Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



17 de outubro de 2019
Consultar edições passadas

Disputa por liderança da Câmara acirra racha no PSL


O novo cenário da briga que dividiu o PSL é a Câmara dos Deputados. O deputado candidato a embaixador Eduardo Bolsonaro se lançou também candidato a líder do partido na Casa e recolheu, durante o dia, 27 assinaturas para depor o Delegado Waldir do posto e então assumi-lo. Seria o suficiente, já que representa mais de a metade dos 53 parlamentares. O próprio presidente da República fez ligações pedindo participação. À tarde, a ala pró-Luciano Bivar, o presidente nacional da sigla, revidou. Colheu 32 assinaturas para manutenção de Waldir. Como as listas não são públicas, não é possível saber ainda quem assinou ambas. Já à noite, os bolsonaristas apresentaram nova lista — com 27 nomes, não se sabe se os mesmos da anterior. É decisão de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, escolher qual das duas (ou três) valerá. Os bivaristas, porém, têm o controle do partido e traçam planos de expulsar a deputada federal Carla Zambelli e outros leais ao Planalto. Se concretizado, o plano de Eduardo murcha. E o tamanho da bancada sofre. (Congresso em Foco)

Maia tem também seus próprios interesses. Anteontem recebeu diversos deputados em um churrasco que ofereceu ao deputado Alexandre Frota por seus 56 anos. O PSL bivarista estava lá, o bolsonarista, não. Se o grupo do presidente da República deixar mesmo a sigla, o que sobrar do PSL deve se fundir ao DEM — levando o dinheiro do fundo eleitoral, engordando a sigla e fortalecendo o Centrão. (Estadão)

Aliás... O filho Zero Três afirmou que a embaixada em Washington se tornou secundária perante a crise. “A gente está aqui para cuidar dos nossos eleitores, meu foco é ajudar o país.” (Globo)

Maiá Menezes, editora de Política: “O presidente Jair Bolsonaro, quando assumiu o cargo, trazia consigo um aparente trunfo. Elegeu a maior bancada do país, menor apenas que o PT. Para garantir resultados favoráveis, parecia passaporte para um fôlego essencial para tempos em que a reforma da Previdência e o pacote Anti-Crime prometiam virar marca para as mudanças que o Brasil demonstrou querer nas urnas. A conhecida falta de disposição do presidente para receber congressistas não ajudou. Tampouco a perspectiva de coalizão com um Congresso que se renovou conservador se concretizou. A aparentemente inevitável saída do presidente para uma nova legenda exacerba uma dificuldade nítida de articulação. A governabilidade, desafio maior de qualquer presidente, se tornou o grande nó desta gestão. Eleitos na cola da popularidade do então candidato Bolsonaro, muitos políticos se tornaram adversários. A insurreição dentro de sua própria casa vai precisar de bombeiros.A briga interna do PSL terá efeitos na agenda do Congresso. E será o maior teste até aqui para a musculatura do presidente no ano eleitoral que se aproxima.” (Globo)

Enquanto isso... Um momento de paz (e ironia) em Brasília. “Para o Glenn com carinho”, postou o deputado Alexandre Frota. Estava ao lado de seu colega de Câmara David Miranda. No Twitter.

O Supremo começa, hoje, a julgar se condenados em segunda instância devem ou não iniciar cumprimento da pena. Ontem, fora da agenda, Bolsonaro recebeu os ministros Dias Toffoli e Alexandre de Moraes para uma conversa curta, de 15 minutos. No final da manhã, esteve também com Gilmar Mendes — por 25 minutos. O porta-voz não divulgou o tema sobre o qual discutiram. Trata-se, de acordo com ele, de “uma decisão pessoal, de foro íntimo”. (UOL)

O general Eduardo Villas Bôas, que foi comandante do Exército e hoje é assessor no Planalto, comentou o julgamento no Twitter. “Experimentamos um novo período em que as instituições vêm fazendo grande esforço para combater a corrupção e a impunidade”, publicou. “É preciso manter a energia que nos move em direção à paz social, sob a pena de que o povo venha a cair no desalento e na convulsão social.” De acordo com Bela Megale, foi lido como tentativa de intimidação por ministros do Supremo. O voto decisivo é o de Rosa Weber. (Globo)


Os catalães voltaram às ruas em massa, ontem, em protestos contra o governo central. A Suprema Corte espanhola condenou os nove líderes da tentativa de separar a província, em 2017, a 13 anos de prisão pelo crime de sedição e mal-uso de recursos públicos. Os ministros escolheram não os condenar, também, por rebelião — o que poderia aumentar para até 25 anos a pena. O veredito ocorre a poucas semanas da quarta eleição nacional em quatro anos. A última, em abril, terminou com vantagem para o Partido Socialista que, no entanto, não conseguiu arregimentar maioria para formar um gabinete. Qim Torra, o atual governador da Catalunha, afirmou que pretende seguir com o projeto de independência e que votará no Parlamento local anistia para os condenados. A polícia nacional e a catalã estão atuando em cooperação no controle dos protestos. O governador que havia declarado independência dois anos atrás, Carles Puigdemont, vive na Alemanha, que decidiu não extraditá-lo. (El País)

O premiê britânico Boris Johnson afirma ter em mãos um acordo definitivo, já assinado pela União Europeia, para realizar o Brexit. Precisa aprovar na Câmara dos Comuns — mas um dos partidos radicais brexistas, o DUP, já afirmou que vai rejeitá-lo. (BBC)

Na Coreia do Norte, circulam novas fotos de Kim Jong-un, em tom épico, cavalgando pelo monte Paektu, um local considerado sagrado no ideário do regime do país. Especialistas lembram que toda vez que o líder aparece galopando assim, uma grande decisão é anunciada em seguida.

Cultura


Com cenas que vão da violência policial aos abusos judiciais e também prisionais, Peter Sellars estreia no país com o espetáculo Flexn. Hoje, em São Paulo, será a primeira de apenas cinco apresentações, no Sesc Vila Mariana. Três meses atrás, Sellars fez o discurso de abertura do festival de Salzburgo, na Áustria, levantando-se contra os “líderes mundiais dispostos a sacrificar as próximas gerações”, não só destruindo oceanos, mas “florestas e recursos naturais”, sem dar nomes.

As danças do flexing são narrativas, querem contar uma história, nem sempre com final feliz. A temática do estilo é ligada aos movimentos negros americanos, como o Black Lives Matter, e a questões políticas, sociais e culturais contemporâneas.

Para os fãs de HQs. Bone, criação mais famosa do quadrinista americano Jeff Smith, vai virar série animada na Netflix.

Por falar em Netflix... A Lavanderia, longa dirigido por Steven Soderbergh, estreia amanhã. Com Meryl Streep. E também Antonio Banderas, Gary Oldman e Sharon Stone. Trama mostra uma viúva que decide investigar uma fraude no mercado de seguros.

Dido desembarca no Brasil no início de novembro para seus primeiros shows no país. Em entrevista, a cantora falou sobre o novo trabalho, Still On My Mind, e se declarou fã de Billie Eilish.

E já vale entrar no clima... uma playlist com sucessos da cantora britânica. Hits como White Flag, Life for Rent e Thank You (que Eminem usou em uma de suas maiores músicas, Stan) estão lá.

Uma obra de Salvador Dalí, avaliada em US$ 20 mil, foi roubada da Dennis Rae Fine Art, uma galeria perto da Union Square, em São Francisco. A obra, intitulada Burning Giraffe, é uma gravura colorida à mão pelo surrealista na década de 1960 e estava em um cavalete na frente da galeria. Imagens de câmeras de segurança mostraram o ladrão andando pela rua com o trabalho debaixo do braço depois de deixar a galeria. Rasjad Hopkins, um dos diretores, disse à TIME que o ladrão "provavelmente fez isso em menos de um minuto". Hopkins notou que estava trabalhando sozinho no momento do incidente e acrescentou que o espaço tem uma câmera de segurança, embora estivesse desligada. Outra diretora, Angela Kellet, disse à KGO-TV que o trabalho roubado é "bastante importante e conhecido" e que não é o tipo de item que um ladrão poderia facilmente vender. "Acho que as pessoas saberiam", disse. O suspeito ainda não foi encontrado.

Viver


As manchas só aumentam. O Ibama atualizou para 168 o número de áreas poluídas no litoral do Nordeste. As autoridades ainda discutem qual a melhor maneira de conter o avanço desse material. Vídeo.

A mudança climática entrou no palco principal do Fundo Monetário Internacional (FMI). “Se eu pudesse dar um conselho para todos nós é: todos temos responsabilidade de agir”, disse a diretora-geral do fundo, Kristalina Georgieva, ao participar de debate sobre o papel dos bancos centrais no combate às mudanças climáticas. “No FMI, sempre olhamos para os riscos. E essa (mudança climática) é uma categoria de risco que tem que ser absolutamente central no nosso trabalho”, afirmou. O encontro anual do banco, que teve início na terça-feira, 15, têm previstas ao menos 16 reuniões que tratam de políticas fiscais que ajudam a mitigar aquecimento global, biodiversidade, governança ambiental e uma “transição verde”.

A lista anual de mulheres inspiradoras e influentes de todo o mundo, lançada pela BBC, acaba de ser anunciada. Duas brasileiras estão entre as eleitas deste ano: a filósofa Djamila Ribeiro e a deputada federal Tábata Amaral (PDT-SP). Neste ano, o mote da nomeação foi: Como seria o futuro se ele fosse comandado por mulheres? De uma arquiteta que está planejando reconstruir a Síria à gerente de um projeto da Nasa para explorar Marte, muitas das mulheres incluídas na lista estão testando os limites em seus campos de atuação.

Em meio a velas e batida dos tambores, dentro de um círculo chamado oráculo, a deusa indígena Maria Lionza foi homenageada por seus seguidores na Venezuela. Garrafas vazias de uísque no chão também compõem o ritual que existe há quase um século. Ninguém tem certeza sobre as origens do culto, que inclui aspectos do catolicismo e das religiões africanas, nem sobre o número de seguidores. As estimativas vão de 10 por cento a 30 por cento da população da Venezuela. As imagens. Acredita-se que cerca de 20 mil fieis, da Venezuela, das Américas e até mesmo da Europa visitem a montanha em outubro.

As 12 vinícolas mais bonitas do Condado de Napa. Não custa apreciar.

Cotidiano Digital


É quase um papel político. Pressionado politicamente por todos os lados, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, fará hoje um discurso que será transmitido por uma live. O tema: liberdade de expressão. “Acredito que dar voz é importante, como reunir as pessoas e dar a elas voz faz sentido”, escreveu em um post na rede. “Falarei também sobre como podemos endereçar os desafios que um número maior de vozes e a internet apresentam, além das maiores ameaças à liberdade de expressão no mundo.” Será possível acompanha-lo ao vivo a partir das 14h, em Brasília, no seu perfil.

Há quem tenha vivido os anos 1990 e guarde lá sua nostalgia. Para estes, foi lançado o Analogue Pocket. É uma versão elegante de um Game Boy, o console de mão lançado em 1989 pela Nintendo e que se manteve com sucesso pela década seguinte. Por US$ 200, lá, Pocket roda jogos do original, de Game Boy Color, Advance, mas também tem a possibilidade de ser compatível com os rivais em seu tempo Game Gear, da Sega, e Atari Lynx. As caixas de som são em estéreo, a tela tem alta definição e a bateria carrega via USB-C.

Os dois showrunners responsáveis por Billions estão trabalhando numa série baseada na história de ascensão da Uber.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



17 de outubro de 2019
Consultar edições passadas