Seminário sobre aborto trava nomeação de Defensor Público da União

Receba notícias todo dia no seu e-mail.

Assine agora. É grátis.

Uma guerra de costumes está travando a confirmação de Igor Roque como chefe da Defensoria Pública da União (DPU). Ele teve o nome aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado em julho, mas a votação no plenário emperrou em agosto, quando senadores conservadores protestaram contra um seminário sobre aborto legal que seria realizado pela DPU. O evento foi cancelado, mas o desgaste que provocou foi associado a Roque. O imbróglio envolvendo a defensoria pública começou em novembro do ano passado, quando Jair Bolsonaro, já derrotado nas urnas, tentou reconduzir o então defensor público-geral Daniel Macedo, evangélico. A indicação foi retirada em maio, já no governo Lula, com a apresentação do nome de Roque. Nos bastidores, o Planalto avalia que ele está sendo também sabotado por defensores conservadores, que temem mudanças na atuação da DPU. O plano dos governistas é só levar o nome de Roque ao plenário com a certeza de vitória. (Folha)

PUBLICIDADE

Encontrou algum problema no site? Entre em contato.