Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



19 de junho de 2020
Consultar edições passadas

Prezadas leitoras, caros leitores —

Que tempos, hein?

O Supremo está fechando o cerco para descobrir quem financiou durante as eleições, e quem ainda banca hoje, a criação de toda uma realidade paralela que apelidamos de fake news. Mas este jeito de fazer política, fragmentando o eleitorado em tribos isoladas, cada qual com sua própria visão de fatos, não foi inventada pelos Bolsonaro. Nasce, em verdade, pelas mãos de um comediante italiano, daí foi sofisticada nos EUA, antes de chegar como tática de guerrilha eleitoral no Brasil. Este agressivo marketing de manipulação tem história — e é ela que contaremos na edição de Sábado do Meio.

Todo assinante premium recebe a edição de sábado do Meio, além de entrar na lista dos que primeiro recebem a edição diária. Custa muito pouco — são R$ 10 por mês. Mas neste tempo de publicidade em crise por conta da pandemia, é o que nos mantém de pé. E tem mantido. Se o Meio faz diferença em sua vida, vocês podem fazer diferença para nós. Assine.

— Os editores.


Medo de Queiroz, Queda de Weintraub


O ministro da Educação Abraham Weintraub caiu, ontem, e ao cair gravou ao lado do presidente um vídeo no qual Jair Bolsonaro parecia ausente. Não à toa. O dia foi tomado pelo noticiário da prisão de Fabrício Queiroz, o ex-PM amigo da família que, feito assessor, coordenou o esquema de desvio de dinheiro público no gabinete do então deputado estadual Flavio Bolsonaro. Esquema que pode se tornar fatal para o governo. Queiroz estava na casa em Atibaia de Frederick Wassef, o advogado da família, o que reforça o elo. E, por também ter movimentação atípica em suas contas, há um mandado de prisão contra Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz. Ela é considerada foragida pela polícia e já havia dito que se esconderia caso tivesse prisão decretada. (G1)

A situação que mais preocupa o Planalto é justamente a prisão dos familiares. A primeira coisa que Queiroz fez, quando os policiais entraram na casa, foi perguntar por Márcia, sua mulher, e Nathalia, sua filha. Nathalia já vem ameaçando entregar o esquema caso algo ocorra com ela ou com seu pai. (Antagonista)

Márcia, aliás, está recebendo auxílio emergencial. (Congresso em Foco)

De acordo com os promotores, Queiroz gerenciava os recursos que angariava entre os salários dos funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro. Uma parte ele transferia em depósitos fracionados para as contas do hoje senador, ou então pagava despesas pessoais. Estão sendo analisados 116 boletos distintos de plano de saúde e mensalidades escolares da família do filho Zero Um, quitados em espécie aparentemente por Queiroz. A polícia do Rio tem um vídeo no qual o ex-assessor faz estes pagamentos. Outra linha de investigação avalia o relacionamento entre Queiroz e o capitão Adriano da Nóbrega, miliciano PM cuja mulher e filha foram assessoras de Flávio. Adriano morreu nas mãos da polícia baiana, no ano passado. (Estadão)

O MP do Rio estima que Adriano transferiu mais de R$ 400 mil para as contas de Queiroz. (Antagonista)

Dentre os motivos que levaram o juiz Flávio Itabaiana a requisitar a prisão, está um áudio de WhatsApp enviado por Queiroz, conta Bela Megale. “Avisa pro doutor aí, se quiser algum contato pessoal com a cúpula de cima, faz contato, valeu?” Mas não é só. A mulher de Queiroz teria recebido R$ 174 mil em dinheiro, de origem desconhecida, para tratar no Hospital Albert Einstein do câncer do marido. (Globo)

Só em sua live das noites de quinta-feira é que Bolsonaro se manifestou. “Deixo bem claro, não sou advogado do Queiroz e não estou envolvido nesse processo. Mas Queiroz não estava foragido e não havia nenhum mandado de prisão contra ele. Mas foi feita uma prisão espetaculosa. Ele já deve estar no Rio de Janeiro, assistido pelo seu advogado, que a Justiça siga o seu caminho. Mas parecia que estavam prendendo o maior bandido da face da terra”, afirmou. Assista. (YouTube)

No vídeo em que estava emocionado perante um Bolsonaro frio, o agora ex-ministro da Educação Abraham Weintraub anunciou sua saída. “Sim, dessa vez é verdade”, afirmou, “estou saindo do MEC e eu vou começar a transição agora. Nos próximos dias passo o bastão ao ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou definitivo. Neste momento não quero discutir os motivos da minha saída. Não cabe.” O principal objetivo do governo é evitar atritos com o Supremo, num momento delicado. Weintraub foi indicado para um cargo de diretoria no Banco Mundial, em Washington. Assista. (Poder 360)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, foi questionado sobre a indicação. “No Banco Mundial?”, respondeu com rosto irônico. “É porque não sabem que ele trabalhou no Banco Votorantim, que quebrou em 2009 e ele era um dos economistas do banco.” (Istoé)

Vídeo: Assista à coletiva de Maia.

Talvez seja breve. Segundo o Banco Mundial, o mandato de Weintraub dura até outubro. (Globo)

Merval Pereira: “O ‘physique du rôle’ do advogado Frederick Wassef o faria um ator indicado para filmes de gângster. Bonequinhos do mafioso Tony Montana, do filme Scarface, com roteiro de Oliver Stone, decorarem uma prateleira apoiando um cartaz a favor do AI-5, é só um detalhe a mais. Têm um simbolismo banal, mas muito expressivo. Contra as bravatas do presidente Bolsonaro, fatos. A ligação de Queiroz com o advogado Wassef, que se gaba de ser amigo íntimo do presidente e de seus filhos, só confirma os laços de juramento de sangue, bem ao estilo mafioso, que o une à família Bolsonaro.” (Globo)

Eliane Cantanhêde: “A pergunta não é mais onde está o Queiroz, mas onde está Jair Bolsonaro. Com Fabrício Queiroz preso, Frederick Wassef desmascarado, a pressão de STF, TSE, TCU, Congresso, Justiça do Rio e movimentos pró-democracia, a situação do presidente da República vai se tornando insustentável. Cresce o alívio em setores governistas que se decepcionaram com Bolsonaro e agora trabalham pela ascensão do vice Hamilton Mourão. Neste caso, estão militares da ativa e da reserva. O temor desses setores era de que o torniquete fosse do TSE e estrangulasse a chapa Bolsonaro-Mourão, mas o cerco contra Bolsonaro, filhos, advogado e apoiadores mais radicais se fecha não no TSE, que pode cassar a chapa, mas no Supremo, onde as investigações envolvendo bolsonaristas de todos os tipos levam diretamente ao presidente e não há nada contra o vice.” (Estadão)

Meio em Vídeo: Queiroz preso, Weintraub demitido, STF atrás de quem faz fake news, TCU questionando militares no governo e até o governador do DF proibindo manifestação em frente ao Planalto. Tem muita coisa acontecendo e está difícil seguir todas as linhas? A gente explica como se encaixam. Assista.


O dinheiro vai acabar?

Tony de Marco

 
Novo-normal

Viver


O Brasil teve 1.204 novas mortes registradas em razão do novo coronavírus em 24 horas, mostra levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde. Com isso, são 47.869 óbitos pela Covid-19 e 983.359 casos confirmados, segundo os dados consolidados às 20h.

É o 3º dia consecutivo com mais de 1,2 mil mortes registradas no período de um dia. E apenas a 2ª vez que isso acontece desde o início da pandemia. Antes, houve registros acima desse patamar por 3 dias seguidos em 2, 3 e 4 de junho – neste último foi registrado o recorde até agora: 1.470 óbitos. (G1)

Os números totais são superiores aos divulgados mais cedo pelo Ministério da Saúde: 978.142 pessoas contaminadas e 47.748 óbitos. O número de mortes registradas foi de 1.238. (Uol)

O Brasil multiplicou por cinco o seu total de mortes por Covid-19 no intervalo de apenas um mês. Mais uma marca dramática atingida pela pandemia no país. Na terça-feira (2), o país passou a marca de 30 mil óbitos. Em 2 de maio, o relatório diário da OMS mostrava que o Brasil tinha 5,9 mil mortes pela doença. (BBC)

Outra marca trágica atingida pelo país foi ter passado a Itália e ter se tornado o segundo país no mundo com mais mortos pela Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos. Em número de casos, o Brasil também está em segundo lugar como mostra um painel global da universidade Johns Hopkins.

Pois é... estudo publicado na revista norte-americana New England Journal of Medicine (NEJM) sugere que o grupo sanguíneo é um dos fatores que influem na grande variabilidade da infecção. A “forte associação” é, neste caso, a conclusão estatística após analisar regiões genéticas de 1.980 pessoas internadas nas UTIs e compará-las às de 2.205 indivíduos que não tinham tido a doença. Pessoas com sangue tipo A têm 50% mais risco de precisar de apoio respiratório em caso de infecção por coronavírus do que a média de doentes. As do tipo zero (também chamado de tipo O), 35% menos. (El País)

E entenda os riscos da retomada das aulas em setembro, na Espanha. Segundo especialistas, colocar 20 crianças numa sala de aula implica em 808 contatos cruzados em dois dias.

Em um Maracanã vazio, com as vozes dos atletas em campo ecoando pelo estádio, o Flamengo venceu o Bangu por 3 a 0 na reabertura do Estadual do Rio. No dia em que o Rio de Janeiro passou a marca de 8,4 mil mortes por Covid-19, registrando o terceiro maior número de óbitos em um único dia desde o início da pandemia. Não teve troca de abraços na comemoração do gol de Arrascaeta, o primeiro no futebol brasileiro em três meses. (Folha)

Enquanto isso, os times paulistas, apesar da volta anunciada para daqui a 12 dias, começaram a testar seus elencos na expectativa que a medida do governo possa ser revogada. A Federação Paulista de Futebol tenta convencer o governador de São Paulo a antecipar a data de retorno dos treinos para segunda-feira (22).

Cotidiano Digital


Os EUA e Europa podem entrar em uma guerra comercial sobre taxação digital. Os europeus prometeram que até o fim do ano vão criar um imposto para as big techs. A resposta foi aos americanos, que abandonaram as discussões iniciadas pela OCDE e ainda ameaçaram medidas retaliatórias caso a Europa levasse o plano adiante. O governo Trump tem reclamado que companhias americanas americanas, como Facebook, Google e Amazon, serão as mais afetadas. No começo deste mês, os EUA chegaram a abrir investigações comerciais para elevar tarifas de importação de países que adotarem taxas digitais, incluindo o Brasil. Já a Europa, vê a criação do tributo como fonte de renda para a reconstrução da economia pós-pandemia. A OCDE calcula que a taxa digital mundial poderá render US$ 100 bilhões para os países.

O 5G atingirá 190 milhões de assinaturas em todo o mundo até o final de 2020, de acordo com a Ericsson. São 30 milhões de dispositivos acima da sua previsão feita em novembro. Esse aumento vem, principalmente, da Coréia do Sul e da China. A região deve ser responsável por quase 90% de todas as assinaturas até o final do ano.

Por falar em 5G… Os EUA flexibilizaram o veto e, agora, as empresas americanas podem trabalhar com a Huawei na definição de padrões para rede.

Cultura


Na programação do Sesc, transmitida pelo YouTube e pelo Instagram, hoje tem show de Carlos Careqa com Mário Manga, amanhã a Besta Fera de Jards Macalé e, no domingo, a voz de Vanessa Moreno. Em teatro, Rodrigo França lê Contos Negros do Brasil hoje e, no domingo, Mariana Lima adapta o monólogo Cérebro|Coração. Amanhã, às 16h20, tem show da cantora e compositora Linn da Quebrada na plataforma digital do Teatro de Contêiner Mugunzá.

Daqui a pouco, às 12h, a fundação argentina arteBA promove um debate sobre feiras de arte em tempos de pandemia com a participação de Fernanda Feitosa, diretora da SP-Arte. A curadora e ativista Naine Terena fala amanhã sobre arte indígena em live da Pinacoteca. Na quinta, às 16h, o Instituto Tomie Ohtake recebe em seu Instagram o artista Nu Barreto, de Guiné-Bissau, no contexto do projeto Experiências Negras. João Bosco faz hoje, às 16h, um show no Instagram da União Brasileira de Compositores. Um pouco depois, às 17h, o Museu do Amanhã e a Globonews transmitem pelo YouTube uma entrevista com Gilberto Gil. Para a turma da noite, às 20h30, tem o samba de Jorge Aragão. Para essas e outras dicas culturais, assine a newsletter da Bravo.

Duas fotografias de uma pintura de Van Gogh, roubada em março, foram encontradas. Um detetive particular suspeita que as imagens tenham circulado num esforço para encontrar um potencial comprador.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



19 de junho de 2020
Consultar edições passadas