Saiba as narrativas falsas mais populares e quem está por trás delas

Nessa Curadoria abordamos a disseminação de fake news e seus impactos. Desde uma notícia falsa sobre a sabotagem de bombas em Porto Alegre até a morte de Chomsky, desmentida pela esposa. Pesquisadores da UFRJ, que combatem a desinformação, foram atacados por influenciadores de extrema direita. Como a desinformação é usada para ganhar dinheiro, reforçar crenças e criar polarização?

Relator quer regulamentar planos de saúde coletivos para evitar ‘reajustes abusivos’

O deputado Duarte Jr. (PSB-MA), relator do projeto que prevê nova regulamentação para planos de saúde, defende mudanças na fórmula de reajuste de planos coletivos, que atendem cerca de 85% das pessoas na rede privada de saúde e sofrem com aumentos exorbitantes das empresas do setor. Enquanto nos seguros individuais e familiares o último reajuste acordado com a Agência Nacional de Saúde (ANS) foi de 6,9%, nos coletivos – que não são regulados pela ANS – os valores subiram até 25%. O principal foco da nova lei, diz o relator, é garantir os direitos deste grupo. Uma das mudanças previstas por ele é a criação de uma fórmula de cálculo que contemple todos os contratos das seguradoras, para que os planos mantenham a margem de lucro sem praticar "reajustes abusivos". Advogados da área do direito médico vêem problemas na proposta, pois seria necessário calcular uma média sobre empresas com realidades muito distintas - muitas não têm empregados, somente sócios e dependentes. Especialistas defendem reajustes com base em um limite inflacionário. As operadoras tiveram R$ 3,1 bilhões de lucro líquido no primeiro trimestre deste ano, puxado pelos aumentos de dois dígitos dos planos coletivos. (Globo)

Diariamente, 26 meninas com menos de 14 anos dão à luz no Brasil

A cada dia no Brasil, 26 meninas com menos de 14 anos, legalmente ainda crianças, tornam-se mães. Segundo estudo publicado na revista Ciência e Saúde Coletiva, 75% delas são negras e 60,6% vivem nas regiões Norte e Nordeste. Por serem tão novas, têm mais chances de parto prematuro e de dar luz a bebês com baixo peso e com mais riscos de morte após o nascimento. Segundo a lei brasileira, relações sexuais com menores de 14 anos qualificada crime de estupro de vulnerável, independentemente da idade do agressor ou do tipo de relacionamento entre eles. Entretanto, 20% dessas meninas-mães se declaram casadas ou me uma relação estável, e 5% já tiveram uma gestação anterior. De acordo com o Atlas da Violência 2024, essa faixa etária é a mais suscetível a sofrer abusos sexuais. (Folha)

Pressão de pais retira livro antirracista de Ziraldo de escolas

Julgamento no STF de posse de maconha tem bate-boca e nova divergência

Com o placar perto da maioria para descriminalizar a posse da droga para uso pessoal, Dias Toffoli lançou uma nova interpretação que pode adiar a conclusão do julgamento. Enquanto isso, o presidente da Corte, Luís Roberto Barroso, discutiu com o ministro André Mendonça, que acusou o tribunal de “passar por cima do legislador”. Ressabiado com a repercussão negativa do PL antiaborto, Arthur Lira decide botar o pé no freio em projetos polêmicos na Câmara. Tik Tok chama de “demagogia política” lei dos EUA que pode bani-lo. E um depoimento exclusivo relembra o primeiro show de um então desconhecido Francisco Buarque de Hollanda.

Após pressão contra PL do Aborto, Lira não deve pautar projetos ‘polêmicos’

No programa de hoje, a celeridade dada à tramitação do projeto de lei do deputado Sóstenes Cavalcante, (PL-RJ), fez com que o presidente da Casa baixa afrouxasse a corda no Parlamento. Segundo a Folha, Lira disse a interlocutores que vai frear projetos polêmicos nas próximas semanas. Com esse movimento do alagoano, pautas como a proibição de delação premiada a pessoas presas e a anistia a partidos políticos por mau uso da verba partidária devem ficar em suspenso.

Toffoli abre nova divergência em voto sobre descriminalização do porte de maconha

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), abriu uma nova divergência no julgamento sobre a descriminalização do porte de maconha para uso pessoal. Em seu voto, nesta quinta-feira, ele avaliou que o artigo 28 da Lei Antidrogas é constitucional e pediu que o Congresso Nacional e Poder Executivo construam uma política nesse sentido. O magistrado também disse haver omissão do Estado para tratar do tema. “Há omissão dos órgãos reguladores em enfrentar esses problemas, que acabam se tornando litígio. Afinal, estamos julgando aqui um caso concreto de um cidadão que foi pego com 3g de maconha”, defendeu. Até o momento, foram 5 votos favoráveis à descriminalização do porte, 3 pela criminalização e o novo entendimento trazido por Toffoli, de que o porte não seja tornado crime, mas sim, passível de medidas alternativas, como advertência, tratamento e previsão de medidas socioeducativas. Após o voto, o julgamento foi interrompido e deve ser retomado na próxima terça-feira, quando deve haver a busca por um consenso sobre o tema ou novo pedido de vista. (Metrópoles)

Mais de 1 mil pessoas morrem em onda de calor durante peregrinação a Meca

O calor extremo que atinge a Arábia Saudita já matou mais de 1 mil visitantes de Meca, a cidade sagrada dos muçulmanos, até esta quinta-feira. No total, 1.081 pessoas de cerca de dez países morreram desde o início da peregrinação, sendo que 630 delas estavam irregulares no país. A peregrinação a Meca é um dos cinco pilares do islã, levando milhares de fiéis à região, mesmo aqueles que não têm condições de pagar pelas autorizações oficiais para entrar no país. A data mais uma vez coincide com o início do verão no Hemisfério Norte, que tem registrado seguidas ondas de calor nesta época do ano. O centro meteorológico nacional relatou uma máxima de 51,8ºC na Grande Mesquita de Meca nesta semana. (Guardian)

Quantos abortos eu já fiz?

Há gente com dúvidas honestas e que tenta entender por que gente como eu levanta a bandeira do aborto legal. Mas a maioria das perguntas é passivo-agressiva. Selecionei as piores perguntas que chegaram na última semana sobre a discussão do PL 1.904, que ganhou a alcunha de PL do Estupro.

Após crítica de Lula ao Copom, dólar fecha a R$ 5,462, maior cotação no atual governo

Apesar de ter iniciado o dia em baixa, como reação à decisão do Copom de manter a Selic em 10,5% ao ano, o dólar virou para o campo positivo e fechou com alta de 0,38%, a R$ 5,462, maior valor desde os R$ 5,498 de 22 de julho de 2022. Assim, a cotação é a maior registrada no atual governo Lula. E é uma resposta à entrevista do presidente a uma rádio do Ceará em que questionou a autonomia do Banco Central e criticou o fim do ciclo de corte dos juros. Já o Ibovespa encerrou a sessão pós-Copom com ganho de 0,15%, aos 120.445,91 pontos, emendando a terceira alta seguida. Em Nova York, os três principais índices oscilaram muito e fecharam com resultado misto. Dow Jones avançou 0,74%, enquanto S&P 500 recuou 0,25% e Nasdaq caiu 0,75%. (InfoMoney)