Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



28 de abril de 2021
Consultar edições passadas



CPI abre e Renan pede punição por mortes


A CPI do Senado que vai investigar a atuação do governo federal durante a pandemia de Covid-19 começou a trabalhar nesta terça-feira impondo derrotas ao Executivo. A primeira delas foi a nomeação de Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria, após o TRF-1 derrubar a liminar em primeira instância contra a medida obtida pela deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP). A outra foi a constatação de que há um traidor entre as fileiras na comissão. Embora quatro dos 11 integrantes da CPI sejam identificados como governistas e tenham discursado em defesa de Jair Bolsonaro, um deles votou no independente Omar Aziz (PSD-AM) para a presidência da comissão. (Estadão)

Ciro Nogueira (PP-PI) admitiu ter sido o voto governista para Aziz, alegando que este prometeu se imparcial. (Jornal Nacional)

Renan assumiu a relatoria com um discurso duro. Disse que não fará perseguições, mas afirmou que é preciso punir “imediata e emblematicamente” os responsáveis pelas mortes durante a pandemia. O senador falou ainda que não vai ser intimidado por “arreganhos”, numa referência à campanha contra ele feita pelas redes bolsonaristas. (G1)

Malu Gaspar: “Integrantes da CPI avaliam que Renan passou do ponto nas críticas ao governo em seu discurso na abertura da comissão. Para esses senadores, se o tom adotado tivesse sido mais moderado, eles poderiam ter aprovado ainda ontem os requerimentos para a convocação dos quatro últimos ministros da Saúde.” (Globo)

Um dos primeiros a serem ouvidos na CPI, já na próxima terça-feira, deve ser o ex-ministro Henrique Mandetta, demitido em abril do ano passado por divergências com Bolsonaro sobre a condução do combate à pandemia. O requerimento deve ser votado amanhã. Depois será a vez de seus sucessores, o médico Nelson Teich, que pediu demissão após 28 dias, supostamente devido a pressões para aprovar o uso de tratamentos sem eficácia, e o general Eduardo Pazuello, executor da política que agora está sendo investigada. (Poder360)

Apesar de a CPI já estar instalada, a guerra nos bastidores continua. Ontem, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), negou o pedido do senador governista Luiz do Carmo (MDB-GO) para que os trabalhos da comissão só começassem em outubro. Segundo ele, qualquer decisão sobre o funcionamento da CPI cabe aos integrantes da comissão. (UOL)

E o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) chamou Pacheco de “ingrato” por ter instalado a CPI e permitido que Renan assumisse a relatoria. O presidente do Senado foi eleito para o cargo com apoio de Jair Bolsonaro, pai do senador Zero Um e potencial alvo da comissão. (Globo)

Thomas Traumann: “A CPI da Covid é mais perigosa para o futuro político de Jair Bolsonaro do que os quase 400 mil cadáveres acumulados na sua gestão da pandemia. O que a CPI pode descobrir, e consequentemente mudar o futuro político de Bolsonaro, é se houve desvio de dinheiro público na compra das vacinas.” (Veja)

Como Ernesto Araújo não está mais no governo para criar tensões com a China, o ministro da Economia, Paulo Guedes, parece ter avocado a função. Sem saber que estava sendo gravado na reunião do Conselho de Saúde, Guedes disse que “o chinês inventou o vírus, e a vacina dele é menos efetiva que a do americano” (veja no YouTube). Ele também criticou a educação pública no Brasil, dizendo que “ensina sexo a crianças” e que existe “droga dentro da universidade”. Ao saber que a reunião estava sendo gravada e exibida no Facebook do Ministério da Saúde, Guedes pediu que a transmissão fosse interrompida. (Poder360)

Presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, o deputado Fausto Pinato (PP-SP) classificou como “um desastre” a declaração de Guedes. “Viramos um hospício”, disse o parlamentar, para quem a provocação à China traz prejuízo para a cooperação entre os países e a troca de tecnologia. (Congresso Em Foco)

O embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, foi ao Twitter. “Até o momento, a China é o principal fornecedor das vacinas e os insumos ao Brasil, que respondem por 95% do total recebido pelo Brasil e são suficientes para cobrir 60% dos grupos prioritários na fase emergencial. A Coronavac representa 84% das vacinas aplicadas no Brasil.”

Guedes não foi o único traído pela gravação. O ministro da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, disse no encontro que tomou escondido a vacina contra a Covid-19 por orientação do Planalto. Ramos afirmou ainda que está tentando convencer Bolsonaro a se vacinar para não “perder o presidente para um vírus desses”. (Folha)

Ouça a fala de Ramos sobre a vacina. (CBN)

A ministra do STF Cármen Lúcia pediu à Procuradoria-Geral da República pareceres sobre as notícias-crime contra o ministro do Meio-Ambiente, Ricardo Salles, acusado de dificultar a repressão ao desmatamento na Amazônia e de associação criminosa com madeireiros. Embora tenha dito que as acusações são de “gravidade incontestável”, a ministra deu a entender que vai seguir a orientação da PGR, mas quer que esta seja bem embasada. Augusto Aras, o atual procurador-geral, é umbilicalmente ligado a Jair Bolsonaro e está em campanha pela vaga que será aberta no STF com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio. (Globo)

Meio em vídeo. No Conversas com o Meio desta semana, Beto Veríssimo, um dos fundadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e coordenador do projeto Amazônia 2030, explica como a preservação da Amazônia poderia trazer ganhos econômicos significativos para o país. Ele também fala sobre os objetivos por trás do desmatamento, o que é e como funciona a grilagem na floresta e a relação disso tudo com o agronegócio. Será que ele é mesmo o grande vilão da abertura de terras? Confira no YouTube.

Cobrado pelo deputado Henrique Fontana (PT-RS) a colocar em votação os diversos pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro sob sua análise, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse 100% dos requerimentos são “inúteis para o que solicitaram” e pediu paciência. (Poder360)

O assinante Premium do Meio recebe, todos os sábados, uma edição especial com um mergulho na História, ou no contexto, ou mesmo uma reflexão ligada aos grandes temas. Acessa todos os dias o Monitor, onde minuto a minuto acompanha a produção jornalística dos melhores veículos. E contribui para a manutenção desta edição diária e de uma nova forma, inteiramente digital, de fazer jornalismo. Assine. Ainda por cima, é menos do que um espresso.

separador

O Mundo transformado pelo 5G


Vai ter internet na Lua já nos próximos anos — a instalação desta rede não é trivial, mas já está em processo. Os detalhes estão neste, que é o último episódio em vídeo de nossa série sobre o 5G. Tanto os vídeos quanto as reportagens, escritas pelo jornalista Heinar Maracy, estão à disposição para sempre. Esta transformação na internet celular, o 5G, não trará apenas uma rede móvel mais rápida. O 5G é mais do que isso: é o que viabilizará a conexão de geladeiras e automóveis, de bueiros e robôs. A conexão do mundo físico à internet evitará calamidades públicas, possibilitará cirurgias complexas à distância, assim como fará nossa lista de compras. Cada um dos textos publicados cá por este Meio se concentram numa parte dessa história. Releia. E conheça a Valentina.

Viver


A decisão unânime da diretoria da Anvisa de proibir a importação por dez estados da vacina russa Sputnik V provocou incômodo entre governadores. Eles querem que a agência reveja a decisão e que técnicos da instituição visitem o Instituto Gamaleya, na Rússia, onde o imunizante é fabricado. Se não tiverem sucesso, prometem recorrer à Justiça. (Estadão)

Quem também não gostou da decisão da Anvisa foi o fundo russo que financiou a produção da vacina. Kirill Dmitriev, diretor do fundo, afirmou que a medida da agência brasileira foi “antiprofissional e mentirosa” e que seria resultado de pressões dos Estados Unidos para deixar a Sputnik V fora do Brasil. (Folha)

A Anvisa, porém, sustenta que a decisão foi técnica, baseada em pareceres contrários à importação feitos por três gerências. Um dos principais motivos apontados foi que o adenovírus — vírus inerte que leva a bagagem genética do Sars-Cov-2 – não era tão inerte assim, podendo se recombinar e afetar órgãos e funções do corpo humano. (G1)

E a agência pediu mais dados ao Instituto Butantan sobre a Butanvac, vacina que vem sendo desenvolvida pela instituição paulista com insumos 100% produzidos no Brasil. Segundo a Anvisa, os documentos no pedido para liberação dos estudos clínicos em seres humanos estão incompletos. (G1)

Enquanto isso... A CoronaVac, importada e produzida no Brasil pelo Butantan, tem eficácia de 50% na primeira dose, o mínimo exigido pela Anvisa, contra as variantes brasileiras do Sars-Cov-2, segundo pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB). O estudo avalia agora o grau de imunidade oferecido após a segunda dose. (UOL)

O Ministério da Saúde incluiu mulheres grávidas e puérperas (que acabaram de dar à luz) no grupo prioritário para receber vacinas contra a Covid-19. Aquelas que têm comorbidades entrarão primeiro na fila. O ministério recomendou ainda que a segunda dose de imunizantes seja tomada mesmo que fora do prazo inicialmente previsto. (Poder360)

Aliás... Os lotes da CoronaVac para aplicação da segunda dose devem começar a ser enviados para os estados na próxima semana, segundo o Ministério da Saúde. (UOL)

Uma boa notícia. Segundo o Imperial College de Londres, a taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil caiu abaixo de 1 pela primeira vez desde novembro. O índice atual, 0,93, indica que cada grupo de 100 pessoas com o Sars-Cov-2 infecta 93 outras pessoas, o que indica desaceleração na transmissão da doença. (Globo)

A média móvel de casos em uma semana confirma essa desaceleração. Com as 76.085 novas infecções registradas ontem, totalizando 14.446.541, a média móvel foi de 56.522, 18% menor que no período anterior. Também há tendência de queda nas mortes. Na terça-feira foram notificados 3.120 óbitos, com total de 395.324 e média móvel de 2.399, -20% na comparação com os 14 dias anteriores. (G1)

Um grupo de 15 voluntários passou 40 dias isolado na caverna de Lombrives, no Sul da França. Durante todo esse tempo eles não tiveram contato com o mundo exterior, não tiveram acessos a relógios ou telefones celulares nem viram a luz do Sol. O objetivo do experimento, que terminou no último sábado, foi testar a capacidade de adaptação do corpo humano à perda da noção de tempo e espaço. (BBC Brasil)

Cultura


Alvo de um ataque hacker no dia 12, o site da Biblioteca Nacional voltou a funcionar na noite de segunda-feira, informou a instituição. Cerca de 5% do acervo continua comprometido pela ação dos criminosos, semelhante ao que foi feito contra o Superior Tribunal de Justiça. Chamado de “ransonware”, o crime consiste em embaralhar os dados do sistema de uma organização e cobrar “resgate” pelo fornecimento de uma chave que destrave o sistema. Profissionais contratados pela biblioteca conseguiram recuperar os dados sem que fosse feito pagamento. (Folha)

Somente seis pessoas tiveram diagnóstico positivo para Covid-19 entre as quase cinco mil que participaram de um show-piloto em Barcelona, na Espanha. O objetivo, além de curtir o pop-rock do Love of Lesbian, foi testar protocolos para esse tipo de atividade pós-pandemia. Aparentemente deu certo, pois, segundo os médicos do hospital Germans Trias i Pujol, quatro dos seis contaminados certamente não contraíram o Sars-Cov-2 no evento. (UOL)

Cotidiano Digital


A guerra dos podcasts só fica mais acirrada. O Spotify anunciou um serviço de assinatura paga que permite aos podcasters cobrar mais por conteúdo exclusivo. Serão marcados com um ícone de cadeado no botão de reprodução. No entanto, os usuários não poderão se inscrever diretamente no aplicativo Spotify e deverão realizar a assinatura no Anchor, app de produção de podcast comprada pelo Spotify em 2019. O caminho é para que o Spotify não precise pagar à Apple uma parte das compras no aplicativo devido as regras da App Store.

Então… O anúncio do Spotify vem depois do Facebook anunciar o desenvolvimento do seu próprio player de podcasts e uma semana após a Apple anunciar o seu programa de assinatura de podcasts. Por enquanto, no entanto, o novo serviço do Spotify só está disponível nos EUA e deverá expandir para outros países nos próximos meses. Enquanto o da Apple já será lançado em 170 países, incluindo o Brasil.

Usuários do mundo inteiro tiveram dificuldade em acessar o Microsoft Teams. A plataforma sofreu instabilidade na manhã de ontem, registrando pico de reclamações por volta das 8h. Duas horas depois, a Microsoft disse ter corrigido o problema.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



28 de abril de 2021
Consultar edições passadas