Luciana Lima

Repórter especial do Meio. Jornalista formada pela UFES. Adora política e, desde que chegou a Brasília, vive reportando fatos e bastidores do Congresso Nacional, Planalto e Judiciário, campanhas presidenciais e a relação do Brasil com a Europa, Asia e América Latina.

Atirador que matou 18 pessoas no Maine, nos Estados Unidos, é encontrado morto

O atirador do ataque ocorrido no Maine, nos Estado Unidos, na última quarta-feira (25), foi encontrado morto, na noite de sexta-feira (27), em um bosque a poucos quilômetros de onde o crime ocorreu. De acordo com informações da polícia, o corpo do ex-militar Robert Card tinha marcas de tiro. Em entrevista concedida na noite de sexta, a polícia informou que ele teria se suicidado. (Poder360)

Lula sobre poder de veto na ONU: ‘Radicalmente contra’

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que é “radicalmente contra” o direito de veto no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Lula reagiu ao veto dos Estados Unidos à proposta apresentada pelo Brasil na semana passada, para um corredor humanitário em Gaza, apesar de ter recebido a maioria dos votos dos países que fazem parte do órgão. “Eu vi uma manchete aqui no jornal dizendo: a proposta do Brasil foi rejeitada. Não é verdade, é mentira. Não foi rejeitada. Tinha 15 votos em jogo, ela teve doze, duas abstenções e um contra. Como ela pode ter sido rejeitada? Ela foi vetada por causa de uma loucura que é o poder de veto concedido aos cinco países titulares do conselho, que eu sou totalmente, radicalmente contra. Isso não é democrático. Os EUA vetam a Rússia, a Rússia veta os EUA”, reclamou o presidente em um café da manhã com jornalistas, no Palácio do Planalto, em que o Meio esteve presente.

Lula diz que não quer Forças Armadas ‘brigando com bandido’ no Rio

Em café da manhã com jornalistas, que contou com a presença do Meio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o governo federal descarta qualquer possibilidade de se criar uma ação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) envolvendo o Exército na segurança do Rio. “Eu não quero as Forças Armadas nas favelas, brigando com bandido. Não é esse o papel das Forças Armadas. E, enquanto eu for presidente, não tem GLO”, disse Lula.

Dificilmente chegaremos à meta zero, diz Lula sobre déficit fiscal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não considera ser necessário ter uma meta fiscal zero em 2024 se isso for às custas de um “corte de bilhões” em obras governamentais. Essa meta foi anunciada pela equipe econômica. “Tudo que a gente puder fazer para cumprir a meta fiscal, a gente vai fazer. O que eu posso te dizer é que ela não precisa ser zero. O país não precisa disso. Eu não vou estabelecer uma meta fiscal que me obrigue a começar o ano fazendo corte de bilhões nas obras que são prioritárias para este país”, disse Lula.

Governo Lula está dividido sobre privatização de presídios

A construção de unidade prisionais privadas é um tema que tem dividido o governo. De um lado, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vinculado ao Ministério da Fazenda e hoje comandado por Aloizio Mercadante. Do outro, o ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida.

Pacheco pauta para terça-feira PEC de restrições ao STF

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) pautou para esta terça-feira a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que restringe as decisões monocráticas (individuais) dos ministros Supremo Tribunal Federal (STF). Inicialmente, Pacheco havia dito que não tinha pressa em votar os projetos que limitam a atuação da Corte. “A princípio estará na pauta para discussões por cinco sessões. Não deve votar semana que vem”, informou na sexta-feira. No entanto, a sessão deliberativa do Senado abrirá às 14h de terça com a PEC 8/2021. O texto estabelece um prazo máximo para pedidos de vista, instrumento usado por alguns ministros para travar por tempo indeterminado discussões de processos. Uma outra PEC, ainda em fase inicial, estabelece mandato para os integrantes da Corte, que hoje ficam no cargo até a aposentadoria compulsória, aos 75 anos. (Globo e Agência Senado)

Embaixador de Israel diz que não há como garantir segurança de brasileiros

O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zohar Zonshine, disse que o governo de seu país não tem como garantir segurança para os estrangeiros que estão na fronteira da Faixa de Gaza com o Egito, incluindo o grupo de brasileiros que tenta sair do território que é alvo de bombardeios diários.

Silvio Almeida quer recriar Comissão de Mortos e Desaparecidos em 25/10; Múcio resiste

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva despacha do Palácio da Alvorada, onde se recupera de uma cirurgia no quadril, há uma disputa aberta dentro do governo em torno da recriação da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos. Criada em 1995, essa comissão foi extinta por Jair Bolsonaro e tem a função de investigar e dar respostas às famílias que tiveram membros sequestrados ou assassinados pela ditadura.

Lira se diz ‘à espera’ de um movimento do governo sobre controle da Caixa

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse ontem que o Centrão está à espera de um gesto do Executivo na nomeação do novo comando da Caixa, condição para a entrada do grupo do governo. Segundo líderes, Lira mudou de tática, trocando a pressão por gestos de afago, como a aceleração de medidas tributárias que taxam fundos offshore e outras ferramentas dos super-ricos. Também contribui para a paciência do deputado a proposta do Planalto de aumentar os recursos que podem ser indicados pelos congressistas, desde que para iniciativas consideradas pelos ministérios. O Legislativo gostou, mas quer ainda um cronograma de repasses e ampliação das emendas de pagamento obrigatório.

Presidente da CPMI do 8/1 tenta manobra para agradar oposição, mas é derrotado

O presidente da CPMI dos atos golpistas, deputado Arthur Maia (UB-BA), fez na manhã desta terça-feira uma manobra para atender a oposição na comissão, de maioria governista. Ele colocou de surpresa em votação, quando o plenário ainda estava vazio, a convocação do coronel Sandro Augusto Salles Queiroz, que comandava o Batalhão de Pronto Emprego da Força Nacional no dia dos ataques às sedes dos Três Poderes. O depoimento seria parte da estratégia oposicionista de responsabilizar uma eventual omissão do atual governo pelos ataques. A manobra, porém, fracassou. Integrantes governistas foram convocados às pressas e rejeitaram a convocação por 14 votos a 10. Maia, aliado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tem por hábito não anunciar previamente as pautas de votação, mas costumava levar ao voto apenas temas nos quais já havia acordo.