidemia, recessão — algo que nos force a reaprender a importância de fatos, civilidade e multilateralismo.” (Twitter)


O premiê português António Costa ampliou sua base no Parlamento, durante as eleições de ontem, e seu Partido Socialista tem agora 106 cadeiras. São necessárias 116 para formar maioria. Costa vinha governando com uma extensa coalizão apelidada pejorativamente de Geringonça, mas que caiu no apreço popular. Isto muda — precisando de apenas dez cadeiras para atingir maioria absoluta, os socialistas terão espaço para negociar com as legendas à sua esquerda. (El País)

Veja: os resultados finais das eleições. (Público)

Comece o dia com todo gás

Comece o dia com todo gás


Ouvir música no trabalho tem impacto positivo na produtividade, de acordo com 78% dos entrevistados de um levantamento da Cloud Cover Music, empresa americana de streaming. Mas, afinal, há um estilo ideal para ouvir no trabalho? Especialistas afirmam que a música instrumental – dos mais variados tipos, do jazz ao chorinho, passando pela clássica– é uma boa candidata.

Jazz para concentrar. Uma playlist.

Quanto mais afeto você projeta pelos outros, mais eles confiarão e serão produtivos para você. Ou seja, intimidar não é um bom negócio. A boa notícia é que dá pra mudar. O Inc dá algumas dicas para quem lidera equipes de trabalho. Felicite-os por suas realizações. Pergunte como pode ajudar. Admita momentos em que você falhou para que vejam que você é humano. Use linguagem corporal aberta e mantenha um bom contato visual. Seja um aluno contínuo ao longo da vida, o que mostra que você acha que não sabe tudo. E expresse gratidão.

O que os pilotos podem nos ensinar sobre gerenciamento de atenção? Muita coisa. Grande parte do treinamento ministrado a novos pilotos não se refere às habilidades físicas, mas aos aspectos psicológicos para operar um sistema dinâmico e complexo. Pilotar exige muita concentração, principalmente porque é uma atividade multitarefa: pilotar o avião (ou gerenciar o piloto automático), se comunicar no rádio, trabalhar com controle de tráfego aéreo, gerenciar passageiros, ler e interpretar o clima, navegar para um waypoint e uma dúzia de outras coisas. Portanto, uma das principais habilidades que um piloto precisa desenvolver é a capacidade de prestar atenção a muitos sistemas diferentes ao mesmo tempo - e mais importante, gerenciar essa atenção. Uma coisa que os pilotos aprendem cedo: a atenção é um recurso limitado. Pense em sua atenção como dinheiro em uma conta bancária. Você começa o dia com US$ 100 e, ao longo dele, gasta esse dinheiro. Quando seu equilíbrio é baixo, sua capacidade de manter a consciência situacional e tomar decisões inteligentes é prejudicada. Atividades regulares de vôo não são o que normalmente causam problemas aos pilotos. Eles tem noção de quanto tempo podem voar antes de perder o foco. A boa notícia é que é possível aplicar essas regras ao seu próprio setor e realidade. E aqui estão alguns exemplos para começar.

Viver


Enquanto o Meio fechava, o Prêmio Nobel de Medicina foi anunciado para um trio de cientistas que descreveu o mecanismo molecular que regula a atividade dos genes em uma célula de acordo com a quantidade de oxigênio. A compreensão permitirá o avanço de estratégias de tratamento de câncer e anemia. Os ganhadores foram William G. Kaelin, da Escola de Medicina de Harvard, Peter J. Ratcliffe, de Oxford, e Gregg L. Semenza, da Universidade Johns Hopkins. Amanhã será entregue o Nobel de Física e, na quarta, o de Química. Também serão entregues nesta semana os prêmios de Literatura, na quinta  e da Paz, na sexta. (Folha)

O Ministério da Saúde inicia hoje a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. Serão cinco fases de campanha, uma para cada faixa etária da população. A primeira fase será focada na população mais vulnerável e, em 2020, o público entre 50 e 59 anos também será vacinado.

Dúvidas? Perguntas comuns sobre o sarampo e respostas apresentadas por especialistas.

Fichamentos, mapas mentais, dicas de professores: 20 perfis do Instagram que podem ajudar na hora da revisão para o Enem.

10 experiências do Airbnb envolvendo animais de estimação. Tem até ioga com gatinhos.


A colombiana Tatiana Calderón, 26 anos, é a primeira mulher com chances reais de competir na Fórmula 1 em 43 anos. Hoje Tatiana é a piloto de testes da equipe Alfa Romeo de Fórmula 1 e compete pela BWT Arden no campeonato de Fórmula 2 da FIA. A última mulher a competir no pináculo do automobilismo foi a italiana Leila Lombardi, e a primeira foi a italiana Maria Teresa Filippis.

Cultura


Após cancelamentos de espetáculos, seminário e festival de cinema em equipamentos federais, como unidades da Caixa Cultural e do CCBB do Rio de Janeiro, o presidente Jair Bolsonaro afirmou no sábado que o veto a obras culturais não é "censura", mas uma medida para "preservar os valores cristãos". O presidente afirmou que serão feitas mudanças na área da cultura, citando a Funarte e a Ancine, mas sem detalhar quais as alterações.

O Museu do Louvre deve anunciar sua decisão de introduzir visitas com horário marcado até o final de 2019, sob o argumento de que a logística "permite um melhor fluxo de visitantes e também uma visita mais confortável". A reação foi uma resposta ao crítico de arte francês, Didier Rykner, que chamou de "pandemônio" as enormes filas que se formaram para ver a Mona Lisa no último verão. O museu tornou obrigatória a reserva on-line para a já antecipada exposição de Leonardo da Vinci (24 de outubro a 24 de fevereiro de 2020), com ingressos programados ao preço de 17 € e incluindo a entrada na coleção permanente. Ingressos separados para exposições especiais foram descartados em 2015.

E conheça a história de poetas analfabetos do sertão que foram parar sem querer no YouTube e viraram sucesso na internet. É o caso de Leonardo Bastião, que faz poesia inspirado no que vê no seu sítio, no sertão de Pernambuco. "A sombra que me acompanha/ Não é a que me socorre/ Se eu andar, ela anda/ Se eu correr, ela corre/ E é mais feliz do que eu/ Não adoece nem morre". (BBC)

O Moulin Rouge, o cabaré francês famoso por seus dançarinos de cancan e trajes de penas de avestruz, completa 130 anos desde que abriu suas portas ao público. Fotos da Reuters.

Cotidiano Digital


O PayPal tomou a decisão de se retirar da Associação Libra, formada pelo Facebook para criar a moeda virtual do mesmo nome. A ideia de que a maior rede social pudesse criar uma moeda que pessoas pudessem transacionar online, para além de fronteiras, sem passar por qualquer banco central, gerou alerta em locais importantes como o EUA, Reino Unido e União Europeia. Inicialmente, o grupo reunido pela companhia de Mark Zuckerberg incluía 28 membros, entre eles Visa e Mastercard, Uber e MercadoPago, entre outras. Mas dois pontos preocupam o PayPal, maior plataforma de pagamentos do mundo. O primeiro é a falta de um plano claro para evitar que a nova moeda seja usada para lavagem de dinheiro. E, em segundo, a percepção, por seus executivos, de que o Facebook não está dando a atenção devida à conversa com os reguladores.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




7 de outubro de 2019
Consultar edições passadas