Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet
5 de dezembro de 2016
Consultar edições passadas

meu corpo nascido numa porta-e-janela da Rua dos Prazeres
ao lado de uma padaria sob o signo de Virgo
sob as balas do 24º BC
na revolução de 30
e que desde então segue pulsando como um relógio
num tic tac que não se ouve
(senão quando se cola o ouvido à altura do meu coração) 
tic tac tic tac 
enquanto vou entre automóveis e ônibus 
entre vitrinas de roupas 
nas livrarias 
nos bares 
tic tac tic tac 
pulsando há 45 anos 
esse coração oculto 
pulsando no meio da noite, da neve, da chuva 
debaixo da capa, do paletó, da camisa 
debaixo da pele, da carne,
combatente clandestino aliado da classe operária 
meu coração de menino

Poema Sujo. Ferreira Gullar (1930—2016)

5 de dezembro de 2016

Renan é o novo Eduardo Cunha

Segundo os organizadores, 200 mil pessoas foram ontem à avenida Paulista. Segundo a PM, 15 mil. No Rio de Janeiro, onde a passeata pareceu mais cheia, não foram divulgados números. Apesar de menor porte, as manifestações se repetiram em todas as capitais do país, incluindo o Distrito Federal. Os dois principais organizadores, Movimento Brasil Livre e Vem Pra Rua, evitaram o slogan Fora, Temer para se concentrar nos presidentes das duas Casas legislativas, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Renan Calheiros (PMDB-AL). Renan foi o alvo principal.

As redes sociais também centraram fogo em Renan, segundo o Poder 360.

Não à toa, o Planalto avalia que Renan Calheiros é o novo Eduardo Cunha.

Josias de Souza revela o jogo: Temer equilibra-se num paradoxo. Promete consertar a economia. Mas busca a responsabilidade fiscal com o velho método de sempre: o fisiologi$mo. Preservou e até ampliou os espaços que a clientela da Lava Jato ocupava sob Lula e Dilma. Temer mantém a cabeça nas reformas e os pés na lama. Seus operadores alegam que, se o presidente não jogar esse jogo, não governa. E o asfalto responde: 1) o Brasil é outro. 2) A Lava Jato pode carbonizar Temer.

Para ler com calma: o historiador José Murilo de Carvalho considera possível um cenário em que Temer não consiga completar o mandato. Para ele, as 10 Medidas, que considera exageradas em alguns pontos, devem ser melhoradas. Mas não é este o objetivo do Congresso, ele continua, preocupado em retaliar contra a Lava Jato. “O MP está prestando um grande serviço à República”, disse em longa entrevista ao Estadão. “Mas tem-se deixado imbuir de um espírito cruzadista que pode prejudicar sua eficácia.”

Renan planejava votar projeto contra Abuso de Autoridade amanhã. Mas a pauta pode cair. (Estadão)

No Twitter: Eu recomendo alfafa, muita alfafa. In natura ou como chá. É própria para muares e equinos, acalma e é indicada para passeatas nonsense. Do senador Roberto Requião (PMDB-PR), referindo-se a quem protestou a favor da Lava Jato.

A Reforma da Previdência está pronta e chega ao Congresso amanhã. Pela proposta do governo, aposentadoria, só a partir dos 65 anos. Benefícios e pensões por morte não serão mais reajustados pelo salário mínimo. E trabalhadores rurais terão de contribuir. (Globo)

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, está sendo pressionado por todos os lados. Renan e Rodrigo Maia estão entre os que com mais ênfase se põem por sua substituição. Mas a pressão inclui tucanos como Aécio Neves (MG), Tasso Jereissati (CE) e José Aníbal (SP). Por enquanto, o presidente Michel Temer resiste. Ele vai anunciar, esta semana, um pacote de dez medidas microeconômicas para aquecer o mercado. (Globo)

Há outro debate interno agitando o Palácio.principal alvo das críticas é Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central. Ele mantém altos os juros para trazer a inflação de volta à meta de 4,5% ainda em 2017. Mas a política também esfria a economia, ampliando a recessão. No Planalto, há quem sugira que Goldfajn está aumentando a crise.

E a semana está só começando.

O candidato da extrema-direita austríaca, Norbert Hofer, foi derrotado na eleição presidencial, ontem. O vencedor, Alexander Van der Bellen, ex-porta-voz do Partido Verde, é um economista favorável ao projeto da União Europeia que propõe uma Áustria cosmopolita e aberta à diversidade. Ele já havia vencido as eleições em maio, com margem muito estreita que, por conta de suspeita de irregularidades, a Justiça achou por bem anular. A margem, desta vez, foi maior.

Aliás: milícias armadas contra imigrantes começam a surgir na Europa.

O premiê italiano Matteo Renzi sofreu uma grande derrota nas urnas e anunciou que renunciará ao cargo, ainda hoje. Ele vinha propondo grandes reformas constitucionais submetidas a uma consulta popular. Renzi pretendia diminuir o número de senadores, simplificar o trâmite de leis, tornar mais enxuta a estrutura de governo. Os italianos rejeitaram seu projeto. Com sua derrota, sai fortalecido o Movimento 5 Estrelas, cada vez mais popular, que faz um discurso populista contra o establishment.

Cultura

Morreu Ferreira Gullar. O poeta maranhense, de 86 anos, tinha pneumonia. Com ele, morreu também a mais longeva briga da literatura brasileira, instalada entre ele e os irmãos Haroldo e Augusto de Campos, em 1957. Debatiam a natureza da poesia concreta e nunca mais pararam. Comunista na juventude, exilado no período negro da Ditadura, Gullar se tornou um dos nomes criticados com mais frequência pela esquerda. Era colunista da Folha de S. Paulo. O último texto foi publicado neste domingo de sua morte. “É necessário reconhecer que o sonho marxista estava errado, ainda que bem intencionado”, escreveu. “Se insistirmos nos dogmas como a luta de classes e a demonização da iniciativa privada, não sairemos do impasse que inviabilizou o regime comunista.” O Poema Sujo, cujo trecho abre esta edição do Meio, está cheio de cheiros e imagens, um libelo de resistência e liberdade, além de seu trabalho mais conhecido. O texto integral vale ser lido, mas vê-lo declamado pelo poeta é também imperdível.
 
Para ler com calma: Paulo Werneck conta quem foi Ferreira Gullar. (Folha)
 
Maria Schneider, a atriz que contracena com Marlon Brando em O Úlimo Tango em Paris, não sabia da cena da manteiga. Foi pega de surpresa pelas ações de Brando com as câmeras ligadas. É uma das cenas mais impactantes da história do cinema, por conta da violência sugerida e pesada reação emocional. Num vídeo de 2013 descoberto pelos editores da Elle americana, o diretor Bernardo Bertolucci admite que a cena, que apresenta sexo não consensual, não foi combinada com a atriz. Ela não sabia do que ia acontecer quando as câmeras fossem ligadas. “Não queria ver Maria interpretando sua humilhação e ódio, queria que ela sentisse realmente humilhação e ódio”, disse o diretor. “E ela me odiou pelo resto da vida.” Em 2007, a atriz falou do efeito causado em sua vida. “Apesar de Marlon não estar fazendo nada real, eu estava chorando lágrimas de verdade. Me senti humilhada, me senti um pouco estuprada, tanto por Marlon quanto por Bertolucci.” Schneider tinha 19 anos, na época. E Brando, 48.

Viver

O governo boliviano abriu investigação para compreender como a LaMia conseguiu autorização para operar voos. É a empresa responsável pelo acidente da Chapecoense. Desconfia-se de tráfico de influência. (Globo)

Jogaram domingo, pela 12ª rodada do Campeonato Argentino, River Plate e Independiente. Os jogadores do River vestiram verde, em homenagem à Chape. Os do Independiente estamparam em suas camisas não seus nomes mas os dos jogadores da Chapecoense que usavam os respectivos números.

Aproximadamente 10% das pessoas são subnutridas. Em todo mundo. Mas era quase metade da população, em 1945. Em 1980, 25% das pessoas tinham acesso a rede sanitária. Hoje, 60%. 44% de seres humanos em pobreza absoluta no ano de 1981. 10%, hoje. Na década de 1960, a expectativa de vida estava em 50 anos. Hoje: 71.  O diretor de Redação da Folha, Otavio Frias Filho, achou importante lembrar. 2016 pode parecer terrível. O mundo está ficando melhor. (Folha)

Cotidiano Digital

A HBO lança esta semana, no Brasil, seu produto de streaming, o HBO Go. Custará R$ 39,90 por mês e permite a assinatura do canal sem a necessidade de um contrato de TV por assinatura. As vendas começam na quarta-feira, mas só no Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Bahia e Distrito Federal. Além dos limites regionais, outro: é só para quem usa celulares ou banda larga Oi.

O WhatsApp vai parar de funcionar, este mês, em celulares que rodam iOS 6 ou inferior e Android 2.2 ou inferior. Também não será mais possível usa-lo no iPhone modelo 3GS. Até junho de 2017, o aplicativo deixará de operar no sistema BlackBerry e nos aparelhos Nokia S40 e S60.

Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet



Consultar edições passadas