Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


17 de janeiro de 2020
Consultar edições passadas

Secretário de Cultura evoca Goebbels e pede arte ‘heróica’


O secretário de Cultura Roberto Alvim publicou nas redes, ontem, um vídeo no qual descreve as diretrizes da política para as artes no Brasil em sua gestão. Com no fundo tocando um trecho de Lohengrin, uma ópera do compositor Richard Wagner, e uma cruz dupla à mesa, Alvim anunciou um Prêmio Nacional de Artes. “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional”, ele afirmou. “Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada.” O discurso emula o usado por Joseph Goebbels, ministro da propaganda do Terceiro Reich — “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”, afirmou nos anos 1930 o alemão. (Folha)

Assista ao vídeo completo. (Twitter)

Então... O escritor Olavo de Carvalho foi um dos que se manifestou sobre o discurso. “É cedo para julgar, mas o Roberto Alvim talvez não esteja muito bem da cabeça”, comentou. (Facebook)

Pois é... Goebbels virou trending topics no Twitter.

O programa de incentivo à cultura se volta para valores conservadores. Serão investidos R$ 20 milhões do Fundo Nacional de Cultura para editais com aportes diretos do governo. Em suas sete categorias, o Prêmio Nacional de Cultura vai selecionar cinco óperas, 25 espetáculos teatrais, 25 exposições individuais de pintura e 25 de escultura, 25 contos inéditos, 25 CDs musicais originais e 15 propostas de histórias em quadrinhos. (Folha)

Meio em Vídeo: O Brasil já esteve polarizado antes, e já cultivou líderes autoritários. Mas agora é diferente — e há motivos para otimismo. Assista.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que Fabio Wajngarten fica no cargo. O presidente criticou a Folha de S. Paulo por reportar que uma empresa da qual o chefe da Secom tem 95% da sociedade mantém contratos com emissoras de televisão e agências de publicidade que atendem o governo. “Se for ilegal, a gente vê lá na frente. O que eu vi até agora, está tudo legal com o Fabio”, disse. Bolsonaro teve reunião às pressas com Wajngarten para que apresentasse documentos relativos à sua empresa. A ordem agora é esperar a apuração dos fatos. O caso será analisado pela Comissão de Ética Pública da Presidência no próximo dia 28. (Folha)

Pois é… Wajngarten tem dito a interlocutores, segundo Bela Megale, que Bolsonaro já sabia dos contratos. (Globo)

Desde que assumiu o cargo, Wanjngarten teve pelo menos 67 encontros com representantes de clientes e ex-clientes de sua empresa — entre eles nomes ligados às emissoras e afiliadas da TV Record, SBT, Band e Rede TV!. Cerca de 20 viagens foram custeadas com dinheiro público. (Folha)

Enquanto isso... Carlos Bolsonaro já estaria articulando nos bastidores o sucessor de Wajngarten. Desde o final do ano passado, Zero Dois critica a atuação do secretário de Comunicação. Carlos estaria querendo emplacar o blogueiro Allan dos Santos. Pelas redes sociais e pelo seu site Terça Livre, o influenciador defende as medidas do governo e teria bom relacionamento com a militância. (Crusoé)

A reforma administrativa será apresentada em fases que devem ser implementadas até o fim de 2022. A primeira virá como uma PEC que deve ser enviada ao Congresso no próximo mês. O texto deixa de fora pautas consideradas polêmicas, como mudanças de salários de servidores, desligamentos e os processos de avaliação de desempenho e progressão de carreira. Essas alterações virão mais para frente por meio de projetos de lei, que só valerão para os novos servidores. (Folha)

24 contas no WhatsApp foram responsáveis por disparos de mensagens em massa durante a campanha eleitoral de 2018. O UOL teve acesso aos documentos da CPMI das Fake News. Seis números telefônicos são do Brasil e 18 do exterior. No entanto, todos as mensagens foram disparadas daqui. (UOL)

Os parlamentares da CPMI devem contar com a ajuda da PF para identificar os responsáveis por estas contas e endereços de IP. A possível quebra de sigilo terá que esperar a volta do Congresso.

Pois é… em 2018, diversas agências de campanhas políticas utilizaram serviços de disparo em massa. Entre elas estavam as de Fernando Haddad, Jair Bolsonaro, Henrique Meirelles e João Doria. Para a CPMI, a deputada Joice Hasselmann afirmou que Eduardo Bolsonaro continua usando a estratégia através de esquema de milícias virtuais.

Fonte do Itamaraty disse que o governo de Donald Trump emitiu algumas sinalizações importantes para o Brasil, como apoio a uma eventual candidatura a parceiro global da Otan, fim do embargo à carne bovina in natura ainda este ano e avanço nas negociações para um acordo bilateral de livre comércio. O motivo: encerrar as críticas de que o alinhamento entre Brasília e Washington não beneficia o lado brasileiro. (O Globo)

Enquanto isso… para acelerar o ingresso na OCDE, o governo vai criar uma secretaria especial. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, coordenará a nova secretaria que terá como função preparar o Brasil para os 254 instrumentos legais exigidos. (Valor)

Para o ex-presidente Lula, o PT perdeu a eleição porque não teve coragem de ir para a rua. Em entrevista a jornalistas amigos, Lula considerou difícil a hipótese de criar uma frente ampla para conquistar uma soberania nacional e reconquistar apoio. Mesmo dizendo ser cedo para definir as alianças, descartou nomes. Luciano Huck, que tem adotado um discurso contra a desigualdade social, estaria fora, porque não é de centro-esquerda, em sua visão. “Ele representa a Rede Globo e está sendo discutido pelo dono da Ambev (Jorge Paulo Lemann, homem mais rico do Brasil)”. Lula admitiu a possibilidade de o PT apoiar o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), na eleição para a presidência em 2022. Mas considera que um candidato do PT teria mais chances de ganhar. Nas eleições municipais, disse que não descarta apoio a Marcelo Freixo (PSOL), no Rio, e Manuela D’Ávila (PCdoB), em Porto Alegre. Já em São Paulo, Lula disse que o PT certamente terá candidato, mesmo com Fernando Haddad fora das opções.


Você andará num carro voador antes que os anos 20 terminem. Serão, estes próximos dez anos, um período de grandes transformações tecnológicas, transformações que mexerão em nosso cotidiano — e é sobre isto que o Meio de Sábado vai tratar. A internet, hoje onipresente em nossas telas, virá para o mundo real. O risco é do fim completo da privacidade, conforme possamos ser identificados de presto na entrada do supermercado, ao caminhar nas ruas. Mas dados sobre nossos corpos também salvarão muitas vidas. O carro autônomo vai descentralizar as cidades e convencerá muita gente a não ter mais carro. O tráfego melhorará muito — e drones atravessarão nossos céus em quantidade, como pássaros. Se você achou que as coisas mudaram nos anos 10, aguarde. E ninguém nunca mais reclamará de velocidade da internet. Os assinantes premium do Meio receberão amanhã a descrição deste mundo no qual viveremos em breve. Aproveite, é janeiro, assine. Porque um mundo fascinante — ou aterrorizante — está para começar.


Putin, o eterno retorno

Tony de Marco

 
Putin

Histórias para ouvir

Histórias para ouvir


Histórias para ouvir. A qualquer hora. Em qualquer lugar. Indo de casa ao trabalho, enquanto treina, antes de dormir. E os leitores do Meio têm direito a experimentar o Storytel por 30 dias. Sem custo. Experimente.

Esta é a história real de um homem que partiu na sua moto carregando a morte e o luto, mas transformou sua jornada em uma poderosa narrativa sobre a solidão, o amor e, acima de tudo, a paixão pela vida. É a história do músico Neil Peart após perder a única filha, Selena, e a mulher, Jackie. Ouça.

Cultura


Caetano Veloso lançou ontem um álbum com regravações ao lado do jovem clarinetista Ivan Sacerdote. Entraram músicas como Trilhos Urbanos e Desde Que o Samba é Samba. Nove músicas da obra de Caetano foram regravadas pelos dois – em voz, violão e clarinete. O álbum já está disponível nas plataformas digitais.

Em entrevista ao Estado, por e-mail, o cantor e compositor falou de inúmeros assuntos, incluindo o especial de Natal do Porta dos Fundos.

Caetano Veloso: “Sou contra censura. Lancei É proibido proibir em 1968, em plena ditadura militar. Adorei a atitude de Felipe Neto em relação ao desenho do beijo gay. Vi o Especial de Natal do Porta dos Fundos com atraso. Mas ri à beça. Os atores são muito bons e as cenas irresistíveis. Venho de uma família muito religiosa, mas sempre achei muita graça em humor blasfemo. Entendo que alguns devotos protestem. Mas censurar por razões religiosas, não: não estamos no Irã. O Estado brasileiro tem agora liberais anglo-americanos inspirando a economia, como pode querer tomar atitude de aiatolás?”

E um vídeo da dupla tocando Você não gosta de mim.

O Grammy Awards chegou a sua 62ª edição e será exibido ao vivo e com exclusividade pela TNT no dia 26 de janeiro, a partir das 21h. Entre os principais indicados nas 84 categorias estão Lizzo, Billie Eilish e Lil Nas X. É a primeira vez que os três artistas concorrem ao prêmio. Lizzo foi indicada em oito categorias, entre elas Melhor Álbum, Música do Ano e Gravação do Ano. Na sequência, Billie Eilish e Lil Nas X aparecem indicados em seis.

E Marighella, primeiro longa dirigido pelo ator Wagner Moura, ganhou uma data de estreia nos cinemas: 14 de maio. Em agosto de 2019, um adiamento foi anunciado pela produtora O2. O filme é inspirado na biografia escrita pelo jornalista Mário Magalhães. Veja o teaser.

 

Viver


Liang Jun, a 1ª motorista de trator que virou ícone nacional da China, morreu esta semana. Seu sorriso contagiante na nota de 1 yuan foi imortalizado em uma cédula da moeda chinesa. Na rede social Weibo, Liang Jun recebeu homenagens, com sua morte sendo um dos principais assuntos comentados.

O contexto... Quando os comunistas tomaram o poder em 1949 nasceu um novo tipo de herói — o trabalhador modelo que deveria servir de inspiração a outros trabalhadores. E Liang Jun foi uma das primeiras se tornando um símbolo para todas as mulheres chinesas das possibilidades que se abriam para elas. A própria fez pleno uso dessas oportunidades: se tornou engenheira e política.

Cotidiano Digital


Até 2030 a Microsoft quer negativar sua emissão de carbono. Ou seja, não apenas zerar, mas também eliminar do ambiente todo o carbono que a empresa emitiu diretamente ou produziu desde que foi fundada em 1975. A meta é ambiciosa. A Microsoft diz que começará adotando 100% de energia renovável em todos os seus data centers e edifícios. Também aumentará o seu imposto interno de carbono e lançará um fundo de US$ 1 bilhão para incentivar os seus fornecedores e desenvolvedores na redução de poluentes. A meta coloca a Microsoft na frente das outras big techs nessa pauta. Ela e a Alphabet são as únicas que conseguiram, até agora, neutralizar suas emissões. A Amazon espera alcançar em 2040. Apple e Facebook nem determinaram um prazo.

Por falar na Microsoft, a empresa lançou um novo navegador de internet. O Edge usa a mesma tecnologia do Chrome. Mas a Microsoft adotou uma posição diferente no rastreamento do usuário. Essa diferença mostra como será a disputa entre os navegadores daqui para frente. O Google, por exemplo, acabou de anunciar que pretende bloquear o uso de cookies no Chrome por empresas que rastreiam os hábitos de usuários pela internet. Com o avanço do mobile, o diferencial será, cada vez mais, a privacidade do usuário.



Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




17 de janeiro de 2020
Consultar edições passadas