Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet
25 de novembro de 2016
Consultar edições passadas

25 de novembro de 2016

Em Brasília, piscaram

Uma bomba após a outra explodiu na Praça dos Três Poderes, quinta-feira. E nenhuma tem a ver, por enquanto, com a maior delação premiada da história, cujo conteúdo segue desconhecido. A pressão sobre o presidente Michel Temer por conta de Geddel Vieira Lima triplicou. A pressão via internet sobre a Câmara dos Deputados, que pretendia anistiar-se dos crimes de Caixa Dois, quadruplicou. Esta não será uma sexta-feira tranquila de quase dezembro na capital federal.

O depoimento do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero à Polícia Federal vazou para o Estadão. Ele repete oficialmente que vinha sendo pressionado pelo ministro-chefe da Secretaria de Governo para liberar a construção de um prédio proibido pelo Iphan. Mas vai além. Calero acusa o presidente Michel Temer de tê-lo pressionado igualmente, sugerindo e depois insistindo que encaminhasse à Advocacia Geral da União o processo do edifício. Na AGU, o presidente insinuou, o problema seria resolvido em favor de Geddel.
 
Calero disse à Polícia Federal que gravou suas conversas com o Temer, de acordo com o jornalista Kennedy Alencar.

Para o Planalto, a crise de um ministro virou crise do presidente. (Folha)

Editoriais: Globo e Estadão batem duro no governo.

Os deputados estavam preparados para votar cedo a Anistia ao Caixa Dois. De manhã, o plenário estava cheio – coisa rara. Aprovaram a urgência. Mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não pôs o projeto em pauta. Pois também desde cedo seu Facebook foi atolado por comentários de eleitores furiosos. Deputados começaram a sair do WhatsApp por conta da torrente de mensagens. E a comunidade Quebrando o Tabu, com quase 6 milhões de seguidores, pôs no ar uma campanha para encher de emails os parlamentares.
 
As ruas podem parecer vazias, a praça virtual não está. E a Câmara piscou. Não houve votação, adiada para terça-feira. (Globo)

O juiz Sérgio Moro publicou nota dizendo que a anistia “estimula o desprezo à lei”. O procurador Carlos Fernando foi mais duro. “Isso acaba com a necessidade da Lava Jato. A partir do dia em que essa lei for sancionada, esses fatos deixam de ser crimes.” (Globo)

E o TSE revogou a prisão preventiva do ex-governador Anthony Garotinho sob fiança de R$ 88 mil. Como o pedido tinha sido feito para evitar que ele interferisse nas investigações, o tribunal impôs condições. Garotinho não pode entrar em contato com as testemunhas, não pode voltar à cidade de Campos, onde teria comprado votos, e não pode deixar sua residência no Rio por mais de três dias. (Globo)

Um único juiz do TSE votou contra o ex-governador. O rígido Herman Benjamin. É justamente o relator que decidirá se as contas da campanha de Dilma Rousseff e de Michel Temer devem ser avaliadas juntas ou separadas. É este processo que pode terminar na cassação do presidente.

A delação da Odebrecht está em suspenso. Para que vingue, é preciso amarrar a distribuição da multa. Três governos serão indenizados. O do Brasil, dos EUA e da Suíça. Como a quinta foi o Dia de Ação de Graças, feriado fundador americano, os representantes do país não trabalharam. (Globo)

O Meio apresenta hoje Tony de Marco. Artista plástico, designer, fotógrafo, tipógrafo, tanto analógico quanto digital. Toda sexta ele trará uma imagem. Na estreia, aproveita-se de que o governo federal andou reclamando dos emojis usados no Facebook e sugere um substituto.

Tony de Marco
Novo emoji em Brasília: “Face with crocodile tears” em homenagem à cara de pau com lágrimas de Geddel.

 

Saiba mais: O que é emoji?Os emojis mais usados no TwitterO funk do emoji

Israel está em chamas. Na cidade litorânea de Haifa, já são 60 mil os desabrigados por conta dos incêndios na mata próxima. O governo acredita que o fogo é criminoso.

Cotidiano Digital

Nos EUA, a Black Friday é uma tradição quase centenária. Alguns dos maiores descontos anuais são dados nesse dia. No Brasil, apareceu primeiro no e-commerce, em 2010, e rapidamente ganhou a fama de Black Fraude. Não à toa. Há abuso. Aumenta-se o preço umas semanas antes para simular descontos que não existem. Mas é um dia bom para fazer compras, desde que munido das ferramentas certas. O TechTudo fez um pesado levantamento delas.
 
Ao pé da página de cada pesquisa do Buscapé há um gráfico com o histórico de até um ano dos preços cobrados por aquele produto. Se o desconto for realmente grande, estará no preço mínimo.
 
O Reclame Aqui monitorou o preço de 1.200 produtos e pôs no ar um buscador que mostra quem apresenta realmente descontos.
 
O site Black Friday agrega estas ofertas todas na tentativa de dar respeitabilidade ao negócio no Brasil.

Aliás… O Banco Central mudou as regras para uso de cartão de crédito em compras na internet. Os cartões nacionais poderão ser usados em lojas estrangeiras. E será permitido ao usuário que ele escolha se quer usar o câmbio do dia da compra ou prefere uma conversão única no fim do mês.

Cultura

A Resistência, de Julián Fuks, é o vencedor do melhor livro de ficção do ano e levou o Prêmio Jabuti. É também um dos finalistas do Oceanos. Na categoria não-fição empataram Mário de Andrade: Eu sou Trezentos, de Eduardo Jardim, e Dicionário da História Social do Samba, de Luiz Antonio Simas e Nei Lopes. (Folha)

Dentre as estreias do cinema, A Chegada (trailer) é o que atraiu mais a crítica. Nele, uma linguista é convocada a interpretar a língua de alienígenas que acabam de pousar na Terra. Tom Cruise está de volta ao papel do policial do Exército Jack Reacher (trailer). E há alguns brasileiros. Entre eles, a cinebiografia Elis (trailer) e o thriller O Intruso (trailer). Veja as outras novidades.

3% está no ar. É a primeira série original brasileira do Netflix. Assista à abertura ou ao primeiro episódio.

A série cult Gilmore Girls está de volta, com quatro episódios, que entraram no Netflix. A vlogger Jout Jout comenta. Veja o trailer ou assista ao primeiro episódio.

É raro, mas a Academia Brasileira de Letras não conseguiu eleger seu novo membro. Após quatro rodadas de votação, nem o poeta Antonio Cícero, nem o cientista político Francisco Weffort, conseguiram a maioria mínima de 18 votos. Novo pleito só se houver 2017. (Globo)

Uma coleção de livros pop-up na história.

Viver

A Justiça do Rio autorizou um casal a cultivar maconha em casa. Sua filha de 7 anos sofre de convulsões para as quais um extrato produzido a partir da planta é o melhor tratamento. (Estadão)

Aliás… A Anvisa permitiu, na terça-feira, medicamentos baseados na erva.

Galeria: as melhores fotografias de natureza de 2016. Vote em sua favorita.

Arqueólogos descobriram, no Egito, uma cidade com mais de 5 mil anos. São casas, ferramentas, cerâmicas e sepulturas que indicam que gente importante vivia no lugar.

Esta cadeira de escritório custa US$ 5.900. No modelo mais barato.

Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet



Consultar edições passadas