Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet
22 de novembro de 2016
Consultar edições passadas

22 de novembro de 2016

Panela de pressão palaciana

Foi um dia tenso no Planalto: basta ver no rosto dos presentes ao encontro do Conselhão, que ocorreu pela manhã. O Estadão pôs uma galeria no ar. Não havia outro assunto na mente de todos: as acusações de que o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, tinha tentado forçar a reversão de um laudo do Iphan proibindo a construção de um prédio em área histórica de Salvador. Obra em que comprou apartamento. O Conselho de Ética já tinha votos o suficiente para ordenar investigação do caso quando José Saraiva, indicado pelo próprio Geddel, pediu vistas e interrompeu o processo. Sequer disfarçou a manobra. E o ministro terminou obrigado a autorizar seu homem a voltar atrás. A investigação tem prazo de dez dias. De acordo com o Painel da Folha, alguma punição é certa.
 
Michel Temer tem três homens de confiança no palácio. Além de Geddel, o ministro da Casa Civil Eliseu Padilha e o secretário-executivo de Parcerias e Investimentos, Moreira Franco. Segundo a experiente repórter Vera Rosa, o conjunto tem apelido. Serpentário. Disputam espaço, os três. E, até o estouro desse escândalo, era Moreira quem estava nos holofotes por conta da ofensiva da Polícia Federal contra o PMDB fluminense. À segunda Geddel sobreviveu, mas a pressão aumentou. Faltam mais quatro dias até o fim da semana. (Estadão)
 
Se Temer não está convencido a se livrar do problema, a cúpula do Partido da República agiu. Mas noutro caso. Expulsou a deputada federal Clarissa Garotinho de seus quadros. Ela é acusada de violar a orientação do partido e votar contra a PEC do Teto. Outros dois deputados fizeram o mesmo, foram apenas suspensos. O problema é o pai de Clarissa. O ex-governador, aliás, operado para colocar um stent na coronária, se recusou a ser examinado por médicos indicados pelo MP. Mas, dizem os peritos, a documentação parece comprovar que a cirurgia de fato ocorreu. (Globo)

A Comissão da Câmara vota hoje o relatório das Dez Medidas Contra a Corrupção. No texto do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), o Caixa Dois é expressamente criminalizado sem prever anistia e não há menção de punir juízes ou procuradores que investiguem gente com poder. Os parlamentares não gostam. O Movimento Vem Pra Rua pôs online a intenção de voto declarada de cada um dos deputados.

Do cineasta José Padilha, entrevistado pela Folha: “A Lava Jato é o único caminho, e é uma pena que a esquerda não admita os crimes do PT e passe a apoiar as investigações. Ser contra a Lava Jato agora é ajudar ao PMDB e ao PSDB, é fazer o jogo da direita.” Ele trabalha em uma série sobre a operação para o Netflix. Terá concorrência. O Globo acompanhou os primeiros dias de filmagem, em Curitiba, de um longa dirigido por Marcelo Antunez. Ele é conhecido por comédias nacionais de grande público.

Foi reduzida a previsão do PIB. O governo estimava uma queda de 3% este ano. Vai a 3,5%. Em 2017, ano em que queria crescer 1,6%, reajustou para 1%. (Estadão)

Não é piada. De acordo com o Washington Post, a política econômica de Trump já foi tentada antes. Por Dilma Rousseff, no Brasil.

O filme se chama Barry e estreia no Netflix em 16 de dezembro. Conta a juventude de Obama, com jeitão de telefilme. Trailer no ar.

Para ler com calma: Henry Kissinger dá uma longa entrevista à revista The Atlantic Monthly. É talvez o secretário de Estado mais respeitado e odiado dos EUA no pós-guerra. Aos 93, é também um dos maiores conhecedores de diplomacia na prática que há. Para ele, todas as potências estão à beira de tomar importantes decisões estratégicas que definirão o planeta nas próximas décadas. A China precisa decidir que lugar ocupará na ordem internacional. A Rússia terá de definir os objetivos que busca nos inúmeros confrontos que trava. A União Europeia não tem escolha que não esperar as diversas eleições do ano que vem para compreender seu propósito. E os Estados Unidos vão dar um freio para descobrir em que o país se transformou após as últimas eleições.

Viver

Barack Obama falou pela primeira vez sobre Edward Snowden, o dissidente político que denunciou a espionagem da NSA americana através da internet. “Ele levantou preocupações legítimas”, disse em entrevista à revista alemã Der Spiegel. “Mas, se cada funcionário começar a tomar suas próprias decisões sobre o que fazer, será impossível ter um sistema de segurança nacional.” O presidente considera que é preciso encontrar um equilíbrio entre a privacidade e a obrigação que governos têm de defender seus cidadãos. Ambos são importantes e um compromete o outro.

E já que diplomacia parece um tema do dia, uma pergunta ronda os corredores da ONU: que país assumirá a liderança do combate às mudanças climáticas com a ascensão de Donald Trump à Casa Branca? Sem os EUA, o Acordo de Paris não teria saído. Mas Trump não gosta do tema. Um dos candidatos é a China. Tem pesados investimentos na indústria da energia limpa e precisa de clientes no exterior para esse maquinário que fabrica. Além disso, a má qualidade do ar nas metrópoles do país é um fator de insatisfação social importante. A China, porém, não tem tradição de liderar brigas diplomáticas. O bloco europeu tem essa tradição. Mas suas divisões internas são muitas e tem dificuldades de se mover unificado. A aposta mais provável é a do surgimento de uma frente com governos e empresários. Enfrentar transformações no clima, afinal, está virando bom negócio.

Galeria: a decoração de Natal do Hotel Claridge’s, em Londres, foi feita por Jonathan Ive, mestre-designer da Apple.

Depois do vestido, o par de Havaianas. E aí: de que cor?

Cotidiano Digital

A nova versão do Instagram que começou a chegar aos celulares, ontem, traz algumas novidades. A mais importante é a capacidade de mostrar algumas fotos só para um grupo limitado de amigos. Também fotos que desaparecem depois de um tempo. Pois é: um Instagram mais Snapchat. A rede também receberá, ao longo dos próximos meses, a capacidade de transmitir vídeos ao vivo.

A Apple saiu do ramo de roteadores. A atual linha de AirPorts, atualizada em 2013, será a última. São boas máquinas, comuns nas casas de quem usa celulares e computadores da empresa. Mas a tecnologia de WiFi está mudando rápido. A nova geração, ao invés de apostar em um aparelho central, constrói uma rede descentralizada com vários pontos espalhados pela casa ou escritório.

Aliás… a Apple pediu o recall de iPhones modelo 6S para troca de bateria. Não, ele não explode. Mas alguns aparelhos, fabricados entre setembro e outubro de 2015, podem apresentar desligamento repentino.

Cultura

O Oceanos, Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa, divulgou sua lista de finalistas (PDF). São quatro livros de poesia, quatro romances e duas coleções de contos. Na lista estão os brasileiros Julián Fuks, Marcelo Rubens Paiva, Eucanaã Ferraz, Antonio Carlos Viana, Marcos Siscar, Arthur Dapieve, Ana Maria Marques e Nuno Ramos, a quem se juntam os portugueses José Luís Peixoto e Gonçalo M. Tavares.

Trechos da autobiografia de Rita Lee, publicados pela Trip.

Levou o Emmy Internacional de Melhor Novela Verdades Secretas, de Walcyr Carrasco. A trama foi exibida no ano passado no horário das 23h. (Globo)

Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet



Consultar edições passadas