Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet
29 de novembro de 2016
Consultar edições passadas

29 de novembro de 2016

Sobre instituições frágeis

Do presidente Michel Temer, num desabafo, um dia após dizer que é preciso ouvir a voz das ruas: “Como nós não temos instituições sólidas, qualquer fatorzinho abala as instituições.”
 
De Hélio Bicudo, autor do impeachment de Dilma: “A democracia já estava ferida com a saída da Dilma. Por que, então, manter o Michel Temer? O Temer trouxe o pessoal do passado para o presente.” (Estadão)

Temer lançará pacote de reformas econômicas ainda esta semana. Envolvem a privatização de quatro aeroportos e detalhes para uma Reforma da Previdência. Quer tentar mudar de assunto. (Folha)

Para ler com calma: Sérgio Abranches sugere que um governo de transição por natureza frágil deve agir na defensiva, sempre evitando qualquer confusão. Sem ter percebido isso, se atrapalharam simultaneamente alguns dos políticos mais experientes do Brasil.

João Bosco Rabello: garantir a anistia do Caixa Dois fez parte do acordo que levou Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara. Foi a condição que permitiu o apoio do PT e do Centrão para que se elegesse.

A defesa de Eduardo Cunha listou por escrito 41 perguntas a serem feitas a Michel Temer, testemunha de defesa do ex-deputado. Em uma, quer saber se o presidente recebeu um ex-diretor da Petrobras para discutir dinheiro para a campanha de 2010. Noutra, sonda se foi de Temer a indicação de Moreira Franco para o setor de loterias da Caixa. O juiz Sérgio Moro cortou 21 das questões. Tratam o presidente como suspeito e não é da competência da primeira instância julgá-lo. (Folha)
 
Nas entrelinhas das perguntas de Cunha, há quem veja o roteiro de uma delação.

O Senado vota hoje, em primeiro turno, a PEC do Teto.

Geraldo Alckmin está se mexendo. Participa, hoje, de encontro com prefeitos, preparando terreno para se candidatar à presidência. Fará o papel de compreensivo perante um Planalto insensível aos dramas financeiros municipais. (Folha)

A Justiça do Rio determinou o bloqueio de imóveis da mulher do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo. O MP considera que ela atuou em lavagem de dinheiro. A joalheria Antonio Bernardo montou uma contabilidade paralela para lhes vender R$ 5,1 milhões em peças. A H Stern também vendia joias sem nota para o casal. (Globo)

A Venezuela perderá poder de voz e voto no Mercosul a partir de 1º de dezembro. O país deixou de seguir as regras internas do grupo. (Globo)

Bana, uma menina síria de 7 anos que vinha narrando pelo Twitter sobre sua vida familiar na Aleppo sitiada, escreveu domingo: Hoje à noite não temos casa, foi bombardeada e fui coberta de sujeira. Vi mortes e quase morri. Ela passa bem.

Viver

O avião que transportava a equipe do Chapecoense para uma partida da Copa Sul-Americana sofreu um acidente, na Colômbia. Até o início da manhã, não havia notícia de mortes e alguns jogadores já tinham sido resgatados. O principal jornal do país é o El Tiempo, que publicou imagens da fuselagem do avião, sugerindo um choque forte.

Cidades com muitos prédios velhos têm maior diversidade econômica. Ao menos nos EUA. Este é o resultado de um estudo fascinante publicado na forma do Atlas of ReUrbanism. Os pesquisadores mapearam no detalhe 50 cidades americanas e perceberam uma forte correlação entre a presença de prédios antigos e pequenos negócios. Cidades dominadas por edifícios grandes e novos tendem a ter poucas e grandes empresas. Onde há muitos prédios antigos de menor porte, porém, há muitos negócios pequenos e médios, em geral locais. Alguns são antigos e resilientes, têm relação profunda com a comunidade. Mas não apenas. Estes mesmos espaços são propensos também a dar origem a startups. Nas regiões com maior preservação arquitetônica, encontrou-se 46% mais empregos em pequenas empresas. Durante os ciclos de crise econômica, empresas grandes desempregam mais do que as pequenas.

O aumento de escolaridade do brasileiro não representou maior produção. Em média, cada ano a mais na escola culminou num incremento produtivo na casa dos US$ 200. No Chile, foi de US$ 3.000. Na Coreia do Sul, de US$ 6.800. A má qualidade da educação pode explicar. (Folha)

Uma lei proibindo o Uber foi sancionada pelo prefeito carioca Eduardo Paes, ontem. E não chegou a ter valor. Decisão da Justiça, em abril, já havia tirado dos governos municipal e estadual o poder de interferir.

Halima Aden desfilou de burquini e hijab no concurso de Miss Minnesota, preparativo para o Miss Estados Unidos.

Cotidiano Digital

Os hackers que sequestraram mais de dois mil computadores do sistema de metrô de San Francisco, na Califórnia, continuam a ameaçar a empresa municipal de transportes. O sistema de compra de passagens já foi normalizado, mas os criminosos cobram um resgate perante a ameaça de divulgar em público documentos internos.

102 milhões. Era o número de brasileiros na internet ao final de 2015, segundo o IBGE. Foi a primeira vez em que se rompeu a barreira dos cem milhões. É o equivalente a 57,5% da população.

Cultura

Rogue One, Uma História Star Wars, ingressos já em pré-venda. Em São Paulo, no Rio e em outros estados via Ingresso.com. O novo teaser em vídeo, aliás, insinua uma forte presença de Darth Vader. A história se passa no período imediatamente anterior ao Guerra nas Estrelas original. Nos cinemas dia 14 de dezembro.

Está circulando com sucesso no Facebook uma interpretação cheia de notas da Marcha Turca de Mozart pela pianista chinesa Yuja Wang. Aos 29, ela vem chamando atenção por razões diversas. A preferência por saltos altos e vestidos curtos é uma. A virtuose, outra. Executou a Hammerklavier, considerada a mais difícil sonata de Beethoven, no Carnegie Hall e arrancou elogios do crítico do New York Times. Yuja foi perfilada pela New Yorker o que, em termos jornalísticos, vale quase um Oscar.
 
Isto posto: vai um Gerwshin aí?

Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet



Consultar edições passadas