Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet
18 de novembro de 2016
Consultar edições passadas

18 de novembro de 2016

A Lava Jato ronda o PMDB

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho, preso desde ontem, é acusado pelo Ministério Público Federal de ter recebido, ao longo dos dois mandatos, R$ 32,5 milhões da Carioca Engenharia e R$ 7,7 milhões, da Andrade Gutierrez. O dinheiro entrava na forma de uma mesada.
 
Há um jogo de estratégia em curso.
 
A ex-presidente Dilma Rousseff soltou nota afirmando que jamais foi aliada de Cabral. Esqueceu do registro em vídeo. Registros da longeva aliança, aliás, não faltam.

A palavra do ano no Dicionário Oxford é Post-Truth. Pós-Verdade.
 
O secretário Moreira Franco, outro ex-governador, foi o padrinho de Cabral em sua entrada na política. Assessor íntimo de Temer. O Planalto acha que o PMDB virou a bola da vez. (Estadão)

Periga as prisões não se contentarem só com dois ex-governadores fluminenses.

No jogo, uns partem para o confronto. Os deputados federais de PT, PMDB, PSDB, PSD, PP, PSB, PTB, PRB, PHS e Pros já sabiam da prisão quando decidiram não aparecer para votar o relatório de Onyx Lorenzoni (DEM-RS) sobre as Dez Medidas de Combate à Corrupção. Querem o poder de acuar por abuso procuradores e juízes. Mas Onyx retirou a possibilidade do projeto.
 
No jogo, outros recuam. O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), foi à tribuna dizer que seu projeto para reestruturar o acordo de leniência para empresas envolvidas em crimes vai incluir a necessária consulta ao MP. “Ninguém admite retrocesso”, garantiu. O debate durante toda a semana pareceu admitir o retrocesso. (Folha)

O Cade já investiga 30 cartéis distintos de empresas que pedem acordo de leniência por conta da Lava Jato. (Estadão)

Cabral estava abatido quando chegou ao presídio de Bangu, à noite. Foi recebido por pessoas que soltaram fogos e abriram espumantes.
 
Anthony Garotinho, aliás, se debateu, vociferou, rejeitou e foi levado à força de ambulância para o mesmo presídio numa imagem inacreditável. Sua filha, a deputada federal Clarissa Garotinho, berra ao lado. O G1 tem o vídeo.
 
Na Assembleia Legislativa do Rio, o deputado Marcelo Freixo (PSOL) conseguiu enfim o número de votos necessário para abrir CPIs e investigar o ex-governador. Ele já tenta há alguns anos.
 
Não há qualquer indício de que o atual governador, Luiz Fernando Pezão, tenha participado do esquema de Cabral, diz o MP. (Folha)
 
Ainda assim, os analistas Merval Pereira, Fernando Molica, Josias de Souza e Rolland Gianotti concordam num ponto: com um estado falido, a dura negociação de um extenso pacote de cortes e manifestantes nas ruas, a prisão de seu padrinho só piora (muito) a vida de Pezão.
 
Corrupto ostentação: um dos assessores de Cabral tinha no WhatsApp fotos de um bolaço de cédulas. (A palavra bolaço é o coletivo gramaticalmente correto de cédulas. O outro aceito é bolada.) Nada que se compare às joias da ex-primeira-dama, descoladas por Fernando Rodrigues. (Folha)
 
Para ler com calma: A equipe do ex-governador chamava propina de Oxigênio. É um dos achados da extensa e detalhada reportagem de Chico Otávio e Daniel Biasetto, do Globo, com detalhes do esquema. É uma aula de Brasil.
 
E está para sair a delação da Odebrecht.

O novo Acordo de Paz entre as Farc e o governo colombiano será avaliado pelo Parlamento. O presidente Juan Manuel Santos não pretende submetê-lo a outro plebiscito. (Estadão)

O responsável pelas agências de inteligência americanas, incluindo CIA e NSA, entregou sua carta de demissão. James Clapper não pretende estar no cargo no dia em que Donald Trump assumir. (Estadão)

Galeria: fotos do casamento de Obama. Para matar as saudades.

Viver

Segundo o BuzzFeed, há um levante interno no Facebook. Um grupo de funcionários vem se encontrando escondido para debater o problema das notícias falsas que circulam na rede. Executivos da rede social também estão preocupados. Na segunda, tanto a empresa de Mark Zuckerberg quanto o Google anunciaram que não mais aceitarão a publicidade de sites que consistentemente plantam informações falsas. Mas isto não coíbe o que os próprios veículos e usuários trazem. E o que dá mais impulso ao noticiário falso é justamente o fato de que confiamos mais naquilo compartilhado por amigos.
 
Há acusações, embora difíceis de provar, de que o Facebook influenciou inadvertidamente o resultado da eleição americana. Envolve, por exemplo, a notícia de que o papa Francisco teria apoiado Donald Trump. Foi uma das mais lidas em outubro e é mentira. O desmentido não rodou a rede com a mesma intensidade. Notícias falsas em geral são atraentes. Confirmam convicções íntimas de alguns e, por isso mesmo, viralizam mais. O próprio Facebook já publicou pesquisas em que mostra sua capacidade de interferir nas emoções de seus usuários, de acordo com o tom daquilo que lhes é apresentado. Pós-verdade, não à toa, é a palavra do ano.

Para ler com calma: Os políticos sempre mentiram. Mas há uma mudança preocupante em curso. Da Economist, em inglês.

A Universidade de Oxford vai oferecer cursos gratuitos online. O primeiro será Da Pobreza à Prosperidade, entendendo o desenvolvimento econômico. Inscrições abertas.

O Palmeiras empatou em 1 a 1 com o Atlético Mineiro e o Santos venceu o Vitória por 3 a 2. Ainda assim, a tabela mexeu pouco. A equipe paulistana continua em primeiro, quatro pontos à frente dos santistas que, por sua vez, têm vantagem de um ponto sobre o Flamengo. Faltam três rodadas para o fim do Brasileirão.

Cultura

Dentre as estreias da semana no cinema, a mais badalada é Animais Fantásticos e Onde Habitam, uma história passada no mundo de Harry Potter umas tantas décadas antes do bruxinho que sobreviveu. Mas o drama familiar japonês Depois da Tempestade vem sendo elogiado pela crítica. Veja os outros filmes.

O primeiro episódio de Fim do Mundo, série brasileira com Jesuíta Barbosa e Hermilda Guedes, vai ao ar sábado, no Canal Brasil ou no GloboSat Play. A direção é de Hilton Lacerda e Lírido Ferreira, duas estrelas do festejado cinema pernambucano.

A peça God, em que Miguel Falabella faz Deus, chega hoje a São Paulo. Ingressos à venda.

Hamilton de Holanda recebeu o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Instrumental com Samba de Chico (links para o Spotify). Djavan foi premiado com a Melhor Canção em Português por Vidas Pra Contar. De Bem Com A Vida, de Martinho da Vila, é o Melhor Álbum de Samba/Pagode e Amanhecer, de Paula Fernandes, levou Melhor Álbum de Música Sertaneja. Conheça os outros vencedores.

Amazon Video, concorrente do Netflix, chega ao Brasil em dezembro. (Folha)

Cotidiano Digital

Grace Hopper e Margaret Hamilton receberam a maior condecoração dos EUA, a Medalha Presidencial da Liberdade. Hopper esteve entre as primeiras programadoras da história e foi uma das responsáveis pela criação da linguagem Cobol. Hamilton escreveu o código de direção da Apollo 11.

Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet



Consultar edições passadas