Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



26 de maio de 2020
Consultar edições passadas

Casos de Covid podem ser até 7 vezes mais no Brasil


O Brasil tem sete vezes mais contaminados por Covid-19 do que apontam as estatísticas oficiais, mostra a primeira etapa nacional de uma pesquisa coordenada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) com apoio do Ibope. O levantamento foi realizado durante uma semana, entre 14 e 21 de maio, para testar a presença da doença na população. Isso quer dizer que em um grupo de sete pessoas com o coronavírus, apenas uma foi registrada nos números oficiais.

Foram testados 25.025 moradores de 90 municípios, incluindo 21 capitais. Das 15 cidades com maior prevalência, de acordo com o levantamento, 11 estão na região Norte. Na cidade de Breves, no Pará, 24,8%, ou seja, praticamente um quarto da população, está ou esteve com coronavírus. Em Belém, mais de 15% tiveram a doença. A proporção de pessoas com anticorpos é de 1,4% em 90 cidades analisadas.

Pedro Curi Hallal, coordenador da pesquisa: “Essas outras pessoas que têm o coronavírus e não sabem involuntariamente podem transmitir para outras pessoas. E isso faz com que a epidemia continue crescendo nesse ritmo preocupante que tem ocorrido no Brasil”. Leia a íntegra em PDF.

Oficialmente, o país tem 23.473 mortes em decorrência do novo coronavírus — 807 delas computadas nas últimas 24 horas. O boletim diário da pasta, divulgado ontem, aponta um total de 374.898 infectados pela doença no país. Em menos de um mês, o país passou de 100 mil diagnósticos para mais de 300 mil infectados pela doença, com aceleração do aumento de casos confirmados nas últimas duas semanas: só entre 14/05 e 21/05, foram mais de 100 mil novos casos registrados pelo Ministério da Saúde.

A curva da pandemia no país parece não existir. É uma reta para cima.

Somente um em cada três pacientes graves de Covid-19 que são entubados nas UTIs brasileiras se recupera e consegue voltar para casa, aponta um estudo da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e do Epimed — uma ferramenta de análise de dados e desempenho hospitalar. A mortalidade dos pacientes em UTIs é de 66%, número muito acima de casos em outros países. De acordo com especialistas, o percentual reflete as precariedades do sistema de saúde brasileiro e, eventualmente, o uso indiscriminado de medicamentos sem benefícios comprovados cientificamente, como a cloroquina.

Por falar em cloroquina, a Organização Mundial da Saúde determinou a suspensão dos testes com a droga após estudo demonstrar aumento no risco de morte de pacientes. A pesquisa, publicada na revista científica Lancet e feita com 96 mil pessoas, apontou que não houve eficácia das substâncias contra a Covid-19.

Pois é... cientistas brasileiros estão vivendo um pesadelo em meio à politização da droga. Além de ameaças, o remédio que aumenta o risco de arritmia cardíaca é cada vez mais pedido.

E um levantamento realizado em uma rede de laboratórios privada apontou que o número de crianças de até nove anos com teste positivo para Covid-19 aumentou sete vezes em um mês. A taxa de positividade foi de 1,4% até 3 de abril para 9,09% desta data até 14 de maio. A maior concentração dos exames foi no estado de São Paulo (90%), mas foram levantados dados também de Pernambuco e Rio de Janeiro. Do total de exames realizados na rede —71.400, até o dia 14 de maio—, 5% englobavam a faixa de 0 a 29 anos.

Pelo segundo dia consecutivo, o Brasil superou os Estados Unidos no número de mortes causadas pelo novo coronavírus registradas em um intervalo de 24 horas.

Pois é...Estados americanos avançam para relaxar as restrições adotadas no combate à pandemia de coronavírus. E o que não falta é pergunta. E resposta também. Afinal, é seguro encontrar amigos no parque, desde que as pessoas fiquem a 1,80 m de distância? Entrevistas mostram um consenso cada vez maior entre especialistas de que se as pessoas decidirem sair de casa é mais seguro estar do lado de fora do que dentro do escritório ou do shopping. Mas os especialistas também manifestaram cautela. Enquanto sair livremente pode ajudar as pessoas a enfrentar o cansaço da quarentena, há o risco de que elas baixem a guarda ou se encontrem com pessoas que não estão agindo seguramente.

Ainda sobre os EUA, apesar de o aborto por meio da telemedicina ser proibido em 18 Estados, mais mulheres solicitam o teleaborto desde março, quando ordens de confinamento foram implementadas em todo o país. A organização de pesquisa em saúde Gynuity fornece um modelo medicamentoso orientado por telemedicina no país.

Hora de Panelinha. Esses espetinhos de frango cabem direitinho na frigideira, nem precisa de churrasqueira. E vão deixar o PF com jeitinho de fim de semana. Mais receitas que as crianças vão amar.

Política


O presidente Jair Bolsonaro surpreendeu a todos, ontem, quando ocorria via teleconferência a solenidade de posse do subprocurador-geral da República, Carlos Alberto Vilhena, na cadeira de Direitos do Cidadão. Enquanto acompanhava a live, Bolsonaro ao microfone se virou para o procurador-geral Augusto Aras. “Se me permite a ousadia, se me convidar, vou agora aí apertar a mão do nosso novo colegiado maravilhoso da Procuradoria-Geral da República.” Aras logo respondeu. “Estaremos esperando Vossa Excelência com a alegria de sempre.” No improviso, e fugindo à rotina, o presidente foi e por lá ficou coisa de quinze minutos. Pouco após, Bolsonaro soltou uma nota oficial na qual afirma esperar que Aras arquive o inquérito com a denúncia do ex-ministro Sérgio Moro de que ele interferiu com objetivos pessoais na Polícia Federal. (Poder 360)

Vera Magalhães: “A nota em raro tom sóbrio evidencia que o presidente percebeu a gravidade da crise institucional depois da divulgação da versão quase integral da reunião ministerial comandada por ele em 22 de abril. A primeira reação do bolsonarismo foi a fanfarronice de sempre: apoiadores do presidente se apressaram em dizer que o vídeo era ótimo e reelegeria Bolsonaro. Passada a euforia inflada, restou o mal estar nos Poderes, nos estados e sobretudo no exterior com as barbaridades. Ainda no domingo, a euforia falsa deu lugar ao costumeiro tom de bravata. Bolsonaro foi às redes ameaçar veladamente Celso de Mello com a Lei de Abuso de Autoridade. A reação imediata e dura de juristas e ministros do STF levou a novo recuo, desta vez na forma de uma nota inusualmente comedida. Bolsonaro diz que reafirma o compromisso com a democracia, nega que tenha interferido na Polícia Federal e diz que não abrirá mão de suas prerrogativas. Em tom levemente ameaçador, diz que espera o arquivamento do inquérito e ‘responsabilidade’ no trato da questão. A preocupação com o inquérito ficou evidente também na visita fora da agenda que fez a Augusto Aras, a quem cabe a decisão de denunciá-lo por interferir na PF ou pedir o arquivamento da investigação.” (BR Político)

Enquanto isso... A PF foi ao Planalto com ordem judicial e recolheu a câmera usada para gravar a reunião. É para que passe por perícia para ter certeza de que não houve edição do vídeo. (G1)

São os generais palacianos que estão conduzindo as negociações do governo com o Centrão, de forma a criar maioria na Câmara que inviabilize um processo de impeachment. O ministro-chefe da secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, comanda o time do governo e tem por principal articulador o líder dos Progressistas, Arthur Lira. O também general Braga Netto participa de algumas das conversas. Segundo ouviu a jornalista Jussara Soares, não há constrangimentos — Ramos apresenta uma lista de cargos em oferta, Lira escolhe. “Não fica nem vermelho”, comentou em tom irônico um deputado do Centrão. O encontro tem apelido em Brasília. Centrão Verde-Oliva. (Estadão)

Pela primeira vez, ontem, ocorreu na Câmara uma reunião da liderança do governo que já incluía parlamentares de Progressistas, Republicanos, PRB, Patriota, PSC, PP, PTB, PSD e PROS. Representam juntos, de acordo com Gerson Camarotti, 183 deputados. (G1)

Memória: no lançamento da campanha presidencial de Jair Bolsonaro, o general Augusto Heleno cantou — “Se gritar pega Centrão, não sobra um meu irmão.” (Twitter)

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, assumiu como presidente do Tribunal Superior Eleitoral em outra cerimônia transmitida por live e igualmente assistida pelo presidente Jair Bolsonaro. “A falta de educação produz vidas menos iluminadas, trabalhadores menos produtivos e um número limitado de pessoas capazes de pensar criativamente um país melhor e maior. A educação, mais que tudo, não pode ser capturada pela mediocridade, pela grosseria e por visões pré-iluministas do mundo. Precisamos armar o povo com educação, cultura e ciência”, afirmou em seu discurso, sem explicitar que se referia aos desejos manifestados pelo ministro Abraham Weintraub, da Educação, de que alguns ‘vagabundos do STF’ deveriam ser presos. “Nós já percorremos e derrotamos os ciclos do atraso. Hoje, vivemos sob o reinado da Constituição, cujo intérprete final é o STF. Como qualquer instituição em uma democracia, o Supremo está sujeito à crítica pública e deve estar aberto ao sentimento da sociedade. Cabe lembrar, porém, que o ataque destrutivo às instituições, a pretexto de salvá-las, depurá-las ou expurgá-las, já nos trouxe duas longas ditaduras na República. São feridas profundas na nossa história, que ninguém há de querer reabrir.” Neste caso, Bolsonaro não pediu para ir apertar a mão. (G1)

O exame do presidente do Supremo, Dias Toffoli, deu negativo para Covid. Com sintomas da doença, seguirá internado para que novo exame confirme o primeiro resultado. (G1)

A partir de hoje, Grupo Globo, Folha e Band não estarão mais presentes à porta do Palácio do Alvorada, residência do presidente. Bolsonaro costuma parar ali para falar com a claque, transmitir lives, sempre que sai e que entra. Mas a agressividade dos bolsonaristas vem aumentando e as preocupações com segurança dos profissionais escalou junto. Até semana passada, duas grades separavam manifestantes de repórteres e o número de convidados do presidente não passava de 35. Nesta segunda-feira, uma das grades foi retirada e o número de bolsonaristas dobrou. (Congresso em Foco)

Cultura


O baterista Jimmy Cobb morreu na noite de 24, aos 91 anos. Músico icônico, Cobb gravou com Miles Davis Kind of Blue, considerado o álbum mais vendido da história do jazz.

Kind of Blue é uma obra que até hoje turbina apaixonadas discussões musicais. Ouça.

Destaque, hoje, para a live de Mariana Aydar (Em Casa com Sesc), às 19h, no Youtube. Outras lives desta terça.

A nova série da Netflix, Expresso do Amanhã, é inspirada no primeiro longa-metragem em inglês do diretor sul-coreano Bong Joon-ho (Parasita). A trama se passa num futuro distópico, em que os remanescentes da humanidade vivem a bordo de um trem de alta velocidade, em vagões separados por castas. Assista.

Para os fãs de Dark, a 3ª temporada receberá novidades hoje. No Instagram, o showrunner Baran bo Odar publicou uma imagem enigmática com “24 horas” escrito. Aguardemos...

Cotidiano Digital


Startups têm levado a ideia de passaporte de imunidade para países que estão reabrindo suas economias. Por meio de reconhecimento facial, as plataformas identificam o usuário e cruzam os seus dados com testes relacionados ao coronavírus. As informações serviriam para ajudar a flexibilizar as quarentenas para os grupos supostamente “imunes”. Mas para organizações e profissionais de saúde, as plataformas podem violar a privacidade. E destacam que ainda não é possível saber se os anticorpos equivalem à imunidade. Mesmo assim, o governo americano e inglês estariam discutindo a ideia com algumas dessas startups, como FaceFirst e Onfido. Por enquanto, um país já adotou um app desse tipo: a Estônia.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



26 de maio de 2020
Consultar edições passadas