Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet
13 de março de 2017
Consultar edições passadas

13 de março de 2017

Esperando Janot

Brasília espera para esta semana a lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Nela estarão, provavelmente, dezenas de pedidos de abertura de inquérito contra autoridades, todos baseados nas diversas delações feitas por executivos da Odebrecht. A expectativa é de que, entre os nomes, apareçam os ex-presidentes Lula e Dilma, os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha, além de José Serra, Aécio Neves, Guido Mantega e Antonio Palocci. O presidente Michel Temer, segundo vazamentos, também foi citado nas denúncias. Mas a lei impede que presidentes sejam investigados por crimes cometidos fora do mandato. A dúvida é se o atual mandato inclui o período como vice ou não. Janot pode pedir, também, que inquéritos em curso sejam arquivados, ou incluir novos pedidos relativos a investigações que já ocorrem. É possível que ele requeira ao Supremo que partes das delações sejam tornadas públicas. Causa ansiedade, na capital, uma dúvida sobre as autoridades que não têm mais direito ao foro. Janot pode encaminhar seus nomes ao STF para que o tribunal os redistribua para as cortes inferiores, ou fazer os pedidos direto à primeira instância. Se passarem antes pelo Supremo, os advogados têm chance de retardar o processo.
 
Aliás… A avaliação no PT, PMDB e PSDB é a mesma. Com líderes políticos de todos os partidos se misturando, aumentam as chances de Lula argumentar que está sendo perseguido. Mas, ainda assim, a estratégia de tucanos e peemedebistas passa pelo argumento de que seus pecados são menores que os dos petistas, se resumem ao uso do caixa dois. (Folha)

E… Lula e Fernando Henrique estão se aproximando. Segundo Jorge Bastos Moreno, os dois ex-presidentes conversaram longamente ao telefone. Ficaram de incluir Temer no assunto. (Globo)

Repórteres do Estadão conversaram com cinco dos sete ministros do TSE. Ouviram que as delações da Odebrecht reforçam, do ponto de vista legal, a cassação da chapa Dilma-Temer. Mas ouviram também que eles vão levar em consideração a estabilidade do país.

Rigoroso, referência em direito ambiental e do consumidor, com planos de fazer história. Conheça o ministro Herman Benjamin, relator do processo que pode derrubar Temer no TSE. (Folha)

Eliseu Padilha retorna hoje a Brasília mas ainda não está claro se volta ao governo. (Globo)

Lula deve sair candidato à presidência no mês que vem. Seu próximo depoimento ao juiz Ségio Moro está marcado para 3 de maio. Já seria pré-candidato. (Folha)

Em palestra na Suíça, a ex-presidente Dilma declarou que foi um erro a promoção de desonerações fiscais, em 2014. “Acreditava que, se diminuísse impostos, teria um aumento de investimentos. No lugar de investir, eles aumentaram a margem de lucro.” (Estadão)

“Delação quando nasce / esparrama um montão. / O Temer quando ouve / fala: Imagina, eu não.” Os versos são de Eduardo Cunha, cujo livro Diário da Cadeia chega às livrarias no dia 27. Ou quase. Embora estampe o nome do ex-presidente da Câmara na capa, trata-se de pseudônimo, já que o livro, na verdade, foi escrito por autor secreto, conta Lauro Jardim, no Globo.

Enquanto isso… Uma fotografia do professor-pop Leandro Karnal, na qual jantava com Moro, causou alvoroço nas redes sociais. Entre a patrulha de quem considera Moro o grande vilão da pátria e a euforia de quem o acha seu maior herói, o tema dominou as linhas do tempo. “Tenho imensa curiosidade em conversar com pessoas que fazem parte da história”, escreveu Karnal em seu Facebook. “Lamento a polarização no Brasil. O momento brasileiro é estranho e há uma vontade nacional de crucificar.”

O Partido da Liberdade, da direita radical holandesa, deve sair o mais votado nas eleições de quarta-feira. Seu principal líder, Geert Wilders, faz um discurso de rejeição à imigração islâmica. Ainda assim, dificilmente conseguirá formar alianças o suficiente no Parlamento para montar gabinete e assumir o governo.

O senador John McCain, ex-candidato à presidência pelo Partido Republicano, cobra de Donald Trump: ou ele apresenta provas de que Obama plantou grampos ilegais para espioná-lo ou deve uma retratação pública.

 

Cultura

“A primeira casa modernista foi construída no Brasil. Le Corbusier chegou 10 anos mais tarde.” A afirmação é de um papa da arquitetura moderna, o britânico Kenneth Frampton, em entrevista ao El País. Aos 86 anos, ele faz críticas à sua principal obra, o livro História Crítica da Arquitetura Moderna, traduzido para 11 idiomas. O arquiteto diz que o livro é eurocêntrico e que, na nova edição, precisa incluir, por exemplo, construções de China, Índia e África.

Se, nos Estados Unidos, a crise política e seu protagonista Donald Trump engrossam a pauta dos talk shows, no Brasil, os programas exploram mal a crise brasileira e seus personagens. “Por opção ou injunção, os programas têm optado pela irrelevância. O que é um desperdício”, escreve o colunista Mauricio Stycer, na Folha.

The Velvet Underground & Nico, álbum de estreia do Velvet Underground, completou 50 anos ontem. Mais conhecido como “o disco da banana”, foi quase todo gravado em uma semana, em Nova York, e amado por poucos no lançamento, em 1967.

Para os fãs de Velvet: dez curiosidades sobre o primeiro disco da banda, segundo a revista Rolling Stone.

Ouça The Velvet Underground & Nico no Spotify ou no YouTube.

Conheça a “antiajuda”, um novo gênero literário, segundo o New York Times. Dois livros com o estilo já são best-sellers nos Estados Unidos. Em vez de exaltar sucesso e felicidade, os autores pedem que o leitor reconheça que, não, ele não é tão especial e que, sim, a vida é mesmo dura. 

Viver

Renildo Silva Santos passou por uma amputação severa: perdeu 40% do corpo, ou tudo o que havia abaixo do umbigo. Agora, vive processo inédito de reabilitação ao ganhar prótese que lhe fará voltar a caminhar. O repórter Jairo Marques acompanha os testes conta a saga. (Folha)

“Um bon-vivant que podia tanto beber champanhe com um figurão da República quanto tomar cachaça com um pescador.” Era assim o dono do grupo Emiliano, Carlos Alberto Filgueiras, perfilado por Eliane Trindade, na Folha. O empresário morreu em janeiro na queda do avião que matou também o ministro Teori Zavascki. Nasceu pobre, foi dono de boteco e de garimpo em Minas Gerais, até lançar mais de cem prédios em São Paulo, onde fez sua fortuna.

Malária de macacos infecta pessoas no Rio. São 49 casos, registrados em 2015 e 2016. Até então, acreditava-se que a doença não era transmitida a pessoas. “Não acreditamos que provocará uma epidemia agora, mas é um alerta”, diz o geneticista da UFRJ Mariano Zalis, um dos autores da descoberta. (Globo)

Para ler com calma: longo especial do New York Times retrata a via-crúcis de três família com crianças vítimas da zika em busca de tratamento (e acolhimento) no nordeste do Brasil.

Há quem diga que Diego teve 350 filhos. Há, do outro lado, quem defenda que são 800 os filhos dele. Fato é que Diego, centenária tartaruga da Ilha de Galápagos, é responsável por ter salvo sua espécie, que caminhava para a extinção desde os anos 1970. Antes de seu furor sexual, o número de tartarugas não passava de uma dúzia, quase todas fêmeas.

Único brasileiro a conquistar três medalhas na mesma Olimpíada, o canoísta Isaquias Queiroz luta em busca de patrocínio. Os contratos acabaram junto com a Rio-2016. “Por enquanto, nada mudou desde que conquistei as medalhas. Sobre as questões de apoio da confederação com os atletas, está tudo normal”, diz o atleta, em entrevista ao Globo.

Aliás… Mais da metade das confederações esportivas brasileiras perdeu patrocínio desde o fim dos Jogos Olímpicos do Rio, segundo levantamento da Folha. Os investidores alegam duas razões: crise econômica e fragilidade administrativa das confederações. 

Cotidiano Digital

A velocidade média da internet no Brasil aumentou — 6,4 Mbps no quarto trimestre de 2016, segundo relatório State of Internet, da empresa Akamai. Trata-se de um crescimento de 55% com relação ao período anterior. É, no entanto, abaixo da média mundial, de 7 Mbps.

A SoundCloud está em crise. Vem tentando conseguir uma nova rodada de investimento de US$ 100 milhões. Ao mesmo tempo, avalia a opção de vender a empresa e andou conversando com possíveis compradores, como o Spotify, mas ainda sem acordo. Pode acabar negociada, enfim, por preço muito abaixo dos US$ 700 milhões de sua última avaliação.

Um dos maiores festivais de música, cinema e tecnologia do mundo, o South by Southwest (SXSW) segue até o próximo domingo, em Austin, no Texas. Foi lá que Twitter e Foursquare, por exemplo, tiveram seus lançamentos nos anos 2000. É, como diz um de seus fundadores à Folha, uma plataforma para pessoas criativas.

Veja uma lista de recomendações do que acompanhar nesta edição do festival.

Ainda não é assinante do Meio? Faça sua inscrição no nosso site.
Não custa nada: www.canalmeio.com.br

Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet



Consultar edições passadas