Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



20 de maio de 2022
Consultar edições passadas



Prezadas leitoras, caros leitores —

Os ventos da discórdia sopram à la ciclone Yakecan na biruta que norteia os tucanos. Partido maduro, nas vésperas de completar 34 anos, o PSDB vive uma crise antecipada de meia idade de maneira absolutamente pública. Mas a história de bicadas entre os próceres da legenda é tão antiga que se tornou clichê. O que está em jogo agora vai além de qual grupo sairá vencedor da atual cizânia. É sobre como e se o partido vai sobreviver.

O eixo de polarização política no Brasil mudou. E a estereotipada tendência tucana de se postar em cima do muro não tem mais a aceitação de outros ciclos. Na Edição de Sábado, vamos ouvir membros do PSDB e cientistas políticos para analisar os erros e acertos do passado e os caminhos para que haja futuro para a legenda.

Traremos ainda uma entrevista com o pesquisador Carlos Ramos, coautor do livro Quem Matou Marielle?, lançado em abril. Ele escreveu a obra em parceria com o delegado Giniton Lages e conta bastidores do primeiro ano de trabalho policial na busca pelos assassinos.

Por fim, vamos celebrar o álbum Exile on Main Street. Completando meio século de vida em 2022, esse é um dos discos mais emblemáticos dos Rolling Stones e um clássico definitivo do rock. Gravado em 1972 na França e finalizado nos Estados Unidos, a obra marca o período em que a banda se exilou em terras gaulesas para fugir dos altos impostos da Inglaterra e carrega muitas histórias entre exageros, escândalos e canções perfeitas.

Está tudo na Edição de Sábado, conteúdo exclusivo para assinantes premium.

Assine!

— Os editores.


Bolsonaro acirra embate contra Poder Judiciário


O presidente Jair Bolsonaro (PL) parece ter escolhido como mote de campanha o confronto com o Poder Judiciário. Em evento no Rio de Janeiro, afirmou que passa mais da metade de seu tempo se “defendendo de interferências indevidas do Supremo Tribunal Federal” (STF). Depois, em sua live semanal, mirou suas baterias no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dizendo que as observações dos militares sobre o processo eleitoral “não vão ser jogadas no lixo”. A corte descartou três das sete sugestões das Forças Armadas e informou que as outras quatro já haviam sido implementadas. (Folha)

Em vias de assumir a presidência do TSE, que comandará durante o pleito, o ministro do STF Alexandre Moraes, alvo preferencial de Bolsonaro, disse ontem que a Justiça Eleitoral nasceu “com vontade de concretizar a democracia e coragem para lutar contra aqueles que não acreditam no estado democrático de direito”. Ele não citou Bolsonaro nem seus ataques frequentes à lisura das eleições. (CNN Brasil)

Então... Mais tarde, Bolsonaro e Moraes embarcaram na liturgia dos cargos e tiveram um contato cordial, embora seco, na posse de novos ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Ao se encaminhar para botar a faixa nos empossados, o presidente se aproximou de Moraes, que estava na primeira fila da plateia e se levantou. Os dois se cumprimentaram e trocaram acenos de cabeça. Porém, ao fim do evento, quando o nome do ministro do Supremo foi anunciado, Bolsonaro não aplaudiu. (UOL)

Dividido entre Bolsonaro e o STF, o procurador-geral da República, Augusto Aras, deve buscar agradar a ambos ao mesmo tempo em diferentes processos, conta Vera Magalhães. Para o Planalto, Aras vai emitir parecer considerando válido o indulto concedido por Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado pelo próprio Supremo por pregar violência contra os ministros. Na outra via, a PGR deve arquivar a notícia-crime do presidente contra o ministro Alexandre de Moraes por abuso de autoridade, que já havia sido rejeitada pelo ministro Dia Toffoli. Visto como descabido por especialistas, o recurso à PGR após recusa pelo STF seria um “teste de fidelidade” para Aras. Para sorte deste, o assunto está a cargo de sua vice, Lindôra Araújo. (Globo)

Meio em vídeo. Flávio Bolsonaro, o filho Zero Um, deu uma entrevista ao SBT na qual mente do início ao fim e desenha como sua família pretende ameaçar a democracia brasileira. Está claro para quem desejar ver. Confira no Ponto de Partida. (YouTube)

Meio em vídeo. No De Tédio a Gente Não Morre de hoje, Mariliz Pereira Jorge comenta a ação movida pelo presidente Jair Bolsonaro contra o ministro do STF Alexandre de Moraes e seus desdobramentos ao longo da semana. A jornalista também critica o modelo de ensino domiciliar que o governo quer implementar, complicado em um Brasil tão plural. Há ainda os quadros A Não Notícia da Semana e Fora da Bolha, além do já consagrado Café com Mariliz, um react dos comentários que ela recebe nas redes sociais. (YouTube)

Em plena lua-de-mel, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ganhou um presente de casamento político. Seu partido e o PSD de Gilberto Kassab chegaram a um acordo ontem em Minas Gerais. O deputado petista Reginaldo Lopes retirou sua candidatura ao Senado em favor de Alexandre Silveira (PSD), que tenta a reeleição. Em troca, o PT indicará o vice na chapa ao governo do ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil. O próprio Lopes é cotado para o posto. Com isso, Lula tem garantido um palanque no estado. (Poder360)

No Rio, o PT confirmou o apoio ao deputado Marcelo Freixo (PSB) para o governo do estado e ao deputado estadual petista André Ceciliano ao Senado. O PSB quer lançar o deputado federal Alessandro Molon para a vaga. Há dentro do PT quem resista à aliança com Freixo, alegando que sua alta rejeição pode prejudicar Lula no estado. (UOL)

Os partidos da chamada terceira via — PSDB, Cidadania e MDB — divulgaram ontem uma nota dizendo, em síntese, que as prévias tucanas, vencidas pelo ex-governador paulista João Doria, podem ser ignoradas. O grupo já escolheu a senadora Simone Tebet (MDB-MS) como candidata, mas seu nome só será formalizado na próxima terça-feira. Na véspera, a cúpula do PSDB pretende convencer Doria a retirar sua candidatura. (Estadão)

Ricardo Rangel: “Simone Tebet venceu. Não surpreende, foi a única que se comportou como profissional. João Doria está indignado, sentindo-se vítima de um ultraje. Errado, não está. Afinal, venceu as prévias, e está sendo cristianizado em praça pública. Nada disso contaria, no entanto, se o ex-governador de São Paulo estivesse bem nas pesquisas. Mas ele não está. Se Doria seguir na linha em que está indo, a do confronto, tentando seguir candidato contra tudo e contra todos, o fracasso é certo.” (Veja)


Quase três meses após a invasão russa, a região do Donbas, no leste da Ucrânia, está “completamente destruída”, segundo o presidente ucraniano Volodymyr Zelenski. “Trata-se de uma tentativa deliberada e criminosa de matar o máximo possível de ucranianos”, disse ele. Na região ficam as duas províncias reconhecidas pela Rússia, que estimula movimentos separatistas, como estados independentes. (CNN)


Terceira via

Tony de Marco

Terceira-via

Nossa assinatura premium não tem pegadinha, daquelas que é mais barata nos primeiros meses e depois dá um salto, ou daquelas outras que você precisa falar com sei lá quantos atendentes para cancelar, precisa dar um tempo? É só ir em nosso site premium e cancelar, depois você pode voltar, quando quiser. Sempre pelo mesmo preço, mais barato do que um lanche na padaria. Assine.

Cultura


Morreu ontem, em Paris, aos 79 anos, o tecladista e compositor grego Vangelis, famoso pelas trilhas sonoras de filmes como Blade Runner (Spotify) e Carruagens de Fogo (Spotify), que lhe rendeu o Oscar em 1982. Nascido Evángelos Odysséas Papathanassíou, Vangelis aprendeu sozinho a tocar piano e, em 1968, vivendo na França por conta da ditadura em seu país, formou com o vocalista Demis Roussos e outros dois expatriados o grupo progressivo Aphrodite’s Child (Spotify), que durou até 1972 e emplacou sucessos como The Four Horseman (Spotify). A partir de 1975, dividiu-se entre álbuns solo e trilhas sonoras, além de manter entre 1980 e 1991 uma parceria com Jon Anderson, vocalista do Yes – Deborah (Spotify), de 1983, fez enorme sucesso no Brasil. A família não divulgou a causa da morte, mas Vangelis estava internado para tratamento de covid-19. (Variety)

Era óbvio que a turnê de despedida de Milton Nascimento teria uma grande procura. Com ingressos esgotados no Rio e em São Paulo, o cantor anunciou mais uma data extra para os cariocas, em 5 de agosto, e duas para os paulistas, em 24 e 25 de setembro. As vendas começam ao meio-dia de hoje. (Folha)

A Disney+ lançou esta semana o primeiro trailer da série Mulher-Hulk – Defensora de Heróis, estrelada por Tatiana Maslany, de Orphan Black. O resultado não foi bem o esperado. Os fãs não perdoaram a tosqueria dos efeitos gráficos usados para transformar a atriz, de 1,63m, na enorme e curvilínea heroína da Marvel. A maioria comparou o resultado com a princesa Fiona, da série Shrek. Injustiça. A animação de Fiona é melhor. A expectativa é que a Disney+ faça um upgrade nos efeitos até a estreia, prevista para 17 de agosto. (Epic Stream)

Confira os destaques da agenda cultural.

Acompanhada por um trio de violão e sopros, Mônica Salmaso canta hoje uma seleção de sambas de Wilson Batista em show transmitido pelo Itaú Cultural.

Já está disponível nas plataformas o álbum Moacir de Todos os Santos (Spotify), último trabalho da Orkestra Rumpilezz sob a batuta de seu fundador, Letieres Leite, que morreu em outubro do ano passado. Caetano Veloso e Raul de Souza são convidados especiais.

A etapa carioca do Festival MITA será transmitida amanhã e no domingo pelo Multishow, tanto na televisão como no YouTube. A programação mescla atrações internacionais, como as bandas Gorillaz e Two Door Cinema Club, e nomes brasileiros de diferentes gerações, de Gilberto Gil a Liniker.

Para ver a agenda completa, clique aqui, e, para outras dicas de cultura, assine a newsletter da Bravo!.

Viver


A vacinação contra a covid-19 no Brasil está estagnada, aponta boletim (íntegra) divulgado nesta quinta-feira pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A instituição se diz preocupada com a desaceleração na curva de cobertura da terceira dose e a lentidão na vacinação de crianças. Mesmo iniciada há cinco meses, a imunização de pessoas entre 5 e 11 anos ainda não chegou a 30%. Para a Fiocruz, a pandemia no momento se compara a uma “paz armada” com a arma sendo a vacina. (Poder360)

E está errado quem imagina que ter contraído a variante ômicron está protegido sem a vacina. Publicado esta semana, um estudo em camundongos mostrou que essa cepa não oferece anticorpos contra outras, como a delta, mais letal. O levantamento foi repetido em um pequeno grupo de pessoas, com o mesmo resultado, comprovando que só a imunização realmente protege. (g1)

Se não for remediada, a perda de aprendizagem provocada pelo fechamento de escolas durante a pandemia de covid-19 provocará, no futuro, uma perda de 9,1% na renda dos atuais estudantes, avalia o FMI. A projeção só é pior no México (9,9%) e na Indonésia (9,7%). Embora tenham atingido todo o mundo, as perdas no aprendizado foram maiores nos países emergentes, onde o acesso à internet e, por conseguinte, ao ensino remoto, é menor, especialmente entre a população de renda mais baixa, aumentando a desigualdade social. (Folha)

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou por unanimidade constitucionais as punições a motoristas que se recusarem a fazer o teste do bafômetro. O relator, ministro Luiz Fux, considerou que o princípio de que uma pessoa não pode produzir provas contra ela mesma se aplica ao direito penal, enquanto a multa pela recusa ao bafômetro é administrativa. Os 11 ministros também rejeitaram o estabelecimento de níveis mínimos aceitáveis de álcool no sangue de motoristas. Foi mantida ainda a proibição de venda de bebidas alcoólicas em rodovias, com voto contrário apenas do ministro Kássio Nunes Marques. (UOL)

A Nasa está às voltas com uma “anciã” ativa, mas problemática. Trata-se da sonda espacial Voyager 1, lançada em 1977 para explorar o sistema solar e o espaço interestelar. Distante 23,3 bilhões de quilômetros da terra, já no espaço profundo além da heliosfera, ela está apresentando discrepâncias nas leituras do sistema de articulação e controle de altitude, o que pode prejudicar sua comunicação com a Terra. Os técnicos da Nasa acreditam que identificado o problema, poderão corrigi-lo com atualizações de software. (CNN Brasil)

Cotidiano Digital


Um grupo de senadores dos Estados Unidos apresentou nesta quinta-feira uma proposta de lei que pode forçar o Google e a Meta, controladora do Facebook, a desmembrar seus negócios de anúncios online. Se aprovado, o chamado Ato de Competição e Transparência na Publicidade Digital pode proibir empresas que processam mais de US$ 20 bilhões em publicidade digital ao ano de atuar em mais de um ecossistema de anúncios digitais. No caso do Google, que é dominante em toda a cadeia de compradores e anunciantes, a nova lei pode resultar em desinvestimentos significativos nos negócios da companhia. Entenda. (Estadão)

E após diversos adiamentos, a Boeing lançou com sucesso ao espaço na noite de ontem a cápsula Starliner. Denominada OFT-2 (sigla em inglês para Teste de Voo Orbital-2), a missão não tripulada partiu de um complexo de lançamento na Flórida, Estados Unidos, rumo à Estação Espacial Internacional (ISS). Se tudo ocorrer bem em órbita, a empresa estará apta para receber astronautas em voos futuros, tornando a Boeing a segunda empresa privada autorizada a transportar tripulações da Nasa e concorrente direta da SpaceX. (The Verge)

Meio em vídeo.  Você sabe o que o julgamento do caso Amber Heard e Johnny Depp, Elon Musk, Joe Biden e aborto têm em comum? São os assuntos de maior interesse e procura nas redes sociais nos EUA, estando à frente, inclusive, da guerra na Ucrânia, da alta da inflação e da covid-19. Pode não parecer, mas esses personagens têm mais conexões do que a gente pensa. Descubra nesta edição de Pedro+Cora. (YouTube)

Você já conhece o Pioneiros? O programa de membros traz vários benefícios a quem indica o Meio para os amigos. De newsletter exclusiva a ecobags personalizadas. Faça parte do Pioneiros. Não custa nada.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



20 de maio de 2022
Consultar edições passadas