Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



29 de setembro de 2020
Consultar edições passadas

Um milhão de mortos


Mais de um milhão de mortos por coronavírus. O número é alcançado quase nove meses após o primeiro óbito oficial devido à doença, em 11 de janeiro, e quase sete após a OMS declarar que a Covid-19 era uma pandemia. O dado é baseado em estatísticas reunidas pela universidade americana Johns Hopkins, que registrava precisamente 1.002.129 óbitos até as 6h25 de hoje, horário de Brasília. Especialistas acreditam que os números reais de casos e de mortes são muito maiores — e que a marca já foi superada há várias semanas.

A crise sanitária, que se desdobrou em crise econômica e política, agravou desigualdades já muito acentuadas em todo o mundo. O número — 1 milhão — equivale a 13 Maracanãs lotados ou a toda a população de Maceió. Enquanto as primeiras 500 mil mortes foram registradas em seis meses, as últimas 500 mil foram registradas em apenas três. O número de casos diários de Covid-19 no mundo todo é hoje mais que três vezes maior do que a média diária de abril, período em que o Brasil, Europa e Estados Unidos, entre outros lugares no mundo, começaram a enfrentar medidas duras de quarentena. Ou seja: o planeta nunca conseguiu diminuir a média diária — ou “baixar a curva”. A pandemia segue em aceleração. Nos últimos 30 dias, em média, 5,3 mil pessoas morreram diariamente de Covid-19 no mundo. Esse número é inferior à média diária de abril (6,3 mil) mas superior ao que era registrado em junho (4,4 mil casos por dia).

O Brasil, um dos mais atingidos, registrou 385 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 142.161 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de novas mortes no Brasil, nos últimos sete dias, foi de 687 óbitos, uma variação de -15% em relação aos registrados em 14 dias.

Por falar em EUA, o número de novos casos de Covid-19 nos Estados Unidos aumentou pela segunda semana consecutiva em 27 dos 50 estados, de acordo com uma análise da Reuters.

No Canadá, a província de Quebec relatou ontem outro aumento nas infecções diárias. Segundo a imprensa local, o governador François Legault anunciará novas restrições para Montreal, sua cidade mais populosa.

Já Wuhan, na China, não registra novos casos desde maio. Marco zero da pandemia do novo coronavírus, a cidade voltou à normalidade e tem ruas comerciais cheias. Moradores criticam a resposta global à pandemia.

E novos dados confirmam que a letalidade real da Covid-19 é extremamente baixa em crianças de 5 a 17 anos de idade. Entre 1º de março e 19 de setembro, a letalidade calculada para crianças em idade escolar nos Estados Unidos foi de 0,018%, segundo estudo.

Mais de trinta das maiores empresas dos Estados Unidos irão divulgar dados de raça, gênero e etnia anteriormente privados como parte de uma iniciativa da cidade de Nova York e de três fundos de aposentadoria municipais. O objetivo é aumentar a transparência da força de trabalho em empresas que fizeram declarações explícitas de apoio à igualdade após os protestos contra o assassinato de George Floyd pela polícia de Minneapolis e mortes desproporcionais de minorias causadas pela Covid-19. Amazon, General Motors e Goldman Sachs estão entre as 34 empresas que concordaram em compartilhar o documento regulatório.

Pois é... o movimento de empresas brasileiras para aumentar a contratação de negros também tem ecoado nas escolas particulares do Brasil. A demanda por estatísticas da raça de alunos e professores é uma das pautas que as famílias têm apresentado às direções de alguns dos colégios mais caros do país. Levantamento feito pela Folha nos dados do Censo Escolar de 2019 revela que, pelo menos em São Paulo, os dados confirmam a percepção dessas famílias: uma em cada dez escolas privadas da capital paulistana (10% do total) informou ao Ministério da Educação não contar com um único professor negro.

Hora de Panelinha. E o crepe merece justiça. A panquequinha francesa é versátil e deixa o café da manhã especial servida com manteiga e raspinhas de limão. Também vira almoço levinho recheada de queijo e servida com salada. E ainda se transforma em sobremesa com geleia e sorvete. Aliás, preparar geleia em casa é demais Agora, se você empilhar crepes, geleia, chantilly e frutas, tem uma sobremesa que impressiona, daquelas que dá vontade de tirar foto e postar. Eis o bolo de crepe com geleia de morango e maracujá. E confira mais ideias no site da Rita Lobo.

Política


Em Brasília, o dia foi marcado por pedaladas e boiadas. Enquanto de um lado o Ministério do Meio Ambiente saiu revogando regulações que traziam garantias importantes, o Planalto apareceu com um novo projeto para ampliar o Bolsa Família. Quer postergar o pagamento de valores devidos após ações judiciais — os precatórios —, e abocanhar um naco do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica, o Fundeb. O novo programa, que se chamaria Renda Cidadã, teria segundo o senador Marcio Bittar R$ 30 bilhões a mais do que o Bolsa Família. O valor do benefício, no entanto, não deve chegar a R$ 300, como o atual auxílio emergencial. Ao sacar o dinheiro do fundo e postergar o pagamento de dívidas que não podem ser contestadas, a conta para chegar ao programa está já sendo chamada de pedalada. (Estadão)

Adriana Fernandes: “Depois de tanto vaivém, o governo optou por duas medidas extremamente polêmicas para bancar o Renda Cidadã e pouca disposição para enfrentar a tarefa de passar a tesoura nos gastos para compensar despesas maiores com a transferência de renda aos mais pobres. De um lado, o governo propõe criar um gasto permanente, o novo programa social, usando recursos do Fundeb, o fundo para educação que está fora do teto de gastos, a regra que proíbe que despesas cresçam em ritmo superior à inflação. A proposta de adiar o pagamento de parte dos precatórios é ainda mais crítica. Não à toa pouco depois do anúncio já está sendo chamada de ‘calote temporário’. A dívida não deixa de existir. Nas duas propostas não há compromisso de ajuste, o que na prática é o motivo por trás da ideia da equipe econômica de insistir com a manutenção do teto. A resposta é tensão. Do mercado, que quer o teto vivinho. Para quem defende mais recursos para a transferência de renda, nova constatação da perda de rumo. Depois do anúncio de hoje, aumenta a desconfiança de que o fracasso do Renda Cidadã pode abrir as portas da flexibilização do teto e saída do ministro da Economia, Paulo Guedes.” (Estadão)

E a boiada... O ministro Ricardo Salles fez quatro mudanças que terão impacto direto nas áreas de preservação e no descarte de lixo de agrotóxicos. A revogação da resolução 284 acaba com a exigência de licenciamento ambiental para projetos de irrigação. Sem a regra federal, cada Estado passa a definir suas normas, facilitando a entrada de projetos, como hotéis e usinas eólicas, destruindo ecosistemas. Já o fim da resolução 302 autoriza que empreendimentos possam entrar em áreas localizadas nos arredores de represas artificiais. Sem essa regra, o caminho está aberto para desmatar. A extinção da resolução 303 acaba com a regra que estipulava parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente em áreas do litoral e que protegia regiões de manguezais e restingas, que concentram vegetação sobre dunas em muitas praias. Com o fim dessas regras, abre-se o caminho para que Estados adotem suas próprias normas e facilite a entrada de projetos, como hotéis e usinas eólicas, por exemplo. Foi aprovada ainda uma nova resolução que permitirá a queima de agrotóxicos. Os chamados “resíduos de poluentes orgânicos persistentes”, que agora poderão ser incinerados em fornos de produção de cimento, incluem itens como inseticidas, pesticidas e fungicidas, que são usados pelo agronegócio. (Estadão)

Entidades ligadas à preservação do meio ambiente afirmaram que a revogação de resoluções teve como principal objetivo o favorecimento de empresários ligados ao setor imobiliário, ruralista e agrícola. (G1)

Entenda: o que perdemos quando paramos de proteger manguezais. (BBC)

Fernando Henrique Cardoso, no Roda Viva: “Todos os partidos têm que sofrer um processo de revisão profunda. O PSDB quando foi fundado, a maioria de nós pertencia ao PMDB. Criamos um partido novo porque o MDB perdeu identidade naquele momento, ficou diversificado, tem muitas correntes, em tudo se dividia. Talvez esteja acontecendo algo semelhante no PSDB. Os partidos nascem e morrem também, espero que o PSDB não morra.” E em outro momento: “Não igualo o Lula ao Bolsonaro. Não conheço Bolsonaro, nunca vi. Ele foi deputado, quis me fuzilar, eu nem sabia que ele existia. O Lula eu conheço de quando era operário. O que eles simbolizam não é a mesma coisa. O Lula simboliza a inclusão de grupos, de trabalhadores, pessoas que não estavam integradas e trouxe para a vida política. O Bolsonaro não precisou trazer ninguém, me parece que ele pertence a um grupo que tem mais restrições, o Lula é mais maleável. Ou o centro e a esquerda se aproximam do concreto, da vida das pessoas, ou então vão falar em círculo, em bolha.” (Poder 360)

Aliás... Assista à entrevista. Vera Magalhães reuniu alguns dos ex-âncoras para celebrar os 34 anos do programa.

Secretários de Fazenda de Pernambuco, São Paulo, Piauí, Paraná e Mato Grosso se reúnem amanhã no Foro Inteligência para discutir a reforma tributária do ponto de vista dos estados. Ocorre às 19h, via Zoom, e é preciso se inscrever.

Em tempo: Você tem perguntas sobre como o Meio funciona? Dê um reply à newsletter de hoje e nos faça a pergunta.

Cultura


Um exemplar da primeira edição de A origem das espécies, de Charles Darwin, foi leiloado por £38.400. O trabalho de 1859 foi vendido a um americano. Comentando sobre a venda, Nigel Kirk, diretor da casa de leilões Mellors & Kirk, em Nottingham, disse que a tiragem inicial (1250 cópias) e a capa modesta ajudam a explicar por que o livro é uma raridade. Os preços dos leilões subiram durante a pandemia à medida que cresceu o interesse por meios alternativos que não apenas representam um estoque tangível de riqueza.

Por falar em leilão, a Sotheby's colocou à venda um icônico par de óculos redondos usados por John Lennon. O preço inicial: US$ 50 mil.

Cotidiano Digital


A engenheira brasileira Lídia Galdino é responsável pela pesquisa da University College de Londres que alcançou recorde de velocidade de internet em fibra óptica. A conexão atingiu 178,08 terabits por segundo. Só para ter uma ideia, seria possível baixar mil filmes em alta definição, cada um no tamanho de um Blu-ray (25 GB), em apenas um segundo. É três vezes mais rápida do que as melhores conexões por fibra disponíveis atualmente e a velocidade chega perto do limite teórico de transmissão de dados definido pelo matemático Claude Shannon em 1949. O avanço tem o potencial de alimentar o 5G, além de acelerar a troca de dados em outras aplicações.

Sobre Claude Shannon: o matemático foi responsável pela criação do bit em 1948, que ele classificou como “uma unidade para medir a informação”. E já em 1943 especulava com Alan Turing sobre o futuro da inteligência artificial. Um pouco de sua história.

Por falar em 5G, a Microsoft anunciou uma nova plataforma em nuvem no Azure com objetivo de permitir que as teles montem redes 5G mais rápido e com menos custos. A novidade, vai aumentar a concorrência com outros fornecedores de serviços 5G, como Nokia e Ericsson.

O Google vai começar a exigir de todos os apps a comissão de 30% em cada transação na Play Store. A sua política anterior permitia alguns aplicativos burlarem a regra e cobrarem por meio de plataformas de pagamento alternativas. A mudança se alinha com a praticada pela Apple, que tem sido alvo de críticas de desenvolvedores, como a Epic Games, responsável pelo Fortnite.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



29 de setembro de 2020
Consultar edições passadas