Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





20 de março de 2019
Consultar edições passadas

Bolsonaro volta feliz; diplomatas temem resultado da visita


O presidente Jair Bolsonaro volta feliz de Washington. De seu par americano, Donald Trump, ouviu elogios e recebeu sorrisos. A comitiva brasileira se entusiasmou. Trump afirmou que tornará o Brasil um aliado prioritário extra-Otan, o que facilita acesso a tecnologia militar. Outros 17 países recebem esta classificação. Os EUA também apoiarão a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Estar na OCDE ajuda na entrada de investimentos e ao negociar exportações, avalia o ministro Paulo Guedes. Em troca, o Planalto abrirá mão de tratamento diferenciado na Organização Mundial do Comércio.

Nas Forças Armadas, ligou-se a luz de alerta. Os generais ficaram com a impressão de que Bolsonaro se comprometeu em ajudar Trump — ainda que logisticamente — numa ofensiva militar contra a Venezuela. (Folha)

Míriam Leitão: “O Brasil fez concessões concretas e recebeu apenas promessas. É isso que se conclui da leitura do Comunicado Conjunto. Há muito a perder no comércio externo, abrindo mão das vantagens que países em desenvolvimento têm dentro da OMC. Em troca, o que o Brasil recebe? Um aviso de que os EUA apoiarão nosso esforço de entrar na OCDE, cuja grande vantagem é meramente abstrata. O que se temia aconteceu. O deslumbramento pueril com a grande potência levou a comitiva do governo brasileiro a fazer concessões. ‘Demos tudo, não levamos nada’, resumiu um diplomata. Retirou a exigência do visto sem exigir reciprocidade. Se comprometeu a comprar 750 mil toneladas de trigo americano sem cobrar tarifa. Em troca os Estados Unidos concordam em marcar uma visita técnica para inspeção da carne brasileira. Ou seja, nós compramos e eles avaliam se vão comprar. Tudo tem esse tom.” (Globo)

Ascânio Seleme: “Nunca vi Jair Bolsonaro tão bem. A entrevista que deu numa rua de Washington para os jornalistas foi um dos melhores momentos do presidente desde a posse. Estava leve, bem humorado, respondeu com eficiência. Foi educado, tratou todos os repórteres com respeito e por todos foi tratado com igual respeito. Corrigiu o erro que disse ter cometido na véspera, quando disse que a maioria dos imigrantes brasileiros são pessoas mal intencionadas. Disse que queria dizer exatamente o contrário. Foi franco e até engraçado quando disse que o sumiço de duas horas de ontem foi uma parada num shopping, onde comprou dois calções e duas camisas. Deu um sinal importante em relação à China. Disse que vai se preparar muito para a visita que fará. Reiterou que o comércio exterior do Brasil não terá viés ideológico. Tudo bem, apesar de a China ser comercialmente o país mais capitalista do mundo. Bolsonaro ganha quando se comporta adequadamente como presidente do Brasil. Faz valer os milhões de votos de confiança que recebeu dos brasileiros.” (Globo)

Aliás... A viagem foi boa para Olavo de Carvalho. O professor passou a semana seguinte ao Carnaval demonstrando influência sobre o presidente pedindo cabeças no MEC que lhe foram diligentemente entregues uma a uma. Na véspera da chegada de Bolsonaro, sugeriu que o governo poderia não durar seis meses. E ainda assim, no primeiro jantar oficial, foi sentado à direita do presidente.

O ministro da Economia Paulo Guedes até brincou. “Você é o líder da revolução”, disse. E aí se queixou da declaração. Tendo reconhecido o líder, ganhou de presente de Olavo sua bênção num vídeo, distribuído ontem. “Acho Paulo Guedes um dos melhores ministros que já tivemos em nossa história”, declarou. Assim garante a Guedes que não será atacado pelo fogo amigo das redes sociais. Não satisfeito, porém, Olavo virou suas armas contra a imprensa. “Minha frase era ‘Este governo não dura seis meses se não tomar providência contra a mídia criminosa’.”

Não especificou qual a natureza das providências que espera contra a imprensa.

A euforia nos EUA, porém, disfarça arestas importantes que se formam no Brasil. Silas Malafaia, um dos mais influentes líderes da onda conservadora, partiu contra Olavo. “O presidente falou diversas vezes ‘Se 80% dos evangélicos me apoiarem, vou ser eleito.’ Vem agora seu filho dizer que Olavo de Carvalho é o maior responsável pela vitória. Simplesmente ridículo.’

Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, mandou recado via Painel: identifica em Carlos Bolsonaro a origem dos ataques contra ele nas redes. Não é seu único problema. O deputado não gostou do comentário do presidente, que se queixou de ‘pressões da velha política’ logo após uma conversa dos dois. Para Maia, Bolsonaro está sem base na Câmara e seus líderes não trabalham para criá-la. (Folha)

E, no Itamaraty, observa Míriam Leitão, pelo menos um embaixador enxergou a humilhação da diplomacia, seu rebaixamento, na reunião do Salão Oval. O presidente levou para conversar com Trump seu filho, mas não o ministro responsável pelas Relações Exteriores. “Se tivesse alguma fibra, pediria para sair” falou o diplomata sobre Ernesto Araújo. (Globo)

Então... O chanceler leu a nota de Míriam quando estava ao lado de outros ministros. “Teve um chilique”, conta Patrícia Campos Mello. Sentiu que seus esforços na organização da visita não foram valorizados. Paulo Guedes, que já parece dominar os caminhos da política bolsonarista, tentou acalmá-lo. (Folha)

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara determinou o calendário para análise da reforma da Previdência. Entre hoje e amanhã será nomeado o relator. Ele tem até quarta da semana que vem para entregar seu parecer. No dia 3 de abril o texto será colocado em discussão e, se der tudo certo, já votado. Na sequência, o projeto terá de ser avaliado por uma comissão especial que terá até 40 sessões para apresentar seu parecer e, só então, vai a plenário onde precisa um mínimo de 308 votos.

Então... Rodrigo Maia suspendeu o pacote anticrime de Sérgio Moro para botar todo foco na reforma.

A primeira primeira missão de Jair Bolsonaro após chegar ao país, logo mais, será bater o martelo na proposta de previdência dos militares.

Em defesa da reforma, Bolsonaro assina artigo publicado hoje no Valor.

E por falar... O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, decano da Operação Lava Jato, se aposentou na segunda-feira desta semana. Tem 55 anos, a aposentadoria foi garantida por tempo de serviço: 40 anos contribuindo. Ao salário integral do MP somará os provento do escritório de advocacia que pretende abrir. “Sou dos que tiveram a sorte de não pegar o novo regime previdenciário.” (Estadão)

A terceira prisão do ex-governador Beto Richa reforçou, para parte do PSDB, a ideia de que é preciso expurgar do partido os acusados de delitos graves. (Folha)

Cotidiano Digital


“Não sou um grande gamer”, disse ontem Sundar Pichai, CEO do Google, quando subiu ao palco para anunciar seu novo produto: um serviço de streaming de games chamado Stadia. “Só que trabalho numa empresa que gosta de problemas tecnológicos complexos.” Este é certamente um deles. O problema de games via streaming é a latência — quem aperta no gatilho precisa atingir o adversário imediatamente. O tempo de a informação ir a um servidor distante e voltar custa segundos. O Google afirma ter resolvido este problema, embora tenha sido necessário desenhar chips (com a AMD) e servidores novos. Por isso, o serviço vai estrear este ano, mas primeiro nos EUA, Canadá e Europa, por conta da infraestrutura necessária de instalar. É uma proposta ousada que pode, realmente, transformar o negócio dos videogames. Hoje há três universos de games — consoles, computadores, celulares. Um serviço tipo Netflix de jogos, que permite assinar e jogar qualquer game pelo celular, tablet, computador ou smart-tv junta os três modelos. E pode, num futuro próximo, matar o negócio dos consoles.

Para isto, o Google lançou um segundo produto relevante: é um controller que parece ter juntado o modelo do PS4, da Sony, com o do Xbox, da Microsoft. Funciona via WiFi. Desta forma, está conectado ao jogo, não à tela. Alguém pode estar no meio de uma partida no tablet, passa para a TV quando chega à sala, e o controller continua jogando como se nada tivesse mudado.

Pois é... Responsável pelo Xbox, a Microsoft promete um serviço por streaming similar ainda este ano. A Sony já tem um serviço de streaming, o PlayStation Now. Não funciona bem, o catálogo é pequeno e a própria empresa o esconde.

Diga-se... Pichai afirmou que joga Fifa ‘um bocado’. Assista ao vídeo da apresentação.

O Senado aprovou, e vai a sanção presidencial, um projeto do ex-deputado Otávio Leite que cria dois tipos novos de empresa. Uma é a Inova Simples — é a lei das startups, que faz do processo de abrir e fechar a cnpj bem mais fácil. Outra é a Empresa Simples de Crédito, para levar empréstimos a juros baixos para empreendedores de pequeno porte.

Cultura


Na literatura, novidade para os fãs de ficção científica. A Trilogia Cósmica, do escritor irlandês C. S. Lewis (1898-1963), ganha nova edição em português neste mês pela editora Thomas Nelson Brasil. Integram a trilogia os livros Além do Planeta Silencioso (1938), Perelandra (1943) e Aquela Fortaleza Medonha (1945). Vale lembrar que Lewis é o mesmo autor do mundialmente conhecido As Crônicas de Nárnia.

Por falar em literatura fantástica, a obra de George R. R. Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo, que inspirou a série de TV Game of Thrones, deixou a LeYa e foi para a Companhia das Letras. A casa paulistana vai passar a publicar 19 títulos do autor a partir de abril - mês de estreia da última temporada da superprodução da HBO.

Anônimos aprisionados em ambientes monocromáticos. Este é um dos temas de Gabriel Isak, que convida o espectador a interagir com um mundo de figuras solitárias e melancólicas habitando cenários surrealistas que simbolizam a inconsciência.

Ele usa a fotografia como meio para desenhar imagens focadas na psique humana, especialmente nos anos em que passou com depressão. Saiba mais sobre o seu trabalho e de outros artistas no Abduzeedo, um site criado por brasileiros que destaca artistas independentes.

Galeria: conheça a suíte mais cara do mundo. Fica no Palms Casino Resort, com vista para as luzes cintilantes de Las Vegas e é assinada por Damien Hirst, o artista britânico mais proeminente do grupo Young British Artists. A Empathy Suite custa US$ 200 mil por um final de semana e tem dois predadores na porta para receber seus hóspedes. Formolizados, claramente, como quase tudo que se espera de Hirst. Conheça mais sobre o seu trabalho, que tem a morte como tema principal.

Viver


Por conta de surto inédito de H1N1, campanha no estado do Amazonas contra o vírus influenza começa hoje. Já a campanha nacional começa no dia 10 de abril. O Ministério da Saúde já enviou 1 milhão de doses e a meta é vacinar cerca de 1,1 milhão de pessoas em todo o estado (Folha).

A Fifa anunciou ontem os países que apresentaram interesse em sediar o Mundial Feminino de 2023. No total, a Fifa recebeu nove candidaturas - um número recorde para a competição realizada de quatro em quatro anos. Entre elas estão o Brasil, a Argentina e a África do Sul. O resultado será divulgado no site oficial da entidade, em outubro. Esta é a maior lista de interessados desde o começo do torneio em 1991.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




20 de março de 2019
Consultar edições passadas