Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


4 de julho de 2017
Consultar edições passadas

Geddel, homem da confiança de Temer, preso


O ex-ministro Geddel Vieira Lima foi preso ontem à tarde, na Bahia, por ordem do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, em Brasília. Dois elementos contaram mais para a ordem. Em primeiro lugar, as constantes mensagens de WhatsApp enviadas por Geddel para Raquel Funaro, mulher do doleiro delator Lúcio Funaro. O ex-ministro tentou evitar a delação até o fim, numa tentativa de interferir nos rumos da Justiça. Contou também a acusação, por parte de Funaro, de ter enviado a Geddel R$ 20 milhões vindos de fraudes na Caixa Econômica Federal. Este dinheiro não apareceu ainda e, para evitar que suma de vez, o juiz considerou necessário prender o político. Geddel era do núcleo duro do Planalto, um dos homens mais leais a Temer. Quando caiu Marcelo Calero, que era ministro da Cultura, saiu acusando Geddel de pressioná-lo para liberar no Patrimônio Histórico a construção de um prédio em Salvador. A ordem do juiz foi ampla: além da prisão, pediu que a PF forçasse a entrada arrombando portas e cofres, caso houvesse resistência. Mandou apreender celulares e computadores, também. (Estadão)

Kennedy Alencar: “Geddel deverá ser usado pelo Ministério Público para tentar estabelecer uma conexão com Temer a fim de acusar o presidente de obstrução de Justiça.”

Mesmo já afastado do ministério, Geddel seguia indicando políticos para cargos e demonstrando poder. Um caso é o do atual ocupante da Superintendência de Patrimônio Público na Bahia, responsável por liberar ou não obras. Havia uma briga dentro do Congresso por esta indicação. DEM e PTB baianos queriam, mas mesmo longe do Planalto Geddel os venceu. O Poder360 detalha esta história de fisiologismo no Congresso.

Do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero: “Sonho com um país em que os honestos possam dar sua contribuição e os desonestos respondam por seus atos”. (Folha)

Mas não foi Geddel quem dominou o início da segunda. Desde cedo, a Polícia Federal estava nas ruas para a operação ‘Ponto Final’, que levou à prisão empresários de ônibus do Rio e o ex-diretor do Departamento de Transportes Rodoviários do estado. O MP acusa o ex-governador preso Sérgio Cabral de receber propina, até, de acordo com o tamanho dos aumentos nas passagens. Como estímulo. Entre 2010 e 2016, o esquema levantou R$ 260 milhões para acusados sem foro privilegiado. Se incluir políticos nos cargos, chega a meio bilhão. Só para Cabral foram R$ 120 milhões. (Globo)

Maiá Menezes relembra as lendas por trás da máfia dos ônibus cariocas. (Globo)

A defesa de Michel Temer contra a denúncia da Procuradoria-Geral da República será entregue amanhã à Câmara. O relator do caso na Comissão de Constituição e Justiça deve ser indicado hoje. Seu voto será lido na segunda, dia 10, e a CCJ o avalia na quarta, 12. O plano do governo, em acordo com o presidente da Câmara Rodrigo Maia, é votar em plenário até o dia 17.

Nas suas contas, o governo não tem os 34 votos dos quais precisa para que a CCJ recomende o arquivamento da denúncia contra o presidente. Dos 66, tem 30. E 21 se dizem indecisos. (Folha)

No Plenário, segundo Lydia Medeiros, o Planalto só conta como certos os votos de 47 deputados. Precisa de 172.

José Roberto de Toledo: “O Ibope fez um estudo estatístico dos mais interessantes para tentar responder essa questão. Calculou a razão de possibilidades de os eleitores que declaram que não votariam em Lula de jeito nenhum votarem nos demais presidenciáveis. Dos oito nomes testados além do petista, João Doria é quem tem a maior chance de se tornar o anti-Lula. Em resumo, se Temer ficar e Lula também, a sucessão presidencial tem boas chances de ter um tucano disputando contra um petista pelo quinto segundo turno consecutivo. Estatisticamente, há uma confluência de interesses entre a Turma do Pudim, tucanos e lulistas. Tanto quanto as matreirices de quem visita Temer escondido no Palácio do Jaburu, essa conjunção pode ajudar o presidente a se segurar mais tempo no cargo do que merece.” (Estadão)

Agora... Este segundo turno de 2018 pode trazer surpresas. Pois é: uma trupe de publicitários criativos pôs as possibilidades num jogo. Mas cuidado. Às vezes, termina em pesadelo. E você, em quem votará?

Enquanto isso... o cronista Antonio Prata lançou, via Twitter, a campanha Drauzio Varella presidente.

O Meio errou: os números corretos sobre a distribuição ideológica do brasileiro, de acordo com a pesquisa Datafolha, são outros. 10% dos brasileiros são de esquerda, 31% de centro-esquerda, 20% de centro, 30% de centro-direita e 10% de direita. (Folha)


A Coreia do Norte afirma ter testado com sucesso um míssil intercontinental capaz de atingir os EUA. (New York Times)

Os americanos celebram, hoje, o dia da Independência. O site Ancestry.com, dedicado a mapear árvores genealógicas, publicou uma publicidade na qual recria o quadro em que aparecem os signatários da declaração de independência publicada no distante 4 de julho de 1776. Cada homem é substituído por um de seus descendentes. E há todos os tons de pele possíveis ali.

Cultura


Depois de quatro anos, Jay-Z lançou um álbum. Segundo o New York Times, 4:44 é repleto de confissões do rapper de 47 anos. “Sim, ele traiu Beyoncé; sim, ele tentou terapia; sim, ele esfaqueou o executivo Lance Rivera em 1999”, lista o crítico do jornal. O disco, completa ele, dialoga com Lemonade, de Beyoncé, com quem o rapper é casado.

Ele mesmo, aliás, já explicou o que queria dizer em cada faixa do disco — por enquanto, disponível apenas no Tidal, serviço de streaming que ele fundou e do qual agora é sócio.

Em tempo: sem assinatura do Tidal, o rapper Snoop Dogg apelou para a pirataria. (Globo)

Frida Kahlo faria 110 anos nesta semana, e a BBC se pergunta: como ela se tornou uma das mulheres mais conhecidas do mundo? Para pesquisadores, vários elementos contribuíram para fazer dela um mito — “o exótico, o mundo subdesenvolvido como pano de fundo e o ser mulher, além de um talento plástico inegável e original”, cita, por exemplo, uma especialista na artista mexicana. Até o acidente que a levou a 30 cirurgias, diz a BBC, colaborou para a construção de sua imagem mítica.

Só lembrando... A Netflix pôs no ar a cinebiografia Frida.

Pedro Herz, dono da Livraria Cultura: “A maneira de fazer política está errada. No meu entender, cultura é a maneira que eu tenho de enriquecer o meu saber. Que saber eu tenho pra ser enriquecido se vou tão mal na escola? Para que precisamos de um Ministério da Cultura? Melhor ter um bom ministro da Educação para ter gente que lê e depois falarmos de cultura.” (Estadão)

Diga-se... O autor mais vendido do Brasil nos últimos seis anos é: Edir Macedo, o bispo da Igreja Universal. O portal Publishnews compilou os dados do mercado no período para o Nexo. Nada a Perder 3, obra do eclesiástico/empresário/escritor, vendeu 1,1 milhão de exemplares. É dele ainda o segundo lugar do ranking. Ah, sim, a terceira posição é também de outro religioso, desta vez católico, Padre Marcelo Rossi.

Viver


Relatora da ação que pode liberar a compra da cannabis para fins medicinais, a ministra do STF Rosa Weber determinou que Presidência da República, Senado, Câmara e Anvisa se manifestem em dez dias, informou Lauro Jardim, no Globo. Ela quer agilizar o andamento da ação que pede a descriminalização desde o cultivo e o transporte da cannabis até sua compra por indicação médica. 

Há poucos dias, a Noruega fez duras críticas ao Brasil e anunciou o corte de verbas que enviava para o combate do desmatamento da Amazônia. Pois esta mesma Noruega é a principal acionista de uma mineradora que responde a mais de 2 mil ações por contaminação de rios e comunidades numa das regiões mais poluídas da floresta amazônica, relata a BBC. A empresa norueguesa também deve multa de R$ 17 milhões ao Ibama pelo transbordamento de lama tóxica na região.

Cruzando dados de mais de 60 estudos, além de entrevistas com especialistas, o Vox responde à questão: Por que você não deveria praticar exercícios para perder peso?

Cientistas geniais comentem erros... geniais. Foi assim com Darwin e com Einstein, conta o astrofísico Mario Livio no livro Tolices Brilhantes, no qual lista erros (e acertos) de cinco grandes cientistas. Apesar de dizer à Folha que é "reconfortante" saber que até as maiores mentes erram, o autor garante que não deprecia seus personagens. Segundo ele, os erros dos gênios são em geral parte de um processo e ajudam a promover avanços na ciência.

Cotidiano Digital


O Terra, portal fundado na Espanha em 1999, saiu do ar em definitivo nos EUA, Peru, México, Chile, Colômbia, Argentina, Venezuela e Equador. Sua operação permanece apenas no Brasil. Aqui, ele é mais antigo. Foi fundado originalmente como ZAZ, em 1996, e comprado pela Telefónica de Espanha em 2000, quando tornou-se Terra Brasil. Os 150 funcionários do portal, por aqui, continuam a toda. (Estadão)

A Dropbox está se preparando para abrir capital na Bolsa.

Os dez tweets mais retuitados de Barack Obama foram muito mais reenviados do que qualquer um de Donald Trump. Obama ainda tem mais retweets por tweet do que o atual presidente. (Washington Post)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




4 de julho de 2017
Consultar edições passadas