Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





28 de junho de 2019
Consultar edições passadas

Prisão de assessores pode derrubar ministro do Turismo


Foram presos, ontem pela manhã, Mateus Von Rondon, Robertinho Soares e Haissander de Paula. Rondon era assessor especial do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio e, os outros dois, além de ex-assessores de seu gabinete, coordenaram campanhas para o Congresso, em Minas Gerais, apontadas como laranjas durante as eleições de 2018 pela Polícia Federal. O ministro patrocinou, em Minas Gerais, um esquema no qual mulheres se candidatavam para preencher a cota feminina do PSL mas desviavam para ele, que presidia o partido no estado, o dinheiro vindo do fundo partidário. A Folha denunciou o esquema em fevereiro, mas o Planalto jamais fez movimento de afastá-lo. De acordo com o Painel, a demissão do ministro agora é dada como certa. Em sua tradicional live de quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro sequer mencionou as prisões. (Folha)

A nova pesquisa CNI/Ibope apontou uma queda na avaliação do governo Jair Bolsonaro. Aferida entre 20 e 23 de junho, em 126 municípios, os pesquisadores ouviram duas mil pessoas. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Dentre os ouvidos, 32% consideraram o governo ótimo ou bom; 32% o perceberam como regular; e outros 32% o acharam ruim ou péssimo. Literalmente: 32, 32, 32. Na pesquisa anterior, de abril, ótimo ou bom — 35%, regular, 31%, e ruim e péssimo, 27%. O Ibope também perguntou sobre o grau de confiança que os brasileiros têm no presidente. 46% responderam que confiam e, 51%, que não confiam. (G1)

Comparando... Bolsonaro vai mal. Fernando Collor teve ótimo e bom de 45% em maio de seu primeiro ano de governo. Itamar Franco, 34% em janeiro de 1993. Fernando Henrique, em março de 1990, 41%. Lula, 51% em março de 2003. E, Dilma, 56% em março de 2011. (G1)

O maior motivo da queda de Bolsonaro é a política educacional. Em abril, 44% dos brasileiros não a aprovavam. Em junho subiu para 54%. Era o segundo melhor índice do governo. Despencou para quinto. A mudança coincide com o período no qual o ministro Abraham Weintraub assumiu o MEC, anunciou o contingenciamento de verbas nas universidades como sendo corte por ‘balbúrdia’ e levou aos protestos de 15 de maio. (Globo)

Enquanto isso... Weintraub achou por bem ir ao Twitter fazer uma piada. “No passado o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?”

O governo brasileiro cancelou o encontro oficial que haveria entre Bolsonaro e o presidente francês, Emmanuel Macron, após críticas à política ambiental brasileira. Os dois acabaram conversando, mas informalmente. O presidente convidou Macron a visitar a Amazônia. Bolsonaro terá entre seus compromissos seis encontros bilaterais: Donald Trump (EUA), Xi Jinping (China), Shinzo Abe (Japão), Lee Hsien-Loong (Cingapura), Narendra Modi (Índia) e Mohammed bin Salman (Arábia Saudita). (G1)

A jornalista Míriam Leitão foi a principal homenageada na edição deste ano do Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Aos 66, com 47 anos de carreira, Míriam fez em seu discurso uma forte defesa da democracia. (Poder 360)

Na edição especial deste sábado, o Meio mergulha na relação entre a imagem do Brasil no exterior e sua política ambiental. Neste governo assim como nos passados. Receba também — basta se tornar um assinante premium. Ora... Custa quase nada.


Em entrevista à repórter Rajini Vaidyanathan, da BBC, o Dalai Lama afirmou que sente, no presidente americano Donald Trump, “uma falta de princípios morais”. O líder espiritual tibetano, talvez o mais conhecido refugiado político do mundo, se referia à crise migratória. “Quando vi as imagens daquelas crianças pequenas, fiquei triste. Os Estados Unidos deveriam ter uma responsabilidade global.” Não é, a sua, uma mensagem de todo inclusiva. “Os países europeus devem receber os refugiados, lhes oferecer educação e treinamento, e então devolvê-los a suas terras. Tudo bem um número limitado ficar. Mas a Europa inteira se tornar terra muçulmana, africana? Impossível.” Também especulou a respeito da possibilidade de ser reencarnado — ou sucedido — por uma mulher. “Se uma mulher Dalai Lama vier, ela tem de ser atraente.” Ele está próximo de fazer 84 anos. Assista à entrevista.


As coincidências do menor índice

Tony de Marco

 
Indices

Cultura


Em São Paulo, está em cartaz na Fiesp o FILE. São trabalhos de instalação, videoarte, web arte, animação, GIFs e hipersônica incluindo A Sense of Gravity, do holandês Teun Vonk e Scope, da norte-americana Kristin McWharter. A entrada é gratuita. Outra exposição que explora tecnologia – e música – está em cartaz no MIS: Björk Digital reúne os videoclipes em realidade virtual da cantora. No mundo eletrônico, no sábado,Ramenzoni lança o seu primeiro disco, Estado Sólido, em festa na Full House Bar. Além dele, Benjamin Sallum, TTO, Albin e Nalloo se revezam nas duas pistas. O barítono Paulo Szot canta árias russas com a Osesp nesta sexta-feira na Sala São Paulo. Estreia nesta sexta no CCSP a Camerata Sé, novo projeto do Coro Luther King – eles apresentam a Missa em Dó Maior – opus 86, de Beethoven, para orquestra, coro e solistas. Ava Rocha e Mariana Aydar são algumas das atrações da festa junina da Ocupação 9 de Julho, que acontece neste sábado e domingo. A Orquestra Moderna, regida pelo holandês Leonard Evers, traz André Abujamra como solista neste sábado, no Auditório Ibirapuera.

No Rio de Janeiro, a partir de hoje, abre nesta sexta na Casa Roberto Marinho a exposição Djanira: a memória de seu povo. A Nação Zumbi faz show do Rádio S.Amb.A. nesta sexta no Circo Voador – e no sábado, Emicida faz show do DVD 10 anos de Triunfo, com abertura de Marissol Mwaba. O percussionista Orlando Costa se apresenta amanhã na Audio Rebel. Ele lança o disco Eu - Porque Sou Percussivo. Tantão e os Fita fazem show no Aparelho neste sábado, apresentando o álbum Drama. Pedro de Moraes expõe fotografias que vão de paisagens e reportagens a retratos de artistas na Galeria da Gávea. Entra em cartaz no sábado n' A Gentil Carioca a exposição Laura Lima: Balé Literal. A Amok Teatro está em cartaz no Sesc Copacabana com o espetáculo Jogo de Damas, que trata do universo feminino a partir de personagens de Shakespeare. O Prelúdio 21 – dos compositores Alexandre Schubert, Caio Senna, J. Orlando Alves, Marcos Lucas, Neder Nassaro e Pauxy Gentil-Nunes – se apresenta neste sábado no Centro Cultural da Justiça Federal.

Tintim pelo mundo. Um gráfico do Nexo catalogou todos os locais em que o repórter belga e seu cachorro Milu passaram pelo mundo. A série do quadrinista Hergé ainda é um dos maiores sucessos dos quadrinhos europeus e foi publicada pela primeira vez em 1929.

Dois filmes brasileiros bem avaliados estão em cartaz nos cinemas. Um deles é Divino Amor (trailer), um drama que se passa em 2027 e apresenta uma sociedade obcecada pela religião e a novidade da vez são cabines de conselhos espirituais no estilo fast food. O outro é Turma da Mônica - Laços, que segue a essência das HQs e fala sobre amizade (trailer). Já o terror Anabelle 3 traz a famosa boneca possuída e trancada em um local supostamente seguro (trailer). Veja outros lançamentos.

Viver


Foto. Em um dia quente e ensolarado, um gorila reflete na sombra de um jardim zoológico de Praga, na República Checa.

É de uma escola particular do Piauí a maior nota média no Enem de 2018. O Instituto Dom Barreto, de Teresina, desbancou o Colégio Bernoulli, de Minas, que por cinco anos registrou o melhor desempenho no exame. A tabulação da Folha com os dados do Enem 2018 resultou em uma lista de 11.212 escolas, que podem ser consultadas aqui.


A seleção brasileira se livrou do fantasma paraguaio na Copa América. É a primeira vez desde 2007 que o Brasil chega à semifinal da competição - o rival ainda não está definido.

Cotidiano Digital


Jony Ive está deixando a Apple. Não é uma notícia boa para a companhia — com ele, vai-se embora o último legado de Steve Jobs. Escocês, admirador do design industrial alemão de Dieter Rams, que desenhava os eletrodomésticos da marca Braun, Ive estava na Apple já, meio encostado, quando Jobs voltou à empresa, em 1997. O fundador precisava reinaugurar a Apple, naquele momento falimentar. Para isso, seria preciso mudar sua imagem com um produto que causasse impressão. Foi Ive quem lhe propôs o iMac original, com o turquesa translúcido e muitas curvas. Computadores eram todos quadrados e beges. O iMac ganhou outras cores, o iPod reinventou como um player de música era, o MacBook Air cabia dentro de um envelope. E tem o iPhone: sem teclado, tela touch, câmera e navegador para a web. Bilhões de smartphones funcionam hoje no mundo porque Jony Ive desenhou deste jeito o iPhone inicial. Ficaram mais finos, mais leves, com telas curvas, ganharam câmera de selfie. A imagem da Apple, seguindo princípios ditados por Steve Jobs, é obra de Jony Ive. “É impossível exagerar na importância de seu papel no renascimento da Apple”, afirmou num comunicado o CEO Tim Cook.

John Gruber, analista: “Tim Cook é um grande CEO, mas quem ficará a cargo do design de produto? Não há mais um chief design officer, que é o que Steve Jobs sempre foi. Do ponto de vista do produto, a era pós-Jobs da Apple foi de fato a era Jony Ive, não a era Tim Cook. Não é por mal. Em sua defesa, Tim Cook nunca fingiu ser um cara de produto. Minha impressão é de que Ive sem Jobs foi como McCartney sem Lennon. O fruto da colaboração era, magicamente, muito maior do que a soma de ambos os talentos. Mas Jony Ive perdeu o interesse por desenhar computadores. E sejamos claros: o que a Apple sempre fez foi desenhar computadores. Tudo o que faz são computadores. Seu gênio, em tempos recentes, foi fazer produtos que não se parecem com computadores, mas são, na verdade, computadores. O Apple Watch é um computador. Os AirPods são computadores. Sim, usamos computadores em nossos ouvidos. Esta é a Apple. Só que a atenção de Ive migrou na direção da arquitetura. O prédio do Apple Park será por cem anos um testemunho do design de Jony Ive.”

De acordo com o Financial Times, Ive — que é Sir Jonathan Ive no Reino Unido — vai criar sua própria empresa, um escritório de design exclusivo, que terá sede na Califórnia. A Apple será sua primeira cliente.

Veja: Os produtos desenhados por Ive que o MoMA, Museu de Arte Moderna de Nova York, selecionou como obras de arte para seu acervo. E, numa galeria, sua carreira em imagens.

E... Há uma boa biografia do designer publicada em português. É Jony Ive: O gênio por trás dos grandes produtos da Apple (Amazon).

O Twitter decidiu publicar um aviso nos tuítes de líderes mundiais que violam as regras de comportamento da rede. A mensagem informará que, fosse outra pessoa, o tuíte seria eliminado e, talvez, a conta cassada. Mas em se tratando de um líder eleito, por conta do interesse público, a mensagem permanecerá. Há ansiedade nos EUA — o presidente Donald Trump com frequência viola tais regras. E, nos EUA como fora, a direita percebe as empresas do Vale do Silício como tendo viés ideológico para o outro lado.

Quando nasceu há onze anos, a Airbnb pretendia conectar pessoas que tinham um colchão para ceder em suas casas a quem quisesse viajar gastando pouco. Hoje, a praxe são imóveis inteiros alugados. A expansão está para chegar no mercado de luxo — casas com projetos arquitetônicos premiados, mansões ou mesmo castelos europeus. O número de reservas que custam ao menos US$ 1 mil por noite aumentou 60% em 2018. No ano anterior, a empresa adquiriu a Luxury Retreats, uma startup canadense especializada neste nicho. E o serviço oferecerá bem mais do que imóveis de impacto. As ofertas incluem refeições, massagens, sessões com personal trainer e o que desejar o cliente. (Estadão)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




28 de junho de 2019
Consultar edições passadas