Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



18 de maio de 2020
Consultar edições passadas

Zero Um pode ter sido informado por PF de investigação


Um delegado da Polícia Federal alertou o senador Flávio Bolsonaro, ainda entre o primeiro e o segundo turnos da última eleição presidencial, de que ele era investigado pelo caso Queiroz. A acusação feita a Mônica Bergamo pelo empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio e, à época, aliado de Bolsonaro. Este mesmo policial recomendou ao já eleito senador que demitisse Queiroz e uma filha, alocada no gabinete do pai Jair, o mais rápido possível e prometeu que o caso seria segurado até após a eleição. A história veio a público, num furo do jornal O Estado de S. Paulo, em dezembro. Se o alerta de fato ocorreu, houve crime. (Folha)

Segundo Thais Oyama, este delegado não foi Alexandre Ramagem. Ramagem, que o presidente quis ver no comando da PF mas o STF impediu, de fato trabalhou na Operação Furna da Onça. É a investigação que descobriu o escândalo no qual o filho Zero Um estava envolvido. Mas, àquela altura, Ramagem já era responsável pela segurança do candidato. A jornalista diz que Queiroz chegou a movimentar R$ 6 milhões no período de um ano, sem conseguir justificar a origem. (UOL)

Leandro Colon: “O que poderia ter ocorrido naquela disputa se a PF não adiasse a ofensiva? Bolsonaro venceu ciente de que o gabinete do filho estava sendo investigado? E ajudou a encobrir provas? A entrevista de Marinho se soma às acusações de Sergio Moro de que Bolsonaro quer interferir na PF para influenciar em sua atuação no Rio. Outros depoimentos do inquérito aberto pelo STF corroboram essa narrativa. O obstáculo para as investigações no Supremo tem um nome: Augusto Aras, chefe da PGR. Ele não esconde nos bastidores que não vê crimes por parte de Bolsonaro. No que depender de Aras, o inquérito vai para o arquivo. Nesses mesmos bastidores de Brasília, ele até já ganhou um apelido: advogado-geral da República.” (Folha)

A Procuradoria-Geral da República requereu à PF que investigue se houve vazamento. Marinho citou uma série de testemunhas, serão inquiridos. Flávio afirma que é tudo mentira. (G1)

E... O novo ministro da Justiça, André Mendonça, afirma que o inquérito que investiga as acusações de seu antecessor será arquivado. “Não há qualquer elemento indicativo de ilícito e temos total segurança que, em breve, esse inquérito será arquivado”, afirmou ontem. Sérgio Moro afirmou que Jair Bolsonaro quis intervir na PF para proteger os filhos. (Poder 360)

Sérgio Abranches: “O governo Bolsonaro é uma ruptura indesejável pra democracia brasileira. Isso é o que faz toda a diferença. Nem Fernando Collor nem Dilma Rousseff investiram contra a democracia. Na verdade, eles respeitaram muito a regra do jogo. Collor deixou todo o processo correr sem nenhuma tentativa de interferir na liberdade das instituições que investigavam, e nem na liberdade de imprensa, apesar de evidentemente estar indignado com as coisas que saíam. No caso da Dilma, ela não tentou interferir de forma alguma, e durante os governos do PT, não houve nenhuma tentativa de ingerência do governo federal no Ministério Público Federal. Agora, estamos vendo exatamente o contrário. O presidente ofende a imprensa, tenta interferir na autonomia da Polícia Federal. Já interferiu na autonomia do MPF. Então, na verdade, estamos vivendo uma situação de anormalidade, de instabilidade política crônica, que começou logo depois da reeleição da Dilma. Neste momento, o Rodrigo Maia já deu todas as demonstrações de que não está disposto a abrir um processo de impeachment. O processo pelo Supremo vai depender muito do procurador-geral Augusto Aras. Aí teríamos um primeiro teste. Nesse caso, é mais previsível — se o Aras denunciar, a possibilidade do Bolsonaro evitar uma autorização (do processo de impeachment) é baixa.” (BBC)

DataPoder360: Jair Bolsonaro é considerado ótimo ou bom por 30% dos brasileiros e ruim ou péssimo por 39%, em pesquisa realizada entre 11 e 13 de maio. Os números favoráveis ao presidente são puxados por aquele grupo de quase metade dos brasileiros aptos ao auxílio emergencial. 34% dos que já receberam ou estão para receber consideram-no ótimo ou bom. 23% dos que tiveram o cadastro recusado o consideram ótimo ou bom. E, dentre os não aptos, 24% estão neste grupo. (Poder 360)

Aliás... A segunda parcela do benefício começará a ser paga na segunda-feira. (G1)

André Lara Resende: “Durante décadas, sob a batuta de Milton Friedman e seus discípulos da Universidade de Chicago, sustentou-se que os bancos centrais não poderiam emitir mais base monetária do que o crescimento nominal da renda, sob pena de provocar inflação. A tese foi desmoralizada pelo experimento do Quantitative Easing. O QE é emissão de moeda para comprar os ativos que o sistema financeiro não tem mais como carregar, sem realizar prejuízos insuportáveis. Os bancos centrais expandiram a base monetária em mais de 1.000% sem que houvesse sinal de inflação. Esta crise não é apenas um problema clássico de insuficiência de demanda. O fechamento da economia, ainda que venha a ser abrandado, reduz tanto a demanda quanto a oferta. Se a pandemia não for rapidamente superada, a capacidade de produção poderá ser seriamente afetada. Muitas empresas dos setores mais atingidos, como turismo, hotéis, restaurantes, aviação comercial, não irão conseguir sobreviver. Grande parte da capacidade instalada irá se perder. A recuperação exigirá coordenação estatal e grandes investimentos para repor a capacidade de oferta. Estamos diante de uma crise inusitada, que pode se transformar numa catástrofe econômica e social. Para se ter chance de superá-la, é preciso compreender que o Estado pode, e deve, investir de forma produtiva. Isso não é o mesmo que defender um Estado inchado, refém de interesses clientelistas. O aumento do crédito, seja ele público ou privado, sem contrapartida de investimento real, produz bolhas especulativas, mas não leva ao crescimento. Infelizmente, velhas ideias e interesses constituídos podem resistir tanto à razão quanto à beira do precipício.” (Folha)

Viver


O Brasil ultrapassou 16 mil mortes. Nas últimas 24h, foram mais 485 mortes registradas. O país ainda passou a Espanha e se tornou o quarto do mundo em maior número de casos. São mais de 240 mil infeções registradas no país.

Mesmo com os números crescendo exponencialmente, o governo pretende pressionar por meio do socorro econômico os estados e municípios para flexibilizarem as quarentenas. (Globo)

O lockdown já foi decretado em cidades de pelo menos seis estados: Rio de Janeiro, Pará, Tocantins, Amapá, Roraima e Paraná. A medida foi adotada por 83% dos 24 países analisados em um levantamento sobre ações de combate do coronavírus.

Sem um isolamento eficiente, o sistema de saúde de São Paulo deve entrar em colapso em 15 dias, segundo o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido. A taxa de ocupação de leitos de UTI já é de 90%, enquanto em enfermarias é de 76%. (Valor)

No Amazonas, os casos começam a se espalhar para fora da capital. Dos 19.677 casos confirmados até sábado (16), 48% não eram em Manaus. Um dos grandes problemas do estado é a falta de logística para transportar pacientes tanto pela via terrestre como aérea. Esta última, única alternativa para a maioria dos municípios, tem custo elevado e só consegue transportar seis pacientes por dia. (Folha)

Um estudo da UFRJ aponta que ter anticorpos não garante imunidade. Até 40% das pessoas continuam positivas em testes moleculares após 15 dias do aparecimento de sintomas. Para especialistas, pode significar que continuam contagiosas mesmo que os sinais da doença tenham desaparecido. A maioria desenvolve anticorpos específicos depois de 20 dias dos primeiros sintomas, mas apenas cerca de 30% realmente têm anticorpos neutralizantes, segundo o estudo. (Globo)

A Itália, um dos epicentros da Europa, registrou o seu menor número de mortes desde o início de março. Foram 145 mortes nas últimas 24 horas no país no domingo. O governo italiano tem flexibilizado as quarentenas. Academias, piscinas e centros esportivos serão reabertos em 25 de maio, enquanto teatros e cinemas poderão reabrir a partir de 15 de junho. (G1)

E a Eslovênia se tornou o primeiro país europeu a declarar o fim de sua epidemia.

Miguel Nicolelis: “A covid-19 chegou por voos internacionais e adentrou nossas fronteiras, instalando-se nas grandes cidades, primeiro nos bairros de classe média-alta, e dali se espalhou por meio dos entroncamentos rodoviários. A imagem, no mapa do Brasil, é a de uma guerra: há invasão pela costa rumo aos centros maiores para, a partir deles, ocupar de todo o território. O Brasil já está assumindo o posto de epicentro da doença. Dividimos esse papel com os Estados Unidos, dois países de dimensões continentais que têm líderes que não souberam lidar com a crise, Trump no início e Bolsonaro ao longo de todo o tempo. Esse nosso patamar de mil mortes por dia vai aumentar. O Brasil ainda vai bater muitos recordes nesta pandemia, no mínimo por duas ou três semanas. Vamos alcançar números muito altos, vamos viver algo que nunca imaginamos na história do Brasil. E isso, nas proporções que vamos ver, não era inevitável. Mesmo regiões que estão sofrendo menos, como o Sul, vão sofrer bastante, de maneira que nunca imaginaram. Talvez quem esteja no Brasil não tenha a exata noção, mas a imagem do Brasil lá fora foi derretida.” (Zero Hora)

Pois é...se tudo der certo, é possível que algumas vacinas já sejam lançadas no fim deste ano ou ao longo de 2021. Governos, institutos de pesquisa, indústrias farmacêuticas e dezenas de milhares de cientistas em todo o mundo aceitaram o desafio de tentar lançar o quanto antes uma vacina contra o Sars-CoV-2. Trata-se de velocidade impressionante se lembrarmos que desde a década de 1980 a humanidade se esforça para criar imunização contra o HIV e que pesquisas de vacinas contra a dengue acontecem desde a década de 1950. Tipicamente, leva-se uma década ou mais para se lançar uma vacina.

Cerca de 80 grupos em todo o mundo estão buscando vacinas, alguns já entrando em ensaios clínicos. O primeiro teste humano foi anunciado no mês passado por cientistas de Seattle. Na Europa, o primeiro teste humano  começou com mais de 800 voluntários.

Cultura


Hard, comédia brasileira, estreou ontem na HBO. Camgirls, lives pornôs, atores de filmes adultos. Em seis episódios de meia hora, a série acompanha Sofia, interpretada por Natália Lage. A premissa: uma dona de casa vive uma vida supostamente perfeita até seu marido falecer e deixá-la com uma produtora pornô, que ele escondeu dela durante todo o relacionamento. Em choque, ela tem que se adaptar à nova vida e lidar com seus próprios preconceitos.

Uma crítica.

Cotidiano Digital


Se você depende de uma Apple TV antiga para assistir à HBO, pode procurar um novo hardware. Conforme anunciado em abril, o aplicativo HBO Now foi retirado das caixas de Apple TV de segunda e terceira geração neste fim de semana. O HBO Go ainda estará disponível por "alguns meses adicionais", embora também dependa de uma assinatura à cabo.

Os desenvolvedores do Google estão lançando um recurso que neutraliza anúncios abusivos. A medida é uma resposta aos sites e anúncios, notados pela primeira vez em 2017, que usam computadores clandestinamente para minerar bitcoin e outras criptomoedas. Em um post publicado na quinta-feira, o gerente de projetos do Google Chrome, Marshall Vale, disse que, embora a porcentagem de anúncios abusivos seja extremamente baixa - algo em torno de 0,3% -, eles representam 28% do uso da CPU e 27% dos dados da rede.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



18 de maio de 2020
Consultar edições passadas