Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



25 de maio de 2020
Consultar edições passadas

Bolsonaro ataca decano do Supremo


O presidente Jair Bolsonaro publicou ontem, em suas redes, um trecho da Lei de Abuso de Autoridade aprovada no ano passado pelo Congresso. “Art. 28. Divulgar gravação ou trecho de gravação sem relação com a prova que se pretenda produzir, expondo a intimidade ou a vida privada ou ferindo a honra ou a imagem do investiga ou acusado: pena – detenção de 1 (um) a 4 (quatro) anos”, indicou. A ameaça velada veio após o ministro Celso de Mello, decano do Supremo, ter ordenado a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, na sexta-feira. A ofensiva faz também parte da estratégia do Planalto para lidar com o inquérito. O decano é o relator, no STF, da investigação que apura se o presidente interferiu motivado por preocupações de ordem pessoal na Polícia Federal. A acusação foi feita pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro. Bolsonaro e seus assessores pretendem ampliar os ataques a Celso para promover a hipótese de que o ministro, ao exagerar em suas decisões, é suspeito para julgar. (Folha)

Josias de Souza: “‘Essa bala perdida vai atingir todo o Supremo’, disse à coluna um dos ministros da Corte. ‘Ou o presidente Bolsonaro está juridicamente mal assessorado ou decidiu transformar inquérito em palanque, o que não me parece aconselhável.’ Ao comentar o post, o colega de Celso de Mello disse que Bolsonaro comete três erros num único movimento: 1) Esgrime uma tese jurídica precária; 2) Ecoa o ministro Abraham Weintraub (Educação) na ideia de prender ministros do Supremo; e 3) Unifica a Corte contra si.” (UOL)

Ao menos dentro da Procuradoria-Geral da República, o vídeo está sendo levado a sério. A equipe de investigadores considera que ele deixa claro que Bolsonaro pressionou Moro para fazer mudanças em cargos na PF por questões pessoais. Eles consideram que lá está um tipo de prova raramente conseguida em casos assim, que é o dolo — a vontade de cometer o delito. “Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio oficialmente e não consegui”, afirmou o presidente durante o encontro. Não vou esperar foder minha família toda de sacanagem, ou amigo meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à estrutura.” Não é a única prova. Dentre as mensagens enviadas pelo presidente ao ex-ministro da Justiça, uma afirmava que inquéritos na PF do Rio contra aliados de Bolsonaro eram “mais um motivo para a troca”. O fato de que o diretor-geral Maurício Valeixo foi demitido e uma das primeiras ações de seu substituto ter sido a substituição do superintendente no Rio sugere confirmação do objetivo. (Globo)

O ministro Sérgio Moro afirmou, em entrevista ao Fantástico, que o governo abandonou o combate à corrupção. “Desculpe aqui os seguidores do presidente se essa é uma verdade inconveniente, mas a agenda anticorrupção não teve impulso por parte do presidente”, ele afirmou. “O governo se vale da minha imagem, tenho esse passado de combate firme à corrupção, e de fato o governo não está fazendo isso. Não está fortalecendo as instituições para o combate à corrupção.” Para o ministro, desde o momento em que o Coaf foi retirado de sua pasta já havia indícios de que corrupção não era foco principal do Planalto. “Minha lealdade ao presidente demanda que eu me posicione com a verdade, com o que penso”, ele reiterou. “Não há espaço ali para o contraditório. Eu não estava confortável, me sentia incomodado por vários aspectos.” Assista ou leia a transcrição. (G1)

O presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, passou por uma cirurgia para drenagem de abscesso na noite de sábado. Ao apresentar sintomas de Covid, foi mantido internado no Hospital DF Star. (Poder 360)

O presidente americano Donald Trump deu ordens para que pessoas vindas do Brasil não entrem mais nos EUA. A proibição terá início em 29 de maio e vale para os poucos voos que ainda existem para o país — aqueles com destino Nova York, Washington e Atlanta já estavam suspensos, sobravam os para Texas e Flórida. Brasileiros residentes nos EUA, casados com cidadãos americanos, filhos ou irmãos de residentes permanentes com menos de 21 anos continuarão podendo entrar. (G1)

O assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Filipe Martins se manifestou. “Ao banir temporariamente a entrada de brasileiros nos EUA, o governo americano está seguindo parâmetros quantitativos previamente estabelecidos, que alcançam naturalmente um país tão populoso quanto o nosso. Não há nada específico contra o Brasil. Ignorem a histeria da imprensa.” Martins não informou a respeito de que parâmetros quantitativos ele trata, mas de acordo com a Universidade Johns Hopkins, que vem compilando os dados mundiais por lá, o Brasil registrou no domingo mais mortes do que os EUA — 653 contra 638. (Twitter)

Viver


O Brasil confirmou mais 653 mortes pela pandemia do novo coronavírus nas últimas 24 horas e total de óbitos chegou a 22.666. O Brasil já é o segundo país com maior número de infectados no mundo, só atrás dos EUA. Os números brasileiros ajudam a América Latina a concentrar mais da metade dos infectados no globo, com 657.000 casos confirmados. Embora os números sejam inferiores aos registrados ao longo da última semana, quando o volume de contaminados e mortos bateu recorde, com 20.803 novas infecções na sexta-feira e 1.188 novos óbitos na quinta, ainda não é possível dizer que há desaceleração da pandemia no País pois o total de confirmações aos fins de semana costuma ser mais baixo que o dos dias úteis.

O estado do Rio de Janeiro confirmou 88 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, alcançando um total de 3.993 óbitos pela doença desde o início da pandemia e ficando muito próximo de cruzar a barreira de 4 mil mortos. Segundo o boletim divulgado ontem pela secretaria estadual de Saúde já são 37.912 casos de pacientes infectados pelo novo coronavírus, um aumento de 3.379 num intervalo de apenas um dia.

O estado de São Paulo chegou a 6.163 mortes causadas pelo novo coronavírus, segundo boletim da secretaria de Saúde divulgado ontem. São 118 mortes a mais em relação ao balanço de sábado. Há ainda 82.161 casos confirmados da doença em 508 municípios do estado. Há 11,9 mil pacientes internados no estado, sendo 4.661 em UTI e 7.321 em enfermaria. A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento a Covid-19 é de 75,7% no estado de São Paulo e 91,8% na Grande São Paulo. Mais da metade dessas pessoas infectadas é da capital paulista.

Um estudo de Ana Amélia Camarano, economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), alerta para o peso econômico da população de 60 anos ou mais, a mais vulnerável às complicações da Covid-19. “A cada idoso que morre, mais uma família entra na pobreza”, afirma. Até a segunda semana deste mês, 72% das mortes pela doença foram de pessoas nessa faixa. A maioria é de homens (57,9%), que ganham mais no mercado de trabalho e na aposentadoria. Além da dor para as famílias, a morte de idosos na pandemia pode significar também a perda da principal fonte de renda em muitos lares. A pesquisadora observa que nesses quase 15 milhões de lares dependentes dos idosos residem 30,6 milhões de pessoas, sendo 2,1 milhões de crianças e adolescentes.

O isolamento social imposto pela pandemia de coronavírus tem provocado o abuso do álcool e de outras drogas. Segundo estudo publicado na revista Alcohol and Drug Review, no Brasil, exceto pelo fechamento de bares, não há políticas de restrição de vendas durante a pandemia, o que pode tornar o quadro ainda mais preocupante. O trabalho reuniu pesquisadores de Brasil, Canadá, Estados Unidos e África do Sul, e de órgãos como a OMS. Na África do Sul, por exemplo, as seções de bebidas dos supermercados foram fechadas. Em alguns lugares dos Estados Unidos, foi proibida a venda de álcool pela internet.

Para o psiquiatra Arthur Guerra de Andrade, professor associado de psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, o isolamento social pode ter impactos psicológicos negativos a curto e longo prazo, afetando não apenas quem sofre com a dependência. Pessoas com histórico de transtornos mentais, ou em tratamento, por exemplo, estão mais vulneráveis. Para evitar a interrupção de terapias, a organização Alcoólicos Anônimos detectou a necessidade de se adaptar e continuar oferecendo espaço para a realização das chamadas "salas", reuniões abertas a todos que buscam ajuda para o tratamento da dependência do álcool.

Botafogo e Fluminense não enviaram representantes à reunião realizada ontem entre prefeitura do Rio, Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro e clubes que disputam o Campeonato Carioca. Convidado do Troca de Passes, Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, criticou o movimento por um retorno aos treinos visando a disputa do estadual.

Cultura


Paulo Moura foi o saxofonista e clarinetista da música brasileira por excelência. De família de músicos, estudou orquestração com Moacir Santos, sendo depois um destacado arranjador e orquestrador. Da gafieira ao jazz, passando pela música clássica, seu trabalho cobre todo o espectro da música. Aos 19, estreou com a Sinfônica Nacional tocando o concerto para clarinete de Weber. Ouça.

Um filme. Extraordinário conta a história do garotinho Auggie Pullman, que nasceu com o rosto deformado. Apesar disso, seus pais fizeram e fazem de tudo para que ele leve uma vida normal: antes de completar 10 anos, ele já foi submetido a 27 cirurgias plásticas e agora, pela primeira vez, vai para a escola como qualquer outra criança. O desafio de ser observado e avaliado pelos outros a todo instante é gigantesca, mas ele está disposto a encarar isso. O filme está disponível para os assinantes do Amazon Prime Video, até 6 de junho, e Telecine, também podendo ser encontrado na Microsoft Store, Play Store e iTunes para aluguel e compra.

Outro filme. Expresso do Amanhã é do mesmo diretor de Parasita, Bong Joon-ho, e conta com nomes conhecidos de Hollywood, como Chris Evans e Tilda Swinton. O longa é uma grande metáfora sobre a luta de classes, colocando sobreviventes de um experimento fracassado para viverem dentro de um trem gigantesco, divididos entre pobres e ricos. Isso, claro, não dá certo por muito tempo e uma revolução toma o local. Também disponível na Amazon Prime.

Uma apresentação rara. João Ricardo, criador do grupo que revolucionou a música brasileira em 1973, anunciou que fará uma live do Secos & Molhados às 18 horas de 12 de junho, uma sexta-feira.

Para relembrar, um vídeo do trio tocando Sangue Latino.

Cotidiano Digital


O acordo do Reino Unido com a Huawei para o 5G deve ser curto. O governo planeja eliminar gradualmente o uso dos equipamentos da empresa, até eliminá-los totalmente em 2023. De acordo com o Telegraph, o primeiro-ministro Boris Johnson sempre teve preocupações em permitir o envolvimento da Huawei, que se estenderam ainda mais com a pandemia. A decisão agradaria os EUA, mas pode resultar em ainda mais gastos para o governo e um atraso nos seus planos de implementação da rede.

Os líderes de empresas de tecnologia ficaram ainda mais ricos durante a pandemia. Lideram Jeff Bezos, CEO da Amazon, e Mark Zuckerberg, do Facebook. Suas fortunas aumentaram em mais de 30% e 45%, respectivamente. Mesmo com a economia em queda, as ações das empresas vêm crescendo após lançamento de novos programas que impulsionaram seus negócios.

Bezos já é cotado para se tornar o primeiro trilionário do mundo em 2026.

E uma lista de Bill Gates de 13 livros e séries para acompanhar durante o isolamento social.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



25 de maio de 2020
Consultar edições passadas