Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



10 de setembro de 2020
Consultar edições passadas

Governo federal pressiona supermercados por aumentos


O governo federal notificou as principais empresas e associações ligadas à produção e distribuição de alimentos da cesta básica para que se expliquem a respeito do aumento de preços. Supermercados e produtores terão que listar quais os produtos da cesta básica que tiveram maior variação no último mês e os três itens com maior reajuste. A notificação foi feita pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), ligada ao Ministério da Justiça, para investigar qualquer abuso nos aumentos. A associação de supermercados, no entanto, nega ser a vilã e diz que o problema está ligado ao excesso de demanda e à falta de oferta. (G1)

Pois é… Supermercados já começaram a limitar a compra de arroz. (Agora)

O arroz, leite longa vida e óleo de sojaacumulam aumento de preço de cerca de 20%, embora a inflação só tenha crescido 0,70% de janeiro a agosto. Puxado pela alta nos preços de alimentos e da gasolina, o IPCA subiu 0,24% em agosto, o maior avanço para o mês desde 2016. (Globo)

O governo decidiu que vai aplicar tarifa zero de importação nesses produtos até o final do ano. Mas, segundo Gabriel Viana, analista da consultoria Safras & Mercado, a isenção não vai gerar queda relevante no curto prazo. A cotação do dólar e os preços internacionais fariam a saca importada chegar ao Brasil com o mesmo valor pago pela produção nacional. (Valor)

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, ordenou o cumprimento de 50 mandados de busca e apreensão contra inúmeros escritórios de advocacia pelo país. Foram delatados por Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio no estado. Segundo o MPF do Rio, pelo menos R$ 151 milhões foram pagos para obter facilidades em processos no Conselho Fiscal do Sesc Nacional, no TCU e no Judiciário. Entre os investigados estão Cristiano Zanin e Roberto Teixeira, defensores de Lula, e Frederick Wassef, ex-advogado de Bolsonaro. (Consultor Jurídico)

Uma operação do Ministério Público do Distrito Federal esta manhã investiga supostas fraudes na compra de equipamentos médicos na capital. Ao todo, estão sendo cumpridos 46 mandados judiciais no Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás. (Metrópoles)

O presidente americano Donald Trump tinha plena consciência da gravidade que o novo coronavírus representaria para seu país neste ano. “Você apenas respira o ar e é assim que ele passa”, afirmou em uma entrevista gravada ao jornalista Bob Woodward. “É traiçoeiro, muito delicado. É também mais mortal do que a pior das gripes.” Publicamente, porém, Trump tratava com desdém. “Sempre quis minimizar”, explicou ao repórter em outra entrevista. “Não quero criar um pânico.” Ainda em janeiro, o presidente ouviu de seu assessor de segurança nacional: “esta será a crise mais dura que você enfrentará.” As revelações fazem parte de Rage, o novo livro de Woodward, um dos dois jornalistas responsáveis pela queda de Richard Nixon. Em campanha, o adversário democrata, Joe Biden, já está no ataque. “Ele mentiu para o povo americano”, afirmou num discurso. “Ele mentiu conscientemente sobre o risco ao qual o país foi apresentado por meses. É um ato de traição num tema de vida e morte.” (Washington Post)

Chris Cillizza, editor da CNN: “É incrível que Trump tenha dito que esta é uma de 18(!) entrevistas que ele concedeu a Woodward. E que as entrevistas foram gravadas com sua permissão. Por que o presidente daria tanto acesso a Woodward? Woodward fez seu nome quando descobriu o esquema criminoso conhecido por Watergate. Nos últimos anos, têm escrito livros que narram a história dos presidentes enquanto ocupam o cargo. Quando ele diz que gostaria de escrever a seu respeito, você se sente lisonjeado. E vê a oportunidade de, se convencer Woodward de que a cobertura a seu respeito é injusta, então talvez a história sobre sua presidência seja reescrita.” (CNN)

Merval Pereira: “Entre nós, brasileiros, é brutal o efeito colateral da revelação do jornalista Bob Woodward de que Trump já sabia da gravidade da Covid-19. Nosso ‘Trump dos trópicos’, acreditando nas declarações oficiais de seu ídolo, garantia por aqui: ‘Vão morrer alguns [idosos e pessoas mais vulneráveis] pelo vírus? Sim, vão morrer. Se tiver um com deficiência, pegou no contrapé, eu lamento.’ Bolsonaro não apenas defendeu o uso da cloroquina quanto tomou o medicamento. Trump também disse que tomava preventivamente, mas não é possível saber até onde vai a verdade e onde começa a mentira. Se os americanos estão revoltados com seu presidente, o que dizer do nosso, que seguiu os passos de Trump toda a pandemia e acreditou em tudo o que ele dizia, sem a menor noção do que estava acontecendo. Trump fingiu-se de ignorante para obter benefícios políticos. Bolsonaro é um ignorante convicto.” (Globo)

Viver


Os incêndios florestais que atingem há semanas os estados da Califórnia, Oregon e Washington deixaram o céu de parte da Costa Oeste dos Estados Unidos laranja. Isso acontece em regiões próximas a grandes incêndios porque partículas de fumaça começam a se assentar e bloqueiam os raios solares. Essa é uma das consequências dos diversos focos de queimadas que vêm se espalhando rapidamente pelos três estados americanos, destruindo casas e forçando milhares de pessoas a deixarem a área. Veja o vídeo.

Céu apocalíptico. Foi como a imprensa chamou o fenômeno. O Serviço Nacional de Meteorologia da Baía de São Francisco informou que a tendência é que o céu fique ainda mais escuro e a qualidade do ar piore à medida que mais fumaça suspensa na atmosfera desça. Nas redes sociais, circularam imagens de ontem.

O Brasil chegou a 128.653 mortes e 4.199.332 casos confirmados de coronavírus. A média móvel de mortes registrou queda de 25% pelos critérios do consórcio. Apesar das 1.136 mortes registradas em 24 horas, o país segue em tendência de queda considerando a média móvel.

O anúncio da paralisação da fase 3 de testes da vacina da farmacêutica AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, repercutiu mundialmente. Desde a terça-feira, políticos brasileiros e instituições de saúde se manifestaram acerca do tema e consideram as próximas ações sobre a corrida para a vacina.

Mas o que se sabe sobre as suspensão dos testes da vacina de Oxford? A AstraZeneca disse que é incorreto relacionar a suspensão a um caso de mielite transversa, síndrome inflamatória que afeta a medula espinhal. O presidente da AstraZeneca, Pascal Soriot, citou que a voluntária teve sintomas associados à mielite, mas que o diagnóstico ainda estava em investigação. Não foi a primeira paralisação dos estudos da vacina. A AstraZeneca informou que os estudos foram pausados em julho após um voluntário apresentar sintomas de doença neurológica. Depois de exames e de uma investigação independente, foi descoberto que o paciente tinha um quadro ainda não diagnosticado de esclerose múltipla.

Não há previsão de quando os testes devem ser retomados. Pacientes já vacinados continuarão sendo acompanhados pelos pesquisadores. Porém, segundo uma reportagem do Financial Times, os testes com a vacina poderão ser retomados na próxima semana. A informação foi atribuída pelo jornal a pessoas ligadas aos ensaios clínicos. De acordo com resultados preliminares das fases 1 e 2, publicados em 20 de julho, a vacina é segura e induziu resposta imune no corpo dos voluntários. Nestas duas primeiras etapas, que foram conduzidas simultaneamente no Reino Unido, as pesquisas tiveram 1.077 voluntários.

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde, Soumya Swaminathan, alertou que não acredita que as possíveis vacinas estejam disponíveis para a população em geral em menos de dois anos, embora os primeiros grupos de risco possam ser imunizados a partir de meados de 2021. Na semana passada, uma porta-voz da OMS, Margaret Harris, tinha dito que não esperava uma vacinação generalizada “antes de meados de próximo ano”. Naquela ocasião, a OMS considerou alentador que várias vacinas estejam na fase 3 de estudos, mas alertou que “ainda há um trecho a percorrer”. Ao mesmo tempo, uma publicação confirmava que a vacina russa apresentava “resultados esperançosos”.

Miguel Nicolelis, cientista, sobre a relação da política com a ciência: “No Brasil e no mundo todo ela é tensa, sempre foi tensa. Veja o que aconteceu nos Estados Unidos. O Dr. [Anthony] Fauci [chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas] primeiro se transformou em herói nacional. Mas quando ele começou a falar coisas que iam contra a experiência política do [presidente Donald] Trump, ele basicamente foi afastado da linha de frente, sumiu, não dá mais entrevistas para as grandes TVs americanas. Foi criada uma tensão do que a ciência preconiza e do que a experiência política deseja. Isso é bem diferente da Alemanha, onde o cientista-chefe do Instituto Robert Koch diz que vai dormir e acorda com a [chanceler federal] Angela Merkel ao telefone. Por isso fiquei surpreso quando os nove governadores do Nordeste decidiram criar esse comitê e o fato de que, seis meses depois, ainda estamos aqui. Mas não é fácil, evidentemente, porque a experiência política sempre tem prioridade. Só que quando a política bate de frente com a biologia, a biologia ganha de goleada. Repito isso sempre. Às vezes funciona, mas nem sempre é trivial convencer um gestor de que certas coisas têm de ser feitas”. (BBC)

Hora de Panelinha no Meio. E vamos falar de ensopados, que são sempre um hit, mas sem carne. Quando quiser um ensopado quentinho mas sem carne, pode experimentar o ensopado de quiabo ou o de abobrinha. Para uma versão bem diferente, experimente o curry de chuchu com maçã ou ainda o ensopado vegetariano, que leva um punhado de especiarias. Aliás, um cardápio para quem quer diminuir o consumo de carne, mas não sabe por onde começar.

Cultura


A monarquia britânica está temporariamente transformando Sandringham Estate em um cinema drive-in. Localizada em Norfolk, a rainha Elizabeth II herdou o local do pai, o rei George VI, após sua morte em 1952. É onde ela passa suas férias com o príncipe Philip. Os participantes, provavelmente, não verão a família real, que se hospedou no Castelo de Windsor durante a pandemia.

Em Sandringham, os espectadores assistirão a uma lista de filmes com muita música, com exceção de 1917. Os outros incluem Rocketman (2019), Toy Story (1995), The Greatest Showman (2017), Bohemian Rhapsody (2018), Moana (2016), Grease (1978) e A Star Is Born (2018). De acordo com o The Hollywood Reporter, a série drive-in começa às 17h na sexta-feira, 25 de setembro, e continua até domingo, 27 de setembro.

Cotidiano Digital


O Fortnite prepara uma nova série de shows até o final do mês. A primeira performance será do rapper Dominic Fike no dia 12 de setembro e as seguintes serão anunciadas em breve. Os shows serão gravados pelos artistas dentro de um estúdio novo em Los Angeles construído especificamente para apresentações dentro do jogo. A ideia do game é futuramente se tornar uma parada “obrigatória” dentro da agenda de apresentações dos artistas.

Aliás… A briga entre o app e a Apple continua. A big tech respondeu à ação feita pela Epic Games e acusou na Justiça a desenvolvedora do Fortnite de fraude e quebra de contrato. A Apple ainda pede uma indenização pelos valores perdidos nas transações no jogo por fora da App Store.

O Fortnite já tem sofrido com a disputa: um terço dos seus jogadores no mundo vem do sistema iOS e desses já perdeu 60% com a exclusão na App Store.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



10 de setembro de 2020
Consultar edições passadas