Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



13 de dezembro de 2019
Consultar edições passadas

Com larga vitória, Conservadores abrem caminho para o Brexit no Reino Unido


Foi uma vitória avassaladora — o Partido Conservador britânico, liderado pelo premiê Boris Johnson, teve seu melhor resultado nas urnas desde 1987, quando iniciou seu último mandato Margaret Thatcher. Para o Partido Trabalhista, foi a pior derrota desde 1935. Com ampla maioria na Câmara dos Comuns, as portas estão abertas para que Johnson prossiga com o Brexit e o Reino Unido deixe, enfim, a União Europeia. Não quer dizer que será um caminho fácil. Também cresceu o Partido Nacional Escocês, e sua líder Nicola Sturgeon já fala em um novo plebiscito pela independência do país — os escoceses em ampla maioria gostariam de ficar na UE. A libra esterlina ganhou 2,1% perante o dólar na expectativa de que o impasse parlamentar que já dura três anos chegue ao fim. E se há um derrotado inequívoco é Jeremy Corbyn. O líder trabalhista, que tentou guinar para a esquerda seu partido, carregou a legenda para um precipício que inclui a perda de pelo menos quatro distritos operários que votaram nos conservadores embora sejam tradicionalmente trabalhistas. Um deles, Leigh, em Manchester, não elegia um conservador há mais de um século. (BBC)

Um tuíte de Tony Blair, ex-premiê trabalhista, publicado em 2017 e que voltou a circular, ontem: “Se você for confrontar populismo de direita com populismo de esquerda, o populismo de direita vencerá.” (Twitter)

O Brexit deverá iniciar até 31 de janeiro. Os britânicos estão em busca de costurar um acordo que lhes permita ter acesso para importar e exportar produtos e serviços dos países da União Europeia. Mas deixará a jurisdição da Corte Europeia de Justiça e o Mercado Comum, reinstalando as fronteiras alfandegárias. Não é um acordo fácil de costurar — há 27 membros da UE. As conversas formais podem se estender até junho, quando os britânicos definem se precisam de um tempo maior para a transição. BoJo, com ampla maioria, não deve ter dificuldade para aprovar o que desejar em casa. (BBC)

Oficialmente, a década só termina daqui a doze meses. O que não faz nenhum sentido — já vivemos os últimos dias dos anos 10. No século 20, esta foi uma década marcada pela Primeira Guerra e a Revolução Russa. Dez anos de radical transformação. Dá para dizer o mesmo deste ciclo que agora encerramos — o mundo virou digital, o digital se embrenhou em eleições, manifestações de grande porte tomaram o planeta, ascendeu no Ocidente uma direita nacionalista capaz de entrar na casa de operários e levar seu voto, historicamente da esquerda. A política se polarizou e não há mais espaço para o consenso. Em nossa penúltima Edição de Sábado do ano nos propomos um desafio: explicar a década de dez. Não é mera retrospectiva, buscamos compreensão com um olhar para o futuro. Vai ter até espaço para o 7 a 1. Os assinantes premium recebem. Vocês sabem que é baratinho, não é? Assine.

Evo Morales deixou o asilo no México e foi para a Argentina. O ex-presidente boliviano vai ficar em Buenos Aires na condição de refugiado. O objetivo de Morales é estar mais próximo para atuar na liderança de seu partido até as eleições, que devem acontecer entre março e abril do ano que vem. Morales renunciou à presidência depois de denúncias de fraudes nos votos. (O Globo)


81% dos brasileiros ouvidos pelo Datafolha consideram que a Lava Jato ainda não encerrou seus trabalhos e deve continuar. Apenas 15% querem que a investigação acabe. A divisão é maior a respeito da soltura do ex-presidente Lula. Uma maioria estreita — 54% — a considera justa. 42% consideram injusta. Há má notícias para o governo. 50% dos entrevistados consideram a atuação de Bolsonaro ruim ou péssima no combate à corrupção. Em agosto, eram 44% — foi o item no qual a percepção da conduta do presidente mais sofreu desde então. O ministro Sergio Moro, porém, não foi abalado. (Folha)

Tudo indica que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, não deve voltar ao cargo ano que vem depois de seu período de férias. Nos últimos dias, nomes importantes ligados a ele do Ministério da Educação estão deixando seus postos. Segundo fontes, algumas das razões seriam o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário-geral da Presidência, Jorge Antonio de Oliveira Francisco. Para eles, Weintraub causa polêmicas desnecessárias que prejudicam o governo. Mas, pela afinidade ideológica com o Planalto, a expectativa é de que o ministro vá para outra posição. Weintraub ainda estaria pensando em se candidatar nas eleições de 2022. (Estadão)

Outra baixa pode ser o ministro do Meio Ambiente. O STF vai analisar, ano que vem, pedido de impeachment do Ricardo Salles, feito por senadores da Rede. Os parlamentares alegam que o ministro não cumpriu com seu dever e ordenou atos contrários à Constituição ao mudar órgãos da área ambiental e não tomar providências para áreas de proteção. (G1)

O limite do saque do FGTS aumentou para R$ 998, o valor de um salário mínimo. Só podem retirar aqueles que tem até esse valor em cada conta vinculada. Para quem tiver mais do que um salário mínimo na conta, o limite continua sendo de R$ 500. Os saques serão autorizados de uma só vez e a previsão é injetar R$ 2,6 bilhões na economia até o Natal. Mas, o repasse para os trabalhadores dos lucros do fundo voltou a ser de 50%. O cálculo leva em conta o lucro líquido alcançado no ano anterior da distribuição. (O Globo)

Meio em Vídeo: Liberdade de expressão vale para tudo? Em tempos de pressão sobre a democracia, mergulhamos na história desse direito para entender suas crises passadas e tentar responder a uma pergunta. Quais os limites da expressão no século 21? Assista. E aproveite e assine o Meio no YouTube.


Imprensando a imprensa

Tony de Marco

 
Imprensada

Histórias para ouvir

Histórias para ouvir


Toda semana, às sextas, o Meio recomendará algo de interessante para ouvir na Storytel. E os leitores do Meio têm direito a experimentar o serviço por 30 dias. Sem custo. Tem audiobooks, podcasts, séries em áudio — histórias de todo tipo, narradas por bons atores e locutores. Experimente.

A referência que se tem de Thalita Rebouças, em geral, é a da literatura infanto-juvenil. As jovens adolescentes adoram seus livros desde o lançamento de Traição entre Amigas. Mas Thalita é, também, uma mulher de 45 anos que já passou por duas separações marcantes. Em companhia da amiga Roberta Senna, uma publicitária de também 45, as duas fazem juntas o podcast Unidas pela Separação. Em suas conversas, em todo episódio acompanhadas por entrevistadas conhecidas, debatem as dores e surpresas, também os preconceitos, de como é para uma mulher lidar com o fim de um relacionamento longo. Porque nunca é fácil. A primeira temporada tem dez episódios dos quais já foram lançados sete. Ouça o primeiro.

Cultura


Em São Paulo, show de Alceu Valença e ópera baseada em conto de Mário de Andrade estão entre os destaques da semana. Alceu abre seu arquivo a partir de amanhã em ocupação no Itaú Cultural. Na mostra, fotografias, escritos originais, documentos e experiências imersivas refazem a trajetória do cantor e compositor. Por ocasião da abertura, shows de Alessandra Leão e Rafa Barreto, no sábado, e Almério, no domingo, celebram o músico. Estreia amanhã no Theatro São Pedro a ópera O Peru de Natal, de Leonardo Martinelli. Baseada no conto homônimo de Mário de Andrade e com libreto de Jorge Coli, a obra inédita será regida por Miguel Campos Neto e encenada por Mauro Wrona. O Masp abre hoje as duas últimas exposições do ano, todo dedicado às mulheres. Em Vazio, intervalo e juntas, a artista contemporânea portuguesa Leonor Antunes exibe as suas “esculturas criadas no espaço” sob a curadoria de Adriano Pedrosa e Amanda Carneiro, enquanto A linha Emancipada apresenta a primeira retrospectiva da venezuelana Gego no Brasil. Antunes FIlho faria 90 anos nesta semana. Para homenagear o encenador, o Sesc Consolação, que serve de sede para o Centro de Pesquisa Teatral criado por ele, recebe uma exposição e mostra de cenas concebidas sob a sua orientação. Enquanto finaliza as obras, que devem terminar no início do ano que vem, a livraria Megafauna inicia sua operações no Copan com uma feira de livros com desconto. Encerrando o programa Nova Fotografia 2019 do MIS, Felipe Larozza exibe a série Radiolas, que investiga as cenas maranhense e paulista do reggae. A banda Rakta é a convidada do Sexta Trabalho Sujo de hoje no Estúdio Bixiga. Amanhã tem shows de Deaf Kids, Carla Boregas e M. Takara na Auta.

No Rio, Iran do Espírito Santo apresenta um recorte de seus últimos 20 anos de trabalho e desenhos inéditos na individual Reflexivos, que ocupa o Oi Futuro a partir de amanhã. Esta é a primeira exposição institucional do artista no Rio. O Festival do Rio segue até o 19 com intensa programação. Entre os destaques da semana está a sessão de No Quarto de Vanda com a presença do diretor, o português Pedro Costa, que debaterá o filme com o crítico Juliano Gomes. Ao longo do fim de semana, o Escuta Festival ocupa o IMS com mesas de debate, oficinas, apresentações e feira gastronômica que celebram a cultura e a política das periferias. O artista ítalo-francês Adalberto Mecarelli apresenta a individual Luz +, sua primeira mostra no Brasil, na Galeria Mercedes Viegas. A cantora Norah Jones traz a turnê de seu disco mais recente, Begin Again, ao Vivo Rio em show hoje à noite. A adaptação da Definitiva Cia. de Teatro para A Hora da Estrela, de Clarice Lispector segue em cartaz no Teatro Glaucio Gill até o dia 23. O Baukurs recebe hoje um encontro sobre a poesia de Bertolt Brecht com o tradutor André Vallias, o professor Carlos Abbenseth e a diretora e atriz Esther Jablonski. Semana de medalhões: hoje tem Sambas & Histórias de Nelson Sargento na Cidade dos Artes e o show do disco Mais Feliz, de Zeca Pagodinho, no Km de Vantagens Hall. Ali, amanhã, Djavan leva seu Vesúvio. Para mais dicas culturais, assine a newsletter da Bravo, que volta agora em 2020.

Após ser extinto em janeiro, o Ministério virou Secretaria Especial de Cultura, que foi incorporada ao Ministério da Cidadania e, depois, ao do Turismo. Relembre as idas e vindas da Cultura em 2019.

Pois é...o ex-secretário municipal de Cultura de São Paulo, André Sturm, aceitou convite feito por Roberto Alvim, secretário especial da Cultura, durante almoço da Fiesp. Ele assumirá a chefia da Secretaria do Audiovisual no lugar de Katiane Gouvêa, que foi exonerada do cargo na quarta-feira.

No novo especial do Porta dos Fundos na Netflix, Jesus é gay. O filme preparado para este fim de ano pelo grupo humorístico despertou uma fúria interreligiosa e já pode pautar a discussão principal da ceia de família. É só assistir. No Natal do ano passado, o Porta dos Fundos lançou Se Beber Não Ceie, em que Jesus era um mau caráter beberrão.

Viver


A Nasa diz ter identificado um “mapa do tesouro” de água congelada em Marte. O local aparentemente tem grandes depósitos de gelo que poderiam ser cavados com uma pá. A descoberta torna mais possível levar um dia astronautas para o planeta vermelho. A água abaixo da superfície é a única forma de acessar o recurso antes que evapore na atmosfera de Marte. O depósito também significa que a tripulação não precisaria levar tanta água na viagem, o que reduz a carga.

Enquanto isso… a Nasa lançou o “mais poderoso foguete da história”. O Sistema de Lançamento Espacial é um passo importante da missão Artemis, que quer levar, até 2024, astronautas para a Lua.

Um vídeo...'Uma mulher precisa falar dez vezes até ser ouvida'.

Sobre a tragédia em Brumadinho, um novo relatório aponta que barragem se rompeu por conta de "liquefação estática de rejeitos". Especialistas dizem que a Vale deveria ter controlado os fatores que levaram à ruptura, enquanto a empresa diz que está enviando cópias dos relatórios para autoridades na investigação.

Cotidiano Digital


Mais uma vez, a Anatel adiou a decisão para o leilão da rede 5G. O próprio relator pediu mais tempo para analisar a proposta, que sofreu muitas modificações em relação a original. O texto voltou a privilegiar as grandes teles. A data da licitação, prevista para o fim de 2020, deve ser empurrada para o início de 2021. (Estadão)

A China tem aumentado ainda mais sua participação na mineração de bitcoin. Segundo estudo, o país concentra 66% do processamento da criptomoeda, devido a processadores de alto desempenho e baixo custo energético - em junho esse número era de 60%. Isso mesmo sendo proibido no país a comercialização e câmbio de criptomoedas. Sozinha, a cidade de Sichuan, representa mais da metade do poder de processamento global.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



13 de dezembro de 2019
Consultar edições passadas