Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



3 de março de 2020
Consultar edições passadas

Congresso vota hoje veto que levou a briga com Bolsonaro


Na Câmara dos Deputados, a maioria defende derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao Orçamento impositivo. Se derrubado, o Congresso poderá determinar ao Executivo como gastar até R$ 30 bilhões. No Senado, a maioria não é tão firme — e é com os senadores que o Planalto conversa sobre a possibiliade de manter o veto presidencial como está. A negociação já demostra resultados. Renan Calheiros e José Serra, ambos senadores de oposição, já se manifestaram favoráveis ao pleito de Bolsonaro. Em troca, o Senado quer aprovar uma nova política de salário mínimo, coisa que o ministro da Economia Paulo Guedes prefere evitar. O veto deverá ser votado hoje. (Estadão)

Nada é tão simples. O ministro palaciano Luiz Eduardo Ramos passou o dia em negociação com os parlamentares. A interlocutores de Bolsonaro, o presidente da Câmara Rodrigo Maia tem repetido que manterá o acordo que dá ao governo R$ 11 dos R$ 30 bilhões que os parlamentares reservaram para si. Mas, por enquanto, nada é certo na negociação. É por conta deste impasse que as manifestações de 15 de março, contra o Congresso, vem sendo insufladas por governistas. (G1)

Ontem à noite, em reunião na casa do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, deputados, senadores e representantes do governo começaram a estudar a possibilidade de um terceiro acordo: R$ 10 bilhões seriam distribuídos pela Câmara, R$ 5 bilhões pelo Senado. O restante ficaria com o Executivo. O temor do governo de que um acordo com o Senado que exclua a Câmara dê certo é que os deputados, depois, apareçam com uma retaliação. (Folha)

Aliás... O líder do PSL na Câmara não estava sequer presente quando o acordo original para aprovar o Orçamento impositivo foi feito, lembra Bela Megale. Trata-se do deputado Eduardo Bolsonaro. (Globo)

O governo demorou mais de um mês, mas editou a MP para autorizar contratação de servidores aposentados para emergências. O objetivo da medida é reduzir a fila de pedidos no INSS. (G1)

Por falar nos servidores… levantamento da Piauí mostra que metade deles ganha menos de R$ 2,7 mil por mês. Mesmo assim, um funcionário público brasileiro recebe, em média, 8% a mais do que um trabalhador que exerce função similar no setor privado. A média, no entanto, é menor do que a internacional que chega a 21%. Os maiores salários no Brasil são na esfera federal e no poder judiciário. Grande parte dos 11,4 milhões de postos de trabalho do setor público é voltada para áreas sociais, como saúde e educação. (Piauí)

Os PMs envolvidos em casos graves no motim no Ceará serão expulsos. Durante 13 dias de greve, 241 pessoas foram assassinadas. Segundo o procurador-geral do Ceará, Manuel Pinheiro, o MP atuará em comissão especial para acompanhar o processo e as reivindicações dos militares. Nesse meio tempo, os 43 PMs presos durante a greve foram liberados pela Justiça do estado. (Estadão)

Enquanto isso… Bolsonaro, Sergio Moro e Ciro Gomes disputaram o crédito para o fim do motim. Nas redes sociais, Ciro defendeu que a greve foi resolvida pelo aliado e governador do estado, Camilo Santana. “Aprende, Bolsonaro e seu capanga Moro: no Ceará está o seu pior pesadelo! Generais, aqui manda a Lei!”, tuitou. Enquanto Moro e Bolsonaro responderam que o caso só foi resolvido graças ao governo federal e a GLO.

Uma entrevista do ex-presidente Lula ao jornal suíço Le Temps está causando algum agito dentro do PT. Lula foi hesitante ao elogiar o presidente venezuelano Nicolás Maduro. “Ele foi eleito democraticamente”, afirmou, “se governa bem ou mal é outra questão.” A partir daí, agarrou-se ao mesmo princípio para tratar do Brasil. “É preciso entender que, quando você ganha uma eleição, o tempo para o mandato não parece muito longo para você. Mas, para quem perde, os quatro anos parecem um século. Incentivo o PT a ser paciente. A não ser que Bolsonaro cometa um ato insano ou um crime, não podemos removê-lo. Não podemos tirar um presidente porque não gostamos dele. Seria a morte da democracia.” Lula também foi crítico da esquerda em nível mundial. “A Europa criou o Estado de bem-estar social mas, depois, a esquerda achou que estava tudo resolvido.” Segundo o ex-presidente, a esquerda começou a perder com o conceito de ajuste fiscal. “É preciso refundar o discurso de esquerda, e é por isso que considero a questão da desigualdade prioritário.” (Le Temps)

Então... De acordo com Mônica Bergamo, deputados petistas preferem que Lula não saia por aí defendendo o mandato de Bolsonaro. (Folha)

Enquanto isso... O deputado Alexandre Frota trabalha num pedido de impeachment do presidente pela convocação da manifestação. Guilherme Amado informa que ele pretende apresentá-lo até quinta-feira e levar aos presidentes da Câmara e Senado. (Época)


Em um gesto dramático, a senadora Amy Klobuchar e o ex-prefeito Pete Buttigieg anunciaram ontem apoio à candidatura do ex-vice-presidente americano Joe Biden. Buttigieg havia renunciado a sua própria candidatura no domingo e, Klobuchar, ontem mesmo. Representantes da ala moderada do partido, deram apoio a Biden a tempo de o anúncio ser divulgado para hoje, a Superterça, quando 14 estados votam em prévias. O senador Bernie Sanders, que concorre pela esquerda, é favorito para levar mais delegados. Mas, ao concentrar os votos moderados, a expectativa é de Sanders não consiga metade mais um destes delegados. São eles que votam na Convenção Nacional do Partido Democrata e definem quem concorrerá contra Donald Trump pela Casa Branca. (New York Times)

O premiê israelense Benjamin Netanyahu venceu a terceira eleição parlamentar do país em doze meses. Seu partido, o Likud, contava já com 35 cadeiras e, sua coalizão, ao todo 58 — ainda não o suficiente para conseguir as 61 necessárias para formar maioria e, portanto, um governo. (Guardian)

Cultura


A cultura também vem sofrendo os impactos do coronavírus. A Feira do Livro de Paris, que deveria ocorrer neste mês, foi cancelada devido a medidas tomadas pelo governo francês para conter o surto, informou o sindicato de editores do país em um comunicado.

A Feira do Livro Infantil de Bolonha, que também seria realizada em março, foi adiada para maio. Ela está prevista para ser realizada entre os dias 5 e 7. Já os organizadores da Feira do Livro de Londres, ainda maior que o Salão do Livro de Paris, dizem que estão acompanhando a situação. Está marcada para os dias 10, 11 e 12 de março.

E Taylor Swift liderou a lista global de artistas com maiores vendas em 2019, graças ao sucesso de seu álbum Lover, superando nomes populares como a sensação pop coreana BTS. Foi a segunda vez que a cantora e compositora de 30 anos liderou as vendas globais de músicas gravadas.

Por falar em BTS, ontem foi um momento histórico para o grupo sul-coreano. A música On chegou ao 4º lugar no Hot 100 da Billboard. Essa é a posição mais alta já alcançada por um grupo de K-pop.

Viver


Voltando a falar da Coreia do Sul, o líder da igreja de Shincheonji, uma seita cristã, pediu desculpas pelo papel desempenhado pelos seus seguidores na propagação do coronavírus. Usando uma máscara branca, Lee Man-hee, de 88 anos, ajoelhou-se e curvou-se duas vezes em uma entrevista à imprensa. “Fizemos o nosso melhor, mas não fomos capazes de contê-lo completamente”. Autoridades de saúde pública disseram que a igreja dificultou as iniciativas de contenção da propagação do vírus.“Realmente não há nada que eu possa dizer”.

A Coreia do Sul é o país com mais casos de coronavírus fora da China. Na segunda-feira, as autoridades confirmaram 599 novos casos, chegando a um total de 4.335, além de 26 mortes. No domingo, igrejas foram fechadas no país, com muitas delas realizando cultos online para evitar reuniões de massa.

Sobre o cenário econômico, o Ibovespa operou ontem em linha com a recuperação das bolsas globais. Em parte por conta dos sinais emitidos pelos bancos centrais de Estados Unidos e Japão, que sustentaram a volta da disposição do investidor. Na Europa, o coronavírus pesou e os principais índices fecharam sem direção única. A Scope Rating previu recessão de 0,3% para a Itália em 2020 por causa da epidemia.

Um levantamento feito pelo G1 com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que, dos 64 países que relataram casos de Covid-19, 41 deles, incluindo o Brasil, tem apenas casos importados da doença - de pessoas que se infectaram fora de seus territórios - , o equivalente a 64% do total.

E um vídeo ilustra a forte queda no número de voos na China. Assista. (Twitter)

Disponível no Facebook, a web série Mulheres na Conservação narra a trajetória de cinco mulheres de destaque em suas áreas, com projetos únicos que auxiliam na preservação da fauna brasileira.Os quatro primeiros episódios já estão no ar. Assista.

Para quem ainda não viu, uma reportagem do Fantástico repercute desde o domingo nas redes sociais. O médico Drauzio Varella mostra como é a vida das mulheres trans presas dentro das penitenciárias do Brasil. Veja na íntegra.

A notícia é boa... Se você se sente mais jovem, é provável que seja, aponta a ciência da idade real. E quem se atreve a saber se suas células já têm cabelos brancos? “Já atendi pessoas no consultório com até 12 anos a menos que sua idade biológica”, diz Alfonso Galán, médico especializado em antienvelhecimento da clínica Neolife, de Madri. Luigi Ferrucci, diretor científico do Instituto Nacional de Envelhecimento dos Estados Unidos (NIA, na sigla em inglês), afirma que ainda não há estudos sólidos para estabelecer os anos de vantagem que uma pessoa pode ter em relação à sua idade cronológica, “mas há algumas pesquisas que falam em até 20”.

No dia 3 de março de 1923, a revista Time foi publicada pela primeira vez. Joseph G. Cannon, líder republicano e ex-presidente da Câmara dos EUA, estampava a capa.

Cotidiano Digital


Má notícia para as big techs: o procurador-geral dos EUA vem assumindo maior controle das investigações de antitruste. Para críticos do Vale do Silício, o maior poder de William Barr é positivo. Barr tem vasta experiência com o assunto e Makan Delrahim, líder atual da Divisão Antitruste, vinha tendo uma posição mais benéfica para as big techs, defendendo as leis atuais. Ainda não se sabe como será a postura do Departamento de Justiça. Mas o órgão tem poder de recorrer a um tribunal para tentar desmembrar as empresas e também de investigar possíveis fraudes de publicidade.

Organizadores da campanha de Donald Trump estão ligados a CloudCommerce, empresa que coleta dados de 80 milhões de pessoas religiosas nos EUA. Um deles é Matt Oczkowski, o estrategista de programação de dados do presidente americano. Antigo chefe de produto da Cambridge Analytica, Oczkowski foi fundador da empresa de dados Data Propria, que hoje é propriedade da CloudCommerce. A função dele na campanha não é clara. Mas algo é certo: grupos cristãos são uma base de apoio fundamental para Trump. Em 2018, Steve Bannon, seu ex-estrategista, assumiu coletar dados de quem esteve em igrejas para direcionar anúncios.

Steve Wozniak, cofundador da Apple, tuitou que sua esposa está com suspeita de coronavírus.

Aliás, o Twitter cancelou sua participação no SXSW por conta do coronavírus.  Funcionários da empresa, além do CEO Jack Dorsey, eram presença confirmada no maior evento de inovação do mundo, previsto para acontecer em março nos EUA.

E os patinetes elétricos do Uber chegaram em São Paulo.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



3 de março de 2020
Consultar edições passadas