Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



12 de novembro de 2020
Consultar edições passadas

meio_greenweek_1408x608_cabecalho

Prezadas leitoras, caros leitores —

Iniciamos hoje uma parceria com a Embratel, que está colocando nas ruas sua nova campanha publicitária — ‘Vamos criar juntos o próximo nível’. Aqui no Meio, fazemos publicidade do nosso jeito: transformando em informação. Então parte desta parceria já vem nesta edição — a editoria Tech no próximo nível, que explora o futuro que estamos criando hoje.

Outra parte vem amanhã, e é algo que estávamos querendo colocar no ar já faz tempo. É um podcast semanal, coapresentado pelo editor Pedro Doria e por Cora Rónai, a mais experiente jornalista de tecnologia do Brasil. Os dois vão juntos tratar dos lançamentos, explorar os impactos da tecnologia digital no mundo, e entrevistar pessoas que entendem do assunto para que ajudem a iluminar o que está acontecendo.

Não ficará só nisso. E, daqui, torcemos por um relacionamento longevo.

Bem-vinda, Embratel =)

— Os editores


Zero Um cercado por provas


Denunciado formalmente por quatro crimes quando era deputado estadual, o hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) vê surgirem a cada dia novas informações que reforçam a acusação. O MP fluminense diz que ele e a mulher, Fernanda (também denunciada), pagavam a maioria das despesas em dinheiro vivo sem que suas contas bancárias tivessem lastro para isso. Fernanda, por exemplo, passou mais de quatro anos sem realizar um saque sequer na conta. Segundo o MP, as despesas do casal quitadas em dinheiro chegavam a R$ 419,2 mil, recursos provenientes, de acordo com a denúncia, do esquema de rachadinhas na Alerj. (Globo)

Bela Megale revela que a quebra do sigilo e emails do corretor americano Glenn Dillard reforça os indícios de que o filho Zero Um usava dinheiro vivo de rachadinhas para fechar negócios imobiliários. Dillard fechou a venda de um imóvel com o senador numa agência do HSBC, onde no mesmo dia depositou R$ 638 mil em dinheiro. O apartamento foi registrado como tendo custado R$ 310 mil. (Globo)

A pólvora era seca. Jair Bolsonaro admitiu a aliados que “exagerou” em sua fala sobre “usar pólvora” quando acabar a saliva na defesa da soberania sobre a Amazônia. Embora afirme ter dito “algumas verdades”, ele alegou ainda não ter citado nominalmente o presidente eleito dos EUA, Joe Biden – durante a campanha, o democrata disse que o Brasil enfrentará “consequências econômicas significativas” se não parar de “destruir” a floresta. Quem também botou panos quentes foi o vice-presidente Hamilton Mourão, para quem Bolsonaro usou apenas “uma figura de retórica”. (Globo)

Pois é... O Estadão comparou o poderio militar dos dois países. Chega a assustar. No fim das contas, a única fuzilaria foi a dos memes, que o Poder 360 colecionou.

O Datafolha conseguiu no TRE-SP a liberação de sua pesquisa na capital paulista, censurada a pedido do candidato Celso Russomanno (Republicanos). O levantamento confirma tendência já indicada pelo Ibope de que, apesar do apoio explícito do presidente Jair Bolsonaro, Russomanno segue em queda, passando de 16% para 14%. Ele foi ultrapassado por Guilherme Boulos (PSOL), que fez o caminho inverso, indo de 14% para 16%. Os dois estão em empate técnico ainda com Márcio França (PSB), que caiu um ponto e tem 12%. O prefeito Bruno Covas ampliou a liderança, de 28% para 32%. O instituto divulgou ainda pesquisas em outras três capitais. (Folha)

No Rio, Eduardo Paes (DEM) também aumentou sua vantagem, indo de 31% para 34%. Já o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) caiu um ponto e agora tem 14%, mas sua rival direta na vaga para o segundo turno, a Delegada Martha Rocha (PDT) caiu dois pontos, ficando com 11%. O que também aumentou foi a rejeição a Crivella, que foi de 57% para 62%, o dobro da rejeição a Paes (31%). (G1)

Em Belo Horizonte, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) recuou de 65% para 63%, mas segue sem ser ameaçado pelos concorrentes mais próximos (ou menos distantes): João Vitor Xavier (Cidadania), com 8%, e Áurea Carolina (PSOL) com 6%. (G1)

E a reta final no Recife vai ficando animada. João Campos (PSB) caiu para 29%, enquanto sua prima Marília Arraes (PT) subiu para 22%, embora continue tecnicamente empatada com Mendonça Filho (DEM), que tem 18%. (G1)

A Justiça Eleitoral tirou do ar uma propaganda do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), que tenta a reeleição. O motivo foi o excesso de Jair Bolsonaro. Na peça de um minuto, o presidente falava por 40 segundos, muito mais que os 25% máximos para participação de um apoiador. (G1)

Aliás... A propaganda eleitoral gratuita de primeiro turno acaba hoje. (Poder 360)

O PTB de Porto Alegre (RS) declarou apoio a Sebastião Melo (MDB) após seu candidato, o ex-prefeito José Fortunati desistir da disputa. (G1)

Segundo a última pesquisa do Ibope na capital gaúcha, o petebista estava em quarto lugar, com 13%, atrás de Manuela D’Ávila (PCdoB), com 27%, e de Nelson Marchezan (PSDB) e Melo, ambos com 14%. A questão é que, nas simulações de segundo turno, ele era o único que aparecia à frente de Manuela. (Ibope)

O apagão que inferniza a vida da população do Amapá desde o dia 3 fez com que o TSE adiasse, a pedido do TRE local, as eleições municipais em Macapá. A decisão monocrática do presidente da Corte, Luís Roberto Barroso, não estabelece uma nova data e precisa ser referendada pelo plenário. Embora o governo federal diga que 80% do fornecimento de energia foi restabelecido, o TRE-AP entende que não há condições de realizar a votação com segurança.

E um relatório da polícia indica que não foi um raio que incendiou a subestação em Macapá e provocou o blecaute, ao contrário do que divulgou o governo do Amapá.

A charge animada de Tony de Marco é parada obrigatória no Meio de sexta-feira, mas você pode vê-la sendo criada ao vivo hoje, às 15h, na Twitch. Basta apontar seu browser para este link.

Embratel

Tech no próximo nível


O ataque hacker, na semana passada, ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), considerado o pior no país, mostrou a importância da cibersegurança. No Brasil, as vulnerabilidades são crescentes: dos cerca de 6 a 8 mil encontradas em 2017, esse número praticamente dobrou em 2019, quando foram descobertas mais de 17 mil. O avanço das tecnologias e cada vez mais empresas em trabalho remoto trazem novos desafios pra esse cenário. Para Yanis Stoyannis, especialista em cibersegurança da Embratel, algumas medidas precisam fazer parte da estrutura das corporações, como um planejamento estratégico, normas e procedimentos, treinamentos e, claro, investimentos em mais mecanismos de segurança. “É um assunto que afeta toda a organização, sua reputação, toda a parte do lucro cessante e afeta diretamente o negócio”, diz. “Isso precisa ser tratado no comitê executivo das organizações”.

Cidades inteligentes já são uma realidade. Inclusive no Brasil. O grupo inglês Planet Smart City já construiu perto de Fortaleza um núcleo habitacional que chama de “a primeira cidade inteligente inclusiva do mundo”. Reúne tecnologia e infraestrutura com preços mais acessíveis. A estrutura inclui serviços como bicicletas compartilhadas, hub de inovação com wi-fi gratuito e aplicativo gratuito do bairro. A empresa tem outros projetos pelo Nordeste e em São Paulo e a ideia é construir mais 10 smart cities por aqui em 2021. (Globo)

Mas… A pandemia tem atrapalhado projetos desse tipo pelo mundo. Nos EUA, devem cair 7% em 2021 e só se recuperarem no ano seguinte. Segundo uma pesquisa recente, 80% dos líderes do setor estariam mais propensos a investir nesses empreendimentos se usassem infraestrutura com tecnologia já existente.

Até 2025, a automação acabará com 85 milhões de empregos no mundo em empresas de médio e grande porte, segundo o Fórum Econômico Mundial. 15 setores serão afetados, com destaque pra áreas como processamento de dados, contabilidade e suporte administrativo. Por outro lado, 97 milhões de empregos devem ser criados em áreas como cuidados com saúde, computação em nuvem e dados e inteligência artificial. As empresas estão atentas: mais de 80% dos executivos estão acelerando os planos para digitalizar processos de trabalho e implantar novas tecnologias. E a maioria reconhece o valor de requalificar sua força de trabalho.

Viver


A Moderna anunciou hoje que concluiu a fase 3 de testes de sua vacina contra a Covid-19. Baseada em Cambridge, na Inglaterra, a empresa informou que deverá até o fim do mês ter os resultados sobre a eficácia do imunizante, que será aplicado em duas doses. Uma das vantagens é que a vacina da Moderna pode ser armazenada em temperaturas de até -4º C, enquanto outras precisam de refrigeração mais potente. (ABC)

A Anvisa revogou a suspensão de testes no Brasil da Coronavac, desenvolvida em parceria entre o laboratório chinês SinoVac e o Instituto Butantan. A pesquisa havia sido interrompida após a morte de um voluntário — havia sido suicídio. A agência alegou que não recebera informações completas e que tomou uma decisão técnica.

Bernardo Mello Franco: “O recuo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária mostra que Jair Bolsonaro deu um tiro no pé ao comemorar a suspensão dos testes com a Coronavac. O vaivém escancarou o aparelhamento da agência, transformada em arma política na guerra com o governo de São Paulo. O presidente sai do episódio com saldo negativo. Tentou detonar a vacina, só conseguiu detonar a credibilidade da Anvisa.” (Globo)

Com a volta dos dados de Rio e São Paulo, o número diário de mortos por Covid-19 no Brasil saltou de 204 para 564, pois os dois estados estavam com seus dados represados desde a semana passada. Minas Gerais continua sem números atualizados. No total, o país tem 163.406 óbitos e 5.749.007 casos da doença. (Globo)

A situação nos EUA, que têm o maior número de casos e mortos no mundo, se agrava a cada dia. Com os hospitais abarrotados, o estado de Dakota do Norte autorizou profissionais de saúde infectados a continuarem trabalhando. No Texas, que sozinho já tem mais de um milhão de casos, a cidade de El Paso está usando caminhões frigoríficos como necrotérios móveis. E ainda há o temor de que as viagens no Dia de Ação de Graças (26 de novembro), especialmente de estudantes visitando as famílias, espalhem ainda mais o vírus. (CNN)

E no meio da tragédia, um momento de ternura. Impedido de visitar a mulher, internada com Covid-19 em um hospital na Itália, o marido, de 81 anos, faz para ela uma serenata no acordeon. (CNN)

Panelinha no Meio: Quer comer uma comida gostosa sem transformar a cozinha numa praça de guerra? Pois esta receita de bisteca de porco com feijão branco e brócolis usa apenas uma panela e fica pronta em minutos. Ok, o feijão já está cozido, mas isso não conta.

Cotidiano Digital


Os EUA e a UE não são os únicos atrás das empresas de tecnologia. A China propôs uma série de novas regras antitruste focadas nas big techs chinesas, como Alibaba e Tencent. A ideia é proibir, por exemplo, práticas como exigir que os fornecedores negociem apenas em uma plataforma exclusiva ou fornecer preços diferenciados aos clientes com base em seu histórico de compras e perfil. O projeto vem uma semana depois do governo chinês suspender o IPO do Ant Group, fintech do Alibaba, após críticas do CEO Jack Ma sobre as regulamentações no país.

Por falar no Alibaba… Ontem foi o Dia dos Solteiros e chegou a US$ 74 bilhões em vendas — ultrapassando o recorde de 2019 de US$ 38,4 bilhões. Esse é o maior evento de vendas on-line em um único dia do mundo. (Globo)

E a lista da Scientific American e do Fórum Econômico Mundial das 10 tecnologias de 2020 pra ficar de olho. As inovações sustentáveis são destaque, como o cimento com baixo teor de carbono, o hidrogênio verde e a aviação elétrica.

Cultura


Em mais uma decisão polêmica, o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, publicou uma portaria determinando que a lista de personalidades negras no site da entidade fará somente homenagens póstumas. Com isso, nomes como Gilberto Gil, Elza Soares e a escritora Conceição Evaristo devem ser excluídos.

Alegria para os fãs da série cômica Emily em Paris. A Netflix anunciou uma segunda temporada da atração estrelada por Lily Collins – para desespero dos franceses, que reclamam da coleção de clichês no roteiro. As gravações, porém, só começam em 2021.

Terminou já na madrugada de hoje a entrega do Prêmio Multishow, que este ano teve apresentações em diferentes pontos do país. Ivete Sangalo e Gustavo Lima ganharam como melhores cantora e cantor, enquanto Marília Mendonça conquistou um prêmio novo, típico da pandemia: melhor live. Confira os principais vencedores.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



12 de novembro de 2020
Consultar edições passadas