Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet
19 de dezembro de 2016
Consultar edições passadas

19 de dezembro de 2016

Será que Temer sobrevive?

Segundo pesquisa CNI-Ibope publicada na sexta-feira, 64% dos brasileiros reprovam o governo Michel Temer. 26% aprovam. O principal motivo é a economia, analisa Kennedy Alencar.

Temer está se mexendo. Na semana passada, jantou com o vice-presidente do Grupo Globo, João Roberto Marinho, para reclamar do tom da cobertura na TV. Reuniu-se também com o procurador geral da República, Rodrigo Janot, além dos presidentes de Câmara e Senado.

Não é o único se mexendo. Nelson Jobim é amigo tanto de Lula quanto de FH. E está em campanha velada para candidatar-se à presidência acaso aconteça uma eleição indireta no Congresso, a partir de 2017. Ao menos por enquanto, os petistas preferem mudar a Constituição para permitir eleições diretas no caso de queda de Temer. E Lula sairia candidato.

A bomba relógio está tocando no processo que corre pelo TSE. Virá documentada na delação Odebrecht doação ilegal de aproximadamente R$ 30 milhões para a campanha Dilma-Temer, em 2014. Se a chapa for cassada, Temer está fora. (Estadão)

Janot entregará as delações para análise do Supremo hoje. (Globo)

Uma nota do Painel, na Folha de hoje: “O Planalto não tem dúvidas de que Herman Benjamin votará no TSE pela cassação da chapa Dilma-Temer. Por isso, tenta empurrar o julgamento para maio, quando terá o poder de indicar dois novos membros do tribunal.”

E nada para. O Planalto está com medo de Eduardo Cunha. (Folha)

A badalada (e dura) entrevista de Dilma Rousseff a Mehdi Hassan, da Al Jazeera, está no ar na íntegra.

O ministro da Justiça Alexandre de Moraes, na contramão da tendência global, quer erradicar a maconha da América do Sul. Comentário de Lauro Jardim: “Além de hercúlea e cara, a missão gera poucos frutos, considerando que o grosso do lucro do tráfico vem da cocaína.” (Globo)

Com 30 anos de serviço, um militar brasileiro se aposenta com salário integral. Nos, EUA com 60% do salário; o Reino Unido paga 43% e, Portugal, até 83%. (Folha)

O rapaz sírio que reconstruiu uma Aleppo pacífica no porão de sua casa.

Nicolás Maduro mandou fechar a fronteira entre Venezuela e Brasil até 2 de janeiro.

O Colégio Eleitoral se reúne hoje, nos EUA, para ratificar a eleição de Donald Trump à presidência. Legalmente, muitos daqueles com assento podem preferir outro nome. Mas nenhuma surpresa deve ocorrer.

Viver

É possível que o envelhecimento não seja apenas o resultado de uma decadência natural do corpo. Talvez as células tenham um relógio interno que dispare este processo propositalmente. Uma nova terapia genética, testada em ratos, conseguiu regredir este relógio celular. Os ratos ganharam mais elasticidade na pele e tônus muscular. Rejuvenesceram. E, nesta, mais 30% de tempo de vida. A terapia desenvolvida por uma equipe do Instituto Salk, na Califórnia, não é facilmente aplicável em humanos. Mas aponta um caminho que, embora não evite a morte, pode levar a velhices mais saudáveis.

O preço para gerar energia solar já está mais baixo do que o de energia eólica. Pela primeira vez. Hoje, no mundo, nascem mais usinas de energia limpa do que a soma de termelétricas baseadas em carvão ou gás. E o Brasil é o terceiro no ranking dos países emergentes em investimentos voltados para geração de eletricidade sem carbono.

Para ler com calma: na revista americana The Ringer, Lindsay Zoladz reflete sobre a viralização da polêmica envolvendo a cena da manteiga em O Último Tango em Paris. O texto encara de frente um conflito. O tema do estupro é um dos mais sérios que há mas, ao mesmo tempo, tornou-se também isca de cliques, com manchetes calculadas para gerar tráfego em sites. Ela tenta definir que violência foi, exatamente, a sofrida pela atriz Maria Schneider, assim como caminha pela linha tênue que há nas emoções entre a pessoa e a personagem no trabalho de atores. Uma análise cheia de nuances daquele tipo raro na internet.

Para ler com calma: Dorrit Harazim escreve sobre os irmãos Arns. (Globo)

Felipão deu a primeira entrevista no Brasil desde o 7 a 1 ao site Chuteira FC. Trecho: “Até aquele jogo, não havia uma grande diferença entre Brasil e Alemanha. O resultado do nosso trabalho não vinha sendo ruim. Estava bem feito. Naquele jogo deu errado. Os alemães foram felizes e nós, não. Às vezes procuram muitas explicações no futebol onde não se tem.”

Tipo… nenhuma diferença entre Brasil e Alemanha?

Cultura

A Netflix soltou discretamente, na semana passada, sua nova série, The OA (trailer). Uma menina cega desaparecida é encontrada já adulta, anos depois. E enxergando. Oito episódios, já comparado por alguns a Stranger Things. Assista.

O livro mais caro vendido em 2016 pelo agregador de sebos AbeBooks foi um exemplar da primeira edição americana de Alice no País das Maravilhas. Saiu por US$ 36 mil. Veja o top 20.

Detalhes escondidos em Rogue One. Contem spoilers. Em vídeo.

Cotidiano Digital

O game mais badalado do momento é Super Mario Run, disponível para iPhones e iPads. Uma versão para Android sairá, ainda sem data.

Para ler com calma: estamos entrando na quarta revolução industrial. Uma aula sobre a inteligência artificial de hoje. Em inglês.

Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





Share Tweet



Consultar edições passadas