Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


22 de agosto de 2019
Consultar edições passadas

Mundo entra em estado de alerta pela Amazônia


Após semanas ignorando a questão ambiental ou questionando os dados oficiais sobre desmatamento, e dois dias após chover cinzas das queimadas na capital paulista, o presidente Jair Bolsonaro partiu para cima das ONGs ambientalistas. “Este pessoal está sentindo a falta do dinheiro”, afirmou o presidente. “Então pode, não estou afirmando, ter ação criminosa desses ongueiros para chamar atenção contra minha pessoa.” Ele não apresentou qualquer indício que sustente a acusação. Em sua teoria, ambientalistas tocam fogo para filmar e causar alarde. (Terra)

Para o presidente, também os governadores do Norte do país são responsáveis. “Tem estados aí, não quero citar, que o governador não está movendo uma palha para ajudar a combater incêndio”, disse. “Está gostando disso daí.” (Jovem Pan)

Ao menos um dos governadores respondeu — Waldez Goes, pedetista do Amapá. “Transferir responsabilidades não vai acabar com as queimadas”, disse. Goes é presidente do consórcio Amazônia Legal, formado por nove estados, criado para estabelecer uma política preservacionista no momento em que o governo federal escolheu não fazê-lo. (Globo)

Aliás... O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, do Partido Novo, foi vaiado ontem durante a Semana Latino-Americana e Caribenha sobre a Mudança do Clima. É a primeira vez em que uma autoridade brasileira é vaiada num evento destes. (G1)

A situação é muito grave. As chamas na Amazônia são tão intensas que a fumaça é vista do espaço, como mostra o registro da NASA. São 72.843 incêndios distintos detectados neste ano. “Nos anos anteriores, incêndios estavam muito relacionados à falta de chuva”, explica Adriane Muelbert, uma ecologista especializada na área. “Mas este ano tem sido bastante úmido. Isso nos leva a pensar que é causado pelo desmatamento.” Thomas Lovejoy, também ecologista, vai além. “É, sem dúvida alguma, uma das duas únicas ocasiões em que houve incêndios como estes.” (National Geographic)

Ibope: 96% dos brasileiros concordam total ou parcialmente com a ideia de que o governo federal deve aumentar as medidas de fiscalização para impedir o desmatamento ilegal da Amazônia. (BBC)

No exterior, a imprensa destaca amplamente o nível recorde de incêndios na Amazônia. “São tão grandes que a fumaça chegou a milhares de quilômetros de distância até a costa do Atlântico”, ressaltou o New York Times. “A Amazônia está queimando”, alertou a Reuters. Segundo o francês Le Monde, seca e desmatamento estão por trás do aumento do número de incêndios. CNN, BBC e Al Jazeera também chamaram a atenção para as imagens dos últimos dias.

#PrayForAmazonas foi a hashtag mais distribuída no Twitter, em todo o mundo, ontem.

O Senado aprovou a MP da Liberdade Econômica, mas tirou dela as regras que liberavam trabalho aos domingos e feriados. Vai a sanção presidencial. (UOL)

Ocorreram ontem manifestações de auditores-fiscais em várias cidades do país. “Como numa ação orquestrada, representantes do governo federal, parlamentares, ministros do TCU e da Suprema Corte têm mirado artilharias a um dos órgãos centrais da República”, acusa o Sindifisco. Para os funcionários, o objetivo conjunto é claro: estancar investigações sobre corrupção. (G1)

Mais nove empresas públicas foram incluídas no Programa de Parcerias de Investimentos. Ou seja, que serão total ou parcialmente privatizadas. Entre elas estão Serpro e Dataprev, Telebras e Correios. No caso de muitas, ainda não há estudo sobre o modelo de venda. (Poder 360)

Foi negociado e teve preço o silêncio do escritor Olavo de Carvalho, ideólogo da família Bolsonaro. Em troca de não mais criticar em público os militares, afirma o Radar, o presidente está esvaziando o poder da turma fardada no governo. (Veja)

O ex-executivo da Odebrecht Maurício Ferro foi preso na manhã de ontem pela 63ª fase da Lava Jato. O advogado Nilton Serson também tem mandado de prisão em seu nome, mas está fora do país. Na casa de Ferro, casado com uma irmã de Marcelo Odebrecht, foram encontradas quatro chaves de criptografia USB que, desconfia a polícia, conectadas ao computador podem permitir acesso às pastas criptografadas da empreiteira que nunca foram abertas. (G1)

A prisão escancarou uma crise familiar. Marcelo não se conformava com o fato de que o cunhado não participou do acordo de delação premiada que envolveu 77 executivos do grupo. Quando voltou para casa, se concentrou no arquivo de e-mails para alimentar de informações a força-tarefa sobre quem considera seus inimigos — Ferro entre eles. De acordo com Beta Megale, Odebrecht segue rompido com pai e o resto da família. (Globo)

O juiz Luiz Antonio Bonat, sucessor de Sergio Moro no caso, negou o pedido do Ministério Público para prender o ex-ministro Guido Mantega. Acusado de receber propina da empreiteira, ele terá de andar com tornozeleira eletrônica. (G1)

Do despacho de Bonat, segundo Lauro Jardim: “Não há informação acerca do seu envolvimento (de Mantega) em fatos criminosos após o seu afastamento do cargo de ministro da Fazenda, em 2015. Esse é um dos principais pontos de distinção entre o caso de Mantega e o de Palocci.” (Globo)

Enquanto isso... Aécio Neves foi mantido no PSDB, e com placar folgado. A Executiva Nacional do partido, por 31 votos a 4, arquivou os pedidos para sua expulsão. O governador paulista João Doria esteve em campanha para tirar Aécio da legenda por seu envolvimento com corrupção. Saiu derrotado. (Poder 360)

Uma história: Em dado momento, o deputado paulista Vanderlei Macris afirmou que a situação de Aécio era insustentável. O ex-governador mineiro o lembrou, então, que um dos casos pelos quais responde é por arrecadação de recursos para campanhas de tucanos vários. Incluindo o próprio Macris. (Globo)

Cultura


O governo suspendeu o edital que havia selecionado séries sobre “diversidade de gênero” e “sexualidade”, a serem exibidas nas TVs públicas. A portaria assinada ontem suspende o edital por 180 dias, com possibilidade de prorrogação por mais 180. Lançado em 13 de março de 2018, a seleção tem um orçamento total de R$ 70 milhões, provenientes do Fundo Setorial do Audiovisual. O chamamento é feito pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul com participação da Ancine e da EBC. Segundo levantamento do Globo, a EBC estaria entre as 17 empresas estatais que o governo pretende privatizar.

Quais são as séries? Em live na semana passada, presidente atacou produções com temática LGBT. Entre elas está Transversais, um desdobramento do curta-documentário Aqueles Dois, de Emerson Maranhão, que conta a história de dois homens transgênero e já foi selecionado para participar de festivais fora do País, como o 4º AMOR - Festival Internacional de Cine LGBT Do Chile. Outro é Afronte, de Bruno Victor Santos e Marcus Azevedo, que já foi exibido no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro em 2017 e ganhou o Prêmio Saruê, concedido pela equipe de cultura do jornal Correio Braziliense. Já Sexo Reverso, de Maurício Macêdo, é um projeto idealizado a partir da pesquisa da antropóloga Bárbara Arisi. Ela tem um trabalho junto à tribo dos Matis, no Amazonas e participou de uma pesquisa dos próprios indígenas sobre práticas sexuais dos brancos (HuffPost).

E a Netflix fez uma seleção de séries e filmes sobre LGBTQ+. E mandou seu recado: “lembrando que só assiste quem quer, tá?” (Twitter)

Por falar em audiovisual... lançamentos de filmes e séries nacionais previstos para 2020 são uma incógnita. Diversas produções estão paradas e seriamente comprometidas sem os recursos do FSA de 2019, linha de financiamento geralmente aberta nos primeiros meses do ano. Em 2018, de janeiro a agosto, mais de R$ 250 milhões desse fundo já estavam destinados para produções por meio de quatro editais abertos. Os dois editais de produção do FSA que foram publicados este ano são para investimentos referentes a 2018. Nenhuma linha referente aos recursos de 2019 foi lançada ainda, e não há qualquer previsão para isso (Uol).

Viver


Fotografia: Enquanto as geleiras da Groenlândia derreteram neste verão na maior velocidade desde 2012, o presidente dos EUA, Donald Trump, cético quanto aos efeitos da mudança climática, fez à Dinamarca uma oferta que ele considera “estrategicamente interessante”. Na imagem, os icebergs da ilha fotografados da janela de um avião que levou cientistas da NASA em 14 de agosto de 2019. Em tempo, Donald Trump suspendeu, pelo Twitter, sua viagem oficial à Dinamarca após a recusa do primeiro-ministro em discutir se vende ou não esse território dinamarquês para os Estados Unidos. (El País).

Os patinetes elétricos não são tão inofensivos, aponta um estudo recente elaborado pela Universidade da Carolina do Norte, e publicado pela revista Environmental Research Letters. Os pesquisadores descobriram que a vida dos veículos de mobilidade pessoal (VMP) era muito inferior à designada pelos fabricantes de patinetes elétricos. Seu uso malfeito e o vandalismo fazem com que os patinetes não durem mais de dois meses nas ruas gerando um grande impacto no meio ambiente.

Para ler com calma... “Quando, em 13 de outubro, numa cerimônia do Vaticano, o papa Francisco conferir o título de santa a quatro mulheres — entre elas, a brasileira Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, a irmã Dulce —, estará ajudando a reduzir o desequilíbrio de uma estatística desigual ao longo dos séculos: a de mulheres canonizadas pela Igreja Católica. Levantamento realizado pela Piauí com base nos registros disponibilizados pela Congregação das Causas do Santos, instância do Vaticano responsável pelos processos de canonização, demonstra que apenas 21% dos santos oficialmente aceitos pela Igreja são mulheres.” Pesquisa e reportagem completa na revista.

E no Instagram... Parece uma macarronada ao molho sugo, com almôndegas, mas é 'só' um bolo confeitado mesmo. Mais uma criação de Yolanda Gampp. E poderia ser mais um perfil de receitinhas rápidas, mas a cozinheira Helena Mazza valoriza cada uma das produções e dedica seu feed ao 'food styling'.

Lista: oito dicas simples de decoração para casa, segundo o Apartament Therapy.

Cotidiano Digital


Algumas companhias aéreas brasileiras começaram a pedir esta semana para que seus passageiros com MacBook Pros de 15 polegadas não os liguem durante o voo. Nos EUA, o pedido se iniciou na semana passada. O modelo proibido é aquele fabricado em 2015, e vendido entre este ano e 2017. A bateria corre risco de explosão. Confirme se o seu notebook está na lista dos afetados.

Ligada em 1994 e apontando para uma janela na Universidade de San Francisco, a FogCam é a mais antiga webcam em funcionamento. Naquele principiozinho da rede, câmeras apontando para algum canto do mundo ao vivo foram a primeira moda do mundo conectado. Esta continuou no ar. Viveu o estouro da internet comercial, a guerra dos browsers, a briga dos sites de busca, a era dos blogs, a internet 2.0, a ascensão dos smartphones e a explosão das redes sociais. Não viverá para mostrar San Francisco ao vivo na próxima fase da vida online — FogCam será desligada no fim deste mês, após um quarto de século.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




22 de agosto de 2019
Consultar edições passadas