Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





3 de janeiro de 2020
Consultar edições passadas

EUA matam um dos principais líderes militares do Irã


O major-general Qassim Suleimani, comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, morreu durante a madrugada quando um míssil disparado por drone americano explodiu no Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque. Suleimani, que comandava a área de inteligência no regime do aiatolá Ali Khamenei, era o alvo do ataque autorizado pelo presidente Donald Trump. Também morreu na explosão Abu Mahdi al-Muhandis, número dois das Forças de Mobilização Popular do Iraque, uma milícia sustentada por Teerã, criada para combater o Estado Islâmico. O aiatolá Khamenei decretou três dias de luto e afirmou que a morte do comandante será vingada. O presidente do Irã, Hassan Rouhani, chamou a atuação americana de covarde. “Condeno este ato cruel ao mesmo tempo em que honro os serviços corajosos deste herói iraniano”, disse. “A grande nação do Irã vingará este crime terrível.” O premiê iraquiano Adil Abdul Mahdi considerou a morte de al-Muhandis um “ataque contra o Estado iraquiano, seu governo e povo”. (CNN)

O conflito entre EUA e Irã vem escalando desde após o Natal. Dezenas de foguetes lançados contra uma base militar iraquiana em Kirkuk, no dia 27, mataram um terceirizado e quatro soldados, todos americanos. Washington responsabiliza uma milícia que tem apoio iraniano — a acusação é negada. Ataques do tipo vêm ocorrendo desde o incremento das sanções internacionais contra o Irã. Os americanos reagiram contra esta milícia no último domingo, matando pelo menos 24 combatentes. Na terça, violentos protestos na frente da embaixada americana em Bagdá impediram a saída de diplomatas, tornando-os virtuais prisioneiros, por mais de 24 horas. O governo Trump afirma que Teerã orquestrou as manifestações. A resposta dos EUA veio esta madrugada. (New York Times)

Nos EUA, há um debate sobre o que justifica a escalada militar. O Irã não tem como declarar guerra aberta. Pode ter sido um sinal de que o governo Trump não vai hesitar no uso de força. Mas é preciso levar em consideração, também, que os atuais assessores dedicados a Irã na Casa Branca são inexperientes. E o atual governo iraniano não tem informação o suficiente para avaliar o governo Trump. Não há sinal de guerra mas, ao menos por enquanto, as consequências do ataque são imprevisíveis. (CNN)

O barril do petróleo já havia aumentado em pelo menos 4% desde o ataque do drone, e a expectativa é de que os mercados abram em baixa. (CNBC)

O Líbano recebeu ordem de prisão da Interpol contra Carlos Ghosn. O ex-presidente da Nissan está no país desde que fugiu de sua prisão domiciliar, no Japão. O governo libanês disse que cumprirá suas obrigações em relação ao alerta, mas não entregará Ghosn. O país não têm acordo de extradição com Tóquio. Enquanto isso, a Turquia já prendeu sete pessoas, incluindo quatro pilotos, que teriam auxiliado Ghosn a viajar em um jato privado a partir de um aeroporto em Istambul. (Estadão)


O presidente Jair Bolsonaro deve sancionar o fundo eleitoral de R$ 2 bilhões. A seus eleitores, afirma que do contrário abriria brecha para impeachment. O veto ao fundo, segundo a tese do Planalto, poderia implicar em crime de responsabilidade, já que é previsto por lei o financiamento de campanhas eleitorais. Bolsonaro disse que precisará preparar a opinião pública para não ser ‘massacrado’. O valor previsto, no entanto, é proposta do próprio governo. O Congresso chegou a querer elevar para R$ 3,8 bilhões, recuou após a polêmica. (Estadão)

Ainda em dezembro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que não havia qualquer risco. “O presidente pode vetar ou sancionar a sua própria proposta”, ele argumentou com a jornalista Natuza Nery. “Ele não precisa se preocupar com nada disso.” (G1)

Não que surpreenda... Mas o Twitter foi o principal palanque do governo federal. Em 2019, 12 perfis de ministros postaram, em média, um tuíte a cada 40 minutos. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi o mais ativo: em média, 11,9 postagens por dia. (Globo)

Enquanto isso… Bolsonaro tem feito campanha nas ruas com ajuda de militares, policiais, bombeiros e empresários para coletar assinaturas para seu novo partido, Aliança pelo Brasil. A legenda já ultrapassou os 20% do total de 500 mil exigidas pela Justiça Eleitoral. O prazo para poder participar das eleições municipais deste ano é 20 de março. (Os Divergentes)

Não será fácil — os aliados do presidente preveem uma ofensiva do PSL. Segundo o Painel, o comando do antigo partido que elegeu Bolsonaro orienta os diretórios estaduais e municipais para não receberem pedidos de desfiliação de apoiadores. (Folha)

A figura do juiz de garantias, previsto no pacote anticrime, vai sobrar para o STF. O PSL e outros partidos entraram com ação de inconstitucionalidade no Supremo, informa a Coluna do Estadão. O movimento é um contraponto à decisão do presidente de não vetar, contrariando um pedido do ministro Sério Moro. Mas a maioria do STF apoia a iniciativa. (Estadão)

Mesmo assim, o presidente do STF, Dias Toffoli quer estender o prazo para a implementação da nova regra, que começaria no dia 23 de janeiro. (G1)

Eduardo Fauzi, um dos suspeitos de atacar a sede do Porta dos Fundos, está em Moscou. De acordo com a TV Globo, ele viajou em 29 último — um dia antes de seu mandado de prisão ser expedido. Fauzi viaja com frequência à capital russa, onde moram sua namorada e filho. A polícia do Rio já pediu para que seu nome entre na lista de procurados pela Interpol. (Globo)

Pois é... Os integralistas estão de volta. Mas, para além do folclórico — o apelido galinhas verdes, a saudação romana com o grito de Anauê — o quanto você sabe sobre o que foi a Ação Integralista Brasileira? O movimento fascista brasileiro nasceu estimulado pelo governo Vargas, financiado por famílias que ainda têm muito poder no Brasil. Teve entre seus membros nomes surpreendentes, que com mais idade seriam lembrados como combatentes de ditaduras ou mesmo gente de esquerda. Foi de longe o maior movimento de massas de direita que já existiu no Brasil. Já tratamos de Plínio Salgado na edição premium, mas nunca sobre o movimento que criou — seus inúmeros braços, como o monarquista ou o nazista. Amanhã, vamos mostrar como era o Brasil fascista dos anos 1930. Assine. Dá parcos centavos por dia.


Atentado na porta da frente

Tony de Marco

 
Molotov

Histórias para ouvir

Histórias para ouvir


Toda semana, às sextas, o Meio recomendará algo de interessante para ouvir na Storytel. E os leitores do Meio têm direito a experimentar o serviço por 30 dias. Sem custo. Tem audiobooks, podcasts, séries em áudio — histórias de todo tipo, narradas por bons atores e locutores. Experimente.

"Conquistar o mundo, mas só conquistarei o mundo depois de amanhã". Heterónimo de Fernando Pessoa, Álvaro de Campos é considerado seu alter-ego mais febril e intenso. E em Poemas de Álvaro de Campos, encontrará o melhor e mais vibrante de sua produção poética. Narrado por Rogerio Viggiane. Ouça.

Cultura


Beethoven completa 250 anos apenas em dezembro, mas as principais agendas já foram anunciadas. O público terá acesso, no palco, a praticamente a obra completa do autor – em séries que dizem tanto sobre o músico quanto sobre o momento de algumas das principais instituições musicais do País. "Alguém que mudou não apenas nossa noção do que é a música – mas também do que é e pode ser a humanidade", definiu o diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Arthur Nestrovski, ao anunciar a programação. No Theatro Municipal de São Paulo, o diretor Hugo Possolo definiu a produção da ópera Fidelio, com sua mensagem a favor da liberdade e contra o autoritarismo, como uma “obrigação”, enquanto a Filarmônica de Minas Gerais falou na celebração de “uma mente revolucionária” e de um “espírito inquieto”.

E uma playlist cheia de clássicos do gênio alemão.

Em Frozen, Elsa terminou o longa sem par romântico. Em Frozen 2, não será diferente. Seis anos depois, a sequência do filme que quebrou o padrão dos contos de fadas e se tornou a animação de maior bilheteria da História, faturando US$ 1,27 bilhão e dois Oscars, chegou aos cinemas brasileiros. Confira o trailer.

Jennifer Lee, diretora de Frozen 2: “Continua sendo uma história de amor versus medo”.

E promete virar tão grude quanto Let it Go, a música Into the Unknown, ou Minha Intuição, na versão em português. Os compositores são os mesmos do primeiro filme, Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez, que criaram sete novas músicas.

Viver


Kevin Fiege, diretor da Marvel Studios, quando perguntado por um fã se tinha planos de inserir novos personagens LGBTs nos filmes da produtora: “Sim, com certeza sim. E muito em breve. Em um filme que estamos filmando agora.” Neste ano, o filme Os Eternos será o primeiro da Marvel com um personagem gay. A Marvel também disse que o filme terá o primeiro super-herói surdo e que haverá um super-herói americano de origem asiática no filme Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis. “Veja o sucesso de Capitã Marvel e Pantera Negra. Nós queremos que os filmes reflitam o público e queremos que todo o nosso público mundial se sinta representado.”

Que fenômenos astronômicos podemos esperar em 2020? O calendário prevê, por exemplo, uma grande atividade lunar. Mas também aponta que teremos que esperar até o final do ano para poder testemunhar um eclipse solar total. No dia 9 de março, por exemplo, teremos um dos eventos mais marcantes do ano: a superlua. Isso ocorre quando o satélite natural está mais próximo da Terra e coincide com a fase da lua cheia. Nesses dias, a Lua parecerá 7% maior e 15% mais brilhante, e muitos observadores não especializados talvez nem percebam a diferença. Após a superlua de março, o fenômeno será repetido em 7 de abril e 9 de maio. Confira outros três eventos.

E as sete missões espaciais mais aguardadas de 2020.

Nos Estados Unidos, a proibição de sabores de cigarros eletrônicos populares, como fruta e hortelã, foi anunciada ontem pelo governo. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos disse que as empresas que não interromperem a fabricação, a distribuição e a venda de cartuchos com sabores que não sejam mentol e tabaco, dentro de 30 dias, correm o risco de sofrer ações de cumprimento da lei da Agência de Alimentos e Drogas (FDA). O objetivo é conter o uso crescente de produtos de vaporização entre os adolescentes, só permitindo que os sabores de mentol e tabaco continuem no mercado.

Cotidiano Digital


O Facebook recebeu uma multa de R$ 6,6 milhões do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Pelo menos 443 mil usuários brasileiros tiveram seus dados compartilhados com a consultoria de marketing Cambridge Analytica. Nos EUA, a rede social admitiu violação de privacidade e foi multado em US$ 5 bilhões.

Surpreendentemente, a China não fez nenhum pedido para excluir conteúdo ou informações sobre os usuários no TikTok. A plataforma já foi acusada por censurar vídeos considerados sensíveis ao governo chinês, principalmente ligados aos protestos de Hong Kong. Mas, em seu primeiro relatório de transparência, a plataforma relata que entre os países que mais solicitaram censura estão os EUA, com 85 pedidos — atrás apenas da Índia. Essa diferença, porém, pode ser pelo fato de que o TikTok é voltado muito mais para o público fora da China. Os chineses utilizam mais o Douyin, feito pela mesma empresa e com mais restrições do que a versão global.

A China substituiu os tradicionais fogos de artifício por dois mil drones na sua festa de réveillon em Xangai. Assista.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




3 de janeiro de 2020
Consultar edições passadas