Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





18 de novembro de 2019
Consultar edições passadas

Planalto teme apresentar reforma do funcionalismo


O plano do ministro da Economia Paulo Guedes era enviar ainda esta semana, para o Congresso, um projeto de Reforma Administrativa. Mas há resistências no Planalto. O foco é a redução de benefícios para funcionários públicos futuros. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o secretário da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, temem uma reação por parte do funcionalismo que possa desencadear grandes manifestações como as de Chile, Equador e Bolívia. Dos EUA, ainda ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se queixou. O acordo era que este projeto fosse apresentado logo para que os deputados já dessem início ao trâmite. Mas o presidente Jair Bolsonaro, que se reunirá hoje com Guedes para tratar do assunto, parece já estar decidido. “Vai demorar um pouquinho mais.” (Poder 360)

E por falar em manifestações... A de ontem, convocada por bolsonaristas pelo impeachment do ministro Gilmar Mendes, do Supremo, não atraiu quase ninguém. (Poder 360)

Pesquisa do Ibope, de acordo com Ancelmo Gois: 43% dos brasileiros não votariam no PT de jeito nenhum. 50% dos brasileiros não votariam no PSL de jeito nenhum. (Globo)

Fernando Collor:Vejo semelhança entre o tratamento que concedi ao PRN e o que Bolsonaro está conferindo ao PSL. Logo no início, ele tinha que ter dado prioridade aos 53 deputados do PSL. E, a partir desse núcleo, construído a maioria para governar. Ele perdeu esse momento. Agora reúne a bancada para dizer que vai sair do partido? Erro crasso. Já passei por isso. Vai ser um desassossego para ele. Continuando do jeito que está, não vejo como este governo possa dar certo. São erros primários. Bolsonaro esteve na Câmara por 28 anos, viu como se forma um movimento numa Casa em que o chefe do Executivo não dispõe de maioria. Ele tem que entender algo fundamental: o presidente da República é o líder político da nação. Como líder, tem que fazer política. E política se faz por intermédio dos políticos e dos partidos. Bolsonaro não vem se preocupando com a divisão da sociedade brasileira, que se aprofunda. O discurso dele acentua a divisão. Com a soltura do Lula, a tendência é que essa divisão se abra ainda mais.” (Globo)

Fernando Henrique: “A função de quem está no governo é aumentar a coesão social, não fragmentar o país. Buscar o rumo e a coesão do país. Isso aconteceu até agora? Não. Até agora, o contrário. Não só a polarização é grande, como talvez aumente agora com a libertação do Lula. Não depende só do Lula, depende do outro. O Lula não é incendiário . Ele é verbalmente incendiário, porque é do poder. Como estilo político e humano, não é a tendência do Lula ser incendiário. As pessoas às vezes o pintam de guerra, mas não é assim. Não conheço Bolsonaro e não quero avançar como ele é. Visto de fora, dá a impressão de que ele é mais guerreiro, mais intransigente, acredita em uns fantasmas. O Lula acredita nele. Não acho que a retórica que ele está usando, de que é perseguido político, corresponda à realidade. Entendo essa retórica como tática política. Mas é perigoso, porque não sei quais serão as consequências da decisão do tribunal. Se forem as que estão sendo ditas, vai ter que libertar muita gente. Voltará uma sensação de impunidade, o que não é bom. Vamos ver como o Lula vai agir. Não tem direitos políticos, mas certamente vai ter influência.” (Época)

Carlos Melo, cientista político: “Diante de dois atores com personalidade tão forte como Bolsonaro e Lula, o centro também precisa de alguém que seja contundente, que deixe muito claro a que veio. Apenas abraçar uma agenda reformista não transformará um candidato em um nome de centro. Além do lado programático, é uma questão de forma também: se apresentar como alguém que não é populista, que respeita a Constituição, que não opera com maniqueísmos do tipo ‘nós contra eles’. Se o tal do centro não assumir o que ele é, nem disser o que não aceita de jeito nenhum, não vai se colocar como alternativa. O antibolsonarismo e o antipetismo são maiores, hoje, do que o PT e o Bolsonaro. Quem disse que não é possível, para um candidato que se apresenta como centro, que consiga votos nos terços do eleitorado mais fiéis a Lula e a Bolsonaro? No entanto, sem uma crítica muito clara a ambos e sem um rosto que sirva de referência, o centro ficará esmagado entre os dois lados.” (Globo)

Os advogados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha derrubaram esta semana que passou a segunda de suas três prisões preventivas. Falta uma. Ele foi condenado em segunda instância, mas isso não faz mais diferença. Segundo Guilherme Amado, Cunha planeja passar o Natal em família. (Época)


A pesquisa do diário Des Moines Register divulgada no sábado pôs Pete Buttigieg em primeiro na disputa pela candidatura à presidência do Partido Democrata em Iowa. É o primeiro estado a escolher seu candidato e os vencedores lá estão sempre entre os favoritos. É a primeira vez que um quarto nome aparece no ranking — ultrapassando Elizabeth Warren, Joe Biden e Bernie Sanders. Prefeito de South Bend, a cidade de Indiana onde fica a importante Universidade de Notre Dame, Buttigieg tem 37 anos, tem um perfil mais próximo do centro do que Warren e Sanders, e é veterano do Afeganistão. Se eleito, fará história. Seu marido, Chasten Glezman, um professor, seria o primeiro first gentleman do país. (Des Moines Register)

Comece o dia com todo gás

Comece o dia com todo gás


Um pouco de cor no escritório. Além de energizar o ambiente de trabalho, estudos sugerem que certas cores podem realmente aumentar a produtividade e até reduzir os níveis de estresse. É o caso do azul marinho e do roxo. O azul escuro evita distrações e cria um espaço mais aconchegante. Já uma camada de branco quente, com tom mais avermelhado, cria uma sensação de calma quando é preciso um tempo para descansar os olhos. A dica é sempre pensar em como as cores funcionam com a iluminação. Outras cores que criam efeitos visuais e psicológicos positivos em um escritório.

Alguns alimentos turbinam o raciocínio e ajudam a renovar a memória. E, quando se fala em alimentos cerebrais, o peixe está no topo da lista. A explicação faz todo o sentido. Cerca de 60% do cérebro é feito de gordura e metade dessa gordura é do tipo ômega-3. O cérebro usa ômega-3 para construir células nervosas e cerebrais, e essas gorduras são essenciais para o aprendizado e a memória. Salmão, truta e sardinha são fontes ricas de ácidos graxos ômega-3 e sua ausência na alimentação está ligada a dificuldades de aprendizado e à depressão. Um estudo descobriu que as pessoas que comiam peixe assado ou grelhado regularmente tinham mais massa cinzenta no cérebro. A matéria cinzenta contém a maioria das células nervosas que controlam a tomada de decisão, a memória e a emoção. Este artigo lista outros dez alimentos que melhoram habilidades cognitivas.

Que pequenas mudanças as pessoas podem fazer em suas rotinas diárias para serem mais produtivas? Neil Pasricha, autor do best-seller A Equação da Felicidade, compartilhou algumas respostas. Entre elas, tenha uma rotina matinal. E tenha uma rotina noturna, de "desaquecimento". Pratique exercícios 3x por semana e ande 5k por dia. "Eu faço todas as reuniões por telefone enquanto caminho Para saber mais, confira os ensaios Walking, de Henry David Thoreau, ou Why I Do All This Walking, de Nassim Taleb".

Cultura


No dia 18 de novembro de 1928, estreou nos Estados Unidos um curta em animação estrelado por Mickey, um camundongo cheio de personalidade. Para celebrar a data, o Disney Channel exibe cinco novos desenhos do personagem, às 9h30 e às 16h15.

Por falar em Mickey... o serviço de streaming da Disney incluiu alertas no início de alguns dos filmes disponíveis para indicar que eles podem incluir elementos racistas ou ofensivos de outras maneiras. No caso de Dumbo, uma mensagem na tela informa que o filme está sendo exibido tal como produzido originalmente, e que “pode conter representações culturais antiquadas”.

Um anel de ouro, que o famoso escritor irlandês Oscar Wilde deu de presente a um amigo, foi encontrado por Arthur Brand, um especialista em arte holandês, quase 20 anos depois de ter sido roubado da universidade britânica de Oxford. A joia foi subtraída durante um roubo em 2002, depois do qual seu paradeiro se tornou um mistério. Temia-se que a peça, avaliada então em mais de 40.000 euros, tivesse sido fundida. O anel será devolvido durante uma cerimônia em 4 de dezembro na faculdade, onde voltará a ocupar seu importante lugar na coleção de memórias do autor.

E 20 tiras de Calvin e Haroldo para refletir sobre a vida.

Viver


A revista Time abriu sua tradicional enquete para escolha de Personalidade do Ano. O presidente Jair Bolsonaro está na lista, que traz nomes variados como o do jogador Mohamed Salah e também o do time americano de futebol feminino, que ganhou a Copa do Mundo em 2019. A escolha do público, entretanto, não é condição para a escolha final. No ano passado, o jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado em 2 de outubro de 2018, no consulado de seu país em Istambul, foi escolhido pela revista norte-americana. A publicação dividiu a distinção com outros jornalistas: a filipina Maria Ressa, perseguida pelo regime de Rodrigo Duterte, e dois repórteres da agência Reuters presos: Wa Lone e Kyaw Soe Oo, da Birmânia.

Oportunidades para viajar no ano que vem não vão faltar, já que o brasileiro terá nove feriados nacionais emendados com o final de semana, às segundas ou sextas-feiras, ou com uma ponte, às terças ou quintas-feiras. É quase o dobro dos cinco feriadões do mesmo tipo em 2019. O total de feriados prolongados pode ser ainda maior em algumas cidades. Confira e programe-se.

A solidão é um fenômeno cultural crescente. E, de acordo com um estudo científico da Universidade Israelense de Bar Ilan, divulgado pela agência Efe, pode aumentar o problema da alienação social."Na sociedade de hoje, pesquisas mostram que as pessoas passam entre um terço e metade do tempo sozinhas por dia", informou a universidade em comunicado. O estudo, baseado em testes realizados com 700 pessoas, revela que algumas pessoas que passam muito tempo sozinhas sentem-se negligenciadas pelo seu entorno social. Assim, elas se sentem mal e são induzidas a pensar que só podem confiar em si mesmas, o que leva a um comportamento cada vez mais egocêntrico e egoísta. Isso dificulta a capacidade de reintegração em atividades sociais e aumenta as chances de essas pessoas serem rejeitadas.

Bill Gates, cofundador da Microsoft, voltou a assumir a posição no ranking de mais rico do mundo na sexta-feira, segundo o índice de bilionários da Bloomberg, deixando para trás Jeff Bezos, presidente da Amazon.


A seleção brasileira sub-17 venceu ontem a mexicana por 2 a 1, de virada, e assim se sagrou tetracampeã mundial de futebol na categoria. Assista aos melhores momentos.

Cotidiano Digital


A Microsoft decidiu descontinuar seu app assistente, Cortana, para iPhones e Android. Por enquanto, vale para Reino Unido, Austrália, Alemanha, México, China, Espanha, Canadá e Índia. Os planos da empresa são de deixar o assistente vivo dentro de seus softwares, como o Office.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




18 de novembro de 2019
Consultar edições passadas