Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


19 de dezembro de 2018
Consultar edições passadas

Facebook compartilhou dados sem permissão; Twitter acusado de ambiente tóxico para mulheres


Embora nunca o tenha admitido, dando a entender o contrário, o Facebook cedeu às gigantes da tecnologia amplo acesso aos dados privados de seus usuários. À Microsoft foi permitido ver quem eram os amigos de praticamente todos os usuários sem o consentimento formal de ninguém. Netflix e Spotify tiveram acesso às mensagens privadas. A Amazon pôde extrair informação de contato de usuários e seus amigos. As revelações, que estão num relatório com centenas de páginas, vêm do sistema de acompanhamento das parcerias estratégicas formadas pela rede social que foi obtido, de fonte anônima, pelo New York Times. O jornal conta a história em sua edição de hoje. Estas concessões de dados continuaram mesmo após o CEO Mark Zuckerberg garantir aos parlamentares americanos que seus usuários tinham pleno controle sobre quem tinha acesso a seus dados pessoais. “O Facebook assumiu um poder extraordinário sobre a informação pessoal de seus 2,2 bilhões de usuários”, publica o Times. “Um poder do qual fez uso com pouca transparência ou acompanhamento externo.”

A Anistia Internacional mergulhou num universo de milhões de tweets recebidos por 778 mulheres, entre jornalistas e políticas, no Reino Unido e nos EUA, em 2007. Convocou o público para classificar cada mensagem, todo tweet visto e pontuado mais de uma vez por pessoas distintas. A conclusão do estudo: o Twitter é um ambiente tóxico para mulheres. A misoginia, a homofobia e o racismo se unem neste ataque. Aliás, ser de esquerda ou ser de direita não poupa nenhuma das vítimas. Em números, 7,1% dos tweets recebidos foram considerados problemáticos ou abusivos. É o equivalente a um a cada 30 segundos dentre os recebidos pelo conjunto investigado. Latinas, negras ou asiáticas tinham 34% mais chances de serem atacadas do que brancas. Mulheres negras, particularmente, foram atacadas 84% mais vezes do que brancas. A Anistia já vinha documentando indícios desta toxicidade e cobrava números do Twitter. Quando um relatório veio, não tinha a granulação necessária para avaliar. Decidiu, então, fazer sua própria pesquisa, com a ajuda de voluntários e os algoritmos da Element AI. As redes sociais são mais difíceis para elas do que para eles.

Aliás... O Twitter passará a oferecer, em seu app móvel, a possibilidade de organizar os posts recebidos por ordem cronológica — o mais recente em cima e daí por diante. Há quatro anos, a rede passou a filtrar o conteúdo com um algoritmo de inteligência artificial, mostrando apenas aquilo que considera mais interessante para cada usuário. Muita gente reclamou, principalmente em meio a eventos ao vivo, sejam esportivos, noticiosos ou mesmo durante episódios de séries. Quem quiser poderá, agora, alternar entre os dois formatos.

O Nintendo Switch se tornou o console mais vendido de sua geração, nos EUA. Nos primeiros 21 meses, foram vendidas 8,7 milhões de máquinas. É mais do que venderam, em seus primeiros 21 meses, tanto PS4 quanto Xbox One. As vendas de Legend of Zelda, Super Mario Odissey e Mario Kart 8 Deluxe também fazem da Nintendo a maior editora de games.

Política


Fabrício José Queiroz, o ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro acusado de movimentar R$ 1,2 milhão irregulares, vai depor hoje perante o Ministério Público. Segundo o Poder 360, deve dizer que comercializava bugigangas sem nota fiscal e que atuava como agiota perante funcionários da Assembleia do Rio.

As entidades do Sistema S defenderam ontem, em evento na Firjan, o papel desempenhado pelas instituições, depois que o futuro ministro da economia, Paulo Guedes, sugeriu “meter a faca” no orçamento do núcleo. O sistema reúne 9 entidades — como Senai, Sesc, e Sesi — voltadas para o treinamento profissional, assistência social, consultoria, pesquisa e assistência técnica. Em 2018, elas receberam do governo repasse de R$ 17 bilhões. Segundo o futuro ministro, o corte pode chegar a 50% dos recursos.

O governo de transição estuda como desonerar a folha de pagamentos das empresas. Entre as possibilidades avaliadas estão o fim da contribuição obrigatória ao Sistema S e a contribuição patronal ao INSS. (Valor)

Miriam Leitão: “São muitas as zonas de sombra no Sistema S. O trabalhador brasileiro precisa de qualificação e as empresas têm obrigação, até social, de investir nisso. Mas a folha salarial precisa ser mais leve. Alguns dirigentes assumem a presidência de Federações e usam os cursos oferecidos pelo Sesi, por exemplo, para alavancar suas carreiras políticas. José Alencar, que foi vice-presidente da República, comandava a Fiemg, de Minas Gerais. Viajou o estado em eventos do Sistema. Nunca ficará claro o quanto do seu conhecimento se deveu ao uso do Sesi ou do Senai. Paulo Skaf entrou na política de São Paulo usando o mesmo roteiro.” (Globo)

O CNJ reinstituiu o auxílio moradia, apesar do acordo. Tem limite de R$ 4.377,73, só vale para locais onde não há imóvel funcional à disposição, quando o juiz não está em sua comarca original. É preciso que juiz ou cônjuge não tenham residência na cidade.

A publicidade paga pela Prefeitura paulistana, no primeiro semestre, focou intensamente na imagem de João Doria. Paulo Skaf usou recursos financeiros e humanos da Fiesp e Sistema S em sua campanha. Pois a Procuradoria Regional Eleitoral do estado quer investigá-los a ambos, os candidatos que chegaram ao segundo turno no pleito paulista: os recursos usados na pré-campanha para alavancar seus nomes foram ilegais. Os procuradores querem cassar o mandato de Doria como governador e tornar Skaf inelegível. (Folha)

O Ministério Público do Rio desconfia do desaparecimento de imagens captadas por câmeras de segurança durante o assassinato da vereadora Marielle Franco. As provas estavam sob responsabilidade da Delegacia de Homicídios. Segundo os repórteres Chico Otávio e Vera Araújo, os procuradores conseguiram evidências novas que escolheram não compartilhar com a polícia. Paira desconfiança. Também um dos suspeitos, Orlando Curicica, acusa policiais de pressioná-lo a confessar o crime quando ainda estava preso em Bangu 9. Atualmente se encontra num presídio federal. (Globo)


A economia argentina entrou oficialmente em recessão. O resultado do PIB teve uma queda de 3,5% na medição anual do terceiro trimestre de 2018 e somou dois trimestres seguidos no vermelho.

Viver


O Brasil caiu cinco posições e ficou em 95º lugar no ranking do Fórum Econômico Mundial que mede a disparidade de gênero em 149 países. No ranking geral, o país aparece com 0,681 ponto, em uma escala que vai de zero a um — quanto mais próximo de um, mais paritário. “O Brasil registrou uma reversão significativa no progresso em direção à paridade de gênero este ano”, destacou o relatório. Segundo o estudo, o maior responsável pela piora no ranking na comparação anual foi o subíndice de oportunidade econômica, que inclui participação na força de trabalho e igualdade salarial por trabalho semelhante. (Folha)

O objeto mais distante do sistema do solar é rosa. Ele foi apelidado de Farout (algo como 'muito longe') pela equipe que o descobriu. O planeta-anão é o primeiro objeto já encontrado orbitando a mais de cem vezes a distância entre a Terra e o Sol. (Globo)

Enquanto isso... A Nature divulgou a lista das dez pessoas que mais fizeram a diferença na ciência em 2018. Entre os nomes estão Viviane Slon, uma das responsáveis pela pesquisa que descobriu a primeira criança híbrida de duas espécies humanas, e He Jiankui, o cientista que assombrou o mundo ao noticiar o nascimento dos supostos primeiros bebês geneticamente modificados.

Cláudia Colucci: “Passou quase que despercebida a aprovação pela Assembleia Legislativa de São Paulo, na última quinta (12), de um importante projeto de lei que trata da nossa liberdade de escolha de tratamentos na reta final da vida e, em última instância, do direito de morrermos em paz. A expectativa é de que, depois disso, o tema ganhe força para se tornar uma lei federal. Inspirado em legislações europeias, como da Espanha e da Itália, o projeto avança nas regras de proteção à autonomia dos direitos do paciente e das obrigações médicas, como a informação clínica, o consentimento informado e o direito de o doente dispor previamente sobre suas escolhas em caso de enfermidade terminal e perda da consciência. Em comparação com a lei italiana, no entanto, a proposta paulista pode ser considerada, em alguns pontos, até um pouco tímida. Lá, por exemplo, a legislação reconhece que a nutrição artificial e a hidratação artificial são consideradas tratamentos de saúde e, portanto, podem ser rejeitados. No Brasil, isso ainda parece impensável.” (Folha)

Galeria: A Folha acompanhou a expedição do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado ao Território Indígena Vale do Javari, na Amazônia, onde vivem os korubos. É a primeira vez que uma equipe de documentação se hospeda com os indígenas que são classificados como de pouco contato com a 'cultura branca'. Ameaçados pela exploração clandestina das riquezas do seu território, eles temem pelo futuro de sua etnia.

Não deu para o River Plate na semifinal do Mundial. Os campeões da Libertadores empataram por 2 a 2 com o rival árabe Al Ain no tempo normal, mas foram derrotados com Enzo Pérez desperdiçando o pênalti decisivo. Veja os melhores momentos.

Hoje, às 14h30 no horário de Brasília, o espanhol Real Madrid e o japonês Kashima Antlers decidem quem enfrentará o time da casa na grande final.

Cultura


O Brasil está fora da corrida pelo Oscar em 2019. O Grande Circo Místico (trailer), de Cacá Diegues, não entrou na lista de nove finalistas ao prêmio de melhor filme estrangeiro. Já Roma (trailer), distribuído pela Netflix, está na disputa.

Pois é. Scott Stuber está rapidamente se tornando uma das pessoas mais importantes — e perturbadoras — do ramo cinematográfico.  Ex-vice-presidente da Universal Pictures, ele é o diretor de filmes originais da Netflix. Sua missão é tornar essa operação do serviço de streaming tão bem-sucedida quanto sua operação televisiva. Seu mandato prevê 55 filmes originais por ano, incluindo alguns com orçamentos de até US$ 200 milhões. Se acrescentarmos na conta documentários e filmes de animação, de outras divisões da empresa, o número de lançamentos anuais de filmes da Netflix sobe para cerca de 90. Para comparar, a Universal, um dos estúdios tradicionais mais prolíficos de Hollywood, lança cerca de 30 filmes por ano. (New York Times)

A sutil arte de ligar o f*da-se (Amazon) foi o livro mais vendido de 2018 na Amazon do Brasil. A obra do americano Mark Ronson lidera tanto a lista de impressos quanto a de digitais. Na lista de impressos, o título nacional mais bem posicionado é Me poupe!: 10 passos para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso (Amazon), de Nathalia Arcuri, que ficou em terceiro lugar. Na de digitais, PROCRASTINAÇÃO: Guia científico sobre como parar de procrastinar (Definitivamente) (Amazon), de Lilian Soares aparece em sexto.



Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




19 de dezembro de 2018
Consultar edições passadas