Vitor Conceição compartilhou essa nota com você. Ela faz parte da edição premium do Meio, exclusiva para nossos assinantes premium. Conheça as vantagens.


29 de outubro de 2021

Um passarinho na mão e 999 voando

Por Bruna Buffara

Você está passeando por uma galeria de arte, vê um desenho do ícone da Pot Art Andy Warhol (1928-1987) pela pechincha de US$ 250 (R$ 1.410) e leva para casa. Por esse preço está na cara que não é um original. Mas aí é que está… Pode ser.

O grupo de artistas de Nova York MSCHF (Mischief, “travessura” mesmo) decidiu lançar mais uma crítica ao mundo da arte – e uma tão bem engendrada que o próprio Warhol talvez ficasse orgulhoso. Os vinte artistas se juntaram e compraram o desenho Fairies, feito a caneta de 1954, por US$ 20 mil (R$ 112 mil). A partir disso, aplicaram luz, calor e umidade para envelhecer papéis iguais ao do original e usaram um braço robótico para replicar com perfeição 999 vezes o traço de Andy. Uma produção em massa, totalmente coerente com a Pot Art – o estúdio/empresa do artista em Nova York, aliás, se chamava The Factory (A Fábrica).

O resultado, intitulado, Possível Cópia Real de ‘Fairies’ de Andy Warhol, é uma série de mil peças idênticas. Apenas uma é a verdadeira, e qualquer identificação possível que pudesse haver na obra, foi retirada. O grupo defende sua atitude e ainda vai mais longe, afirmando que de alguma forma essa reprodução democratizou o acesso a um original Warhol.

A discussão sobre arte e estética existe desde a Antiguidade, e certamente não vai acabar. Mas o que o MSCHF questiona é a ideia de autenticidade e a subindústria que gira em torno dela, movida por fichas técnicas e investigações das peças. Quem foi o último dono? E antes dele? Quão original é isso? E por que cópias teriam menos valor artístico, como defendia a filosofia de Walter Benjamin (1892-1940)? Para o pensador alemão, a reprodução mecânica da arte retira o seu valor e a sua “aura” de objeto artístico.

A Pop Art nasceu com o objetivo de criticar o consumismo e questionar a indústria cultural. Latas de sopa comuns de qualquer supermercado dos EUA foram elevadas por Andy Warhol a obras de arte de no valor de US$ 11 milhões (R$ 62 milhões), as hoje lendárias Sopas Campbell’s, uma série de 33 pinturas de 1962.

Donos do intagível

Se estamos falando de como registrar donos, a blockchain com as NFTs faz isso muito bem, garantindo certificados e registrando cada venda apenas no digital. Mas sempre tem alguém para ir mais longe. O coletivo The Burned Picasso leiloou, em julho, um Picasso original por meio das NFTs e logo em seguida queimou a obra física – o que foi considerado uma atrocidade por amantes da pintura. A popularização das NFTs e artes performáticas como a de Banksy, que triturou seu quadro após a venda, trazem o questionamento da desmaterialização da arte.

Do ponto de vista financeiro, a ação foi um sucesso. As mil peças já foram vendidas, e o grupo lucrou mais de dez vezes o valor do original. Mas a polêmica é o que importa, e não é a primeira do MSCHF. O grupo já comprou encrenca com a Nike, por vender “Satan Shoes”, uma edição limitada de tênis da empresa com “sangue humano”, numa parceria com o rapper Lil Nas X.

Uma coisa é certa, diante do dilema “se vale mais uma assinatura na mão do que 999 voando”, Andy Warhol reagiria com seu sorriso discreto e o olhar de quem via arte até na travessura.


Esse artigo é parte de uma das edições de sábado do Meio. Exclusiva para Assinantes Premium.

Conheça: Chega mais rápido, edição extra de sábado, editoria de economia na edição diária e acesso ao Monitor, o software que usamos para ver as notícias de todos os sites em tempo real.

Mensal: R$ 9,90

Anual: R$ 99,00