Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



2 de março de 2020
Consultar edições passadas

Acaba motim PM no CE mas tensão com Planalto continua


Os policiais militares do Ceará devem voltar às ruas a partir desta manhã. Na terça-feira, a Assembleia Legislativa vota um projeto que reestrutura o plano de carreira dos policiais e inclui um aumento do salário de soldado PM, que vai de R$ 3,4 mil para R$ 4,5 mil, escalonado até 2022. Um dos pedidos dos amotinados era anistia a todos — isto, o governador Camilo Santana não concedeu. Receberam, porém, algumas garantias. A de que ninguém será transferido para o interior por 60 dias e de que todos terão direito a um processo legal na avaliação de suas condutas. Foi uma negociação tensa, principalmente por conta do aparente apoio do governo federal ao levante. (G1)

O presidente Jair Bolsonaro havia estendido para até sexta as ações das Forças Armadas no estado. O prazo da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) terminou no dia 28 e o presidente estava ameaçando não prorrogar. Queria usar o medo para pressionar o Congresso na aprovação do excludente de ilicitude. O projeto isenta punição de militares que venham a matar alguém durante operações, o que agradaria os grevistas. Mas a pressão não deu certo. Os governadores do Maranhão, Rio, Bahia e Piauí disseram que enviariam PMs ao Ceará caso Bolsonaro não renovasse o GLO. (Folha)

Então... Ao negar apoio perante as ameaças contra a ordem pública em uma unidade federada, Bolsonaro viola um dos princípios constitucionais que tem a obrigação de defender. De acordo com Mônica Bergamo, os governadores consideram a ação passível de impeachment. (Folha)

O vai e vem de Jair Bolsonaro mostra que seus eleitores também estão divididos sobre os motivos para a manifestação convocada por ele contra o Congresso. Análise da Folha mostra que as 100 mensagens mais retuitadas entre a direita se dividem entre defender o presidente e atacar o STF e o Congresso. O presidente chegou a negar ter compartilhado vídeo por WhatsApp para o ato, mas criticou propostas suas paradas. (Folha)

A relação entre o governo e o Congresso é tensa desde o início do mandato. Bolsonaro é o presidente que teve mais decretos e MPs questionados no STF nos últimos 20 anos:  537 decretos e 48 MPs geraram 30 ações no Supremo em 2019, segundo levantamento da TV Globo e do G1. (G1)

A crise tem afetado um dos seus principais atores. O ministro Augusto Heleno, que foi pego em áudio do governo incentivando convocar o povo às ruas contra o Congresso, perdeu espaço no núcleo militar. O general foi criticado por outros militares por não remediar a situação e desgastar desnecessariamente as Forças Armadas. Já entre parlamentares ficou claro que Heleno mantém forte influência sobre o presidente. (Globo)

Argelina Figueiredo, da Uerj: “Bolsonaro é um agente provocador. Ele tenta impor ao sistema político suas ideias autoritárias e reacionárias, o desprezo pelas instituições. Tudo isso visando formar uma base de apoio popular que o ajude a confrontar o Congresso. Ao mesmo tempo, ele se cerca de generais no Planalto e afaga suas tropas, as polícias estaduais, os escalões inferiores do Exército. Acho que ele está fazendo isso para contar com os militares como bombeiros para defendê-lo se houver alguma iniciativa para tirá-lo do poder. A atitude conflituosa atrapalha a aprovação de medidas em que o próprio governo tem interesse. Mas os líderes do Congresso sabem que uma atitude de cautela é necessária, frente à relação de Bolsonaro com os militares e sua capacidade de manipular a situação política e social. (Folha)

A partir de hoje, o dólar que vale no cartão de crédito é o do dia da compra. (Folha)


Com larga diferença, Joe Biden levou a melhor na Carolina do Sul, a quarta das prévias do Partido Democrata. O ex-vice-presidente conquistou a maioria entre o eleitorado negro e se firmou como opção moderada para derrotar Bernie Sanders, que lidera as pesquisas. O resultado vem bem a tempo da Superterça, que acontece amanhã, quando 15 estados elegem 40% dos delegados da Convenção Nacional, que definirá o candidato à Casa Branca pelo partido. A conquista de Biden, no entanto, representa uma derrota para Michael Bloomberg. (New York Times)

Pois é... O ex-prefeito de South Bend, Pete Buttigieg, anunciou ontem ter desistido da corrida. Ele era um dos que disputava com Biden este voto moderado. Vencedor em Iowa, aos 38, Buttigieg se firma como uma voz importante na legenda. No sábado, o bilionário Tom Steyer também havia desisistido. (Washington Post)

Então... Os números internos da campanha de Bloomberg sugerem que, mantendo-se na corrida durante a Superterça, ele tira votos de Sanders em estados nos quais Biden tem pouca capacidade de competir. Ao menos por enquanto, o ex-prefeito novaiorquino segue no jogo. (Axios)

Com fôlego renovado, Biden disse que vai contestar a indicação presidencial se Sanders liderar a contagem de delegados, mas não tiver a maioria necessária de 1.991. Conforme aumentam as chances de nenhum candidato conseguir essa maioria, Sanders vem questionando essa regra. (Vox)

Viver


O número de casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil subiu para 252, segundo dados do Ministério da Saúde. No sábado, eram 207 casos suspeitos. O estado com o maior número é São Paulo, com 136 casos suspeitos, seguido por Rio Grande do Sul, com 27, de acordo com as informações divulgadas na Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde, do ministério. Até o momento o país tem dois casos confirmados de coronavírus importado da Itália.

Segundo fontes da pasta, o Ministério da Saúde corre para garantir a importação de imunoglobulina, medicamento usado para melhorar a imunidade de pacientes de diversas doenças, como casos graves do coronavírus. O governo não divulga informações a respeito da disponibilidade do remédio.

Pois é... uma escola de São Paulo decidiu decretar quarentena de 15 dias a alunos que tenham viajado a 16 países onde foram detectados casos de coronavírus. A medida contraria o Ministério da Saúde e é criticada por infectologistas, como David Uip, coordenador do Centro de Gestão do Coronavírus do Estado de São Paulo. Wanderson Oliveira, secretário de Vigilância do Ministério da Saúde, também criticou a ação. “Parece que estamos na idade média, quando os países tinham os lazaretos. Fazer qualquer medida contra um país específico é, no mínimo, irracional, pois não vai impedir a introdução da doença caso a origem não esteja na orientação da escola.”

E por que há mais homens que mulheres infectados? Para Sabra Klein, do departamento de microbiologia molecular e imunologia da Escola de Saúde Pública da Universidade John Hopkins, nos EUA, o estrogênio — hormônio sexual feminino — pode ser a explicação para as diferentes respostas à doença. “Vários estudos realizados com camundongos infectados pelo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (Sars) mostraram que o estrogênio contribuiu sem dúvida para a maneira como as fêmeas controlavam melhor a infecção do que os machos.”Isso também aconteceu com o vírus da gripe comum. Mas como o surto é recente, ainda não há pesquisas que demonstrem isso de forma definitiva.

O mundo todo procura um remédio para curar, ou uma vacina para prevenir. O Fantástico mostrou como está a corrida científica contra o novo coronavírus. “Nós estamos passando por um experimento sem precedentes. Nós estamos falando de cerca de 2 meses, tem mais de 80 projetos de pesquisa testando remédios contra o vírus. A gente já tem uma série de pequenas empresas produzindo protótipos de vacinas quase que numa corrida pra ver quem consegue chegar com um produto melhor e mais promissor pra ser testado em pessoas pra prevenir a doença”, explicou Esper Kallás, médico infectologista da USP.

Não é tão simples, mas não é tão complicado: 11 dicas do Buzzfeed para quem vai comprar seu primeiro vibrador.

Para ler com calma... Apesar de estarem em lados opostos em diversos temas, como aborto ou direitos dos gays, organizações como a Women's Liberation Front (Frente de Libertação das Mulheres, ou WoLF, na sigla em inglês), que se define como uma organização de "feministas radicais dedicadas à total libertação das mulheres", e grupos conservadores vêm se aliando recentemente em questões relacionadas a transgêneros nos EUA. A reportagem é da BBC.

Cultura


Março é o mês dedicado às mulheres. Nos EUA, há uma programação variada para celebrar.

Com a mostra Mês da Mulher, o Cine Belas Artes, em São Paulo, vem com uma programação 100% feminina, que toma conta das terças de março no cinema de rua. Começa amanhã, às 21h00, com cinco filmes dirigidos por cineastas de reconhecimento internacional, nesta ordem: Bastardos (2013), da francesa Claire Denis, indicado ao Prêmio Un certain Regard, no Festival de Cannes; Tomboy (2011), da também francesa Céline Sciamma, vencedor do Teddy Awards do Júri no Festival de Berlim; Guerra ao Terror (2008), de Kathryn Bigelow, vencedor do Oscar em 6 categorias, incluindo Melhor Filme e Melhor Direção; Movimentos Noturnos (2013), da americana Kelly Reichardt, indicado ao Leão de Ouro no Festival de Veneza; e Caramelo (2007), da libanesa Nadine Labaki, vencedor do Prêmio do Público no Festival de San Sebastián.

Cotidiano Digital


Uma ameaça paira contra Jack Dorsey, CEO do Twitter. O principal objetivo de Paul Singer, um grande doador republicano que comprou participação na empresa, seria demiti-lo. O argumento não tem nada de político: Dorsey é CEO de duas empresas simultaneamente, Twitter e a fintech Square, o que levaria a falta de atenção necessária. Mas a plataforma é também o ambiente onde se dá muito do debate político online, incluindo nos EUA e no Brasil. A investida de Singer vem próxima às eleições americanas e pode representar uma nova estratégia da empresa, que baniu recentemente anúncios políticos. A mudança significaria, pela primeira vez, uma influência republicana dentro do Twitter, o que beneficiaria Donald Trump, apoiado por Singer desde eleito.

Uma rede social que simula como é ter milhões de seguidores. Essa é a Botnet, que conta com mais de 20 mil usuários. Em cada post, qualquer um recebe milhares de comentários e curtidas. Todos feitos por bots. O sistema de inteligência artificial se adapta ao estilo e ao conteúdo para fornecer respostas mais reais. Os robozinhos foram treinados a partir de comentários agradáveis de grandes plataformas como Reddit e Instagram. Mas se o usuário quiser, pode até comprar um pacote para ter alguns haters e ter a experiência completa de como é ser uma celebridade online.

Por falar em bots, o Facebook vai repaginar o Messenger para deixá-lo mais parecido com o WhatsApp. Uma das mudanças é acabar com os chatbots de empresas.

Outra mudança na rede social é que agora qualquer imagem publicada pode ganhar o efeito 3D. Antes, só era possível com imagens feitas em celulares com segunda câmera. A ferramenta 3D Photos CNN consegue transformar até mesmo fotos antigas, desde que digitalizadas.

Sem surpresa, Samsung e Apple dominam a lista dos celulares mais vendidos em 2019. O líder é o iPhone XR , representando 3% de todos os smartphones vendidos. Enquanto o Galaxy A50 foi o principal Android da lista, com 1,8%. A única exceção entre os top 10 é o A5 da chinesa Oppo, em quinto lugar. O único lugar onde a Apple e Samsung não lideram é na China. Veja a lista completa.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



2 de março de 2020
Consultar edições passadas