Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet
26 de janeiro de 2017
Consultar edições passadas

26 de janeiro de 2017

Trump quer seu muro

Se havia dúvidas de que as promessas feitas em campanha por Donald Trump eram literais ou metafóricas, não mais. O novo presidente americano assinou ontem uma ordem autorizando a construção de um muro para separar os EUA do México. Estima-se um custo entre US$ 8 e US$ 10 bilhões, que os EUA pagariam inicialmente e que, de acordo com a Casa Branca, depois seriam reembolsados. O presidente mexicano Henrique Peña Nieto nega que tenha planos de financiar a obra.
 
Um muro já existe em boa parte da fronteira com o Novo México e Arizona. De resto, é um desafio de engenharia ou política. Não é possível murar o rio Grande, que separa os dois países por quase dois mil quilômetros – quase dois terços da fronteira. Neste trecho, o muro teria de ser mais afastado, cortando propriedades particulares. Em outros trechos da fronteira, o território é indígena e as leis americanas proíbem o governo federal de intervir sem autorização dos comandos tribais.

Trump definiu, também, que todos aqueles que ultrapassarem a fronteira sem documentos deverão ser imediatamente presos. Atualmente, pelo menos metade dos detidos são ou famílias, ou menores de idade. A ordem do presidente determina ainda que todo imigrante ilegal que tenha sido julgado e condenado, que seja réu ou mesmo que seja apenas acusado de um crime, pode ser deportado imediatamente.

Refugiados sírios serão proibidos de entrar nos EUA. Ao menos, é assim que está no momento o rascunho de outra ordem, que vazou para a imprensa. Asilo para outros refugiados será suspenso por 120 dias. Toda imigração de Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen, suspensa por 30 dias até que novas regras sejam estabelecidas. Trump criticou países europeus por receber refugiados vindos do Oriente Médio.

A nova fase da Operação Calicute, a mesma que levou à prisão o ex-governador fluminense Sérgio Cabral, saiu às ruas pela manhã, durante o fechamento desta edição do Meio. Seu principal objetivo era a prisão do empresário Eike Batista. Ontem, US$ 63 milhões do ex-bilionário foram congelados em contas das Ilhas Cayman.

As delações de executivos da Odebrecht não envolvem apenas políticos. Sergio Andrade, principal acionista da empreiteira Andrade Gutierrez, e Luiz Nascimento, da Camargo Corrêa, também aparecem envolvidos em práticas criminosas. (Folha)

Há pelo menos 15 nomes em avaliação pelo Planalto para substituir o ministro Teori Zavascki, no STF. Um dos candidatos fortes, o presidente do TST Ives Gandra Filho, ligado à Opus Dei, vem sendo pesadamente criticado por posições ultra-conservadoras. (Globo)

O desastroso uso de Photoshop no recorte do rosto da fotografia oficial do presidente Michel Temer virou piada nas redes.

A ex-primeira dama Marisa Letícia está em coma induzido enquanto os médicos avaliam a extensão do AVC que sofreu, na terça-feira.

Cultura

Aquarius é indicado ao César, o Oscar da França. O longa concorre como melhor filme estrangeiro e disputa com títulos como Eu, Daniel Blake e Manchester à Beira-Mar. Outros dois filmes brasileiros foram selecionados para o Festival de Berlim. (Folha)

Ministério da Cultura deve anunciar mudanças na Lei Rouanet ainda neste mês. Segundo o ministro Roberto Freire, discute-se a “limitação em termos de valor e de participação, não permitindo a cartelização”. Sem detalhes, ele propõe a “democratização” da lei para atender projetos fora do Sudeste, que atualmente concentra os investimentos.

Em protesto contra Trump, o artista Christo desiste de um de seus mais ambiciosos projetos, o de cobrir um rio dos Estados Unidos com quilômetros de tecido. Conhecido por obras do tipo, Christo diz ter gasto US$ 15 milhões de seu bolso para a obra de arte pública. Mas agora se recusa a negociar com o dono das terras, o governo federal — trocando em miúdos, Donald Trump.

Van Gogh não pode se tornar um clichê da cultura pop. A defesa é do crítico de arte do Guardian, que se opõe ao filme Loving Vincent, animação que tenta imitar o estilo do pintor. O crítico aponta falhas no roteiro, que inclui um caso de amor — algo que, diz ele, nunca existiu. Trata-se de “um insulto de mau gosto” à obra de Van Gogh.

Aliás, Loving Vincent já tem trailer que vem rodando a internet. O filme parte de mais de 62 mil pinturas, animadas frame a frame.

Viver

O repórter e cadeirante Jairo Marques faz defesa de João Doria, que andou pela cidade de cadeira de rodas – depois de se vestir de gari e de “ajudar” a apagar grafites pela cidade. “Tenho de discordar de muitos que espinafraram e desaprovaram o prefeito”, escreveu. “E eu quero é mais! Quero que Doria use a cadeira de rodas para pegar ônibus coletivo, às 18h de uma sexta, saindo da zona sul rumo à zona leste.” (Folha)

O que acontece no cérebro quando a vida “passa” diante de nossos olhos? Um estudo recém-publicado se dedica ao assunto – e prova que, de fato “revemos” a vida em momentos decisivos. Mas não há nada de místico no acontecimento. Não se trata de uma resposta do cérebro a uma ameaça de morte, mas apenas de uma versão super concentrada de um processo mental que, basicamente, acontece todos os dias.  

A maioria dos pratos que conhecemos é legado de guerras. Soldados invasores de outros países ajudaram a espalhar alimentos e temperos pelo mundo. Nos quartéis japoneses, as comidas eram testadas, aprovadas e, depois, migravam para a rotina civil. Foi assim com o curry, que só entrou na culinária japonesa no século XIX – e pelo império britânico, não via Índia.

Os 165 anos de anúncios de casamentos no New York Times. Veja o especial, que traz desde o primeiro anúncio, em 1851, e outras histórias.

O Brasil venceu a Colômbia por 1 a 0, em jogo amistoso de arrecadação de fundos para a Chapecoense. A Seleção comandada por Tite segue invicta.

Cotidiano Digital

Brasileiro é novo chefe de realidade virtual no Facebook. Um dos pais do Android, Hugo Barra deixou a chinesa Xiaomi na segunda e migrou para o Vale do Silício, para ocupar o novo cargo.  

Em nome da nostalgia: fãs de videogame podem gastar pequenas fortunas por modelos antigos— sobretudo o japonês Neo Geo, lançado em 1991 e, claro, fora de linha. Um usuário nostálgico da Tailândia chegou a gastar US$ 200 mil em jogos do extinto game.

Órgãos impressos estarão disponíveis para transplantes em breve. Orelhas e até ovários já foram impressos e ‘instalados’ em animais e, segundo a Economist, empresas estão formando equipes de cientistas para lidar com a tecnologia das bioimpressões e iniciar transplantes em humanos. A L’Oréal, por exemplo, já imprime cinco metros quadrados de pele humana por ano.

Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet



Consultar edições passadas