Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet
19 de janeiro de 2017
Consultar edições passadas

19 de janeiro de 2017

Obama sai popular, Trump entra impopular

Barack Obama falou à imprensa, ontem, pela última vez. Declarou que, mesmo deixando a presidência, virá a público sempre que sentir ameaça à democracia americana. A referência aos riscos de um governo Trump ficou no subtexto. Ele deixa o governo popular, com 60% de aprovação, segundo a pesquisa ABC/Washington Post. Dentre os 13 homens que governaram o país nas últimas oito décadas, apenas Franklin Roosevelt, Bill Clinton e Ronald Reagan foram vistos de forma mais favorável ao deixar a Casa Branca.
 
O contraste é grande. Segundo a mesma pesquisa, Donald Trump se tornará presidente americano, amanhã, com 40% de aprovação popular. Há quatro anos, Obama assumiu o segundo mandato com 79% de aprovação. George W. Bush, em 2000, tinha 62%. Trump é o presidente menos popular a tomar posse em, pelo menos, 40 anos.

Trump pode levar um mundo já frágil à desordem. A avaliação é da revista New Yorker, que lista alguns desafetos do novo presidente mesmo antes da posse — entre eles, a União Europeia. Trump já declarou, por exemplo, que a saída da Inglaterra do bloco foi algo positivo e desdenhou da importância da UE, apoiada pelos Estados Unidos há 60 anos. As embaixadas em Washington vêm se esforçando nas últimas semanas para separar o que seria a política externa de Trump de seus comentários no Twitter.

Em vídeo: os melhores discursos de Barack Obama. 

Os três primeiros estados a pedir auxílio das Forças Armadas nos presídios foram Amazonas, Rio Grande do Norte e Roraima. São justamente os que sofreram as piores rebeliões. Governadores de outros nove estados se manifestaram apoiando o projeto de envolver as Armas na triagem do que entra nas penitenciárias. (Globo)
 
Porém… antes de os militares saírem de seus quartéis, a missão tem de ser determinada com mais clareza. As Forças estão cobrando isto, analisa Roberto Godoy. (Estadão)

Onze ônibus e um carro do governo foram incendiados em Natal, após a transferência de presos de uma penitenciária para outra. Duas delegacias foram atacadas a tiros. (Estadão)

Rodrigo Janot viveu dia de celebridade no Fórum Econômico Mundial de Davos, por conta do sucesso da Operação Lava Jato. Autoridades latino-americanas o cercaram para compreender como fazer algo semelhante. (Folha)

Viver

A notícia soa antiga: a temperatura da Terra bateu recorde em 2016. É o terceiro ano seguido em que acontece. Agora, o planeta ficou 0,99 graus acima da média do século 20. O recorde em sequência, segundo cientistas, é indicador real de que há, de fato, uma tendência de aquecimento a longo prazo. 

Ainda o clima: o relatório divulgado nesta quarta preocupa ainda mais tendo em vista a posse de Donald Trump. Ele se opõe à política climática vigente e poderia boicotar o Acordo de Paris, único tratado internacional que cria limites para as emissões de gás carbônico. (Folha)

Ainda Trump: o que o novo presidente dos Estados Unidos pensa sobre as drogas? O The Conversation debate os avanços das gestões Obama e aponta possíveis retrocessos com Trump.

A maioria dos primatas está em extinção. Um grupo de 31 primatologistas analisou cada uma das espécies conhecidas. O resultado: 60% estão ameaçados de desaparecer. Principais motivos: devastação, caça e mineração.

Cultura

Jerry Seinfeld fará série e stand-ups para o Netflix. Ele desenvolverá roteiros originais e também vai alongar o sucesso Comedians in Cars Getting Coffee, programa em que o ator simplesmente dá carona a uma celebridade num carrão antigo. Obama, por exemplo, já foi. (Folha)

Marcelo Gomes terá longa em competição oficial do Festival de Berlim. Rodado em apenas quatro semanas e com câmera na mão, Joaquim narra a história de Tiradentes, que, segundo o diretor, ganha no filme o tratamento de “um brasileiro comum”.

Luiz Fernando Carvalho fala sobre Dois Irmãos, a série inspirada no livro de mesmo nome de Milton Hatoum que vai ao ar na Globo até amanhã. Em entrevista à Bravo!, o diretor conta de sua relação com o escritor e defende que sua obra tem “viés mítico”.

Para ler com calma: o que Frank Sinatra fez em uma viagem a Acapulco em 1966? A revista Gatopardo apresenta um saboroso relato da estadia do cantor na cidade. Ele cruzou a fronteira sem documentos – foi banido pelo país em 1965, após estrelar um filme considerado ofensivo aos olhos do governo do México. Nos sete dias em Acapulco, Sinatra foi seguido por um espião mexicano – que não fazia ideia de quem era o astro.

Cotidiano Digital

Nenhuma operadora oferece 4G estável no Brasil. (Folha)

Streaming de música já supera Netflix. Segundo estudo, cem milhões de pessoas pagam para ouvir música via streaming. O número é maior que os cerca de 94 milhões de assinantes do Netflix, em 2016. O Spotify é o serviço mais assinado, com 43 milhões de usuários, seguido pela Apple Music, com 20,9 milhões de assinantes.

Mamilos sem gênero confundem algoritmo do Instagram. Um perfil criado exclusivamente para postar mamilos em close, o Genderless_Nipples, consegue publicar mamilos femininos — algo que, quando o algoritmo reconhece como parte do corpo de uma mulher, é tirado do ar. O perfil, é claro, aceita sugestões de fotos.

Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.





Share Tweet



Consultar edições passadas