Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



20 de abril de 2020
Consultar edições passadas

Bolsonaro parte contra democracia


O presidente Jair Bolsonaro se encontrou ontem, no início da tarde, com um grupo de manifestantes que desfilava em carreata por Brasília contra a política de isolamento social. Vestindo uma camisa polo rosa e sem microfone, Bolsonaro subiu na caçamba de uma caminhonete e falou ao público por pouco mais de dois minutos, enquanto um segurança o amparava. “Nós não queremos negociar nada”, afirmou com a voz em tom máximo, entrecortada por tosse. “Nós queremos é ação pelo Brasil. O que tinha de velho ficou para trás. Temos um novo Brasil pela frente. Todos, sem exceção, têm de ser patriotas e acreditar e fazer a sua parte para que possamos colocar o Brasil no lugar de destaque que ele merece. Acabou a época da patifaria. É agora o povo no poder.” Por sua vez, os manifestantes pediam um novo AI-5, cobravam os fechamentos de Congresso Nacional e Supremo, clamavam por intervenção militar, além de gritar “Fora Maia”. “Estou aqui porque acredito em vocês”, disse o presidente. “Vocês estão aqui porque acreditam no Brasil.” (G1)

As condenações vieram de toda parte. “O mundo inteiro está unido contra o coronavírus. No Brasil, temos de lutar contra o corona e o vírus do autoritarismo. É mais trabalhoso, mas venceremos”, escreveu no Twitter o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. “Lamentável que o presidente da república apoie um ato antidemocrático, que afronta a democracia e exalta o AI-5”, escreveu João Doria. O ministro Gilmar Mendes, do STF, chegou ao ponto de retuitar o também ministro Luís Roberto Barroso — em geral, estão em constante desentendimento. “É assustador ver manifestações pela volta do regime militar, após 30 anos de democracia.” (Twitter)

Diferentemente dos políticos, os militares não falaram em on — assinando suas queixas. Mas se incomodaram. “ Se a manifestação tivesse sido na Esplanada, na Praça dos Três Poderes ou em qualquer outro lugar seria mais do mesmo”, disse um, pedindo resguardo do anonimato. “Mas em frente ao QG, no dia do Exército, tem uma simbologia dupla muito forte. Não foi bom porque as Forças Armadas estão cuidando apenas das suas missões constitucionais, sem interferir em questões políticas.” (Estadão)

Igor Gielow: “A demonstração de apoio do presidente Jair Bolsonaro a uma manifestação que pedia intervenção militar e ‘um AI-5’ na frente do quartel-general do Exército fez a crise política inserida na pandemia do coronavírus subir de patamar. A agressividade estava na conta, mas Bolsonaro ainda consegue chocar alguns, a começar por integrantes da cúpula militar da ativa que trocaram mensagens durante o domingo. A escolha minuciosa do local e da data, o Dia do Exército, colocou as Forças Armadas ante um impasse que juravam querer evitar desde que pactuaram apoio tácito ao pleito presidencial de Bolsonaro no segundo turno de 2018. Agora, os fardados terão de se posicionar sobre as intenções de seu comandante nominal. Bolsonaro foi claro em sua fala: quer uma ruptura ao estilo Hugo Chávez, de ‘povo no poder’, desde que, claro, o poder seja exercido por ele. Olimpicamente isolado dos outros Poderes, seus instrumentos para tal missão são parcos. Os sinais da tibieza bolsonarista são claros. As carreatas em favor das ideias intervencionistas foram mínimas. Se a frustração popular com as limitações da quarentena é compreensível, não havia uma multidão na rua. Havia, sim, as mesmas franjas que pediam ‘SOS Forças Armadas’ nos atos pelo impeachment de Dilma. São pessoas que acham correto buzinar na frente de hospitais com pessoas morrendo da mesma doença que eles negam a gravidade, sob inspiração de Bolsonaro. Mesmo quem quer encerrar as limitações, sem necessariamente fazer parte do grupo, são só 22% da população, mostrou o Datafolha. Pesquisas internas de partidos mostram que Congresso e Judiciário continuam com suas imagens no chão. É com isso e com o fato de que as Forças Armadas são ainda vistas com respeito que Bolsonaro conta. A ala militar dentro do governo, o líder Fernando Azevedo (Defesa) à frente, acreditava que seria possível moderar o chefe e conduzir o manejo da emergência sanitária. Este domingo provou, pela enésima vez, que isso é impossível. Pior, Bolsonaro colocou os fardados em xeque no tabuleiro da política. Isso adensa a crise a um novo nível, e a perspectiva não é das melhores para o isolado mandatário.” (Folha)

Viver


No Brasil, o número de mortes provocadas pelo coronavírus subiu para 2.462, com 115 novas mortes e 2 mil novos infectados até a tarde de ontem. O número total de infectados ficou em 38.654, segundo informou o Ministério da Saúde. Já as Secretarias estaduais de Saúde contabilizam 39.144 infectados e 2.484 mortos em todos os estados (atualizado hoje às 6h40).

Pois é... os dados de geolocalização dos celulares mostram que os índices de quarentena no Brasil estão caindo ao longo das semanas.

Em São Paulo, a Vila Brasilândia foi na última semana o bairro paulistano com mais óbitos relacionados à covid-19. Foram 33 mortes. Enquanto isso, o Morumbi lidera entre os bairros com maior número de casos confirmados da Covid-19 com 297 pessoas confirmadas, mas com sete mortes até sexta-feira.

A maioria dos brasileiros defende que as pessoas que violam as regras de quarentena sejam punidas. Essa foi a resposta dada por 79% dos entrevistados numa pesquisa do Instituto Datafolha. O levantamento foi realizado na última sexta-feira. Para 18% das pessoas ouvidas, os governos não deveriam ter direito sobre a circulação das pessoas no período da pandemia. Outros 3% dos entrevistados não souberam responder.

E a foto no Rio de Janeiro. Um policial militar aponta arma para moradores do Vidigal que jogavam ovos e objetos em carros que participavam de carreata pró-Bolsonaro e a favor da reabertura do comércio durante a pandemia. De Lucas Landau para a Reuters.

Na Rocinha, a maior favela do Brasil, uma ONG oferece à população testes gratuitos para detectar o novo coronavírus em uma tentativa de ampliar a medição da propagação da doença. (AFP)

Silvio Xavier, de 39 anos, resolveu se arriscar e voltar às ruas, contrariando as recomendações de especialistas e autoridades de saúde. Ele é um dos 5,4 milhões de brasileiros que devem entrar na extrema pobreza este ano por conta da pandemia de coronavírus, segundo estimativa do Banco Mundial. Se isso se confirmar, a taxa de pobreza extrema chegaria a 7% da população, o maior patamar de miseráveis desde 2006, quando 7,2% dos brasileiros viviam nessas condições. (O Globo)

São mais de 40.478 mortos nos Estados Unidos. No estado de Nova York, epicentro do surto da doença, a epidemia de coronavírus está em curva descendente, anunciou ontem o governador Andrew Cuomo, que pediu aos moradores que não abandonem as medidas de confinamento. No estado, onde vivem 20 milhões de pessoas, foram registrados 236.000 casos do novo coronavírus, quase um terço do total nos Estados Unidos, e mais de 13.000 mortes. (AFP)

Para identificar anticorpos contra o coronavírus, a FDA dos EUA permitiu que cerca de 90 empresas vendessem testes que não foram aprovados pelo governo, dizendo que a pandemia justifica uma resposta urgente. Mas apesar de todas as promessas, os testes já despertam preocupação. (NYT)

Na Europa, o Centro Europeu de Controle de Doenças anunciou que o continente ultrapassou a marca de 1 milhão de casos confirmados de covid-19 e mais de 100 mil mortos. Cerca de dois terços do total de mortos no mundo. Puxando as estatísticas está a Itália, com maior número de óbitos, mais de 23 mil, e a Espanha, com o maior número de casos, 196 mil. Apesar dos números altos, a situação na Europa vem melhorando. (Estadão)

Pois é... a Alemanha se prepara hoje para uma nova etapa: parte do comércio, fechado há mais de um mês, volta a funcionar. Para dar certo, o governo quer manter o número de internações em queda, aumentar ainda mais a testagem e garantir que a população permaneça em distanciamento social. A decisão foi tomada pela primeira-ministra Angela Merkel, em conjunto com os governadores, e ela deixou claro que a volta à normalidade será lenta e cautelosa. São os números da Alemanha que sustentam as novas medidas. (G1)

Na Itália, as mortes pela epidemia COVID-19 atingiram o número diário mais baixo em uma semana, 433 no domingo. E o número de novos casos também caiu para 3.047, de 3.491 anunciados no dia anterior. O registro diário de mortes e casos prolonga a situação estável das duas últimas semanas. (Reuters)

E um registro emocionante na Espanha, onde um taxista que transporta pacientes com COVID-19, sem cobrar pelas corridas, foi surpreendido por uma chamada falsa no hospital. Ao chegar lá, aplausos da equipe de saúde e um envelope com dinheiro. O vídeo.

Muitas pessoas têm medo de transportar o novo coronavírus para suas casas através de roupas, sapatos, correspondência e jornais. O NYT entrou em contato com especialistas em doenças infecciosas, cientistas e microbiologistas e as respostas foram tranquilizadoras. Para quem quem cumpre distanciamento social e frequenta ocasionalmente supermercados ou farmácias, os especialistas concordam que não é necessário trocar de roupa ou tomar banho ao chegar em casa. Você deve, no entanto, sempre lavar as mãos. Embora seja verdade que um espirro de uma pessoa infectada impulsione gotículas virais e partículas menores pelo ar, a maioria delas cairá no chão. Linsey Marr, cientista da Virginia Tech, explicou que pequenas gotículas e partículas virais normalmente não pousam em nossas roupas por causa da aerodinâmica. Sobre as roupas usadas no dia-a- dia, os especialistas recomendam usar detergente comum, seguindo as instruções do tecido. Outra pergunta foi sobre pacotes recebidos em casa. Não há casos documentados de alguém que ficou doente ao abrir um pacote ou ler um jornal. A exceção é se você estiver em contato próximo com uma pessoa doente. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças recomendam luvas nesse caso e cuidado para não sacudir roupas de cama. A reportagem completa.

Cultura


Com influência de filmes como Distrito 9 e Poder Sem Limites, Code 8: Renegados se passa em um mundo em que uma parcela da população nasce com dons sobrenaturais. Eles são discriminados e vivem à margem da sociedade, ao melhor estilo X-Men. Tem de tudo: mutantes superpoderosos, drones de vigilância distópicos e robocops que servem de alegorias para a condição humana.

Mesmo sem publicidade, o filme atualmente está entre as 10 principais produções mais populares da Netflix nos EUA. Assista.

Cotidiano Digital


O Quibi deve ir para a televisão. O novo streaming, lançado este mês, foi feito exclusivamente para o celular, mas não agradou muito os usuários. Em quarentena, muitos reclamaram de estarem limitados a telas pequenas. Cerca de 1,7 milhão de pessoas baixaram o aplicativo desde o lançamento.

Por falar em streaming... A NBA e a Microsoft se juntaram para lançar um serviço direto ao consumidor. Além de transmitir os jogos ao vivo, a plataforma de streaming vai usar inteligência artificial e o serviço em nuvem Microsoft Azure. O espectador poderá alternar entre diferentes transmissões, ângulos de câmera e recursos de pós-produção. Pelo aplicativo, ainda vão poder acessar dados sobre jogadores e equipes.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



20 de abril de 2020
Consultar edições passadas