Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





10 de setembro de 2019
Consultar edições passadas

Histórias para ouvir

Deputados querem volta do foro privilegiado


Um grupo de deputados começa a articular o retorno do foro privilegiado para políticos. Aprovada no Senado durante o governo Temer, a Proposta de Emenda à Constituição dava direito a foro apenas os presidentes da República, da Câmara, do Senado, do STF e o vice-presidente. É esta PEC que os deputados querem emendar. Hoje, parlamentares tem direito a foro especial para os casos de crimes cometidos durante o mandato e relacionados a ele. A alteração da PEC, se aprovada, retorna a como era, ampliando as proteções. Eles explicam que é para evitar que juízes de primeira instância, como os da Lava Jato, possam determinar a prisão de deputados e senadores. (Estadão)

Enquanto isso, é o próprio Flávio Bolsonaro que está circulando pelo Senado pedindo a seus pares que retirem a assinatura do pedido de CPI da Lava Toga. Enquanto militantes bolsonaristas, nas redes sociais, divulgam a hashtag #AssinaFlavioBolsonaro, seu esforço e o do comando do partido vai no sentido contrário. Para que uma CPI que investigue o Judiciário seja protocolada, é preciso um mínimo de 27 assinaturas. Havia 28. O esforço do comando do PSL já tirou duas. (Estadão)

Pois é... Segundo o Datafolha, são os apoiadores do governo Bolsonaro que mais aprovam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O deputado é avaliado como ótimo ou bom por 25% dos que dizem conhecê-lo. O índice vai a 35% entre aqueles que avaliam da mesma forma o governo. (Folha)

De um tweet do vereador Carlos Bolsonaro: “Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!”

O mini-documentário Por Trás das Cortinas no G7, que o canal francês CNews levou ao ar no fim de semana, revelou o instante em que os presidentes francês e chileno conversam sobre seu par brasileiro. “Claro que eu tinha de reagir, você entende?”, pergunta Emmanuel Macron a Sebastián Piñera. “Sim, eu concordo”, ouve como resposta. “Queria ser pacífico, construtivo com o cara, respeitar sua soberania. Mas não poderia aceitar isso.” Próxima, a chanceler alemã Angela Merkel acena. “Não”, ela comenta. “Você sabe que quando meu ministro das Relações Exteriores foi lá”, segue Macron, “ele o deveria receber e cancelou no último minuto para ir cortar seu cabelo. E filmou a si mesmo. Desculpe, mas isso não é atitude de um presidente.” Na leitura do jornalista Jamil Chade, veterano correspondente na União Europeia, houve na cúpula consenso entre os líderes na desaprovação às atitudes do presidente brasileiro. (UOL)


No último dia antes de o Parlamento entrar em recesso forçado, o que ocorre a partir de hoje, o premiê britânico Boris Johnson sofreu sua sexta derrota num intervalo de seis sessões que comandou. Pela segunda vez tentou convocar novas eleições e foi derrotado. Um deputado de seu Partido Conservador também exigiu, com apoio da maioria, que o governo divulgue suas mensagens a respeito da negociação para o recesso. Há desconfiança de que ele possa ter quebrado a lei. A rainha já sancionou a proibição de que BoJo promova um Brexit sem um acordo que atenue seu impacto econômico.

dasa_1

HealthTech


São muitas máquinas numa UTI e o processo é incrivelmente manual. Num turno típico de seis horas, a equipe de enfermagem passa duas anotando o que dizem essas máquinas no prontuário de cada paciente. Quando vem a alta, não raro a informação vai-se embora — informação que, acumulada ao longo dos meses e anos, pode levar a novas descobertas. O nome do software: Orchestra, da startup brasileira Carenet Longevity. Ligado aos aparelhos, puxa e acompanha os sinais vitais, liberando o trabalho de enfermagem para que gastem seu tempo com atenção às pessoas.

Ao todo, morrem no mundo, todos os anos, 700 mil pessoas de bactérias resistentes a antibióticos. Um dos maiores problemas está no fato de que, desconfiando de que bactéria é, médicos prescrevem um remédio. Quando erram, demora um tempo para descobrir. Enquanto isso, superbactérias têm mais oportunidade para se espalhar. Acertar de primeira é muito importante. Mas há um obstáculo para testar a resistência de uma bactéria a certo antibiótico. Demora entre um dia e, no caso de tuberculose, até meses para que o resultado do exame saia. O uso de inteligência artificial — aprendizado de máquina — pode apressar muito estes resultados na leitura do DNA do micróbio. E começa a ser estudado.

Alguns dos apps que acompanham o ciclo menstrual estão compartilhando as informações que coletam com o Facebook, embora isto não esteja claro para as usuárias. Entre as apps estão MIA Fem e Maya, que no conjunto fazem parte da vida de 7 milhões de mulheres. Elas enviam para a rede social informações como o uso de contraceptivos e datas, instante da menstruação, e listam sintomas como câimbras e inchaços. Ligados ao perfil das mulheres. Estes dados servem a anunciantes pois permitem prever o humor das possíveis clientes a cada dia. Além de antecipar gravidez, para que sejam oferecidos produtos relacionados.

Cultura


Vida selvagem. Um hipopótamo recém-nascido mantinha-se perto de sua mãe nas águas rasas do lago Kariba, Zimbábue, quando um grande touro avançou contra eles. A mão acabou matando o próprio filhote. O infanticídio entre os hipopótamos é raro, mas pode resultar do estresse causado pela superlotação quando suas piscinas de descanso secam. A imagem faz parte da seleção de fotografias que o Museu de História Natural de Londres lançou para disputar em várias categorias. Os vencedores serão anunciados em 15 de outubro.

76º Festival Internacional de Cinema de Veneza... A Linha, projeto brasileiro em realidade virtual que coloca o espectador na São Paulo de 1940, foi consagrada com o prêmio de Melhor Experiência Interativa. A experiência é desenvolvida pela ARVORE Immersive Experiences, e conta com a narração de Rodrigo Santoro. Dirigida por Ricardo Laganaro, a experiência de 13 minutos acompanha Rosa e Pedro, dois bonecos de maquete lidando com a rotina numa São Paulo de época.

E teve mais Brasil... Bárbara Paz usou as redes sociais para comemorar a conquista de dois prêmios: o Bisato D'Oro, prêmio da crítica independente, e também o prêmio de melhor documentário sobre cinema na mostra Venice Classicsum. A atriz venceu com o filme Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou, que narra os últimos dias do cineasta Hector Babenco, ex-marido de Bárbara, morto em 2016.

Com a anuência do próprio diretor, Bárbara filmou e gravou depoimentos em épocas distintas de seus últimos três anos de vida. Babenco foi várias vezes internado nesse período, e nas gravações revisita o próprio passado, fala de mágoas, alegrias e do desafio de se manter vivo. "Eu sempre quis registrar esse pensador, que estava comigo ali e pelo qual me apaixonei. E não só o cineasta", diz a atriz. "Ele dizia que estava me dando um passaporte, tanto que ele me deu uma câmera", explica. O filme mostra cenas de hospitais, trechos de filmes de Babenco, imagens caseiras. Segundo a crítica, é um filme triste, mas nunca sensacionalista ou desrespeitoso. É uma homenagem poética a um homem que amou viver (Uol)

Viver


 A redução de verbas feita pelo Ministério da Educação já está prejudicando o dia a dia das universidades federais em todo o país. É o caso da Universidade Federal do Rio de Janeiroa maior federal do país. São 67 mil alunos e quatro mil professores.Dos R$ 3,2 bilhões contingenciados do ensino superior no Brasil, R$ 112 milhões foram tirados da UFRJ, que deu início a um plano de ajuste com várias medidas. Entra elas estão a suspensão dos serviços de celular para quem ocupa cargos de representação; de passagens internacionais e diárias nacionais na graduação; da manutenção externa e jardinagem; e o racionamento do uso de veículos. (Jornal Nacional)

Setembro Amarelo: como conversar com alguém que está pensando em suicídio. A cada 40 segundos, alguém, em algum lugar do mundo, tira sua própria vida. Quase 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos de acordo com a Organização Mundial de Saúde, e essa é a segunda maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos, atrás apenas de acidentes de trânsito. São estatísticas alarmantes de um ato extremo, pouco discutido. Por mais solitário que possa parecer, ele afeta filhos, pais, maridos e mulheres, amigos e colegas. Um estudo americano publicado no ano passado diz que, para cada pessoa que se mata, o efeito pode chegar a impactar 135 outras.

 

O uso de cigarros eletrônicos está enfrentando uma onda reversa nos Estados Unidos. Os dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs) estão sendo investigados como responsáveis por uma doença pulmonar fatal. Quatro americanos já morreram devido ao problema - duas mortes confirmadas em Oregon e Indiana, todos ex-usuários da modalidade.

Já são quase 500 suspeitas em todos os EUA somente na semana passada.O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e outros órgãos dizem que há diversas razões possíveis sobre o por quê de esses produtos estarem deixando as pessoas doentes. Porém, autoridades de saúde de Nova York apontaram que um ingrediente específico está relacionado aos casos: óleo de vitamina E. Em Wisconsin, o primeiro estado a relatar uma série de casos em julho, houve 34 casos confirmados, além de outros 12 que estão sendo investigados. Illinois, com 49 casos suspeitos ou confirmados, foi o primeiro estado a relatar uma morte ligada ao consumo de cigarros eletrônicos ou vaps.

Cotidiano Digital


A Apple anuncia, hoje, o iPhone 11 e uma série de outros produtos incluindo a nova versão dos Apple Watches. Nos novos celulares, o destaque está nas câmeras: haverá três na parte de trás, com melhor qualidade em ambientes de baixa luz e grande angular. A inteligência artificial que melhora a qualidade das fotos também ganhará upgrade. Como nos aparelhos Samsung, será possível carregar os fones AirPods e o relógio da companhia encostando-os na parte traseira do iPhone. Serão também máquinas mais resistentes a quedas, para que durem mais.

Como sempre, o evento pode ser acompanhado ao vivo pela Apple TV ou pelos apps de TV de iPhones, iPads e Macs. Este ano há uma novidade: streaming pelo YouTube. Começa às 10h em Cupertino, Califórnia — às 14h em Brasília.

Os procuradores-gerais dos 48 estados americanos anunciaram, ontem, uma investigação antitruste acerca dos negócios de publicidade e busca do Google. Ficaram de fora apenas Califórnia e Alabama. É a partir do resultado do inquérito que podem decidir se há razão para um processo.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




10 de setembro de 2019
Consultar edições passadas