Depois do ‘tiro de misericórdia’, Bolsonaro recebe a ‘pá de cal’

Receba notícias todo dia no seu e-mail.

Assine agora. É grátis.

Marcelo Godoy: “Se o depoimento do general Freire Gomes era visto como o tiro de misericórdia em Jair Bolsonaro, o do ex-comandante da FAB, o brigadeiro Baptista Junior, é a pá de cal. A análise dos dois mostra o cenário, o caminho das investigações da Polícia Federal sobre o golpe. Elas mostram cada vez mais que a ação nas redes sociais e as ações de militares das Forças Especiais estavam umbilicalmente ligadas. Elas tinham o aspecto de uma operação psicológica (Op Psico), como objetivo preparar o terreno para a aceitação do golpe, o cancelamento das eleições, e a adesão da maior parte das Forças Armadas ao projeto de manter Jair Bolsonaro no poder após o dia 1.º de janeiro. A 3ª edição do Manual de Campanha de Operações Psicológicas, publicado em 1999 pelo Exército, diz: ‘As Op Psico constituem uma parte essencial do poder. Os chefes militares e políticos das nações têm utilizado, quer na paz, quer na guerra, as Op Psico como forma de persuasão ao longo da história’”. (Estadão)

PUBLICIDADE

Encontrou algum problema no site? Entre em contato.