Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



2 de junho de 2020
Consultar edições passadas

Movimentos suprapartidários contra Bolsonaro crescem


Três campanhas suprapartidárias pela democracia começam a ganhar volume. Até esta manhã, o movimento Estamos Juntos se aproximava das 250 mil assinaturas. Enquanto isso, viralizava nas redes a hashtag #Somos70Porcento e o Basta!, um abaixo-assinado de advogados e juristas, ganhava igualmente corpo. Seu objetivo é reunir um amplo espectro, do centro à direita, em defesa da democracia. Uma live está sendo preparada para os próximos dias. (Folha)

Porém... Uma falta de peso existirá. O ex-presidente Lula não vai assinar. “Não tenho mais idade para ser maria vai com as outras”, afirmou. “Li os manifestos e acho que tem pouca coisa de interesse da classe trabalhadora. Não se fala em classe trabalhadora, nos direitos perdidos.” (Estadão)

Não é só política... Lula também afirmou, segundo Mônica Bergamo, que não assina manifestos com determinadas pessoas. Referia-se aos também ex-presidentes Fernando Henrique e Michel Temer. (Folha)

Enquanto isso... Entrevistado por Tales Faria, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que não é momento ainda para o impeachment. “A gente não pode colocar mais lenha na fogueira. Da mesma forma que eu acho que essas manifestações que atacam as instituições democráticas são gravíssimas, uma decisão de impeachment precisa ser muito bem avaliada para que a gente não gere mais conflitos e mais crise política no Brasil. No momento adequado vou decidir, e não vou ficar tratando desse processo que eu sou o juiz, eu defiro ou indefiro e não devo ficar dando muita opinião sobre esse assunto, sabendo que a nossa prioridade deve ser tentar unificar esse país para ter mais força e melhores condições para enfrentar esse vírus em todos os seus aspectos.” Já são mais de 30 os pedidos de impeachment em sua mesa. (UOL)

Uma plataforma da Agência Pública para monitorar todos os pedidos de impeachment.

Celso Rocha de Barros: “As chances de sucesso de um golpe bolsonarista já foram maiores: quando tinham Moro e o lavajatismo na mão, quando tinham o dobro de aprovação popular, quando a reeleição de Trump parecia certa, quando ainda havia quem acreditasse em Paulo Guedes, quando Bolsonaro ainda não havia sido o pior governante do mundo no combate à pandemia. Mas mesmo um golpe fraco pode ser bem-sucedido se não encontrar resistência. É preciso fazer uma frente contra o autoritarismo de Bolsonaro, e, se ela for feita, ela vai vencer. Não é fácil montá-la. Será uma frente de gente que já brigou no limite de suas forças para derrotar outros membros da frente, de gente que já perdeu cargos por causa de outros membros da frente, que já foi sacaneada por outros membros da frente, que acha (em mais de um caso, com razão) que outros membros da frente são responsáveis por estarmos na situação em que estamos. O ideal é que essa seja, inclusive, uma oportunidade para conversar, para dar uma olhada no que os outros democratas estão pensando, quem sabe dali não sai algo que sirva para sua própria reflexão? Pode ser uma chance de curar ressentimentos e construir novas alianças.” (Folha)

Em meio ao debate sobre os processos no Supremo está a dúvida sobre o procurador-geral da República, Augusto Aras. O presidente Jair Bolsonaro vem insinuando a possibilidade de ele próprio se tornar ministro do STF. “Ocorre que é uma declaração unilateral. O presidente esqueceu de combinar comigo”, afirmou Aras em entrevista a Pedro Bial. Se referia ao comentário de Bolsonaro sobre esperar um ‘arquivamento natural’ do processo a respeito de intromissão na Polícia Federal. “Não sou amigo do presidente. Não temos relações de amizade. Temos relações de respeito.” Bial perguntou sobre a possibilidade de se tornar ministro. “Cheguei ao ápice da minha carreira. Não faço projeto para além de dois anos.” (G1)

Já no Supremo, o ministro Celso de Mello arquivou o pedido de partidos de oposição para que Bolsonaro e seu filho Zero Dois, Carlos, entregassem os celulares à perícia. (Globo)

Então... A comparação que Mello fez entre os Bolsonaro e a ascensão de Adolf Hitler provocou, entre governistas, uma mudança de estratégia. Vão comparar o comportamento do ministro com o de Abraham Weintraub. “O ministro Celso de Melo fez a afirmação numa rede de WhatsApp e alguém vazou sem o consentimento dele, à revelia dele. Foi exatamente o que aconteceu com os ministros na reunião ministerial. Eles achavam que era uma reunião fechada e se comportaram como um encontro reservado”, comentou um aliado do presidente a Cristiana Lobo. (G1)

A PM paulista quer fazer com que manifestações pró e contra o presidente Jair Bolsonaro ocorram em dias distintos, informa o Painel. As a favor da democracia serão aos sábados e, as bolsonaristas, aos domingos. O objetivo é evitar confrontos. (Folha)

Pois é... A princípio, ouviu Claudio Dantas, a cúpula do Exército considera que atos de violência durante as manifestações devem ser resolvidos pelas policiais estaduais. Mas não descartam a possibilidade de colocar tanques nas ruas. (Antagonista)

Meio em vídeo: Na entrevista desta semana, o jornalista Bruno Torturra, fundador do Mídia Ninja, conta de sua experiência com manifestações populares, desde 2013 até suas impressões dos confrontos de domingo. Assista.

Viver


O Brasil confirmou 623 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas. O total de óbitos desde o início da pandemia no país, há pouco mais de três meses, é de 29.937. O país também registrou 12.247 novos casos confirmados. O total é de 526.447. Os dados são de balanço divulgado pelo Ministério da Saúde.

Após três meses do registro do primeiro caso no Brasil, 52% da população afirma que conhece alguém que contraiu o coronavírus, revela pesquisa Datafolha, que também mostra que se intensificou o temor em relação ao vírus. De cada 10 brasileiros, 8 relatam temer a Covid-19.

Pois é... Começou a valer ontem o plano de flexibilização da quarentena anunciado pelo governo do estado de São Paulo. Na capital, a permissão de funcionamento depende do envio de um protocolo de segurança pelos setores econômicos, que precisará ser aprovado pela Vigilância Sanitária, mas o comércio amanheceu movimentado na cidade. Enquanto na zona norte a abertura coube aos pequenos comerciantes, na região central algumas lojas de grande porte burlaram as regras da prefeitura e retomaram as vendas. A quarentena na capital foi estendida até 15 de junho e só os serviços essenciais, como supermercado e farmácias, continuam funcionando.

A cidade do Rio vai flexibilizar medidas de isolamento social a partir de hoje. A retomada será dividida em seis fases, com previsão de duração de 15 dias cada, caso a curva de contaminações e mortes por Covid-19 se mantenha estável.

Segundo sistema de monitoramento da Fiocruz, os anúncios de flexibilização das medidas de isolamento contra a Covid-19, feitos em vários estados, estão ocorrendo na época em que há maior circulação de vírus respiratórios no país.

O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, anunciou um toque de recolher que valerá até as 5h de terça. A decisão foi tomada depois de mais uma noite de protestos nos Estados Unidos contra a morte do ex-segurança negro George Floyd. Em uma rede social, Blasio disse que o governador Andrew Cuomo concordou com a medida e que ambos apoiam os protestos — desde que ocorram de maneira pacífica. "As manifestações que temos vistos são geralmente pacíficas e a mensagem deve ser ouvida", escreveu o prefeio.

Hora de Panelinha. E de laranja + gengibre + manjericão num franguinho com sabores intensos. Para mais receitas de frango, o site da Rita da Lobo está recheado de receitas simples e deliciosas.

Elon Musk fez história nesta semana ao lançar ao espaço o primeiro foguete tripulado privado. Seu sonho de popularizar o carro elétrico de luxo bate recordes na Bolsa. E teve um filho e fez a Internet inteira brincar de pronunciar o nome dele. Tudo em meio a uma pandemia na qual virou profeta antiquarentena e praticamente a única personalidade pública fora da Fox News com quem Donald Trump concorda. O perfil do gênio louco.

Cotidiano Digital


A atualização de maio do Windows 10 foi bloqueada em muitos computadores. A Microsoft encontrou pelo menos 10 bugs que impedem a instalação da atualização. Nove deles estão classificados como “muito problemáticos”, incluindo um que causa reinicializações constantes em dispositivos sempre conectados, como o Surface Pro 7 e o Surface Laptop 3. Aqueles computadores que não receberam notificação para a atualização podem estar entre os afetados.

O serviço S Voice da Samsung foi oficialmente descontinuado. A sua primeira assistente de voz foi lançada em 2012, junto com o celular Galaxy S3, para competir com a Siri, da Apple. Mas não fez sucesso. E em 2017, a Samsung lançou a assistente Bixby com o Galaxy S8, que aos poucos foi substituindo o primeiro serviço. Ao que tudo indica, os celulares que vieram com o S Voice de fábrica não conseguirão atualizar para a nova assistente.

E, agora, pelo app do Twitter é possível programar a publicação de tuítes.

Cultura


No streaming, tem estreia em junho. Entre as principais novidades da Netflix, está a segunda temporada de Coisa Mais Linda, com Maria Casadevall, Pathy Dejesus, Mel Lisboa e Larissa Nunes, e a chegada do novo filme de Spike Lee, Destacamento Blood. Na HBO, Kristen Bell vive uma inteligente e destemida investigadora particular dedicada a resolver os mistérios de uma cidade litorânea em Veronica MarsIt - Capítulo 2. Green Book: O Guia e Zumbilândia: Atire Duas Vezes entram no catálogo de filmes da plataforma. Confira outras estreias.

Para além dos quadrinhos, filmes e televisão, Stan Lee também foi um defensor ativo dos direitos civis. Agora, mais de 50 anos após a publicação original, uma coluna de Lee denunciando os perigos do racismo ressurgiu na web. Ela apareceu pela primeira vez em 1968, segundo artigo de 2018 do Mashable. Nela, Lee escreveu que "o fanatismo e o racismo estão entre os males sociais mais mortais que atormentam o mundo hoje" e "a única maneira de destruí-los é expô-los - revelá-los pelos males insidiosos que realmente são". Alguns outros exemplos de Lee combatendo o racismo através de suas obras.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



2 de junho de 2020
Consultar edições passadas