Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



9 de outubro de 2020
Consultar edições passadas

Prezadas leitoras, caros leitores —

Estamos tão habituados a cédulas de dinheiro que sequer nos tocamos que elas representam uma novidade relativamente recente no mundo. Vêm do século 17. E estão próximas da extinção. Por agora, mesmo, nas próximas décadas.

O Pix, que o Banco Central está para lançar em todo o país ainda este ano, é um dos muitos movimentos que culminarão com a digitalização do dinheiro. Mas não é só que o dinheiro se tornará digital e deixará de ser físico. Só nos últimos 30 anos, 600 moedas distintas despareceram. Não eram usadas por gente o suficiente ou foram devoradas por fenômenos como a inflação.

Hoje, o sistema financeiro como o entendemos é atrelado a países. O Brasil controla o real. Os EUA, seu dólar. Mas e quando moedas descoladas de países, como a bitcoin, começarem a se popularizar? O que realmente distingue bitcoin, ethereum ou ripple de reais e dólares quando todo o dinheiro que usarmos for digital?

Na China, afinal, mendigos já recebem esmolas por transferência via celular baseada em QR Codes.

O futuro próximo do dinheiro — assim como uma boa explicação de como o Pix funcionará — é o tema da edição deste sábado do Meio.

Assine.

Desinformação é um problema que afeta diretamente nossa sociedade. Ela está ligada à perda do hábito de se informar. Resulta na eleição de políticos extremistas, populistas. Em toda parte. O Meio busca contribuir para a solução deste problema organizando a imprensa de forma simples.

É a assinatura de vocês que financia o Meio. =)

— Os editores.

PS: Segunda-feira é feriado nacional. Como de praxe, o Meio circulará a partir de terça-feira.


Propaganda na TV dispara, hoje, eleição municipal


Começa, hoje, a campanha eleitoral no rádio e na TV para as eleições municipais. É, no Brasil, tradicionalmente quando as pessoas percebem que entramos em período eleitoral. Haverá dois blocos diários de dez minutos cada. No rádio ocorre às 7h e ao meio-dia. Na televisão será às 13h e às 20h30. Além destes períodos mais extensos, 70 minutos diários serão destacados a inserções curtas. 750 mil pessoas serão candidatas este ano. O primeiro turno está marcado para 15 de novembro e, o segundo, será no dia 29. (G1)

Celso Russomano, do Republicanos, lidera a segunda rodada do Datafolha para a prefeitura de São Paulo com 27% — dois pontos menos do que em 22 de setembro, mas dentro da margem de erro. O tucano e atual prefeito Bruno Covas tem 21% e, Guilherme Boulos do PSOL, 12%. (Folha)

Pois é... No PT, o ambiente é de preocupação. Seu candidato, Jilmar Tatto, aparece com 1%, lá atrás. “A gente pode ganhar em mil prefeituras”, comentou com Lauro Jardim um cacique. “Mas se o desempenho em São Paulo for pífio e ficarmos atrás de Boulos, o nosso retrato nos jornais será o do fracasso.” (Globo)

No Rio de Janeiro, o ex-prefeito Eduardo Paes, do DEM, disparou na frente. Tem 30% das intenções, com o atual prefeito Marcelo Crivella, do Republicanos, com 14%. A ex-delegada pedetista Martha Rocha aparece em terceiro com 10% e, Benedita da Silva do PT, com 8%. (Folha)

Ao menos 45% dos cariocas ainda não escolheram candidato. Por isso, Paes tem posição de vantagem mas não consolidada. Caso a esquerda opte por um voto útil, se concentrando em uma das candidatas na frente, tem chances de tirar Crivella do segundo turno. Para o prefeito, seu grande desafio é defender a gestão que fez de forma a conseguir ir além de seu bolsão de apoio entre evangélicos. (Globo)

O prefeito Alexandre Kalil, do PSD, tem extensa folga no Datafolha de Belo Horizonte — 56%, o que pode leva-lo a uma vitória ainda no primeiro turno. João Vitor Xavier, do Cidadania, aparece com 6%. Áurea Carolina, do PSOL, e Bruno Engler, do PRTB, têm 3% cada. (Folha)

No Recife, a disputa é entre os herdeiros de Miguel Arraes. João Campos, do PSB, comanda as intenções de voto com 26% seguido de sua prima, a petista Marília Arraes, com 17%. O demista Mendonça Filho vem logo atrás, com 16%. João é filho do ex-candidato à presidência Eduardo Campos. (Folha)

Márcia Cavallari, presidente do Ibope, em entrevista a Guilherme Amado: “No geral, partidos de centro estão se saindo melhor. Eleição municipal é pragmática, o eleitor quer ver quem tem mais capacidade para resolver os problemas da cidade. Afeta o dia a dia do eleitor. O lixo recolhido na porta de casa, a creche, o transporte público. Os problemas são cotidianos. Tem chance menor de candidatos desconhecidos porque existe uma necessidade do conhecimento dos problemas da cidade. Os candidatos que conseguirem mostrar um domínio ou soluções que sejam factíveis entram com mais competitividade. O eleitor para prefeito não quer saber de plano salvador. Não adianta aparecer sem experiência, sem conhecimento.” (Época)

A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba respondeu ao presidente Jair Bolsonaro sobre sua extinção. “O apoio da sociedade, fonte primária do poder político, bem como a adesão efetiva e coerente de todos os Poderes da República, é fundamental para que esse esforço continue e tenha êxito.” Houve um extenso debate entre os procuradores antes de decidirem se responderiam ou não, conta Bela Megale. Temiam retaliação.

Então... O presidente Jair Bolsonaro demonstrou irritação, em sua live tradicional de quintas, com as críticas de seus eleitores. “Vejo aqui, na minha página de Facebook: ‘Bolsonaro nunca mais, você é corrupto!’ Posso falar palavrão aqui? Puta que o pariu, não fode, porra! Desculpa a linguagem aí. Fala merda o tempo todo, não sabe o que acontece, pô!” (BR Político)


Anvisa aprova rótulo e libera veneno

Tony de Marco

 
Anvisa

Viver


O país registrou 730 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 149.034 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 610, uma variação de -12% em relação aos dados registrados em 14 dias. Essa é a menor média desde 10 de maio. Apenas um estado apresenta indicativo de alta de mortes: Amapá. Em casos confirmados, 5.029.539 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 27.182 desses confirmados no último dia.

Apesar de os números indicarem a estabilização dos casos e das mortes ainda em patamares altos, o processo de reabertura e flexibilização do isolamento social segue em todo o país. Veja as regras de cada estado.

No mundo, o contágio ainda está acelerado. 338.779 novas infecções foram registradas ontem em 235 países, segundo a OMS. Renovou o recorde de casos diários que ocorreu menos de uma semana antes. Segundo a entidade, a alta foi puxada, principalmente, por um novo surto na Europa.

Mas a população está mais resistente à novas restrições. Chamada de “fadiga pandêmica” pela OMS, os países europeus têm sofrido com a falta de adesão às novas regras para conter uma segunda onda. Berlim voltou a restringir os horários de funcionamento de restaurantes e outros negócios. E a Itália tornou obrigatório o uso de máscaras.

Em Nova York, aconteceram protestos contra as regras que fecharam negócios não essenciais nas regiões do Queens e no Brooklyn. Resistentes às recomendações, as áreas judaicas ortodoxas têm sofrido com um número crescente de casos aumentando o risco de uma segunda onda na cidade que já foi o epicentro da pandemia nos EUA.

Sobre as vacinas… A AstraZeneca se comprometeu a não lucrar com sua vacina feita em parceria com Universidade de Oxford, mas esse acordo só deve valer até julho. Um memorando de entendimento entre a farmacêutica e a Fiocruz, mostra que o “Período Pandêmico” é definido como tendo fim em 1º de julho de 2021. O período poderia ser estendido, mas apenas se a “AstraZeneca agindo em boa-fé considerar que a pandemia da sars-cov-2 não acabou”. Mesmo as previsões mais otimistas consideram improvável que uma vacina aprovada tenha ampla disponibilidade para campanhas de vacinação pública antes de meados de 2021. Pelo acordo, fica ainda estabelecido que, se a vacina não der resultados, não haverá um reembolso.

Enquanto outra forte candidata, a farmacêutica americana Moderna disse que não vai registrar patente e vai permitir que outras companhias repliquem de graça sua vacina até o fim da pandemia.

O Nobel da Paz de 2020 foi para o Programa Mundial de Alimentos da ONU. A organização destacou o Programa “por seus esforços para combater a fome, por sua contribuição para melhorar as condições de paz em áreas afetadas por conflitos e por atuar como uma força motriz nos esforços para prevenir o uso da fome como arma de guerra e conflito.”

Um dos esqueletos mais completos de T-Rex do mundo, foi vendido por US$ 31,8 milhões. Stan, como foi batizado, tem quatro metros de altura e 12 metros de comprimento, pesou de sete a oito toneladas em vida. O leilão quebrou o recorde anterior que pertencia a Sue, outro T-Rex vendido em outubro de 1997 por US$ 8,4 milhões ao Museu Field de História Natural, de Chicago. Somente cerca de 50 fósseis de T-Rex foram encontrados no mundo desde 1902.

Cotidiano Digital


A Microsoft estabeleceu novas regras para suas lojas de aplicativos — ao todo, dez princípios. Não irá bloquear outras lojas em suas plataformas nem questionar os modelos de negócios que apps específicos optem por experimentar. Nenhum software vai ser impedido de circular pela escolha de cobrança por outros sistemas in-app. E quaisquer taxas cobradas serão razoáveis. Trata-se, evidentemente, de um ataque contra o Google e, principalmente, a Apple — que enfrenta críticas de práticas monopolistas por conta de suas práticas.

Pois é... Vem justamente na semana em que a Câmara dos Deputados americana acusou num extenso relatório suas quatro maiores concorrentes de práticas anticompetitivas. São Amazon, Apple, Facebook e Google. Tanto republicanos quanto democratas concordam no diagnóstico do problema — discordam é na solução. O relatório parlamentar recomenda leis que limitem que empresas comprem startups que sejam possíveis concorrentes. Ou, noutros casos, que grandes corporações digitais atuem em mercados nos quais suas plataformas possibilitam fácil dominância. Este é um dos pontos em que o Partido Republicano discorda. Não quer legislar sobre mercados.

Então... A maioria democrata fez o relatório oficial. Mas os republicanos racharam até entre si. Um relatório da minoria questiona apenas leis que mexam nos mercados. O outro quer o contrário. Quer leis que interfiram na moderação que plataformas como Google e Facebook fazem, pois as acusam de um viés anti-direita.

Enquanto isso... A IBM será dividida em duas. Por decisão própria. Após deixar negócios como o dos PCs e o dos chips, ao longo dos anos, a companhia vai se tornar duas. Uma, que vem sendo chamada NewCo por enquanto, tocará infraestrutura e serviços e deve ter uma faturamento inicial de US$ 19 bilhões ao ano. A outra, que manterá o nome IBM, oferecerá serviços de nuvem com faturamento de US$ 59 bilhões.

Cultura


Programação para o fim de semana. A Companhia do Latão apresenta hoje, às 21h, a peça Lugar Nenhum, que será transmitida pelo YouTube a partir do Sesc Ipiranga. Baseada em notas de trabalho de Tchekhov, a trama acompanha a crise de uma atriz e de um cineasta durante a redemocratização brasileira.

Sob a regência de Cláudio Cruz, a Osesp interpreta hoje obras de Beethoven e Villa-Lobos, acompanhada do pianista Nahim Marun e do violoncelista Raïff Dantas Barreto. O compositor alemão também está no programa que a Filarmônica de Minas Gerais apresenta amanhã, com participação da soprano Camila Titinger. O compositor e violonista Guinga ocupa o YouTube do Banco do Brasil com uma série de shows e masterclasses: no sábado, ele comenta a obra de Villa-Lobos e Tom Jobim, enquanto, na quinta, toca acompanhado por Cíntia Graton e Marcus Tardelli. A partir de terça, a Fundação Clóvis Salgado inicia uma programação digital focada em ópera. com seminários, palestras, exposições e vídeos sobre a música lírica. No mesmo dia começa a Festa Literária da Penha, a Flipenha, que em sua 3ª edição homenageia as escritores Ruth Guimarães e Gabriela Mistral.

Na quarta, o artista Maxwell Alexandre conversa com a jornalista Carol Anchieta em live da Fundação Iberê Camargo. Na quinta, a revista Zum promove o encontro entre a artista Bárbara Wagner e a curadora Solange Farkas. Mais de 40 galerias participam da 10ª ArtRio, principal feira de arte carioca que, nesse ano, terá edição presencial (na Marina da Glória) e online. As visitas começam na quarta-feira. Até o dia 19, a artista Sandra Antunes Ramos exibe trabalhos recentes na exposição virtual Quadriculado, apresentada na Galeria Millan. Os trabalhos sobre papel combinam elementos geométricos e estudos de cor.

Até quinta, o festival Olhar de Cinema exibe diversos filmes nacionais e estrangeiros online. Entre os destaques está Sertânia, novo longa do veterano Geraldo Sarno. De 14 a 18 de outubro, acontece o POADOC, o festival de documentário de Porto Alegre. Confira a programação. Para mais dicas culturais, assine a newsletter da Bravo.

O Nobel de Literatura de 2020 foi para a poeta americana Louise Glück por sua “inconfundível voz poética que, com austera beleza, faz da existência individual universal”. Segundo a Academia, a autora busca o universal, e para isso se inspira em mitos e motivos clássicos, presentes na maioria das suas obras. Glück estreou na literatura em 1968 e é autora 12 coletâneas de poemas e de alguns volumes de ensaios sobre o fazer poético.

Sem livros publicados no Brasil, leia dois dos seus poemas traduzidos.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



9 de outubro de 2020
Consultar edições passadas