Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.

 
 


25 de novembro de 2019
Consultar edições passadas

Prezadas leitoras, caros leitores —

Nesta segunda-feira publicamos pela última vez a editoria ‘Comece o Dia com Todo Gás’. Patrocinada pela Coca-Cola Café por um período de quatro meses para marcar o lançamento da bebida no país, foi popularíssima. Neste tempo, uma de suas notas esteve entre os cinco links mais clicados todas as semanas.

O Meio continuará cobrindo o tema do trabalho contemporâneo, e da eterna busca por foco que nos move, na editoria Viver.

— Os editores


Flamengo bate marca do Santos de Pelé


O Flamengo repetiu, num único fim de semana, a marca conquistada pelo Santos de Pelé em 1963 — sagrou-se campeão tanto da Libertadores da América quanto do Campeonato Brasileiro. O título continental foi ganho no campo. Uma partida difícil — e memorável. O River Plate argentino abriu o placar, aos 14 do primeiro tempo, e bloqueou o ataque rubro-negro ainda no meio campo. Mas os argentinos cansaram e a entrada do camisa 10 Diego desbloqueou o caminho já no quarto final da partida. Os brasileiros aumentaram a pressão, quase marcaram— após um cruzamento de Bruno Henrique, Arrascaeta chutou o ar sem chegar na bola, Gabigol chutou e encontrou dois argentinos que bloquearam seu caminho, o rebote foi parar nos pés de Éverton Ribeiro que mandou outro chute, desta vez agarrado pelo goleiro. Aos 43 minutos do segundo tempo, a sorte virou. Bruno Henrique lançou Arrascaeta na pequena área, o uruguaio cruzou tirando o goleiro da jogada para Gabigol chutar contra o arco desprotegido. Surpreendido por um gol que nos minutos finais empurrava o jogo para uma prorrogação, o River Plate congelou. Não devia. Ainda do campo de defesa, Diego lançou certeiro para Gabigol que se deslocava na direição da meia-lua. Ele driblou dois e, já próximo da marca do pênalti, mandou para as redes. 46 minutos, já nos acréscimos. Enquanto isso, no Brasil, o Palmeiras precisava vencer o Grêmio para manter-se na disputa pelo título nacional. Perdeu por 2 a 1 — garantindo ao Flamengo, no domingo, o Brasileirão. Assista aos melhores momentos. (Globo Esporte)

O clube estreia no Mundial de Clubes dia 17, no Catar, e já entra na semifinal. Seu adversário ainda será definido. O vencedor desta partida joga contra o vencedor da outra semifinal — disputada entre o Liverpool inglês, campeão da Champions Leage, cujo adversário também não foi decidido. Se uma final se confirmar entre Flamengo e Liverpool, será a repetição do jogo que, em 1981, deu ao rubro-negro seu título mundial. (Globo Esporte)

Há uma sombra no título do Flamengo. Os familiares dos dez rapazes que jogavam na base do clube e morreram num incêndio, em fevereiro deste ano, ainda não foram indenizadas. O clube entrou em acordo com os 16 sobreviventes e os pais de quatro dos mortos. Mas briga na Justiça a respeito do valor com as famílias dos outros. (El País)

Paulo Vinícius Coelho: “Pela primeira vez na história, depois do Santos de Pelé na Taça Brasil e na Libertadores, um clube ganha os dois torneios mais importantes no mesmo ano. Naquela época, o título anterior permitiu ao Santos entrar nas semifinais dos dois torneios. Com o Flamengo, foi diferente. Campeão da Libertadores e do Brasileiro jogando as duas campanhas inteiras. O Flamengo merece. É campeão porque fez tudo certo, o que inclui escolher o melhor técnico disponível no mundo pelo preço que cabe no orçamento. Resta a luta pelo vice. Importa pouco. Mas significa ter dois técnicos estrangeiros em primeiro e segundo lugar ou o primeiro sinal de espanholização. Nunca campeão e vice se revezaram na primeira e segunda posições por dois anos seguidos.” (UOL)

Márvio dos Anjos: “Nenhuma taça de magnitude continental é conquistada por acaso, ou por apenas um motivo. Houve um Jorge Jesus, houve os extraordinários reforços pontuais, mas houve antes muita história. Houve uma esforço dedicado no sentido de quitar as dívidas e aprender a ganhar. Em 2013, quando a chapa azul fez presidente Eduardo Bandeira de Mello, a responsabilidade fiscal se tornou prioridade. Era preciso cortar gastos, livrar o clube de penhoras, a fim de poder criar condições para um planejamento. Quem olha as recentes campanhas do Flamengo no Brasileiro vê um time frequentador assíduo do G4, e isso não é à toa: a primeira coisa que um clube ajustado regulariza são suas campanhas. O segundo gol de Gabigol, não se engane, começa por aí. Quando se trata de um clube como o Flamengo, esse tipo de sucesso inspira uma sociedade inteira. Reforça a cultura do poupar, do investimento consciente, de gasto responsável. Da administração da casa à aposentadoria privada, um triunfo desse tamanho dá enorme contribuição não só para um tipo de pensamento esportivo, mas também o econômico. Porque esta Libertadores rubro-negra não é só um título. É um sonho surrado e frustrado há 38 anos por um quinto da população do Brasil.” (Globo)


E o derramamento de óleo que atingiu o litoral do Nordeste e do Espírito Santo chegou ao estado do Rio de Janeiro, segundo a Marinha do Brasil.

Comece o dia com todo gás

Comece o dia com todo gás


O que é um polímata? Mesmo a sua definição é objeto de debate. O termo tem suas raízes no grego antigo e foi usado pela primeira vez no início do século XVII para descrever uma pessoa com “muitos aprendizados”, mas não há uma maneira fácil de decidir o quão avançado esses aprendizados devem ser e em quantas disciplinas. A maioria dos pesquisadores argumenta que, para ser um verdadeiro polímata, é preciso algum tipo de aclamação formal em pelo menos dois domínios aparentemente não relacionados. Um dos exames mais detalhados do assunto vem de Waqas Ahmed em seu livro The Polymath, publicado no início deste ano. Ao examinar a vida dos polímatas históricos, ele considerou apenas aqueles que fizeram contribuições significativas em pelo menos três campos, como Leonardo da Vinci (o artista, inventor e anatomista) e Johann Wolfgang von Goethe (o escritor que também estudou botânica, física e mineralogia). Se você se sentir tentado a viver uma vida mais polimática, Ahmed sugere que é possível usar o tempo com mais eficiência abrindo espaço para múltiplos interesses. Agora, há um reconhecimento crescente de que, ao se concentrar em qualquer empreendimento complexo, o cérebro geralmente atinge um tipo de ponto de saturação, após o qual sua atenção pode desaparecer e qualquer esforço extra pode não dar resultado. Mas se você recorrer a outra atividade não relacionada, poderá descobrir que é mais capaz de se concentrar. A alternância entre diferentes tipos de tarefas pode, portanto, aumentar a produtividade geral.

Sessenta minutos de música para reprocessar a mente e concentrar.

O estado de nossa atenção determina o estado de nossas vidas. Então, como direcionamos nossa atenção para nos concentrarmos mais, nos distrairmos menos e nos tornarmos mais criativos? Chris Bailey, autor do livro Hyperfocus, fala sobre como nossa capacidade de se concentrar é a chave para a produtividade.

Política


O ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg confirmou, ontem, que será pré-candidato democrata à presidência dos EUA. “Me ofereço como alguém que faz, um resolvedor de problemas”, afirmou o empresário. “Não sou alguém que fica falando.” Perante a perda de posições nas pesquisas de Joe Biden, Bloomberg se oferece como um candidato mais próximo ao centro quando comparado a Elizabeth Warren e Bernie Sanders, que têm perfil de esquerda. Sua maior dificuldade é a de todos — o voto negro continua com Biden, e ele é fundamental para qualquer um que pretenda chegar à Casa Branca pelo partido. Quando prefeito, Bloomberg favoreceu um tipo de política que, na prática, levava policiais a revistarem sistematicamente jovens, desproporcionalmente representados por negros e latinos. É seu ponto fraco. O ponto forte: é bilionário e pode financiar uma campanha cara sem a necessidade de doadores. E o discurso que fará é que, diferentemente de Donald Trump, que faliu inúmeras vezes após herdar uma fortuna do pai, Bloomberg construiu a sua. (New York Times)

As urnas uruguaias já foram apuradas, mas a Corte Eleitoral só anunciará quem é o novo presidente do país quinta ou sexta-feira. O último número anunciado informava 48,7% para o candidato da oposição, Luis Lacalle Pou, contra 47,5% para o governista Daniel Martínez. Dado o resultado estreito, os juízes decidiram esperar pela contagem dos ‘votos observados’ — os dos que votaram fora de suas zonas, idosos, aqueles com necessidades especiais, que por não comparecerem às urnas precisam ter os dados dos eleitores confirmados. (G1)

A eleição regional de Hong Kong terminou com derrota avassaladora de parlamentares pró-Beijing. Candidatos de oposição à ditadura levaram quase 90% das cadeiras disponíveis. O voto de ontem era percebido como um referendo a respeito dos protestos contra o aperto do governo em Beijing. (CNN)


A deputada Gleisi Hoffmann foi reeleita presidente do PT com 71% dos votos dos delegados, superando seus três concorrentes. (Poder 360)

Cultura


No mês da consciência negra, obras abolicionistas do século 19, como Fantina, de Francisco Badaró, e A Rainha do Ignoto, de Emília Freitas, ajudam a entender a influência da literatura na libertação dos escravos. Publicado pela primeira vez em 1881, Fantina ganha este ano nova edição pela Chão Editora. A história concentra-se no drama da personagem que dá nome à obra, uma escrava da viúva Dona Luzia. Fantina deseja casar-se com o também escravo Daniel, no entanto passa a ser perseguida por Frederico, novo marido de Luzia, até ser estuprada. O fim é trágico: largada doente por Frederico, ela fica louca e é encontrada ao lado da filha graças ao esvoaçar dos corvos, já com o “cadáver em dessoração e todo roído dos vermes”. Ao retratar essa realidade de violência sexual, chegamos no cerne da literatura abolicionista do século 19: o esforço dos escritores da época por convencer seu público leitor sobre a importância do fim da escravidão.

A morte do apresentador Gugu Liberato foi confirmada na sexta-feira pela família. Gugu sofreu um acidente em sua casa na Flórida na quarta. O corpo foi levado na manhã de ontem ao instituto responsável por necropsias de Orlando após uma cirurgia que durou seis horas em que foram retirados os órgãos para doação. Segundo a família, 50 pessoas devem ser beneficiadas. O corpo do apresentador deve ser trazido de volta ao Brasil até quinta e será velado na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Sobre a doação de órgãos, antes do início da cirurgia, os médicos e toda a equipe do hospital fizeram uma Menção de honra. “Ao tocarmos a vida de muitos hoje, podemos entender nosso papel em transmitir o presente heroico da vida de um ser humano para outro.”

O Fantástico, da TV Globo, fez uma homenagem ao apresentador de TV em longa reportagem.

Cotidiano Digital


Inventor da Web, o inglês Sir Tim Berners-Lee pôs no ar um documento que batizou Contrato para a Web (disponível em inglês, francês e espanhol). Empresas, governos e indivíduos que o assinarem assumem de imediato o compromisso de proteger a rede de abusos. “O medo que as pessoas têm de que coisas ruins aconteçam na internet está ficando maior, e com razão”, ele afirmou. “Se deixarmos a web como está, muita coisa pode dar errado. Podemos terminar numa distopia digital se não dermos uma virada.” Redigido com o apoio de 80 organizações ao longo de mais de um ano, o documento estabelece nove compromissos. Três para governos, três para empresas e mais três para indivíduos. Governos devem garantir a privacidade a quem está na rede, e pleno acesso aos dados que empresas coletam para todo indivíduo. Empresas precisam oferecer ferramentas simples para que pessoas regulem os dados que são coletados a seus respeitos. Pessoas são convocadas a produzir conteúdo relevante, que enriqueça o ambiente.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




25 de novembro de 2019
Consultar edições passadas