Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



14 de setembro de 2020
Consultar edições passadas

Bolsonaro veta perdão de dívida de igrejas e pede derrubada do veto


Conforme pedido pelo Ministério da Economia, o presidente Jair Bolsonaro vetou, ontem, o perdão a dívidas tributárias acumuladas por igrejas. A medida, aprovada pelo Congresso Nacional, inclui esquecer R$ 868 milhões que não foram pagos à previdência. O veto, porém, não ocorreu por o presidente discordar do projeto. De acordo com sua assessoria, ele cometeria crime de responsabilidade caso sancionasse o texto como ficou. Bolsonaro foi ao Twitter se explicar. Ele afirma considerar “absurdas” as multas às igrejas. “Confesso, caso fosse deputado ou senador, por ocasião da análise do veto, votaria pela derrubada”, disse na sequência. E se aprovasse o texto, segundo ele, poderia sofrer impeachment. Mas os parlamentares não sofrem este risco. (G1)

A extensa aliança que dá sustento à candidatura do atual prefeito Bruno Covas à reeleição, em São Paulo, é prenúncio da campanha eleitoral de 2022. O discurso exalta a política, alianças partidárias e moderação. São, ao todo, nove legendas que saíram em apoio, incluindo MDB, DEM, Cidadania e PV. É o mesmo grupo que o governador João Doria, tucano como Covas, espera ter ao seu lado para disputar o Planalto. (Folha)

Então... O mesmo se dá com outro candidato na briga pela prefeitura paulistana, o ex-vice-governador Márcio França, do PSB. Este fim de semana ele recebeu apoio do PDT. A mesma formação, que também inclui o Solidariedade, ocorrerá nas candidaturas em Porto Alegre, Fortaleza e Rio Branco. (BR Político)

Aliás... A ex-prefeita Marta Suplicy deixou o Solidariedade. Ela optou por apoiar a candidatura de Covas, em São Paulo. (Terra)

Também foram lançados oficialmente a prefeito, em SP, Jilmar Tatto (PT), Antonio Carlos (PCO) e Marcos Costa (PTB). A principal candidatura pela esquerda deverá ser a de Guilherme Boulos, do PSOL, que será oficializada amanhã. (Estadão)

No Rio de Janeiro, são candidatos Luiz Lima (PSL). Martha Rocha (PDT) e Suêd Haidar (PMB). Mas a disputa deverá ficar entre o atual prefeito, Marcelo Crivella, e o ex, Eduardo Paes.

Então... Crivella conta com o apoio da família Bolsonaro, mas está envolvido em um escândalo de corrupção crescente.

A relação do prefeito com o empresário Rafael Alves, que seria responsável por um QG da Propina dentro do governo, está sendo investigada pelo Ministério Público. Os procuradores têm em mãos mensagens em que Alves pede a Crivella para não demolir a casa do senador Romário, construída irregularmente, e é prontamente atendido. Este QG da Propina teria carta branca para extorquir empresários. (G1)

Sérgio Abranches: “O que a pandemia fez foi acentuar o crescimento da desigualdade que já estava associada à globalização recente, mas isso aumenta a consciência de que há um fosso que precisa ser eliminado. Pessoas que tiveram que recorrer ao mesmo tipo de assistência médica que os pobres viram o que é a vida da maioria. Ela também produziu uma solidão forçada, que não é por escolha individual. Com isso, interrompe o isolamento social voluntário e cria mais laços de solidariedade. Isso ajuda a espanar a polarização ideológica e deixar claro que nem tudo que a esquerda diz que se deve ter, como o gasto público em saúde, é mau. A pandemia torna a sociedade mais amigável a uma outra visão, de oposição a esses governos de extrema direita. Ela também chama atenção para que o isolacionismo não tem cabimento nessa situação. O governo brasileiro vinha memetizando os EUA e rejeitando tudo o que é chinês, e de repente tem que cooperar com a China na questão da vacina. Aí é uma dúvida, porque os partidos estão todos oligarquizados. Mesmo no Brasil, onde estamos supostamente com um comando ultraliberal na economia, ficou claro que o consenso pela austeridade sem limites se rompeu. E não é voltarmos ao Estado de bem-estar anterior, porque ele não responde mais à crise da rede de proteção social, que foi pensada para um tipo de trabalhador que está deixando de existir. A rede não alcança esse mundo da economia do conhecimento, que não tem o mesmo vínculo empregatício nem o mesmo horizonte de trabalho que tinha o trabalhador anterior. No Brasil, acho que o alarme ainda não soou suficientemente forte. Não há essa noção de que tem um inimigo da democracia que é comum a todos e que a ideia é restaurar as condições de competição democrática de ideias. Nos EUA, acho que há. A convenção do Partido Democrata mostrou a tentativa de uma coalizão ampla dentro do partido.” (Globo)

Viver


Os testes da vacina contra Covid-19 desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford em parceria com o laboratório sueco AstraZeneca, que estão na última fase, serão retomados hoje no Brasil. No sábado, a farmacêutica anunciou a retomada geral dos testes, mas não detalhou as conclusões sobre o caso de efeitos adversos em uma voluntária.

Entre os 5 mil voluntários que participam da pesquisa no Brasil, uma voluntária que recebeu duas doses da vacina falou à CNN. “Eu já tomei a segunda dose [da vacina de Oxford], anteriormente seria só uma, mas ampliaram para duas. Quando eles viram que tinha uma situação que estava fora da conformidade científica, eles interromperam para que pudessem avaliar se tinha relação com a vacina. A partir do momento que eles estão retomando, a gente se sente seguro. É uma confiança na ciência e na produção científica”.

Pois é... um estudo da Universidade de Yale detectou sequelas no cérebro de infectados pelo novo coronavírus. “Este vírus tem muitos mecanismos de evasão. É uma espécie de infecção silenciosa”, disse Akiko Iwasaki, uma das pesquisadoras, ao New York Times. O estudo ainda passará por uma revisão por outros pesquisadores antes de ser publicado.

Enquanto isso, Israel fará um novo confinamento, com duração de três semanas, anunciou ontem o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. A medida entra em vigor na sexta-feira, em época de alta temporada de feriados judaicos. A taxa de infecções em Israel voltou a subir nas últimas semanas.

Por falar em casos, o número diário aumenta em grande velocidade há várias semanas na Europa, particularmente na Espanha e na França. Na sexta-feira, os 55 membros da União Europeia registraram 51.000 novos casos, número superior ao alcançado nos picos de abril, segundo dados da OMS. Mesmo assim, o número diário de mortes pela Covid-19 se manteve entre 400 e 500, como no início de junho.

Hans Kluge, diretor europeu da OMS, declarou que a pandemia do novo coronavírus vai ser “mais difícil em outubro e novembro”, período em que os registros diários de mortes devem aumentar, complementou.

O Brasil registrou 389 mortes pela Covid-19 confirmadas nas últimas 24 horas, chegando ao total de 131.663 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de novas mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 711 óbitos, uma variação de -18% em relação aos dados registrados em 14 dias. No número de casos, foram 14.294 foram confirmados no último dia, uma variação de -32% em relação aos registrados em 14 dias segundo a média móvel. São 4.330.152 brasileiros com o novo coronavírus desde o começo da pandemia.

Pois é... a pandemia fez os transplantes de órgãos registrarem queda de 61% no Brasil. Com a diminuição, cresceram 44,5% as mortes de pacientes cadastrados na fila de espera entre os dois períodos em todo o país.

E em dia de forte calor, praças e ruas ficaram cheias novamente em São Paulo. Mesmo no inverno, a cidade registrou no domingo 32,4ºC às 14 horas. No sábado, São Paulo registrou a tarde mais quente do ano, quando a medição apontou a média da temperatura máxima de 34,1º. Na casa dos 38°C, as praias do Rio de Janeiro voltaram a ficar lotadas. Ficar na areia continua proibido.

Um cemitério a céu aberto no Pantanal. Na companhia de biólogos que atuam no salvamento de animais, o Estadão esteve em áreas às margens da estrada com dezenas de serpentes carbonizadas. A única estratégia para poupar vidas de animais que ainda não foram consumidos pelas chamas é espalhar alimentos e água por locais estratégicos. São as ONGs, entidades empurradas por trabalhos de voluntários, que mais se dedicam à tarefa. As chamas ainda avançam nos últimos redutos de onças no Pantanal. Veja o vídeo.


Lewis Hamilton alcançou outra marca histórica e fez a festa na casa da principal rival da Mercedes ao conquistar sua vitória 90ª na F1. O hexacampeão está a apenas um triunfo de igualar o recorde de Michael Schumacher. No pódio, ele fez seu protesto: “Prendam os policiais que mataram Breonna Taylor”, dizia a camisa.

Enquanto isso, no futebol, Neymar foi expulso da partida entre o PSG e o Olympique de Marselha após ser chamado de “macaco” zagueiro Álvaro González. O jogador deixou o campo furioso e denunciou o espanhol de racismo. No Twitter, o brasileiro se manifestou sobre o caso.

Cultura


Pois é... a estreia de Mulan, da Disney, não foi bem na China. Arrecadou U$ 23,2 milhões.  Ao todo, Mulan está em 17 mercados, acumulando U$ 37,6 milhões até agora. A empresa não divulgou dados de audiência.

Dirigido por Niki Caro, o live-action traz a popular atriz chinesa Liu Yiefei no papel principal. No final do ano passado, Mulan tornou-se objeto de controvérsia depois que Liu expressou seu apoio à força policial de Hong Kong durante manifestações. Seus comentários provocaram uma reação acalorada nas redes sociais sob a hashtag #BoycottMulan. Nas últimas semanas, a campanha online foi retomada.

Mudando de assunto, o Hulu está se preparando para lançar I Am Greta, um documentário que acompanha a ativista Greta Thunberg enquanto a visibilidade internacional sobre suas ações aumenta. Veja o trailer. A estreia será no dia 13 de novembro.

Cotidiano Digital


O SoftBank anunciou a venda da britânica Arm Holdings para a empresa norte-americana de chips Nvidia numa operação de US$ 40 bilhões. O preço também reflete o desempenho aquém do potencial da empresa britânica sob o guarda-chuva do grupo japonês. Para a Nvidia, que recentemente ultrapassou a Intel para se tornar a fabricante de chips mais valiosa do mundo, o negócio consolidará ainda mais sua posição no centro da indústria de semicondutores.

A Oracle diz por aí que ganhou um acordo para gerenciar as operações de nuvem do TikTok nos Estados Unidos. Os rumores de que a Oracle participaria do processo de licitação para adquirir o serviço existiam, mas o The Wall Street Journal relatou que a empresa foi selecionada como uma “parceira de tecnologia”, o que é diferente de uma venda direta. A notícia de um acordo com a Oracle veio uma hora após a Microsoft anunciar que desistiu de adquirir o TikTok depois que sua oferta foi rejeitada pela ByteDance. A Oracle tem um histórico de colaboração com o governo dos Estados Unidos, o que torna sua parceria com o TikTok um movimento estratégico em meio à crescente oposição chinesa que atravessa a Casa Branca e o Congresso.

Aliás, Vanessa Pappas, que supervisiona os negócios da TikTok na América do Norte desde 2018, agora é chefe global interina da empresa. O seu perfil.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



14 de setembro de 2020
Consultar edições passadas