Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



11 de dezembro de 2020
Consultar edições passadas



Prezadas leitoras, caros leitores —

Foi um ano difícil. O início do ano que vem não será fácil, tampouco. Decidimos, então, fazer uma edição de sábado um pouco diferente. Um pouco mais leve. Vamos celebrar John Lennon, que foi morto num dezembro como este há 40 anos. Quando ele próprio tinha 40. E o faremos tentando responder como seria John aos 80.

É pura especulação, claro. Mas prometemos que vamos levar a especulação muito a sério. (Ou quase.)

Buscamos duas respostas em dois pequenos artigos que têm o desafio de ser sustentados por bons argumentos. Musicalmente, como seria o John Lennon de 80 anos? O que estaria fazendo? E, politicamente, o que estaria pensando e dizendo o mais político dos Beatles?

Se conseguiremos dar respostas convincentes? No sábado, prezadas leitoras, caros leitores, vocês saberão. :-)

Valerá, principalmente, como nossa homenagem.

A edição de sábado do Meio é recebida por todos os assinantes premium. Sai pelo equivalente de uma corrida de 99 daqui até logo ali. Quase nada.

Assine.

E conheça o hipotético John octogenário.

— Os editores.


Com quase 180 mil mortos, Bolsonaro vê ‘finalzinho da pandemia’


Há, no mínimo, uma discrepância entre a visão do governo federal em relação à Covid-19 e os números da doença. Ontem, em visita ao Rio Grande do Sul, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil está vivendo “um finalzinho de pandemia” e afirmou que seu governo, “levando-se em conta outros países do mundo, foi aquele que melhor se saiu” no enfrentamento à Covid-19. No mesmo dia, o país registrou 769 mortes pela doença, elevando o total a 179.801. A média móvel de óbitos subiu no Distrito Federal e em 21 estados, inclusive o Rio Grande do Sul. Sete capitais brasileiras estão com mais de 90% dos leitos de UTI para Covid ocupados. Segundo o PoderData, 71% dos brasileiros são a favor do distanciamento social.

Em São Paulo, o governador João Doria anunciou que o Instituto Butantan começou a produzir a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês SinoVac. Entretanto, a vacina ainda não foi aprovada pela Anvisa nem teve divulgados os resultados da fase 3 de testes. A expectativa é que os dados sejam enviados à agência até o dia 15. Mesmo assim, cinco estados já confirmaram interesse em comprar o imunizante: Acre, Ceará, Espírito Santo, Maranhão e Paraíba.

Com a vacinação cada vez mais politizada pela briga entre Bolsonaro e João Doria, os funcionários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgaram uma carta aberta em defesa da instituição. No documento, os técnicos enfatizam “o caráter técnico e independente dos trabalhos e das atividades desenvolvidos pelos servidores da agência na promoção e na proteção da saúde da população”. Eles afirmam estarem “trabalhado incansavelmente, por meio de avaliação técnica criteriosa” para aprovar vacinas “seguras, eficazes e produzidas com qualidade”. (Folha)

Mais cedo, em reunião, a diretoria da Anvisa decidiu dispensar temporariamente de análise de impacto regulatório e de consulta pública a autorização emergencial para o uso de vacinas, o que facilita a liberação dos imunizantes.

Já nos EUA, o comitê de especialistas que assessora a FDA (Agência de Medicamentos e Alimentos, equivalente à Anvisa) recomentou a liberação para uso emergencial da vacina produzida pela Pfizer, que já está em uso no Reino Unido e foi aprovada no Canadá e no Bahrein. Não significa aprovação imediata, mas facilita o processo.

E o MEC homologou a decisão do Conselho Nacional de Educação (CNE) mantendo a autorização para ensino remoto em escolas públicas e particulares enquanto durar a pandemia. (Estadão)

Enquanto Arthur Lira (PP-AL) já está em campanha aberta pela presidência da Câmara, com o apoio do Planalto, o grupo do atual ocupante do cargo, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parece cada vez mais dividido. Como ninguém quer abrir mão da própria candidatura, o cenário mais provável é a divisão em até três nomes, com um deles disputando o segundo turno contra Lira. (Veja)

Thomas Traumann: “Como todo candidato, Lira é um camaleão. A Bolsonaro, prometeu colocar para votar as pautas conservadoras (liberação de armas, menos punições a policiais envolvidos em casos de morte, Escola Sem Partido e novas restrições ao aborto). Aos ruralistas, a lei que legaliza as terras griladas na Amazônia. A Paulo Guedes, aprovar a nova CPMF. À turma do mercado financeiro, a reforma tributária e administrativa. Ao PSB, a manutenção da lei eleitoral que limita número de partidos. Ao PT, mudanças na Lei de Ficha Limpa para permitir a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva em 2022. É óbvio que ele está mentindo para alguém.” (Veja)

Aos 82 anos, Joseph Safra morreu ontem, em São Paulo, de causas naturais. O banqueiro e fundador do grupo Safra era o homem mais rico do Brasil. Ele sofria de mal de Parkinson e morava nos últimos anos na Suíça. Nascido no Líbano, Safra era da quarta geração de uma tradicional família judaica de banqueiros e veio ao Brasil com os seus familiares na década de 1950. Com um perfil conservador, construíu uma instituição com uma imagem de resistente à crises e, ao mesmo tempo, mais cautelosa pra se ajustar às inovações do mercado. Junto com outros nomes, como Walther Moreira Salles, do Unibanco, e Olavo Setúbal, do Itaú, fez parte da era dos grandes banqueiros que deram projeção ao setor financeiro nacional e buscaram a internacionalização. Durante sua vida, também se destacou pelo seu lado filantropo. Foi um dos maiores doadores dos hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês, por exemplo. (Estadão)

Meio em vídeo. Poucos temas têm um lugar tão certo na lista de assuntos para 2020 quanto o processo antitruste movido nos EUA contra o Facebook. A agência americana de defesa da concorrência quer obrigar a empresa a vender o Instagram e o Whatsapp. Esse, claro, é o tema desta semana do Pedro + Cora. Assista no Youtube ou ouça no Spotify.

Mais Meio em vídeo. Desde a redemocratização o Brasil não chegava tão perto do fim do ano sem Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual aprovadas para o ano seguinte. Mas por que o Orçamento da União é tão importante para as contas públicas? Como ele é elaborado? Qual o peso da política na sua criação execução? Na edição desta semana, o Meio Explica tira essas e outras dúvidas. Assista.


A revista Time escolheu o presidente eleito dos EUA e sua vice, Joe Biden e Kamala Harris, as “Pessoas do Ano”.

No Reino Unido, o premiê Boris Johnson mandou o gabinete se preparar para a saída da União Europeia sem um acordo. (Guardian)


Que a Força esteja com a Anvisa

Tony de Marco

 
Baby-Yoda-Covid-19

Cultura


A Disney decidiu dobrar suas apostas no streaming. A prova disso foi o anúncio ontem, em evento para investidores, de 50 novos títulos nos próximos anos, incluindo dez séries e longas do universo Star Wars, dez do universo Marvel e mais 15 filmes e 15 séries da própria marca (animações e produções com atores) e da Pixar. Nas redes, os fãs foram à loucura com um vídeo da produção de Andor (Youtube), série que narra os acontecimentos anteriores ao longa Rogue One, e com a notícia de que Hayden Christensen retomará a armadura de Darth Vader na série Obi-Wan Kenobi, estrelada por Ewan McGregor.

Ainda na seara geek, The Last of Us Part 2 ganhou, como todos apostavam, o prêmio Jogo do Ano de 2020. Mas o que abalou a rede mesmo foi a apresentação dos trailers de Dragon Age 4 (Youtube) e Mass Effect 5 (Youtube), próximos capítulos das aclamadas sagas da Bioware.

A programação cultural da semana.

“Tudo de arte, nada de aglomeração” é o mote da Virada Cultural 2020, que acontece de sábado para domingo em transmissões virtuais e através de intervenções urbanas sem público. Entre os destaques estão shows de Elza Soares, Criolo, Arnaldo Antunes e Renan da Penha, entre outros, direto do Theatro Municipal. Veja a programação completa.

Em edição virtual, o Festival Zum abre hoje com uma palestra de Lilia Schwarcz sobre a relação entre imagem e poder. Em seguida, a artista Rosana Paulino conversa com a filósofa Denise Ferreira da Silva a respeito de história, arte e antirracismo.

Depois de ter a temporada interrompida pela pandemia, a peça Por que Não Vivemos?, da Companhia Brasileira de Teatro, estreia hoje em formato digital sob a direção de Marcio Abreu. Também hoje, a Cia. do Tijolo transmite o espetáculo musical O Avesso do Claustro, que homenageia Dom Hélder Câmara, direto do Sesc Ipiranga. No domingo, a partir de provocação cênica de Janaína Leite, a Coletiva Profanas de artistas trans periféricas estreia a performance FURA! em live realizada pelo Centro Cultural da Diversidade.

No aniversário de Belo Horizonte, comemorado amanhã, a Filarmônica de Minas Gerais interpreta cinco aberturas de Beethoven sob a regência de José Soares. Na quinta, o grupo volta à Sala Minas Gerais para realizar a última transmissão da temporada e tocar as sinfonias nº 3 e 5 do compositor alemão, dessa vez com Fabio Mechetti no pódio.

Setenta obras de artistas como German Lorca e Geraldo de Barros, realizadas entre os anos 40 e 70, estão reunidas na exposição Fotografia Modernista Brasileira, que o Itaú Cultural apresenta na plataforma Google Arts & Culture.

A plataforma de streaming do Cinesesc está com três mostras online em cartaz: a 21ª Retrospectiva do Cinema Brasileiro, o 15º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo e uma mostra especial com filmes de Leon Hirszman, diretor de Eles Não Usam Black-Tie.

Na segunda, os pensadores Viviane Mosé e Ailton Krenak encerram a série Diálogos Imprevisíveis, do Instituto Estação das Letras, com um debate sobre a velocidade da vida moderna.

Começa na quinta o seminário Cultura e Impactos da Covid-19, evento organizado por Sesc, Unesco e Núcleo de Sociologia da Cultura da USP que reúne pesquisadores e gestores culturais para discutir os efeitos da pandemia na área cultural.

Para mais indicações culturais, assine a newsletter semanal da Bravo!

 

E há também um evento online imperdível para quem ama artes gráficas e design. Acontece hoje e amanhã, a partir das 8h30, o DiaTipoX, edição online independente e gratuita do principal evento brasileiro de tipografia. Serão palestras e entrevistas com tipógrafos, calígrafos, designers, pesquisadores e demais entusiastas das letras. Clique aqui para se inscrever. A transmissão acontece pelo Twitch do Tony de Marco.

Viver


A Câmara aprovou ontem as novas regras do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Duas emendas provocaram polêmica por permitirem o uso de recursos públicos por instituições de ensino ligadas a igrejas e ao Sistema S, uma demanda do governo.

O ministro Edson Fachin, do STF, concedeu liminar em ação da OAB determinando que Bolsonaro respeite as listas tríplices elaboradas por universidades públicas na hora de nomear reitores. O julgamento do caso no plenário virtual foi suspenso a pedido do ministro Gilmar Mendes e não tem data para ser retomado. Em julho, Bolsonaro editou MP dando liberdade ao MEC de nomear livremente reitores durante a pandemia, mas o texto foi devolvido pelo Senado. (Estadão)

O Brasil não foi incluído na lista de palestrantes do Climate Ambition Summit 2020, um evento virtual preparatório da ONU para uma conferência internacional sobre meio ambiente que acontecerá no ano que vem. Muito criticado por sua política ambiental, o Brasil atualizou sua meta de emissão de gases do efeito estufa, aumentando o total emitido até 2030.

A Justiça italiana confirmou, em segunda instância, a condenação do jogador Robinho a nove anos de prisão por participação no estupro coletivo de uma jovem albanesa em 2013. Os advogados italianos que representam o acusado já avisaram que vão recorrer. Mesmo que seja condenado em última instância, dificilmente Robinho será preso, pois a Constituição proíbe a extradição de brasileiros nato.

Cotidiano Digital


O TikTok foi o app mais baixado de 2020. Segundo o relatório da agência App Annie, o aplicativo da ByteDance superou o Facebook e o WhatsApp e foi o que mais ganhou em número de usuários mensais ativos. Porém ainda está atrás em quantidade de usuários totais. Outros apps também se destacam: com a pandemia, o Zoom, por exemplo, foi o que mais se valorizou no ano e subiu 219 posições entre os mais baixados.

Aliás… A pandemia também dominou as pesquisas do Google. Os termos e assuntos mais procurados no Brasil e no mundo.

E como todo ano, a lista de Bill Gates com dicas de livros. Confira.

Novidade do Twitter. Os tuítes poderão ser compartilhados diretamente no Snapchat e futuramente no Stories do Instagram. Os testes começaram ontem no iOS e devem ser expandidos pro Android em breve.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



11 de dezembro de 2020
Consultar edições passadas