Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


27 de março de 2019
Consultar edições passadas

Prezadas leitoras, caros leitores —

Enquanto o Brasil parece estar paralisado, sem conseguir deixar o século 20, um grupo de estudantes, investidores, empresários e especialistas se reuniu para promover a primeira conferência Brazil at Silicon Valley. Serão dois dias, entre 8 e 9 de abril, de intensos debates no coração do Vale. O objetivo é juntar as duas pontas, Brasil e o mundo digital. Pois o Meio estará lá. Naquela semana, ao invés da edição de sábado, os assinantes premium receberão duas edições especiais detalhando os debates e mergulhando nas reflexões. Assine. Ainda é tempo =)

— Os editores.


Planalto perde até sua base, no Congresso


Seja qual fosse a intenção política do presidente Jair Bolsonaro ao entrar em confronto direto com a Câmara dos Deputados, ontem o conflito entre os três Poderes deu passos à frente. Esperado para falar aos parlamentares, o ministro da Economia Paulo Guedes desmarcou. Avaliou que causaria mais atrito do que o oposto. Para o governo, se há um fio de boa notícia, é que 13 partidos anunciaram apoiar a reforma da Previdência. Rejeitam apenas dois pontos: a mudança no Benefício de Prestação Continuada, que atinge pessoas com deficiência, e as alterações nas regras da aposentadoria rural. Mas, de imediato, a Casa desengavetou um projeto de emenda constitucional de 2015 que torna o Orçamento ainda menos flexível, obrigando o governo a repassar ao menos R$ 125 milhões para cada estado. Os deputados votaram em massa — 448 votos contra 3 na primeira rodada, 453 contra 6, na segunda. Até o PSL do presidente participou do levante contra o Planalto, indo na contramão da política defendida por Guedes, que gostaria de retirar gastos obrigatórios do Orçamento. É preciso, ainda, passar por dois turnos de votação no Senado — mas Davi Alcolumbre, presidente da Casa, já deu apoio irrestrito. Bolsonaro, ao menos neste momento, perdeu o Congresso. (Globo)

Míriam Leitão: “A confusão de ontem era esperada. Como o ministro Paulo Guedes comunicou algumas horas antes que não iria, evidentemente haveria reação. Com isso, atrasou-se mais um pouco a tramitação do projeto da Previdência. Todo o episódio mostra o grau de descoordenação do governo. E como se não fosse confusão suficiente, um dia depois de desprestigiar a Câmara, Guedes confirmou a ida hoje ao Senado. O recado ontem à noite pela Câmara, ao aprovar o Orçamento impositivo, já é um aviso contra a outra reforma pré-anunciada, da desvinculação. Além disso, um alerta de que sem se organizar a base, o governo será surpreendido o tempo todo. Na verdade, o que o governo Bolsonaro deveria ter feito desde o começo, na avaliação de quem entende de tramitação e torce pela reforma, é aprovar o projeto que já tinha passado por todas estas etapas. Bastava uma emenda aglutinativa em plenário. Se isso estivesse aprovado, outras mudanças mais profundas poderiam ser apresentadas depois. O que fez o governo querer começar do zero foi só a vaidade de ter uma reforma para chamar de sua. Isso está levando o país a perder tempo. Muito tempo.” (Globo)

Pois é... Até Eduardo Bolsonaro votou a favor do projeto contra Guedes, conta o Painel. (Folha)

Então... Alcolumbre também encaminhou para avaliação da Comissão de Constituição e Justiça o pedido de abertura de uma CPI das Cortes Superiores, que ganhou o apelido de CPI Lava Toga. Sua iniciativa inicial foi pelo arquivamento. Mas se a CCJ der parecer contrário e o conjunto dos senadores aprovarem, a investigação ocorrerá. O principal alvo da investigação, se ocorrer, é o ministro Gilmar Mendes.

Floriano Amorim, o secretário de Comunicação Social da Presidência, vai deixar o cargo. Aliados vinham criticando a comunicação do governo. Visitou ontem o presidente Jair Bolsonaro o empresário Fábio Wajngarten, nome mais cotado para sucedê-lo. De presto, o escritor Olavo de Carvalho deu seu apoio — “será uma notícia auspiciosa”, enviou pelo Twitter.

Mas... O cargo está submetido hierarquicamente ao comando do ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Santos Cruz. “Na próxima aula”, escreveu também ontem Olavo, “darei um recadinho ao assanhado Santos Cruz.” Ele está entre os desafetos do guru de Virgínia.

Vinicius Torres Freire: “O Congresso está à deriva, no que diz respeito aos interesses do governo. Alguns ministérios implodem em anarquia vexaminosa. A Câmara aprovou uma pauta-bomba nuclear, que na prática impede o governo de conter déficits — falta apenas a aprovação do Senado. Manter o teto de gastos talvez agora dependa da paralisação de parte da máquina pública. Sem o serviço de bombeiro em tempo integral de Rodrigo Maia, foram detonadas várias bombas. Nada mais se pode dizer do que será feito da política e da economia, pois Jair Bolsonaro se omite, quando não agrava a crise. Deputados governistas faziam troça da desordem. ‘O cabaré pegou fogo e o Bolsonaro está lá resolvendo os problemas do Carluxo [Carlos, filho do presidente] na Secom [Secretaria de Comunicação] e recebendo o Flávio [o filho senador], que virou um zumbi’, dizia um deles. Um parlamentar próximo de Rodrigo Maia se dizia espantado com a ausência presidencial em assuntos críticos. Falava da anarquia no Ministério da Educação e o ‘risco’ do Ministério do Turismo, ‘que está para explodir a qualquer momento’. O ministro Marcelo Antônio é acusado de montar um esquema de candidatos-laranjas do PSL, na eleição de 2018. Era difícil de entender se o governo espera um milagre, não entende a gravidade do vácuo ou quer um colapso, de propósito.” (Folha)

Enquanto isso... Bolsonaro foi ao cinema. (Estadão)

O Ministério Público Federal questionou o presidente da República a respeito de sua orientação para que os quartéis celebrem o aniversário do Golpe de 1964. “É incompatível com o Estado Democrático de Direito festejar um golpe de Estado”, dizem os procuradores. “Se repetida nos tempos atuais, a conduta das forças militares e civis que promoveram o golpe seria caracterizada como o crime inafiançável e imprescritível de atentado contra a ordem constitucional e o Estado Democrático previsto no artigo 5º, inciso XLIV, da Constituição.” (Estadão)

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, tenta botar panos quentes. “O termo aí, comemoração na esfera do militar, não é muito o caso. Vamos relembrar uma data histórica que o Brasil passou.” (Folha)

Mas o porta-voz do Planalto foi claro: “Nosso presidente determinou que faça as comemorações devidas”.

Cotidiano Digital


O Parlamento Europeu aprovou uma mudança na legislação de copyright que responsabiliza as empresas digitais por abrigar conteúdo que as viole. Assim, YouTube, Facebook ou Google passam a ser responsáveis se um usuário puser conteúdo pirata em suas redes. O Vale do Silício afirma que seus custos aumentarão muito. Ativistas alertam que a lei pode levar a censura pois, pelo texto, até paródias e citações poderiam ser interpretadas como violações. Mas gravadoras, artistas e outras empresas de conteúdo argumentam que o copyright precisa voltar a ser defendido. A União Europeia está decidida a fechar o cerco sobre o Vale do Silício.

Aliás... A pressão americana que já dura meses para que os países europeus não comprem equipamentos Huawei para sua infraestrutura de celulares 5G deu em água. A União Europeia não banirá a companhia chinesa por, de acordo com a acusação dos EUA, risco de antenas e transmissores terem entradas para hackers espiões. Os europeus decidiram que terão seus próprios padrões e critérios de segurança, sem influência de Washington.

Um juiz americano está para proibir a importação de alguns modelos de iPhone. Ele concluiu que a Apple infringiu duas patentes que pertencem à Qualcomm, uma fabricante de chips, criadora de tecnologias específicas para economia energética e velocidade de download. Fabricados na China, os modelos XS e XR não poderão ser vendidos nos EUA se a decisão for confirmada. A briga entre as duas companhias, uma processa a outra por patentes faz anos, tem se acirrado.

Viver


O governo dos Estados Unidos vai exigir um histórico de uso das redes sociais dos últimos cinco anos para quem solicitar o visto de entrada ao país, segundo reportagem da CNN. A medida passa a valer daqui a sessenta dias. De um lado, autoridades federais argumentam que a mudança é necessária para prevenir atividades criminosas ou terroristas nos Estados Unidos; de outro, críticos da proposta afirmam que a regra é invasiva e torna o processo de obtenção do visto mais lento e difícil.

Enquanto isso… Jair Bolsonaro recentemente confirmou a dispensa de visto de entrada no Brasil para turistas dos Estados Unidos, Japão, Canadá e Austrália. O acordo foi estabelecido durante encontro com Donald Trump na Casa Branca. O presidente brasileiro aposta no aumento do fluxo turístico.

A NASA se preparava para promover pela primeira vez uma caminhada só de mulheres pelo espaço, mas o fato histórico foi cancelado por falta de trajes adequados.

Um constrangimento estelar para a agência que anunciou, orgulhosamente, que em 29 de março ocorreria o primeiro passeio espacial com a participação exclusiva de mulheres. O plano era que as astronautas Christina Koch e Anne McClain saíssem juntas da Estação Espacial Internacional para uma missão em que instalariam baterias de íons de lítio para melhorar o fornecimento de energia do laboratório. Mas a NASA só tem um traje espacial preparado de tamanho médio, o mesmo que as duas astronautas usam. McClain, aliás, tuitou há poucos dias um vídeo em que se mostra o minucioso trabalho de manutenção dos trajes espaciais. Como só há um macacão preparado para a missão, no dia 29 Koch sairá para a tarefa externa na companhia de seu colega Nick Hague, segundo um comunicado da NASA.

Mais de 30 anos se passaram e, apesar dos progressos realizados na astronáutica feminina - o recorde absoluto de permanência no espaço numa missão da NASA cabe à comandante Peggy Whitson - a agência continua tendo problemas, no mínimo logísticos, para integrar as mulheres. Sua última diretora, por outro lado, foi uma mulher, a astronauta Elle Ochoa.

Cultura


Em abril, novas temporadas de O mundo sombrio de Sabrina e The walking dead chegam à Netflix. Também é grande a expectativa sobre a estreia de Special, uma série sobre um homem gay que tem paralisia cerebral (trailer).

Lembrando que a HBO passou a oferecer por tempo limitado o acesso aberto à primeira e segunda temporadas de Game of Thrones através da plataforma HBO GO. O início da saga pode ser visto sem nenhum custo até o dia 12 de abril.

Por falar em finais, Homeland estreará sua oitava e última temporada no segundo semestre de 2019. A premiada série, que esfriou após duas temporadas de sucesso, traz Claire Danes contracenando com o marido, Hugh Dancy. O ator interpretará John Zabel, um consultor de política externa. No Brasil, a série é exibida pelo canal FOX Premium.

Gal Costa define A Pele do Futuro — 40º álbum da sua carreira - como ‘maduro, alegre, para tempos sombrios’. Aos 73 anos, a cantora sai em turnê após gravar um DVD no último fim de semana. Em entrevista ao El País, Gal disse que sempre quis fazer um disco com esse estilo dos anos 70. “E também queria trazer algo alegre nessa época socialmente conturbada do país”. Para ler com calma.

Os novos pôsteres de Vingadores: Ultimato acabaram com as dúvidas sobre o destino de duas personagens: Valquíria e Shuri. Poucos minutos após a Marvel divulgar os cartazes, a hashtag #AvengersEndgame já era o principal assunto nas redes sociais do mundo inteiro. Filme estreia no dia 25 de abril.

Quem tem criança em casa, conhece. Dora, a Aventureira, virou filme.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




27 de março de 2019
Consultar edições passadas