Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



7 de agosto de 2020
Consultar edições passadas

Prezadas leitoras, caros leitores —

Há alguns meses a ideia seria impensável. Mas o Partido Democrata é favorito para fazer o novo senador do Arizona. Tem fortes chances no Colorado, em Montana, Iowa, Carolina do Sul e Maine. Talvez, até, em dois dos mais republicanos estados que há — Kansas e Alabama. Seria impensável há alguns meses, mas a repulsa à presidência Donald Trump pode levar os EUA a um quadro no qual os democratas comandem Câmara, Senado e Casa Branca.

A nova direita populista e autoritária chega ao segundo semestre em seu pior momento desde que iniciou sua ascensão no mundo. É verdade que Andrzej Duda venceu sua reeleição, na Polônia. Mas, naquele que possivelmente é o país mais conservador da Europa, Duda venceu num pleito muito apertado. Na vizinha Hungria, Viktor Orbán, que havia recebido do Parlamento plenos poderes em março, teve de cedê-los de volta em junho. Na Itália, o Senado votou para tirar do líder de extrema-direita Matteo Salvini sua imunidade parlamentar. Foi, também lá, apertado o voto. Mas Salvini será julgado por detenção ilegal de imigrantes. Ele está mais exposto. Mais fraco.

A força internacional de seu movimento é importante para dar solidez a Jair Bolsonaro. Conforme os principais líderes se enfraquecem fora, principalmente nos EUA, ele se torna mais fraco aqui dentro. E este é o tema da edição deste sábado do Meio: o pior momento da nova direita desde seu início.

Os assinantes premium recebem esta edição. A assinatura não custa quase nada — são R$ 10. E, neste tempo em que a publicidade está em baixa, é o que mantem o Meio de pé. Assine. Ajude o Meio a atravessar a pandemia.

— Os editores


Brasil chega este fim de semana às 100 mil mortes


Tocar a vida. Após as quase 100 mil mortes, que possivelmente o Brasil baterá nos próximos três dias, foi o que disse o presidente brasileiro. “A gente lamenta todas as mortes, está chegando a 100 mil, vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar desse problema”, afirmou o mandatário em transmissão ao vivo no Facebook.

Mais cedo, ao assinar medida provisória que abre crédito extraordinário de R$ 2 bilhões para viabilizar compra, processamento e distribuição de 100 milhões de doses de vacina contra a Covid-19, Bolsonaro disse que está com a consciência tranquila. “Junto com os meios que nós temos, temos como realmente dizer que fizemos o possível e o impossível para salvar vidas, ao contrário daqueles que teimam em continuar na oposição, desde 2018”, disse o presidente. O recurso será destinado à Fundação Oswaldo Cruz, que negocia acordo para incorporar a tecnologia e produzir a vacina do laboratório AstraZeneca e da Universidade de Oxford.

Mas é a vacina da farmacêutica chinesa Sinovac, que firmou parceria com o Butantan, que avançou mais um passo. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou ser possível ter uma vacina contra a Covid-19 em produção em outubro. A indústria chinesa terá a patente do coronavírus atenuado e o Butantan terá a integralidade do estudo clínico. Segundo Monica Bergamo, uma equipe de ponta do Instituto Butantan se prepara para viajar à China para visitar os pesquisadores. Vale lembrar que ainda não existe vacina aprovada.

O que levou à uma ponderada do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Armando Medeiros. Ele afirmou que o compromisso da pasta “é com a saúde pública brasileira”. Ele acrescentou que o governo está “disposto a conversar, avançar e adquirir as vacinas que chegarem primeiro”.

O país registrou 1.226 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 98.644 óbitos. Com isso, a média móvel de novas mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 1.038 óbitos, uma variação de -2% em relação aos dados registrados em 14 dias. Em casos confirmados, já são 2.917.562 brasileiros com o novo coronavírus desde o começo da pandemia, 54.801 desses confirmados no último dia.

Enquanto isso, pesquisadores estão encontrando padrões e conclusões extraídas de dados que poderão ajudar a personalizar os tratamentos de acordo com cada indivíduo, reduzindo os sintomas ou mesmo derrotando o vírus antes que ele tenha a chance de forçar demais o sistema imunológico. Este é um dos mais complexos mistérios biológicos da pandemia do coronavírus e que começa a ser desvendado: por que algumas pessoas adoeceram gravemente, enquanto outras tiveram rápida recuperação? Ao que tudo indica, o vírus enlouquece o sistema imunológico de alguns pacientes. Incapazes de ordenar às células e às moléculas certas que rechaçam o invasor, os organismos dos infectados lançam mão de todo um arsenal que pode provocar o caos em tecidos saudáveis. “É um enigma”, disse Avery August, imunologista da Cornell University. “Há esta reação imunológica enfurecida, mas o vírus continua se replicando”.

O momento das células T? No momento, não existem respostas. Segundo estudos recentes, uma grande parte da população - 20% a 50% das pessoas dependendo da localidade geográfica - pode ter algum tipo de imunidade celular contra o Sars-CoV-2 mesmo sem ter contraído o vírus. Provavelmente retardatárias de brigas passadas com outros coronavírus relacionados, essas células T, uma classe específica, são um grupo excepcionalmente exigente e que intriga especialistas. Por outro lado, existem muitos tipos de células T, e todas operam como parte de um complexo sistema imunológico. Ao contrário dos anticorpos, que são proteínas inanimadas que circulam frequentemente no sangue, as células T são células vivas que frequentemente se rompem em tecidos de difícil acesso. Isso as torna muito mais difíceis de extrair, manter e analisar. (New York Times)

A corrida pela vacina

Tony de Marco

 
Corrida-pela-vacina

Política


Se as eleições presidenciais fossem hoje, Jair Bolsonaro chegaria à frente no primeiro turno, com 38% dos votos. Uma vantagem de 24 pontos sobre o petista Fernando Haddad, que teria 14%. Em terceiro estaria Sérgio Moro, com 10%, então Ciro Gomes, com 6%. Luiz Henrique Mandetta teria 5%; João Doria, 4%; e Flávio Dino, 3%. É cedo, evidentemente, para prever 2022. Mas, de acordo com o PoderData, num segundo turno Bolsonaro venceria Haddad com conforto, por 42% a 34%. O mesmo não se daria se o adversário fosse Moro — é que 62% dos eleitores de Haddad votariam no juiz da Lava Jato, caso ele chegasse ao segundo turno. Neste cenário, a eleição é imprevisível. Bolsonaro e Moro empatam em 41% das preferências. (Poder 360)

Merval Pereira: “A eleição presidencial de 2022 pode ser a mais interessante dos últimos tempos, pelo menos em termos de sociologia política. Poderão se enfrentar nas urnas o ex-juiz Sérgio Moro, que condenou Lula, o ex-presidente, que teria conseguido deixar de ser ‘ficha-suja’, e o presidente Bolsonaro, adversário circunstancial de Moro e inimigo figadal de Lula. Está nas mãos do Supremo o destino do quebra-cabeças eleitoral que definirá a corrida presidencial de 2022, que já está em curso. A situação é mais do que retórica, é real, a começar pela possibilidade, cada vez mais concreta, de o ex-juiz Sérgio Moro ser considerado parcial nos julgamentos em que o ex-presidente Lula foi condenado. Caso seja considerado suspeito pela Segunda Turma, o processo do triplex do Guarujá, o único em que Moro foi responsável por condenar o petista, será anulado, o que provavelmente levará à anulação de outros dois processos, o do sitio de Atibaia, em que Lula foi condenado pela Juíza Gabriel Hardt, e o do Instituto Lula, que está em andamento com o Juiz Luiz Antonio Bonat.” (Globo)

Paulo Guedes, para investidores americanos: “Só peço que vocês sejam gentis, pois nós somos muito gentis. Nós entendemos sua preocupação. Tendo vivido tudo o que vocês viveram, vocês querem nos poupar de destruir nossas florestas, como vocês destruíram as de vocês. Vocês querem nos poupar de perseguir índios, nativos. Nós entendemos isso.” (G1)

O Senado aprovou um projeto de lei que limita a 30%, durante o período de calamidade pública, os juros anuais de cartão de crédito e cheque especial. No caso de fintechs, poderia chegar a 35%. De acordo com o Banco Central, o rotativo do cartão estava em 300,3% e, o do cheque especial, em 110,2%. O projeto ainda precisa ser aprovado pela Câmara. (UOL)

Por ordem do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, foi levado em prisão temporária o secretário estadual de Transportes paulista, Alexandre Baldy. Baldy comprou este ano uma casa no valor de R$ 7,6 milhões, em Brasília, além de um avião. O juiz enxergou, nas transações que levaram aos negócios, ‘operações suspeitas de empréstimo’. De acordo com Bretas, não foi na gestão paulista que foram detectadas irregularidades, mas sim nas ações de Baldy como secretário no governo Marconi Perillo, em Goiás, e depois como ministro, durante a gestão Michel Temer. O secretário se licenciou do cargo por 30 dias. (UOL)

Aliás... Baldy é grande amigo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sendo padrinho de seu filho caçula, de acordo com Lauro Jardim. (Globo)

Cultura


Eis que sextou. Para celebrar 78 anos, Caetano Veloso realiza a aguardada primeira live da quarentena hoje, às 21h30, com transmissão pelo Globoplay. Em formação reduzida e sem plateia, a Osesp volta à Sala São Paulo neste fim de semana para transmitir ao vivo concertos com obras de Beethoven. Hoje, Wagner Polistchuk rege a Abertura Leonora nº 1 e a Sinfonia nº 7; amanhã, Emmanuele Baldini conduz a Abertura Coriolano e a Sinfonia nº 5. Na programação do Sesc, transmitida pelo YouTube e pelo Instagram, hoje tem show de Leandro Lehart; amanhã, de Russo Passapusso e, no domingo, de Flávio Venturini. Em teatro, os monólogos A Frasqueira de Jacy, com Quitéria Kelly, e O Livro, com Eduardo Moscovis, serão apresentados hoje e domingo, respectivamente. No sábado, o Grupo de Câmara da Petrobras Sinfônica apresenta o Septeto de Beethoven na programação digital da Sala Cecília Meireles. Em apoio ao baterista pernambucano Hugo Carranca, que enfrenta batalha contra um tumor no cérebro, diversos artistas reúnem no sábado no festival Festival #RecuperaCarranca, com transmissão pelo Showlivre. Para mais dicas culturais, assine a newsletter da Bravo.

A diversidade do cinema nacional é celebrada no primeiro cinema ao ar livre gratuito de São Paulo. O Drive-in Paradiso está localizado no estacionamento da Assembleia Legislativa e as sessões acontecem aos sábados e domingos. As entradas são limitadas a 100 carros e é preciso reservar com antecedência. Conheça o projeto que tem a curadoria de Marina Person. No sábado, às 18h, será a vez de Turma da Mônica: Laços. Reservas consultadas para este fim de semana estão esgotadas.

Em meio à pandemia de Covid-19, os eventos drive-in são a aposta cultural para quem quer se distrair respeitando o distanciamento. E existem opções para quem pode desembolsar. Confira.

Voltando ao cinema nacional, o site IndieWire listou a obra de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles como um dos candidatos fortes ao Oscar 2021. Apesar de ter sido lançado por aqui em 2019, Bacurau só estreou no cenário comercial dos EUA no comecinho de 2020, antes de a pandemia se agravar e as salas fecharem. A crítica é só elogios para a produção, destacando o seu "espírito maravilhoso e louco".

Para quem não viu, o filme está disponível no Telecine.

Aliás... estreou o documentário O Vampiro de Niterói. Seis episódios sobre um dos mais conhecidos serial killers brasileiros: Marcelo Costa de Andrade, que confessou, em 1991, ter assassinado mais de dez meninos. A série, disponibilizada no YouTube e Uol Play, reconta a história da investigação do caso, que causou comoção no Brasil dos anos 1990.

A Disney+, serviço de streaming da Disney, pode chegar ao Brasil por R$ 29 ao mês. A informação é do site Guia Disney Plus Brasil, que recolheu relatos de usuários nos Estados Unidos que tentaram criar uma conta com dados do Brasil. A empresa ainda não anunciou nem a chegada e nem o preço de maneira oficial.

Cotidiano Digital


A Microsoft está negociando a compra global do TikTok. Segundo o Financial Times, a companhia americana expandiu seus planos para além dos EUA e quer incluir também no processo de aquisição todos os países em que o app opera. O plano não inclui China, onde o app é controlado pela Douyin. Donald Trump assinou decreto de que, caso não sejam vendidos até o prazo de 15 de setembro, o TikTok e o WeChat serão banidos do país. Segundo o CNBC, só a aquisição da operação americana poderia chegar a US$ 30 bilhões. Mas mesmo com a compra global, a Microsoft ainda vai ter que enfrentar o desafio de dividir a base dados do TikTok da sua controladora chinesa ByteDance, o que poderia levar de cinco a oito anos.

A compra global poderia resolver o problema do TikTok, que está sendo bloqueado em vários países além dos EUA. O app já foi banido em Hong Kong e Índia, e está em discussão no Japão, Austrália, Indonésia e Paquistão.

Enquanto isso… Os seus concorrentes fazem a festa. Snapchat e Instagram são alguns que lançaram recentemente ferramentas iguais do TikTok.

O Twitter vai começar a marcar contas de pessoas e mídias ligadas ao Estado. A novidade, por enquanto, será para os cinco membros permanentes da ONU: China, França, Rússia, Reino Unido e EUA. Mas vai ser expandida aos poucos. O objetivo é para melhorar o uso da rede social na comunicação entre governantes e a população. Mas não será aplicada para Chefes de Estado, já que já são bem reconhecidos.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



7 de agosto de 2020
Consultar edições passadas