Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet
14 de outubro de 2016
Consultar edições passadas

14 de outubro de 2016

Eduardo Cunha vira réu

Por ordem do juiz Sérgio Moro, os advogados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha têm prazo de dez dias para que respondam preliminarmente às acusações de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas. A mulher do ex-deputado, a jornalista Cláudia Cruz, já era ré no mesmo caso.
 
Nesta ação específica, Cunha teria recebido em contas suíças pelo menos R$ 5 milhões de suborno quando a Petrobras comprou parte de um campo de petróleo na costa do Benin, África. O negócio, segundo o Estadão, foi tocado pela Diretoria Internacional da estatal, cota do PMDB no esquema. Sua mulher é ré porque parte deste dinheiro foi para contas em seu nome.
 
Há outro caso envolvendo Cunha. Este segundo foi encaminhado pelo STF a uma corte fluminense pois inclui a prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida. Ele teria recebido outros R$ 5 milhões referentes ao contrato de navios-sonda da Petrobras.
 
A quinta não foi um bom dia para Cunha. Reconhecido no Aeroporto Santos Dumont, terminou atacado por uma senhora em fúria. O vídeo foi assunto do dia nas redes.

Curtas

O ex-senador Gim Argello (PTB) foi condenado a 19 anos de prisão pelo juiz Moro. Seus ex-aliados temem delação.

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, acatou denuncia do Ministério Público Federal e tornou Lula réu pela terceira vez. Este caso envolve lavagem de dinheiro e corrupção em um contrado da Odebrecht. (Globo)

O governo federal já arrecadou R$ 12 bilhões com impostos e multas de quem aderiu ao programa de repatriação dos recursos. Segundo Monica Bergamo, cerca de R$ 4 bilhões vieram esta semana. Ainda há mais duas semanas de prazo. (Folha)

Concessionárias públicas já acumulam uma dívida de R$ 6 bilhões com o BNDES. Responsabilizam a recessão e o envolvimento de muitas sócias com a Lava Jato. (Estadão)

Miriam Leitão entrevistou o presidente Michel Temer, na GloboNews. Ele defendeu que se iguale os sistemas de aposentadoria de servidores públicos com os do setor privado.

Delfim Netto elogia FH e Lula, critica Dilma, e diz que o principal obstáculo político no Brasil é o corporativismo do setor público. (Estadão)

Falta trabalho para 22,7 milhões de brasileiros, segundo o IBGE. Corresponde a 13,6% da população em idade produtiva. (Globo)

Pode pintar uma aliança PSDB-PMDB para a eleição de 2018. (Folha)

Sylvia Colombo explica a tática que deu vitória ao Não no plebiscito pela paz com as FARC, na Colômbia. (Folha)

O ex-bispo Fernando Lugo, que sofreu impeachment relâmpago como presidente paraguaio em 2012, é o favorito para a eleição presidencial de 2018.

Pós-Brexit, Escócia começa a se mexer para deixar o Reino Unido.

Cultura

O Nobel de Bob Dylan

Não faltou, nas redes sociais, quem reclamasse do Nobel de Literatura para Bob Dylan. Ele é músico, chamar de poeta é forçar a barra, segue o argumento. Mas, como lembrou no Facebook o ex-curador da Flip Miguel Conde, a poesia nasceu cantada na Grécia antiga, entre Homero e Safo. E Dylan é herdeiro legítimo dos trovadores medievais, que cantavam o que escreviam.
 
Desde finais dos anos 1950, ele compõe canções que constroem narrativas a partir de imagens. Filho de judeus com origem russa, trabalhou a centenária tradição da música americana que conta histórias da vida de gente comum. Tradição que, no século 20, ganhou tons da esquerda política. E uma das leituras do prêmio, para um artista popular ligado à esquerda, é que se trata de um aceno anti-Trump do Nobel. Nas palavras de John Pareles, crítico do New York Times, Bob Dylan é “erudito e simples, romântico e afiado, devoto e iconoclasta, acusador e oracular, pessoal e universal, exerce a compaixão assim como não tem piedade”. O poeta já acumula o prêmio Pulitzer, principal dedicado a jornalismo e literatura nos EUA, o Oscar e alguns Grammys.
 
A turma da Bravo! preparou uma playlist de Bob Dylan no YouTube. O New York Times organizou outra, no Spotify.

Curtas

As estreias da semana no cinema incluem Tom Hanks, em Inferno, e Ricardo Darín, em Kóblic. Confira a lista completa.

Rogue One, Uma História de Star Wars, ganhou o segundo trailer oficial. O filme, que se passa no período imediatamente anterior ao Guerra nas Estrelas original, estreia nos cinemas em 16 de dezembro.

Chegam ao Netflix, neste sábado, todas as temporadas da série The O. C., a segunda temporada de The Flash, e a primeira de A Casa do Mickey Mouse. Entram também os filmes infantis Angry Birds e Dinossauro.

Mais cinco filmes passados no universo de Harry Potter serão produzidos. (Estadão)

Livro ao Acaso, um minidocumentário. O rapaz faz livrinhos e os deixa por aí para que alguém os ache.

O Acervo Público Americano pôs no ar uma coleção de GIFs animados.

Viver

Policiais obrigam jornalistas a apagar o registro em vídeo de sua ação contra estudantes, em São Paulo. Eles não apagaram.

Obama quer viagem a Marte em 20 anos.

Dinossauros não cantavam feito pássaros. Mas um deles fazia barulho de pomba.

Apertou o Brasileirão. Palmeiras empatou e o Flamengo venceu, num jogo polêmico. O clube paulistano tem, agora, apenas um ponto de vantagem sobre o carioca.

Cotidiano Digital

Brasil é o terceiro mercado do Uber no mundo.

A realidade virtual chega ao PlayStation 4.

É possível que jogadores de games tenham uma percepção diferente da história das guerras?

Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet



Consultar edições passadas